119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com

 
 
Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Trotsky Mentiu

Atualizado: Fev 19

  • A personalidade e os escritos de Leon Trotsky têm sido um ponto de partida para os anticomunistas em todo o mundo. Mas, durante a década de 1930, Trotsky mentiu deliberadamente em seus escritos sobre Joseph Stalin e a União Soviética.


  • Meu novo livro, Amálgamas de Trotsky, discute algumas mentiras de Trotsky que enganam as pessoas e desmoralizam comunistas honestos por décadas.


  • Em janeiro de 1980, o Arquivo Trotsky da Universidade de Harvard foi aberto a pesquisadores. Dentro de alguns dias, Pierre Broué, o principal historiador trotskista de sua época, descobriu que Trotsky havia mentido. Trotsky sempre negou que qualquer "bloco de opositores" clandestino, incluindo trotskistas, existisse na União Soviética.


  • Trotsky chamou isso de "amálgama", significando uma invenção de Stálin. Esse “bloco” foi o foco principal do segundo e terceiro Julgamentos de Moscou, de janeiro de 1937 e março de 1938. Broué mostrou, a partir de cartas no Arquivo Trotsky, do próprio Trotsky e de seu filho Leon Sedov, que o bloco existia.


  • Em 1985, o historiador americano Arch Getty descobriu que o Harvard Trotsky Archive havia sido purgado de materiais incriminadores, mas purgado imperfeitamente. Getty também encontrou evidências de que Trotsky realmente havia mantido contato com alguns de seus ex-apoiadores dentro da União Soviética. Trotsky sempre negou veementemente isso, alegando que cortou todos os laços com aqueles que "capitularam" com Stálin e renunciaram publicamente a seus pontos de vista trotskistas. Mais uma vez, Trotsky estava mentindo. Em 2010, o pesquisador sueco Sven-Eric Holmström publicou um artigo sobre a questão "Hotel Bristol" no Primeiro Julgamento de Moscou, em agosto de 1936. Nele, Holmström prova que Trotsky também foi envolvido.


  • Em 2005, comecei a estudar sistematicamente todas as acusações contra Stálin e Beria que Nikita Khrushchev fez em seu infame "Discurso Secreto". Descobri que nenhuma das chamadas "revelações" de Khrushchev pode ser suportada por essas evidências. Mas durante a década de 1930 Trotsky fez o mesmo tipo de acusações contra Stálin que Krushchev mais tarde fez. O fato de Khrushchev não ter feito nada além de mentir sugeria que Trotsky também poderia ter mentido. Graças a Broué e Getty, eu já sabia que Trotsky havia mentido sobre alguns assuntos muito importantes.


  • Qualquer detetive, em qualquer história de mistério, sabe que se um suspeito mentiu sobre alguns assuntos importantes, ele deveria se perguntar: no que mais essa pessoa está mentindo?


  • Comecei a estudar seus escritos para determinar quais declarações de Trotsky poderiam ser testadas. Onde quer que eu tivesse evidências independentes para verificar a veracidade de qualquer acusação feita por Trotsky contra Stálin, descobri que Trotsky estava mentindo – de novo. Hoje eu tenho tantas evidências que nem mesmo um livro inteiro chega perto de conter tudo. Portanto, haverá mais dois volumes sobre as mentiras de Trotsky. O segundo volume será publicado no início de 2017.


  • Entre setembro de 2010 e janeiro de 2013, pesquisei e escrevi um livro sobre o assassinato em 1º de dezembro de 1934 de Sergei Mironovich Kirov, Primeiro Secretário do Partido de Leningrado. Esse livro, O assassinato de Sergei Kirov, foi publicado em junho de 2013. O assassinato de Kirov é a chave para a alta política soviética do resto da década de 1930: os três julgamentos públicos em Moscou de agosto de 1936, janeiro de 1937 e março de 1938, frequentemente chamado "Show Trials"; o expurgo militar ou "caso Tukhachevsky" de maio e junho de 1937; e a Ezhovshchina de julho de 1937 a outubro de 1938, que estudiosos anticomunistas chamam de "Grande Terror", depois de um livro desonesto de Robert Conquest.


