Buscar
  • Klaus Scarmeloto

A falsificação do 'Testamento de Lenin'

Atualizado: 30 de Nov de 2020


A oposição (...) do Comitê Central(...) realizou um ataque ao Camarada Stalin afirmando a “existência” de uma ruptura política entre Lenin e Stalin nos últimos períodos da vida Vladimir Ilyich Ulyanov. Com o objetivo de dizer a verdade (...) informarei(...) como eram as relações de Lenin e Stalin no período da doença de Vladimir Ilyich Ulyanov, período em que eu estava com eles e cumpria diversas tarefas. (...) Tenho grande quantidade de provas da tocante fraternal relação entre Vladimir Ilyich Ulyanov e Stalin. Vladimir Ilyich Ulyanov realmente admirava Stalin. Por exemplo, na primavera de 1922 e em dezembro do mesmo ano, respectivamente quando Vladimir Ilyich Ulyanov teve o primeiro e o segundo quadro de problemas em sua saúde, Lenin chamou Stalin e o encarregou das tarefas mais pessoais. Os tipos de tarefas em que se atribui a pessoa em que se tem total confiança no qual se considera um dedicado revolucionário e um estimado camarada. Além disso, Ilyich insistia sempre em conversar somente com Stalin e mais ninguém. (...) Houve um incidente entre Lenin e Stalin, mencionado pelo camarada Zinoviev no seu discurso, pouco antes de Ilyich perder seu poder de expressão (março de 1923), mas foi completamente pessoal e não tinha relação com política. O camarada Zinoviev sabia disso muito bem e citou isto absolutamente desnecessariamente. (...)Desta forma, eu afirmo essa conversa toda da oposição sobre a relação de Lenin com Stalin não corresponde à realidade. Essas relações eram muito íntimas e amigáveis e assim permaneceram. ULYANOVA ,maria ilyinichna. On the Relations between Lenin and Stalin. Disponível em:<https://www.revolutionarydemocracy.org/rdv8n1/lenstal.htm>. Acesso em 20 de julho de 2020. Tradução nossa.

Por VA Sakharov

Doutor em Ciências Históricas

Abaixo, publicamos uma análise de documentos que dizem ter sido escritos ou ditados por VI Lenin antes de sua morte e que criticavam JV Stalin. O seguinte artigo foi publicado pela primeira vez no jornal ' Molniya' , órgão do movimento de massa Trudovaya Rossiya , traduzido por Michael Lucas e publicado na coleção de artigos 'A mentira do' Testamento de Lênin '(Toronto, 1997). O artigo é precedido por excertos da 'Carta ao Congresso', que se afirma ter sido ditada por Lenin. VA Sakharov levanta a questão da autoria deste e de documentos relacionados.

Traduzido do inglês por Klaus Scarmeloto, original em:

<https://www.revolutionarydemocracy.org/rdv7n1/LenTest.htm>

Da ‘Carta ao Congresso’:

I.

‘O camarada Stalin, tendo se tornado secretário-geral, tem autoridade ilimitada concentrada em suas mãos, e não tenho certeza se ele sempre será capaz de usar essa autoridade com o cuidado suficiente. O camarada Trotsky, por outro lado, como sua luta contra o CC na questão do Comissariado do Povo para as Comunicações já provou, se distingue não apenas pela habilidade notável. Ele é pessoalmente talvez o homem mais capaz no atual CC, mas demonstrou excessiva autoconfiança e excessiva preocupação com o lado puramente administrativo do trabalho. ‘

25 de dezembro de 1922 Aniquilado por MV (VI Lenin: Collected Works , Vol. 36, Moscou, 1971, pp. 594-95).

II.

'Stalin é muito rude e esse defeito, embora bastante tolerável em nosso meio e nas relações entre nós, comunistas, torna-se intolerável em um secretário-geral. É por isso que sugiro que os camaradas pensem em uma maneira de tirar Stalin daquele posto e nomear outro homem que em todos os outros aspectos difere do camarada Stalin por ter apenas uma vantagem, a saber, ser mais tolerante, mais leal , mais educado e mais atencioso com os camaradas, menos caprichoso, etc. Esta circunstância pode parecer um detalhe desprezível. Mas acho que, desse ponto de vista das salvaguardas contra uma cisão e do ponto de vista do que escrevi acima sobre a relação entre Stalin e Trotsky, não é um detalhe, ou é um detalhe que pode assumir importância decisiva ”.

Retirado por LF em 4 de janeiro de 1923. (op. Cit. P. 596).

  • A realidade política e científica de uma luta de princípios contra qualquer pseudo-criação a respeito de VI Lenin, enfrenta os movimentos comunistas contemporâneos. Essa luta não é apenas defensiva. O objetivo não é colocar diante dos olhos dos trabalhadores uma imagem de VI Lênin em sua grandeza, mas salvaguardar e promover a vitória da revolução comunista.

