Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Crítica ao Trotskismo Hegeliano





Por Vijay Singh


Tradução de Lúcio Júnior Espírito Santo Caros camaradas da CPI ML Liberation,

Você circulou um artigo por e-mail do notável hegeliano húngaro Istvan Meszaros 'Aspectos Nacionais e Internacionais da Emancipação' que carrega ataques infundados contra o camarada Stálin.

Nosso hegeliano diz que:

O contraste entre a abordagem de Lenin e Stalin para esses problemas não poderia ter sido maior. Lênin sempre defendeu o direito das várias minorias nacionais à plena autonomia, 'até a secessão', enquanto Stálin as rebaixou a nada mais do que 'regiões fronteiriças', para serem mantidas a todo custo, na mais estrita subordinação aos interesses da Rússia . É por isso que Lenin o condenou em termos inequívocos, insistindo que se as opiniões defendidas por Stalin prevalecessem, nesse caso “a 'liberdade de separação da união' pela qual nos justificamos será um mero pedaço de papel, incapaz de defender os não-russos do ataque daquele homem realmente russo, o chauvinista grã-russo”

A citação dada (Collected Works Vol. 36, p. 606) não apoia de forma alguma a posição de Meszaros, pois Lenin aqui está criticando a posição dos burocratas da Grande-Rússia e não Stalin. (Para os trotskistas, é claro, o termo burocrata por reflexo pavloviano equivale a Stalin).


A citação não sustenta a afirmação de que Stalin negou o direito de secessão às minorias nacionais e as degradou a 'regiões fronteiriças'. A citação não menciona nada disso – é pura invenção do nosso hegeliano. É bem sabido que a Constituição de 1936, comumente chamada de Constituição de Stalin, reconhecia o direito à secessão de todas as nações. Podemos notar que nosso hegeliano não entende a diferença entre uma nação e uma minoria nacional.

Lenin critica Stalin por sua pressa, propensão à administração pura e despeito novamente o notório 'socialismo-nacionalista' (local), mas não:

É por isso que Lênin o condenou em termos inequívocos, insistindo que se as opiniões defendidas por Stalin prevalecessem, nesse caso “a 'liberdade de se separar da união' pela qual nos justificamos será um mero pedaço de papel, incapaz de defender os não-russos do ataque daquele homem realmente russo, o chauvinista grã-russo”

Por que nosso hegeliano critica Stálin por motivos inventados e não com base no que Lênin realmente tinha a dizer sobre Stálin?

Nosso hegeliano cita corretamente Lenin:

A responsabilidade política por toda essa campanha nacionalista verdadeiramente grã-russa deve, é claro, ser atribuída a Stalin e Dzerzhinsky.”

Do que se tratava tudo isso?

Sobre a questão da 'autonomização', Lenin se opôs à visão de Stalin de que as várias repúblicas, incluindo a Geórgia, deveriam entrar na projetada união das repúblicas socialistas soviéticas como repúblicas autônomas, considerando que eram necessárias salvaguardas contra o aparato russo. Molotov indicou que Stalin neste caso continuou uma linha anterior de Lenin: 'Lenin se opôs ao princípio federal, federalismo, porque ele era a favor do centralismo. Todas as rédeas, tudo deve estar nas mãos da classe trabalhadora para fortalecer o Estado. Basta ler seu artigo sobre a questão nacional. Autonomia dentro de um estado unitário, sim. Mas Lenin abandonou este princípio unitário para uma solução federal: "Vamos criar a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas!" Mas Stalin não sabia disso desde o início'. (ed. A. Resis, ' Molotov Remembers', Chicago, 1993, p. 196). As objeções de Lenin foram atendidas quando a URSS foi formada, pois a soberania das repúblicas unificadas foi garantida.

Lenin interveio em 1922 na disputa entre o Comitê Transcaucasiano do PCR(b) liderado por GK Orjonikidze e o grupo de comunistas georgianos liderado por Polikarp Mdivani. O grupo Mdivani desejava que a Geórgia entrasse na URSS diretamente e não através da Federação Transcaucasiana. Eles procuraram preservar os interesses da Geórgia às custas da Armênia e do Azerbaijão e impediram os laços econômicos e políticos da república da Transcaucásia. Lenin não apoiou as opiniões de Mdivani. Então o Cáucaso era um viveiro de conflitos nacionais e foi sugestão de Lenin que Armênia, Azerbaijão e Geórgia deveriam ser unidos como uma Federação '... VI Lenin ., vol. 33,pág. 127). Lenin ficou justificadamente indignado quando Orjonikidze, ao ser insultado, recorreu à violência física com um membro do grupo Mdivani. Após este incidente, Lenin aconselhou profunda cautela e prontidão para se comprometer com os georgianos. Lenin queria que uma punição exemplar fosse infligida a Orjonikidze. Ele considerou Stalin e Dzerzhinsky politicamente responsáveis ​​pelo que ele chamou de "essa campanha nacional verdadeiramente grã-russa" (VI Lenin, Collected Works. Vol. 36, Moscow, 1971, p. 610).