  • Trotsky também escreveu sobre a investigação do assassinato de Kirov. Ele os fez a partir dos artigos da imprensa comunista francesa e soviética que lia. Descobri que Trotsky mentia sobre o que via nesses artigos, acerca da investigação de assassinato de Kirov. Trotsky inventou uma história de que Stálin e seus homens foram responsáveis ​​pela morte de Kirov. Mais uma vez, Trotsky mentiu sobre os artigos que leu no jornal comunista francês Humanité e nos jornais soviéticos de língua russa, aos quais Trotsky teve acesso apenas alguns dias após sua publicação em Moscou.


  • As mentiras de Trotsky teriam sido imediatamente percebidas para qualquer um que colocasse os artigos de Trotsky lado a lado com os artigos de jornais franceses e russos que ele lera e que alegava estar estudando e analisando de perto. Parece que ninguém nunca fez isso – até agora. O resultado foi que a versão falsificada de Trotsky do assassinato de Kirov – que Stalin e o NKVD haviam matado Kirov – foi retomada não apenas pelos seguidores de Trotsky, mas por Nikita Khrushchev.


  • Em seu "Discurso Secreto" completamente fraudulento, Khrushchev deu credibilidade adicional à história de "Stálin matou Kirov". Krushchev e seus porta-vozes provavelmente tiraram isso diretamente de Trotsky. A história de Trotsky de que "Stálin matou Kirov" passou de Khrushchev para acadêmicos propagandistas anticomunistas como Robert Conquest e muitos outros.


  • No final dos anos 80, os homens de Mikhail Gorbachev tentaram e falharam em encontrar evidências nos arquivos soviéticos para apoiar essa história.


  • Aleksandr Iakovlev, conselheiro ideológico de Gorbachev, enviou-os de volta aos arquivos para tentar novamente. Mais uma vez, a equipe de pesquisa do Politburo não encontrou qualquer evidência que sugerisse que Stálin havia matado Kirov. A história da fabricação de "Stálin matou Kirov" é um bom exemplo de como várias mentiras deliberadas de Trotsky foram retomadas por anticomunistas soviéticos como Khrushchev e Gorbachev e por anticomunistas pró-capitalistas no Ocidente.


  • No meu novo livro Amálgamas de Trotsky, mostro descobertas e discuto várias outras mentiras deliberadas de Trotsky sobre Stálin e a URSS. Todos eles foram adotados pelos anticomunistas e pelos trotskistas. No segundo e terceiro volumes deste trabalho, discutirei as conspirações de Trotsky com sabotadores e fascistas dentro da URSS e com os nazistas e os militaristas japoneses.


  • No início de 1937, Trotsky conseguiu convencer John Dewey, o famoso educador e vários outros, a realizar audiências, supostamente para determinar se as acusações levantadas contra Trotsky nos julgamentos de Moscou em agosto de 1936 e janeiro de 1937 eram verdadeiras. A Comissão concluiu devidamente que Trotsky era inocente e que os julgamentos de Moscou constituíam uma armação. Estudei cuidadosamente as mil páginas dos materiais da Comissão Dewey. Descobri que a Comissão era desonesta e chocantemente incompetente. Cometia erros após erros de mero raciocínio lógico. De grande interesse é o fato de Trotsky ter mentido para a Comissão Dewey muitas vezes. A Comissão Dewey não poderia ter declarado Trotsky "inocente" se os membros da Comissão soubessem que Trotsky estava mentindo para eles. Desejo mencionar brevemente mais duas seções do meu livro. Eles são: meu projeto para averiguar – isto é, verificar – o testemunho dos julgamentos de Moscou; e meu exame dos erros que a maioria dos leitores da história soviética comete, erros que os tornam incapazes de entender o significado das evidências que temos agora.


  • O testemunho dos réus nos três julgamentos públicos de Moscou é universalmente declarado falso, forçado, realizado contra homens inocentes pela promotoria, pela NKVD, por "Stálin". Nunca houve um pingo de evidência para apoiar essa noção. No entanto, isso é firmemente afirmado por TODOS os especialistas na história soviética, bem como por todos os trotskistas. Graças aos anos de identificação, pesquisa, localização, obtenção e estudo de fontes primárias, percebi que agora existem evidências suficientes para testar muitas das declarações feitas pelos réus dos julgamentos de Moscou. Dedico os primeiros doze capítulos das Amálgamas de Trotsky a uma verificação cuidadosa de muitas das declarações dos réus dos julgamentos de Moscou. Descobri que, sempre que podemos checar uma alegação de fato feita por um réu nos julgamentos de Moscou contra evidências independentes agora disponíveis, acontece que o réu do julgamento de Moscou estava dizendo a verdade.