Estas cartas do chamado Testamento não pertencem a Lenin.

  • Entre os mitos que estão ligados à vida e obra de VI Lenin, o mais dissimulado, refinado e, ao mesmo tempo, o mais danoso em suas consequências políticas e ideológicas é o mito do chamado 'Testamento Político' de VI Lenin, sob o qual existe um complexo de documentos, também conhecido como 'Últimos artigos e cartas'. O problema científico nisso é verificar se cada um desses documentos foi, de fato, de autoria de VI Lenin. Portanto, examinar todos esses documentos é uma questão de verificação científica e historiográfica.

  • Esses textos foram digitados em uma máquina de escrever. VI Lenin não assinou nenhum desses documentos ou cartas. A assinatura sob o texto datilografado é de 'AM.V.' ou 'LF'(Suas secretárias). Estas não podem substituir uma cópia autografada ou assinada por Lenin. É um fato que a autoria de Lenin desses documentos, publicamente desde o início, infelizmente nunca foi questionada. Foi considerado um fato aceito que foram de autoria de VI Lenin. Isso foi até aceito pelo próprio JV Stalin. Esta situação, é claro, foi de ajuda considerável para os revisionistas que ainda estavam na liderança do PCUS após a morte de Lenin. A história mostra que esses 'documentos' passaram a fazer parte de uma 'intriga'.

  • Mas, uma análise científica exige que esses documentos sejam examinados historicamente. As análises históricas não devem ser feitas para mostrar ou provar que este ou aquele documento não pertence a VI Lenin. Em vez disso, o ônus da prova deveria ser na outra direção — a análise deveria provar que essas cartas realmente pertencem ao corpo das obras, caindo sob a autoria de VI Lenin.

  • Este autor estudou os documentos e todos os arquivos possíveis disponíveis de todos os materiais, e isso o levou à seguinte conclusão. Falando concretamente, aplica-se a seguinte lógica nas análises do chamado 'Testamento': Você pode dividir os documentos em duas partes:

  • (1) a autoria de Lenin que na íntegra e sem problemas é mostrada por diferentes métodos;

  • (2) A autoria de Lenin que não pode ser provada por nenhum meio científico.

  • A este respeito, devemos afirmar enfaticamente que nenhum texto de Lênin, em sua forma original e incontestável, tem qualquer pensamento ou expressão anti-Stalin. No entanto, é exatamente o contrário, naquela parte do contencioso 'Testamento' de VI Lenin (isto é, aquilo que sustentamos não pertencer às mãos de Lenin), que é repleto de anti-stalinismo e é politicamente motivado para esse fim.

O testamento

  • Na realidade, a parte de Lenin do 'Testamento' é baseada nos seguintes artigos:

  • Suas 'páginas de seus compromissos diários';

  • 'Como devemos reorganizar Rabkrin',

  • Melhor qualidade do que quantidade[1],

  • 'Sobre nossa revolução'.

  • Estas foram publicadas no início de janeiro, início de março de 1923. Além disso, seu ditado: 'Carta ao Congresso', foi executado em 26-29 de dezembro de 1922, e trata da reorganização do CC e dos trabalhadores 'e a taxa de inspeção dos camponeses e as tarefas do Gosplan.

  • Finalmente um artigo: 'Sobre Cooperação', datado de 4 a 6 de janeiro de 1923.

  • Nem todos esses documentos são assinados por Lenin. Mas o texto, o trabalho sobre eles (ou sobre as fases individuais deles) são fixados em diferentes documentos pela secretaria de Lenin, durante o seu trabalho sobre eles. As datas também estão fixadas nos documentos do Politburo. Tudo isso confirma sua autenticidade. Em outras palavras, isso significa que quando VI Lenin estava trabalhando nesses documentos, ou depois que eles foram concluídos e Lenin ainda era capaz de supervisionar sua conclusão, há uma marca de pé fácil de seguir. Em conclusão, esses documentos coincidem em vários lugares, e são confirmados pelos documentos que VI Lenin recebeu após sua conclusão pela secretaria. Lênin os recebeu para fazer uma revisão final, ou os usou como referência, quando a discussão ainda estava em andamento dentro do Comitê Central do partido. Esses documentos internos não são contrários uns aos outros, nem mostram atitudes antagônicas de pessoas em relação a outras na liderança. Existem ideias desenvolvidas nestes documentos, mas nenhum desvio principal dos objetivos de outros documentos. Finalmente, eles não se opõem a outras recomendações feitas por VI Lenin. Pode-se dizer que há consistência dentro e entre esses documentos.