Nosso hegeliano continua:

“O georgiano [Stalin] que é negligente com este aspecto da questão, ou que descuidadamente lança acusações de 'socialismo nacionalista' (enquanto ele próprio é um verdadeiro e verdadeiro 'nacional-socialista', e até mesmo um vulgar valentão grã-russo) , viola, em substância, os interesses da solidariedade de classe proletária; pois nada detém tanto o desenvolvimento e fortalecimento da solidariedade de classe proletária quanto a injustiça nacional. [...] o internacionalismo por parte dos opressores ou "grandes" nações, como são chamados (embora sejam grandes apenas em sua violência, apenas grandes como valentões), deve consistir não apenas na observância da igualdade formal das nações, mas também em uma desigualdade da nação opressora, a grande nação, que deve compensar a desigualdade que prevalece na prática real.

Não há evidência de que Lenin esteja se referindo a Stalin neste parágrafo, como nosso hegeliano quer que acreditemos. É mais do que provável que Lenin na passagem acima estivesse se referindo ao georgiano GK Orjonikidze que havia maltratado um membro do grupo Mdivani.

Além disso, nossas reivindicações hegelianas:

"Lendo estas linhas, ninguém pode se surpreender ao saber que o documento fortemente crítico de Lenin, escrito em dezembro de 1922 quando ele estava gravemente doente, foi suprimido por Stalin e publicado somente após o discurso secreto de Khrushchev em 1956." Não há evidência de que os documentos mencionados por nosso hegeliano tenham sido realmente escritos por Lênin. Mesmo os compiladores das obras completas de Lenin não afirmavam isso, mas apenas afirmavam que elas haviam sido "retiradas" por seus secretários. A autenticidade do conjunto de documentos que os trotskistas apelidaram de "Último Testamento de Lenin" foi questionada pelo historiador russo Sakharov, que examinou minuciosamente a documentação relevante e descobriu discrepâncias gritantes. Tampouco nosso hegeliano nos fornece qualquer evidência de que esses escritos foram suprimidos por Stalin. Eles foram submetidos ao 13º Congresso do partido como Lenin desejava e foram citados em documentos do partido na década de 1930, que foram distribuídos em tiragens de várias centenas de milhares.

Concordamos plenamente com o nosso hegeliano:

Lenin nunca deixou de enfatizar a importância da igualdade plena, não apenas formal, mas substantiva, de todos os grupos nacionais. Ele repetidamente enfatizou não apenas a gravidade das violações em curso da solidariedade internacional proletária, mas também continuou reiterando o ponto marxista sobre a necessidade de tornar a “igualdade desigual” em favor dos desfavorecidos e oprimidos.

No entanto, somos obrigados a discordar profundamente de Meszaros quando ele afirma: Após a morte de Lenin em janeiro de 1924, após sua longa doença incapacitante, todas as suas recomendações sobre a questão nacional foram anuladas e as políticas “Grande-Rússia” de Stalin – que tratavam as outras nacionalidades como “regiões fronteiriças” iníquamente subordinadas – totalmente implementadas, contribuindo grandemente para o desenvolvimento bloqueado que posteriormente caracterizou a sociedade soviética.

Foi precisamente Stalin quem enfatizou a necessidade de as nações economicamente atrasadas da URSS chegarem ao nível econômico das nações mais desenvolvidas. O período de Stalin viu a elevação econômica das repúblicas nacionais. Enquanto o crescimento industrial se expandiu em alta velocidade na URSS como um todo, o crescimento industrial das repúblicas nacionais cresceu com particular rapidez. Na URSS como um todo, a produção bruta da indústria de grande escala aumentou 12 vezes em 1940 em comparação com 1913. Na RSS do Cazaquistão aumentou 20 vezes, na Geórgia 27 vezes, na RSS do Quirguistão 153 vezes e no Tajik SSR por 308 vezes. Da mesma forma, as repúblicas da Ásia Central se beneficiaram tremendamente no campo da educação. O número de alunos nas escolas primárias e secundárias aumentou em 1940 em comparação com 1914-15 da seguinte forma: SSR do Azerbaijão 9 vezes, SSR da Armênia 9.(Politicheskaya Ekonomiya, Uchebnik, Moscou, 1954, p. 372). É irônico que, enquanto a contribuição de Stalin está sendo reavaliada hoje de forma positiva na antiga União Soviética, mas em outros lugares ainda há muitos em uma distorção do tempo hegeliano-trotskista.

Espero que você circule minha resposta ao artigo indecente de Istvan Meszaros em sua lista eletrônica para que os camaradas possam tirar suas próprias opiniões sobre este assunto. Na véspera do aniversário da Revolução de Outubro, saudemos o partido de Lenin e Stalin!

Atenciosamente, Vijay Singh

6 de novembro de 2005 https://revolutionarydemocracy.org/rdv12n1/critique.htm


https://revistacidadesol.blogspot.com/2022/06/critico-ao-trotskismo-hegeliano.html

249 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Peço ao camarada, Lúcio Espírito Santo, e a honrosa Revista Cidade Sol, que aceite minhas desculpas pela utilização do termo "Bolsonarista", realmente, eu não mensurei na hora que o termo poderia caus

Em primeiro lugar, agradeço ao blog e ao camarada a frente dele, Lúcio Espírito Santo, pela resposta ao texto. Devo dizer que em partes me sinto honrado porque já me formei e utilizei o material dest