  • Trotsky, Krushchev e seus homens, “especialistas” soviéticos da Guerra Fria, Gorbachev e seus homens, e os acadêmicos de hoje nos estudos soviéticos, todos alegaram ou alegam que os Julgamentos são uma armadilha. Eu provo pela evidência de que eles estão errados.


  • O testemunho dos julgamentos de Moscou é o que afirma ser: declarações que os acusados ​​escolheram fazer. Verifico isso com muita evidência de fora dos próprios julgamentos e mesmo fora da União Soviética. Esta é uma conclusão importante. Esse resultado, por si só, desmente o "paradigma anti-Stálin" da história soviética. Também contribui para refutar a versão de Trotsky da história soviética, uma versão em que o movimento trotskista em todo o mundo continua acreditando e se propagando hoje. Aqueles de nós – pesquisadores, ativistas e outros – que desejam descobrir a verdade sobre a história soviética do período de Stalin, e não apenas tentar confirmar nossas ideias preconcebidas sobre o assunto – estamos na posse de vários resultados que derrubam completamente o paradigma anti-Stálin da convenção da história soviética.


  • Isso inclui os seguintes fatos:


  • • O fato de Nikita Khrushchev ter mentido sobre todas as acusações que fez contra Stalin (e Lavrentii Beria) em seu "Discurso Secreto", que abalou o mundo, no XX Congresso do PCUS em fevereiro de 1956. Isso significa claramente que os pesquisadores de Khrushchev não encontraram verdadeiros "crimes" que Stálin - ou Beria - haviam cometido, e, por isto, foram reduzidos à fabricação.

  • • O fato que, apesar de uma pesquisa minuciosa e demorada dos arquivos em 1962-1964, a “Comissão Shvernik” de Khrushchev não encontrou nenhuma evidência para sugerir que os réus dos julgamentos de Moscou ou os réus do “caso Tukhachevsky” fossem vítimas de uma "armação" ou mentiram em suas confissões de qualquer maneira.

  • O fato que nem os pesquisadores de Gorbachev e Eltsin, nem os pesquisadores anticomunistas, que tiveram amplo acesso aos antigos arquivos soviéticos, foram capazes de encontrar qualquer evidência para contestar as conclusões do assassinato de Kirov, os julgamentos de Moscou, ou os expurgos militares.


  • O fato que o testemunho nos julgamentos de Moscou foi, em geral, verdadeiro.


  • • O fato que Ezhov e seus lacaios sozinhos, e não Stalin e seus apoiadores na liderança soviética, foram responsáveis pelos assassinatos em massa de julho de 1938 a novembro de 1939, conhecidos pelos estudiosos como "Ezhovshchina" e pelos propagandistas anticomunistas como "o Grande Terror".

  • • O fato que, em seus escritos sobre a URSS durante o período após o assassinato de Kirov, Trotsky mentiu várias vezes para encobrir suas conspirações.

  • • O fato que a maioria dos estudiosos de hoje do período de Stálin na URSS estarem a fim de enganar seus leitores. Mas eles fazem isso de uma maneira que só pode ser descoberta por um estudo muito próximo e detalhado de suas fontes.


  • O trotskismo é consistentemente parasitário, sempre ligado teoricamente ao anticomunismo convencional. Aqui está um exemplo: Em uma recente revisão do livro Stálin, num site socialista e trotskista, ferrenhamente antiestalinista (o site em questão: wsws.org), o historiador e revisor trotskista da Stephen Kotkin, da Universidade de Princenton, se refere com elogios às declarações antiestalinistas de Oleg Khlevniuk, que é chamado de “respeitado historiador russo”

  • (https://www.wsws.org/en/articles/2015/06/04/kot4-j04.html).