Ataque contra Stalin

  • O segundo grupo de documentos - onde 'partes não-Leninistas' podem ser rastreadas no 'Testamento de Lenin', apresenta absolutamente outro problema. Esses problemas podem ser resumidos da seguinte forma:

  • (1) Vemos uma nota característica, que se lê como 'ditado de VI Lenin'. Isso ocorre nos dias 24 e 25 de dezembro de 1922 e 4 de janeiro de 1923. É nestes, que encontramos a base para um ataque contra JV Stalin. Stalin era, é claro, na verdade o tenente de VI Lenin e um líder do partido.

  • (2) Aparece o chamado 'artigo' 'Sobre a questão das nacionalidades ou' autonomia'.'

  • (3) Supostamente apoiando isso, está a carta política, "ditada" em 5 a 6 de março de 1923 (para Trotsky, Mdivani, Makharadze) com uma declaração de solidariedade a eles.

  • (4) Supostamente o artigo da carta a JV Stalin sobre uma "ameaça de romper as relações pessoais" entre Lenin e Stalin.

  • Tudo isso nos mostra que o próprio Lenin não foi o autor, e não há testemunhas de fora de que Lenin escreveu esta carta! Mas, mesmo assim, o leitor pode perguntar de onde tiramos essa informação sobre este documento? Nossa análise é confirmada por:

  • (1) O chamado 'Diário Diário dos Secretários' de VI Lenin e,

  • (2) As pessoas que entregaram esses documentos a todo o Comitê Central do PCUS.

  • Vamos examinar esses dois pontos em detalhes.

  • 'O Diário' do Secretariado é o mais notável e, até agora, nunca foi um documento questionado. Mas nunca foi examinado em detalhes científicos e historiográficos. Na realidade, foi inútil fazê-lo, pois agora se sabe e se aceita, que este 'Diário' depois de 18 de dezembro de 1922 não é considerado um documento do trabalho diário do Secretariado de Lenin. Isso porque se trata de um trabalho de novos autores, no intuito de fazer com que mudanças sejam implementadas, se possível sobre uma dada temática teórica e política, por autores que na época estavam bem escondidos. Falando de forma realista, este é um documento fabricado, falso.

  • Olhe você mesmo. O início da doença de Lenin em 18-22 de dezembro de 1922, fez Lenin partir do centro do palco de sua obra. Infelizmente, durante esse período, seu Secretariado praticamente deixou de funcionar, e os diários não são registrados. Planos são engavetados. Mas quando esses 'Diários' são reiniciados, recebemos 'versões' completamente novas do que Lenin supostamente ditou. Existem páginas inteiras vazias nos 'Diários', as anotações são colocadas apenas de forma irregular. Entre as páginas onde existem algumas notações, existem páginas vazias ao longo deste período. Na verdade, isso deu aos iniciadores do 'Testamento' a oportunidade de preencher as páginas que estavam vazias.

Milagres cronológicos

  • Isso é confirmado pelo seguinte tempo ou análise cronológica, que tentará mostrar que LA Fotieva (uma das secretárias-Editoras) deveria fazer uma notação para 28 de dezembro de 1922, de 4 a 19 de janeiro a 24 de janeiro de 1923. MV Volodicheva prometeu preencher essas datas para os dias 26 de dezembro e 17 de março.

  • Mas isso não é tudo, uma coisa ou outra 'aparece' quer no calendário diário, quer no Secretariado, trazido por Fotieva e Volodicheva. Uma sequência engraçada de datas se segue. Depois de 30 de janeiro, havia uma notação, marcada como 26 de janeiro, e uma notação em 30 de janeiro novamente. Parece que a notação do dia 24 não é pior do que a notação do dia 31. A notação final, pela terceira vez, também foi em 30 de janeiro de 1922.

  • As anotações de fevereiro eram tão ruins quanto as de janeiro: no dia 10 de fevereiro no 'diário' as secretárias faziam uma anotação na manhã do dia 7, depois disso, na manhã do dia 9, depois uma anotação para a noite do dia 7 , em seguida, uma notação para a manhã do dia 9 e, em seguida, para a noite do dia 7. Mas, na manhã do dia 9, eles decidiram se extraviar e reapareceram em fevereiro pela segunda vez. O fim desse salto nas anotações do diário acontece no dia 9 de fevereiro.

  • Isso mostra, então, muito sucintamente, que todas essas datas foram manipuladas, e que diante de nós, não é o documento que esses inimigos tentam nos apresentar como original. Análises científicas nos mostram que a partir de 18 de dezembro nos escritos do diário, que a esposa de JV Stalin, NS Allieueva, deixou de escrever no diário, como parte do Secretariado de VI Lenin, embora continuasse trabalhando em Secretaria em outras funções.

  • No 'diário' aparecem então inserções, nas páginas de 23, 24 de dezembro e 17 de janeiro de 30. Isso mostra que houve acréscimos depois que o diário foi preenchido. Todas essas inserções de 'estilo desigual' no 'diário', são explicados com base no fato de que o trabalho nele não foi concluído. Algo parece ter impedido que este 'diário' fosse posteriormente fabricado em sua concepção lógica.