  • Khlevniuk é um anticomunista fanático e também um mentiroso muito flagrante em seus escritos. Khlevniuk é uma referência no antiestalinismo e a wsws.org é uma típica publicação trotskista anti-Stálin; portanto, os trotskistas “confiam” num dos principais mentirosos anticomunistas do mundo de hoje. Enquanto isso, os principais estudos anticomunistas vêm se baseando nos escritos do próprio Trotsky há décadas.


  • Trotsky, obviamente, sabia que estava mentindo sobre os seguintes pontos:


  • Sobre o "bloco direitista, trotskista, zinovievistas e outros oposicionistas";

  • Sobre seu próprio envolvimento no assassinato de Sergei Kirov em dezembro de 1934;

  • Sobre sua conspiração com os conspiradores militares do "Caso Tukhachevsky" por um golpe de Estado contra o governo de Stálin e pela facada nas costas do Exército Vermelho durante uma invasão da Alemanha ou do Japão;

  • Sobre sua conspiração com os nazistas e os militaristas japoneses;

  • Sobre conspirar com fascistas e seus próprios seguidores na URSS para sabotar a indústria, o transporte e as minas.

  • Sobre as acusações e as confissões dos réus nos julgamentos de Moscou, que Trotsky sabia serem verdadeiras.

  • Trotsky sabia que mentia, repetidamente, repetidas vezes, em seu Boletim da Oposição. Trotsky sabia e repetia essas mentiras para a Comissão Dewey.

  • A GUERRA CIVIL ESPANHOLA

  • E Trotsky sabia que mentia para seus próprios seguidores, incluindo seus seguidores mais próximos como Andres Nin, Erwin Wolf e Kurt Landau. Nin fora um dos assistentes políticos mais próximos de Trotsky. Supõe-se que Nin tenha rompido com Trotsky em 1931. Mas, em 1930, Nin escreveu, em um jornal trotskista, que os seguidores soviéticos de Trotsky que haviam retratado suas visões trotskistas e jurado lealdade à linha do Partido Comunista, o fizeram de maneira desonesta. Eles haviam feito isso para permanecer no Partido, para que pudessem continuar recrutando outros para suas conspirações secretas.


  • Portanto, embora Nin tenha rompido abertamente com o movimento trotskista no sentido organizacional, suas ações na Espanha sugerem que essa era uma cobertura para manter uma conexão secreta com Trotsky.


  • Os comunistas espanhóis e o NKVD soviético na Espanha também suspeitavam disso. Nin tornou-se um dos líderes do POUM, um partido anti-soviético e anti-Stálin muito amigável para Trotsky. Erwin Wolf foi para a Espanha como representante político de Trotsky. Ele o fez para liderar uma "revolução" contra a República Espanhola – bem no meio de uma guerra com os fascistas espanhóis, que foram auxiliados por Hitler e Mussolini. Nin e Wolf corriam esses riscos porque acreditavam que Trotsky era inocente das acusações feitas contra ele nos julgamentos de Moscou. Eles pensaram que Trotsky, não Stálin, era o verdadeiro comunista e o verdadeiro revolucionário. Consequentemente, eles pensaram que estavam indo para a Espanha para fazer o que Lênin gostaria que fosse feito.


  • Em maio de 1937, uma revolta contra o governo republicano espanhol estourou em Barcelona. POUM e os trotskistas espanhóis participaram entusiasticamente dessa revolta. Parece que Nin, Wolf e Landau pensaram que esse poderia ser o começo de uma revolução no estilo bolchevique, sendo eles como Lênin, o POUM como partido bolchevique, o governo republicano como capitalista e os comunistas espanhóis e soviéticos como falsos socialistas ou como Alexander Kerensky! A "Revolta dos Dias de Maio em Barcelona" foi uma facada violenta nas costas contra a República Espanhola durante a guerra. Foi suprimido em menos de uma semana. Depois disso, a polícia espanhola e o NKVD soviético caçaram os trotskistas e a liderança do POUM. Andres Nin foi certamente sequestrado, interrogado e depois morto pelos soviéticos e pela polícia espanhola. Provavelmente o mesmo aconteceu com Landau e Wolf.