  • Além do 'diário' dos secretários, existem escritos diários dos médicos que cuidavam de VI Lenin. Entre os "diários" das secretárias e os documentos escritos pelos médicos, encontramos muitas divergências quanto a detalhes, datas e outras anotações.

  • A título de exemplo, as secretárias do 'diário' calam-se sobre o trabalho de VI Lenin, enquanto os médicos escreviam: Nos dias 25, 29, 31 de dezembro, 1-4, 10, 13, 16-27 de janeiro, depois em 18 de fevereiro -20, 25-27, depois em 2 de março de 3. Isso equivale a 20 dias de diferenças entre as anotações dos médicos e o vazio total das anotações das secretárias.

  • Há um exemplo na direção oposta também, quando VI Lenin não trabalhou com os secretários, enquanto ainda - os secretários nos dizem que eles haviam tomado ditados de VI Lenin! 24-26 de janeiro, 3, 9, 10, 12, 14 de fevereiro. Este é mais 8 dias que estão em desacordo com outras notações dos médicos. Imagine, um 'diário' que é um registro diário de eventos em que 28 dias de 72 dias não coincidem ou são completamente o contrário!

  • É muito interessante o que acontecia nessas 'datas questionáveis', quando o trabalho era supostamente feito pelos secretários. É nesta época que as informações sobre o testamento de Lenin e sua crítica contra JV Stalin aparecem sobre a questão da construção do Estado nacional - que tem todos os ingredientes de uma 'bomba' que é lançada para Stalin.

  • Segue-se que é esta informação, que é 'inserida' no Diário, que se torna a suposta base da tese da autoria de Lenin deste 'artigo' e 'Sobre a questão das nacionalidades ou' autonomia '' e as cartas de 5 a 6 de março de 1923.

Trabalho de Trotsky

  • A situação não pode ser salva pelas várias memórias de Trotsky, os secretários de VI Lenin, Fotieva, Volodicheva, Glyasser. Todos eles tentam dar autoridade e crédito de que esses documentos são de fato escritos por VI Lenin. Todos eles tentam mostrar as 'bases históricas e reais' desses documentos.

  • Mas comparando esses próprios documentos secundários, eles mostram claramente tantas discrepâncias sérias nos documentos e escritos dos médicos, discrepâncias entre si, que suas informações não podem ser aceitas como verdadeiras; e não pode ajudar a estabelecer a autoria de VI Lenin desses documentos e textos. A lógica simples não ajuda a nos convencer - resta apenas acreditar em suas palavras. Mas isso só é agradável para aqueles que querem ser enganados.

  • A história da publicação destes documentos e da sua utilização nas lutas políticas nada tem a ver com o tratamento como último testamento, dado por VI Lenin ao partido através do chefe do CC do partido, do Politburo e dos seus camaradas mais próximos em à luta.

  • Em primeiro lugar, tal apelo secreto não estava no espírito de VI Lenin, não seguia seu método político de trabalho.

  • Em segundo lugar, esses escritos-documentos não foram ditados em circunstâncias normais, porque VI Lenin teve ampla oportunidade de apelar abertamente ao partido com todas as sugestões que considerasse oportunas e necessárias. Não havia nenhum 'regime carcerário', que supostamente foi estabelecido por JV Stalin enquanto VI Lenin estava vivo. A presença no CC CPSU e no Politburo de diferentes grupos políticos, e a luta entre eles, garantia a derrota de qualquer tentativa de esconder os documentos de Lenin.

  • Em terceiro lugar, seria ilógico adiar qualquer decisão sobre quaisquer questões, das quais dependia a vida do partido, ou o futuro da revolução — para algum momento futuro de decisão, em um Congresso do partido. Era incerto quando, após a morte de VI Lenin, tal reunião adiada seria realizada, uma vez que também não era certo quando o gravemente doente Lenin faleceria.

  • Todos esses exemplos mostram que os documentos não eram genuínos. Mas vamos considerar quem foram os autores do 'Testamento'? Quem pode ganhar com isso? Os autores desta lenda do 'Testamento de Lenin' são - Trotsky, Fotieva, Zinoviev, Bukharin. Eles "inseriram" esses textos na arena política muito antes da morte real de VI Lenin. Eles esperaram até que Lenin não pudesse mais escrever, ditar ou ler os materiais, eles escreveram esses documentos como um método político de luta contra JV Stalin. Trotsky, com a ajuda de uma das secretárias Fotieva, elaborou o chamado 'artigo', 'Sobre a questão das nacionalidades ou da autonomia'. Enquanto o faziam, declararam abertamente que não receberam nenhuma orientação, mas foi baseado no pedido de VI Lenin e eles não sabiam quando isso foi feito.

  • Mas esta manobra destes elementos não teve sucesso, pois o estado da URSS foi proclamado no XII Congresso do partido. Nesse Congresso, tentaram, com base no 'texto de Lenin', desmembrar a URSS que acabava de ser adoptada pelo Congresso.

  • Por mais que tentassem, esses elementos não foram capazes de dissolver a recém-formada URSS. A luta contra eles foi liderada por JV Stalin. É exatamente nessa época de debate sobre a URSS, que o 'artigo' supostamente escrito por VI Lenin estava sendo distribuído por Trotsky e entregue ao Secretariado de VI Lenin para ser registrado no 'Diário'!

  • Depois do Congresso, a intensa luta de Trotsky contra JV Stalin entrou em uma nova fase. No final de maio de 1923, Krupskaya (a esposa de VI Lenin - Ed. ) Dá a Zinoviev o texto de um 'material ditado' de 24 a 25 de dezembro de 1922 — que faz parte das 'características das pessoas no CC'. Ela não o entrega ao Secretariado do CC, como deveria ter sido feito, não nas mãos do Politburo, mas apenas a um de seus membros, que também aspira a liderar o país.

  • Além disso, Zinoviev estava muito amargo e com ciúme do crescimento da autoridade e do prestígio de JV Stalin. Zinoviev agora informa os membros e candidatos a membros do Politburo e do Presidium da Comissão Central de Controle. Diante do desejo aparentemente expresso de VI Lenin em relação a este material ditado, de que esta carta fosse para o Congresso, Krupskaya nem mesmo a mencionou ou deu a tempo para o Congresso. Ela disse que 'este documento deve ser entregue apenas ao Comitê Central'.

  • A lenda sobre esta carta reaparece com frequência e teve graves repercussões. Esta carta nasceu durante as lutas internas do partido. Dois meses depois, Zinoviev e Bukharin informaram a JV Stalin, secretário-geral do PCUS, eleito pelo último Congresso, sobre a existência daquela 'carta' (isto é, a 'carta ditada' de 4 de janeiro de 1923). Isso durante as manobras de Zinoviev e Bukharin visando colocar a obra de JV Stalin, sob a direção de um partido que estava sob seu próprio controle, junto com Trotsky.

  • Eles tentaram utilizar a autoridade de VI Lenin. Essas chamadas "cartas ditadas" tornaram-se o veículo para retirar a autoridade de Stalin, uma vez que elas próprias não tinham autoridade pessoal suficiente para substituir JV Stalin. Os inimigos internos reuniram forças para desafiar Stalin, baseando-se apenas nas supostas "cartas ditadas" de VI Lenin.

Mecanismo de Falsificação

  • A história desses documentos, e de sua publicação, não dá nenhum exemplo concreto quanto à autoria desses documentos por VI Lenin. Também argumentando contra essa autoria, está o estilo de composição, e outras peculiaridades. O conteúdo e as 'características' como se por premeditação, 'obscureceram' com o tempo. Obscurecido, a tal ponto, que argumentos sobre qual é seu conteúdo, são disputados até hoje.

  • A primeira resposta, de Tomsky, por exemplo, foi esta:

  • 'De um grande público, ninguém aqui vai entender o que significa'.

  • No texto, não encontramos nenhum fato que mostre que foi composto e ditado por VI Lenin. Mas há alguma luz nas águas turvas neste texto. Com todas as falsidades e pensamentos incompreensíveis que o autor deste texto tenta transmitir, você não pode duvidar do que o autor quis dizer:

  • Livre-se de JV Stalin como secretário-geral do Comitê Central.

  • O mesmo se pode dizer das cartas de 5 a 6 de março. Não há assinatura de VI Lenin, nem registro desta carta nos arquivos do Secretariado. Isso pode ser explicado. Devemos entender por que essas 'cartas' no XII Congresso do partido não foram utilizadas por Trotsky, Mdivani e outros, na luta contra JV Stalin sobre a questão da construção do Estado nacional.

  • A luta foi feroz e os inimigos tentaram utilizar plenamente a autoridade de VI Lenin e os documentos. Mas, esses documentos, na íntegra, foram 'dados ao mundo' muito mais tarde. Trotsky começou a utilizar esses documentos apenas no outono de 1923. Essas cartas foram tornadas públicas apenas após a tentativa fracassada de se livrar de Stalin como secretário-geral. Trotsky tentou promover a ideia de que havia um bloco de entendimento e cooperação entre ele e VI Lenin contra JV Stalin. O abuso, tanto político quanto psicológico, estava indo a toda velocidade. Mas Stalin resistiu a esse ataque.