  • Os soviéticos sabiam então o que sabemos hoje: que Trotsky estava conspirando com os alemães, os japoneses e os militares do "Caso Tukhachevsky". Mas Nin e Wolf certamente não sabiam disso. Eles acreditavam nas profissões de inocência de Trotsky. Se Andres Nin, Erwin Wolf e Kurt Landau soubessem o que Trotsky sabia, e o que sabemos agora, teriam ido à Espanha para tentar executar as instruções de Trotsky? Impossível! Portanto, Trotsky enviou esses homens a uma situação extremamente perigosa, mentindo para eles sobre suas próprias atividades e objetivos, e sobre o que Stálin estava fazendo. E isso lhes custou a vida. O mesmo vale para todos os trotskistas que foram executados na própria União Soviética. Evidentemente, havia centenas deles. Todos eles apoiaram Trotsky porque acreditavam na sua versão da história soviética, e havia sido convencido pelos escritos de Trotsky de que Stálin estava mentindo, que os Julgamentos de Moscou eram uma armação e que o regime de Stálin havia abandonado o objetivo da revolução socialista mundial. Esses homens e mulheres não teriam seguido Trotsky se ele não tivesse mentido para eles.


  • No primeiro capítulo de Amálgamas de Trotsky, examino os erros que a maioria dos estudantes da história soviética, incluindo profissionais acadêmicos, cometem quando confrontados com evidências de fontes primárias. A verdade é que muito poucas pessoas, incluindo historiadores profissionais, sabem como examinar evidências históricas.

  • Pouquíssimos marxistas sabem como é um exame materialista da evidência ou são capazes de reconhecer ou criticar um argumento idealista quando confrontados com um. Esses erros não são apenas erros de “negação” por pessoas que não desejam que seus preconceitos pró-Trotsky ou anti-Stálin sejam refutados. A maioria ou todos esses mesmos erros são cometidos por pessoas pró-Stalin e antirrevisionistas. Os argumentos anticomunistas têm sido tão esmagadores.


  • As mentiras de Trotsky que Pierre Broué e Arch Getty descobriram há 30 anos foram ignoradas. Este fato em si merece explicação.


  • Ao longo das décadas de 1980 e 1990, Broué continuou a encontrar e escrever sobre mais mentiras de Trotsky. Mas o tempo todo ele continuou negando que essas mentiras tivessem alguma importância. Broué também ignorou as duas descobertas de Getty. Primeiro, que o Arquivo Trotsky havia sido "expurgado" de materiais incriminadores. Segundo, que Trotsky realmente havia mantido contato com opositores como Radek, com quem jurou ter rompido todos os laços. Vadim Rogovin, o principal historiador trotskista da União Soviética da era Stálin, concordou com o encobrimento de Broué e também apresentou algumas mentiras. Os trotskistas e os propagandistas da guerra fria continuam ignorando completamente as descobertas de Broué ou ecoando a afirmação de Broué de que essas mentiras eram de pouca importância. Podemos entender por que eles fazem isso.


  • O fato de Trotsky mentir desmantela o que chamo de "paradigma anti-Stálin": as versões anticomunistas e trotskista da história soviética da Guerra Fria. Trotsky, é claro, teve que mentir. Ele estava executando uma conspiração séria para se livrar de Stálin, em conjunto com muitos apoiadores da União Soviética e do Partido Bolchevique e em conluio com a Alemanha nazista, o Japão militarista, a Inglaterra e a França. Uma conspiração requer sigilo e mentira. Mas quem, acima de tudo, Trotskyestava enganando? Não Stálin e o governo soviético. Eles sabiam que ele estava mentindo. A conclusão é inevitável: Trotsky estava mentindo para enganar seus próprios partidários! Eles eram as únicas pessoas que acreditavam no que Trotsky escreveu.


  • Eles acreditavam que Trotsky era o verdadeiro leninista de princípios que ele afirmava ser, e que Stálin era o mentiroso. Isso custou a vida da maioria de seus apoiadores dentro da União Soviética quando o trotskismo foi proibido como traição no Estado soviético por causa da conspiração de Trotsky com a Alemanha e o Japão. Isso levou os seguidores de Trotsky fora da União Soviética a passarem suas vidas em devoção a um homem que estava, de fato, fazendo exatamente o que o promotor soviético e os réus do Julgamento de Moscou alegaram que ele estava fazendo.