Inimigos da URSS contra Lenin e Stalin

  • A questão da suposta carta de Lenin a Stalin, de que ele está pronto para romper relações pessoais com ele, precisa de um estudo mais aprofundado. Devemos destacar aqui que toda a história das cartas ditadas e sua suposta entrega a JV Stalin é muito obscura e contraditória. Deixe o leitor fazer suas próprias análises. Para isso, referimo-nos ao seguinte texto: MI Ulyanova e MV Volodicheva (em VI Lenin, Collected Works , Volume 45, página 486; Izvestia CC CPSU , 1989 No. 12, páginas 198-199).

  • Volodicheva afirmou que ela própria escreveu a carta ditada. Mas, de alguma forma, este documento está em duas cópias diferentes, duas variações diferentes; uma é escrita e assinada por JV Stalin (ou outra pessoa assinou?), a outra (como se por Volodicheva), que do início ao fim, carrega mudanças que a tornam irreconhecível. E como essa segunda versão também é assinada? Por que existem duas respostas de Stalin? Por que JV Stalin escreveria duas versões de uma carta a VI Lenin sobre a questão da suposta crítica de Lenin contra Stalin? E por que nem mesmo uma dessas respostas de JV Stalin chegou às mãos de VI Lenin? O período de tempo entre a resposta de Stalin (7 de março) e a incapacidade física de VI Lenin de funcionar normalmente (10 de março) teria permitido muito tempo para entregar uma resposta de um escritório para outro.

  • O artigo sobre a questão da nacionalidade é inacreditável, sob vários aspectos. Não apenas a situação política da época foi completamente inesperada por VI Lenin; não é possível atribuir a russofobia a VI Lenin; mas também a sua formulação, torna impossível reconhecer Lenin.

  • Por exemplo: 'Já escrevi em meus escritos sobre a questão nacional.' E de novo: o autor sugere que esperemos por esse tempo, quando o aparelho de governo passará a ser nosso. Lenin não apresentou tais problemas em dezembro de 1922.

  • Se quisermos seguir esse "raciocínio", não apenas a URSS não deveria ter existido, mas a República Soviética do Cáucaso também não deveria ter sido formada. Mas VI Lenin lutou para formar esta República, contra Mdivani e seus partidários. Afora isso, segue-se que mesmo a República Federativa Soviética Russa não deveria ter sido formada, visto que o aparelho ainda não era 'nosso'!

  • O autor alia a concretização do direito das repúblicas-nações de se separarem da URSS, garantido pela Constituição, com a questão da qualidade do aparelho de governo do Estado!

  • Mas, o 'aparato governamental' não tinha, ou não é, a pessoa jurídica para dar esse direito. São os Deputados do Povo que estão no Soviete Supremo da URSS — o aparelho governamental é apenas o servo e o expedidor das decisões. Lenin sabia muito bem quem, onde e como essa questão seria decidida. Seria decidido apenas no sistema da ditadura do proletariado, que ele formou e fortaleceu.

  • O argumento apresentado nas 'cartas' não é extraído do arsenal de VI Lenin. Argumentos desse tipo só encontramos nas disputas internas dos separatistas nacionais. Em conclusão, levantar a questão da 'autonomia', depois de decidida a questão da URSS, não foi a proposta de VI Lenin, nem de seus princípios. Significaria retornar a uma questão que há muito havia sido descartada.

  • No final de 1922, ninguém sequer falava dessa questão da formação da URSS com base na autonomia. É por isso que todos falaram contra a questão da autonomia, o que significaria com efeito a liquidação da República Social Federativa Soviética Russa. Onde está a questão de Lênin neste assunto? O autor deste 'artigo de Lenin' deve ser procurado, entre os inimigos da unidade das repúblicas soviéticas e da federação.

  • Lenin não pertencia a esses elementos - esses inimigos da unidade das Repúblicas Soviéticas. Nesse campo, havia três blocos distintos influenciados por Mdivani, Svanidze, Rakovski. A identidade do autor deste artigo deve ser investigada, mas há fatos que sugerem que seu autor não foi outro senão Trotsky. VI Lenin não poderia ter sido esse autor. Infelizmente, ainda não há provas sólidas quanto ao seu autor, mas todos os fatos apontam para Trotsky.

Lenin por Stalin, Trotsky contra

  • A análise do pensamento político desse falso 'testamento' mostra que ele não representa de maneira realista a luta política que então fermentava no Comitê Central do partido, no qual VI Lenin desempenhou o papel teórico de liderança. A realidade política é que JV Stalin não se autoproclamou secretário-geral. Mas foi VI Lenin, procurando alguém que o substituísse, quem no XI Congresso do partido envidou todos os esforços para garantir que JV Stalin se tornasse o secretário-geral.

  • VI Lenin não enviou então documentos, cartas ou propostas, para dizer que Stalin não era capaz de se tornar o secretário-geral. Lenin nunca usou tal linguagem em nenhum de seus discursos, conselhos ou comentários. O 'Testamento' de Lenin não reflete isso de forma alguma. Seja você mesmo o juiz.