  • A figura de Leon Trotsky lança uma sombra gigante sobre a história da União Soviética e, portanto, sobre a história do mundo no século XX. Trotsky foi a figura de oposição mais significativa – de fato, a única – de destaque nas disputas entre facções que abalaram o Partido Bolchevique durante a década de 1920. Foi nos anos 20 que Trotsky atraiu para si o grupo de pessoas que formaram a Oposição Unida e cujas conspirações causaram tantos danos irreparáveis ​​ao Partido, ao Comintern e ao movimento comunista mundial.


  • CONCLUSÕES


  • O que significa o fato de Trotsky mentir, de Khrushchev também mentir, e de que esses fatos foram ignorados por tanto tempo?


  • O que isso significa para a principal questão que enfrentamos hoje e bilhões de trabalhadores no mundo? Quero dizer a questão de por que o glorioso movimento comunista internacional do século XX entrou em colapso; o movimento que há 70 anos, triunfante na Segunda Guerra Mundial, na revolução comunista chinesa, nos movimentos anticoloniais ao redor do mundo... o mesmo movimento parecia estar equilibrado, parecia que iria pôr fim ao capitalismo no mundo, e traria a vitória do socialismo internacional.


  • Como convencemos trabalhadores, estudantes e outros que sabemos por que o antigo movimento comunista fracassou e que aprendemos o que precisamos fazer de maneira diferente para evitar repetir essas falhas no futuro? Nós devemos estudar esta questão. Também precisamos discuti-lo – para entreter e debater pontos de vista diferentes e informados.


  • Portanto, temos que defender o legado do movimento comunista internacional durante o período de Lênin e, principalmente, durante o tempo de Stálin. Ao mesmo tempo, devemos ser destemidamente críticos, para descobrir quais erros eles cometeram e para não cometer os mesmos erros novamente. Na minha opinião – e espero que seja sua também – descobrir as razões do colapso do glorioso movimento comunista internacional do século XX é a questão histórica e teórica mais importante para todas as pessoas exploradas hoje, a grande maioria da humanidade.


  • Para ter alguma esperança de resolvê-lo, devemos pensar com ousadia: "vá para onde ninguém foi antes". Se fingirmos que "Marx e Engels tiveram todas as respostas" ou "Lênin teve todas as respostas" (muitos trotskistas, é claro, acreditam que "Trotsky tinha todas as respostas") – se acreditamos nisso, então estamos garantidos, na melhor das hipóteses, muito aquém do que eles alcançaram.


  • Marx disse que grandes eventos históricos ocorrem duas vezes "a primeira vez como tragédia, a segunda vez como farsa". A tragédia do movimento comunista internacional do século XX foi que, finalmente, fracassou. A menos que descubramos onde eles deram errado, estamos fadados a ser a "farsa". E isso seria um crime político – NOSSO crime. Portanto, temos que olhar com um olhar crítico para TODO o nosso legado. O ditado favorito de Marx era: "De omnibus dubitandum" – "Questione tudo". Marx seria a última pessoa no mundo a se excluir desse questionamento.


  • A história não pode ensinar lições diretamente. E história não é teoria política. Mas se fizermos as perguntas certas, a história pode nos ajudar a respondê-las. Enquanto isso, todos devemos divulgar em todos os lugares e de todas as formas possíveis, como Khrushchev, Gorbachev e Trotsky mentiram – com evidências, como comprovadamente mentiram – e, além do mais, que todos os "especialistas" anti-Stálin e anticomunistas ungidos por universidades e pesquisas de institutos burgueses também estão mentindo.


  • Precisamos salientar que o único caminho a seguir é construir um novo movimento comunista para se livrar do capitalismo. E para fazer isso, precisamos aprender com os sucessos heróicos, bem como com os erros trágicos, dos bolcheviques durante o período em que a União Soviética foi liderada por Josef Stálin. Minha esperança e meu objetivo é contribuir, por meio de minhas pesquisas, para este projeto que é tão vital para o futuro dos trabalhadores em todos os lugares. Obrigado.


  • Grover Furr é Professor, da Universidade Estadual de Montclair, Montclair, NJ 07043 EUA.


  • O discurso acima é uma apresentação no 7º Fórum Mundial de Socialismo, Centro Mundial de Pesquisa em Socialismo, Academia Chinesa de Ciências Sociais (CASS), 22 de outubro de 2016.


  • Traduzido por Klaus Scarmeloto


12 visualizações