  • Lenin viu em nossa revolução uma boa perspectiva, enquanto Trotsky não parava de repetir a necessidade de uma revolução permanente (janeiro e novembro de 1922). Lênin promove a eventual fusão do partido e do governo, enquanto Trotsky é contra, propondo seu corte. Lenin defendia a reorganização da Inspetoria Operária e Camponesa, enquanto Trotsky defendia sua liquidação. Lenin defende o florescimento da Gosplan como uma comissão de especialistas, Trotsky deseja que ela se torne um planejamento operativo etc. etc.

  • Nesta situação, é provável que VI Lenin tenha escrito um ataque pessoal contra Stalin, seu aliado político mais próximo, e propondo que o posto mais alto fosse para seu oponente raivoso Trotsky? Não podemos adotar essa visão de forma alguma. Uma compreensão realista do 'Testamento' de Lenin é diferente. Ele entrega nas mãos dos aliados de Lenin munição para novas lutas contra Trotsky nas sérias questões da revolução socialista.

  • Vamos chegar a uma conclusão.

  • Temos motivos para afirmar que Lênin não foi o autor desses artigos, cartas ou outros documentos. Este fato precisa de correções históricas para que os ensinamentos de Lenin sejam limpos dessas falsificações. Devemos compreender o Testamento de Lenin, no contexto da vida política da época, nas lutas políticas travadas por VI Lenin em 1921-1922 contra Trotsky. Esta luta foi travada por Lenin com Stalin como seu aliado leal, que promoveu e seguiu a linha de luta de Lenin, que após a morte de Lenin assumiu sobre seus ombros o pesado fardo de continuar a luta com Trotsky. A parte fabricada do 'Testamento' só poderia ser entendida em um contexto muito mais amplo, no contexto da luta dentro do CC do partido contra Trotsky e seu grupo. Mas nesta luta, que era anti-leninista, nutrido e promovido por Zinoviev, foi combinado uma luta contra Stalin. Objetivamente, todo o plano de ambos os grupos era distanciar Stalin da liderança com a ajuda da autoridade de VI Lenin e mudar o curso político do Partido Comunista Russo (B).

  • Devemos estar muito conscientes de que a base da luta pela direção foi uma luta histórica pela questão principal da revolução socialista. O espaço não permite discussão sobre isso aqui. Podemos apenas afirmar que nos 'arquivos de Trotsky', após a 'carta' de Lênin sobre as características de Stalin, a cópia inclui uma emenda nos próprios escritos de Trotsky que afirma: 'Eu editei minha cópia. L. Trotsky '.

A falsificação continua

  • Os mitos sendo promovidos com base nos últimos artigos e cartas de V.I. Lenin não cessaram nem mais tarde - anos após a morte de V.I. Lenin. Suas próprias adições e interpretações neste atoleiro foram dadas por Khrushchev e Gorbachev. Partes das cartas de Lênin foram usadas para preencher uma necessidade dos atuais inimigos contemporâneos. Elas foram usadas principalmente em um caráter anti-Stalin. Como exemplo, na carta de 23 de dezembro, há uma frase "Eu gostaria de compartilhar isto com Você...". Na publicação destes contemporâneos, está escrito como "com você", dando assim um significado totalmente novo ao que Lênin afirmou. Lênin declarou-o ao Congresso do Partido, dando-lhe o título de 'Vós', que ele merecia. Isto foi em oposição a "Vós", que é dirigido a todos - em oposição a uma entidade eleita pelo povo. Esta carta é até registrada no secretariado de Lenin como uma carta a J.V. Stalin para o Congresso. Mas, isto confirma ainda mais sua essência, quando se dirige a ela com 'Você'. Mas Nikita Khrushchev decidiu que, para ele, seria mais benéfico abrir uma crítica a Stalin. Na frase: "tem tremenda influência para todos os 'tribunais' do partido" - a palavra tribunais foi mudada para a palavra 'código de lei'. Isto não só falsifica as palavras de V.I. Lenin, mas deixa a frase sem qualquer significado. Quantos tribunais podem existir no partido e que tipo de tribunais são?

  • No léxico político de VI Lenin nos últimos anos, as coisas são claras. Na palavra 'tribunais', ele tinha em mente diversos oposicionistas, sempre tentando criticar o partido e mudar seu curso. Entre esses 'juízes', estava em primeiro lugar Trotsky e sua companhia. Foi com esses "juízes" que Lenin travou uma luta amarga, assim como JV Stalin, a quem esta carta foi escrita, o principal amigo e ajudante de VI Lenin. São esses 'juízes', a este respeito chamados de 'críticos' e 'nossos Suhanovitas', afirma Lenin no que ele ditou em 26 de dezembro e também no artigo 'Sobre nossa Revolução' (VI Lenin, Volume 45, página 347 , 383, 385.) A frase: '50 -100 membros do CC nosso partido deve exigi-lo da classe trabalhadora ', foi mudada para:' ... nosso partido tem o direito. 'Lenin afirmou que o CC exige de 50-100 novos membros ao Comitê Central ampliado, enquanto os falsificadores disseram -' o partido pede. ' Essa fabricação era necessária, para que a carta a JV Stalin fosse vista como uma carta ao Congresso do partido, em vez de uma troca de ideias entre Lenin e Stalin.

  • No artigo de VI Lenin 'Como devemos reorganizar Rabkrin?' Que foi falsificado pelos inimigos, o artigo afirma: 'que nenhuma autoridade, nem do Secretário Geral, ou nenhum outro membro do CC não pode se misturar ao trabalho do Comissão de Controle Central, ou tem o direito de fazer perguntas à Comissão de Controle quanto ao seu trabalho ... '(Lenin,' Obras coletadas '(em russo), Volume 4, (sic) p. 387). A nomeação do secretário-geral deve ser acreditada e usada contra JV Stalin. De acordo com os arquivos (como escrito no Pravda, 25 de janeiro de 1923) palavras como secretário-geral não foram encontradas em lugar nenhum. A frase usada foi. 'nenhuma autoridade poderia ser usada ...' Esta é uma falsificação aberta, para tentar mostrar que este é um 'documento' sobre a crítica de Lenin a Stalin, falsificando assim todo o entendimento do testamento.

Provocação Ideológica

  • Já se sabe, que significado foi dado ao artigo 'Sobre Cooperação', durante o período da perestroika. Através deste artigo escrito por Lenin, os revisionistas tentaram eliminar tudo o mais foi escrito por VI Lenin. Sob este slogan, eles afirmaram que é necessário reavaliar todos os aspectos do socialismo. Embora não haja absolutamente nenhuma palavra desse tipo em VI Lenin, eles tentaram utilizá-la, na ideologia da 'perestroika'. Esta é uma questão de falsificação total. Nos escritos de Lenin não existe uma palavra ou artigo 'Sobre Cooperação', mas existe uma primeira e uma segunda 'edições' deste artigo. Lenin, enquanto trabalhava neste artigo ainda não estava satisfeito com sua escrita, algo em sua mente pensou que poderia ser afirmado de forma muito mais clara. Isso é confirmado por suas notas marginais ao seu texto, que era bem conhecido por esses inimigos, ciente de que Lenin estava trabalhando em questões importantes. Lenin escreveu em suas notas marginais:

  • 'Nenhuma variação me agrada, porque algumas delas contêm formas que precisam ser mais elaboradas de um ponto de vista ideológico, e ambas precisam, em certa medida, de alguma correção'.

  • Esta nota marginal foi datada de 7 de janeiro de 1923. É claro que esta notação não formula todo o texto. Devíamos tentar descobrir por que Lênin estava infeliz em seu trabalho neste importante documento.

De Bukharin a Khrushchev, depois a Gorbachev

  • O artigo 'Sobre Cooperação', é o pensamento supremo e caiu nas mãos de Bukharin. De Khrushchev, esse "documento" foi para Gorbachev, e aqui, diante de nossos olhos, está essa bomba ideológica, mascarada como se VI Lenin fosse o autor final. foi expandido e usado como uma deformação interna por Khrushchev ao começar a desmembrar o estado socialista. Isso foi possível porque esse subterfúgio mentiroso teve um importante efeito político nos bastidores. Na época de Bukharin, isso era usado para os kulaks, para salvá-los como uma classe. Na época de Khrushchev — isso foi usado como o veículo para criticar a tese de Stalin, que na época do cerco capitalista, os sucessos do socialismo serão cada vez mais visíveis.

  • As críticas a esse texto ajudaram Khrushchev a abrir uma campanha contra Stalin. Durante o mandato de Gorbachev foi usado para fazer as pessoas desacreditarem do caminho ideológico de construção do socialismo na URSS, sobre o caminho não socialista e acomodação do capitalismo na URSS, sobre a necessidade de quebrar esse domínio socialista sobre o país, que de alguma forma nos perdemos e não adianta tentar melhorar o socialismo, não há nada a ganhar com isso, não há nada mais necessário do que a nossa história ...

  • Enfim, o leitor se conhece perfeitamente bem, o que foi e como foi, e o que resultou disso tudo.


[1] Como sugeri em outras traduções, o texto “Better Fewer, But Better”, para o Brasil, em particular, seria melhor traduzido do seguinte modo: “Melhor qualidade do que quantidade”. A ideia central do texto visa explicar como menos é mais, podendo também ser traduzido dessa forma.

362 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo