Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Excertos: as Comunistas e a questão da Maternidade

Atualizado: Jun 27


Em função do dia das mães, as ciências revolucionárias não poderiam deixar de estimular um debate de suma importância, qual o papel dos comunistas na questão da maternidade? Qual a importância da emancipação da mulher para a libertação do trabalhador da opressão da humanidade? Inquietados por esses questionamentos, resolvemos colocar alguns excertos que trabalham esse tema por Alexandra Kollontai, pela atual resposta dada pelos Coreanos e Cubanos acerca desse tema de suma importância.


Aleksandra Kollontai

Os Novos costumes Morais

  • Você pode nos contar algo sobre a nova moral na Rússia soviética e sobre a família no futuro. Ela sempre existirá ou você acredita que uma nova base social e econômica da sociedade mudará fundamentalmente a atual forma de vida familiar?

  • Kollontai:

  • O que ainda resta da família? A família era forte e necessária à humanidade no momento em que a unidade familiar era ela própria produtora (a famíliados agricultores até agora, por exemplo, sob o sistema capitalista), quando os pais eram os únicos educadores da geração jovem, quando a família era uma família privada. cidades era uma necessidade econômica, em suma, quando a comunidade ainda não havia superado as funções que antigamente representavam as funções da família.

  • Atualmente, todos os países estão passando por uma época em que a família, na velha concepção do mundo, está se tornando cada vez mais desnecessária, mais inútil. A sociedade, o estado e os municípios superam o ônus da educação e instrução das crianças. Os municípios ou cooperativas constroem casas que atendem às necessidades modernas de uma família muito restrita ou mesmo não privada. As mulheres entram cada vez mais nos negócios, no trabalho assalariado e em todos os tipos de empregos.

  • Se a diminuição dos limites da família é uma tendência inegável mesmo nos estados capitalistas, mais essa tendência existe na União Soviética com sua construção econômica e social completamente diferente. Os divórcios se tornaram muito comuns em todo o mundo. Os dedos ainda apontam para a Rússia soviética porque só este país tem leis que permitem a todos os casais, não apenas àqueles que têm dinheiro suficiente, pôr fim a hipocrisia o qual padece e existe em outros países por causa das leis ultrapassadas e dos preconceitos da igreja. Trabalhamos para desenvolver uma nova psicologia. As relações entre os sexos devem ser construídas em camaradagem real e verdadeira. Nós defendemos relações livres entre os sexos, relações baseadas não em especulações econômicas, mas em camaradagem e amor reais. Mas isso não diminui os deveres que uma mãe ou um pai tem para com seu filho. As leis da União Soviética são muito rigorosas e nítidas quanto a isso, não há diferença entre um casal que não registrou seu casamento e aqueles que vivem em uma união não registrada. Mas a lei exige que o pai pague pensão alimentícia por seu filho. O homem não pode abandonar a mulher e a criança. Ele é obrigado a pagar pensão alimentícia. E não apenas a lei, mas a comunidade onde ele mora, seus próprios companheiros insistirão em fazê-lo cumprir seu dever para com a criança e as mulheres. É uma pressão moral que sustenta a pressão legal. O estado presta ajuda social e econômica para mãe e filho, a comunidade é a principal responsável pela educação das crianças. Todo um sistema de instituições sociais e pedagógicas tem a responsabilidade de orientar todo o desenvolvimento cultural da juventude. A saúde física e moral das crianças na União Soviética está sob controle social e toda a comunidade carrega de maneira organizada a carga moral pela geração em crescimento. Seja mãe não apenas de seus próprios filhos, mas de todos os filhos da comunidade trabalhadora' era o nosso lema desde o início da revolução.

  • Mas enquanto a comunidade social não puder fornecer os recursos financeiros para superar todo o fardo de criar a geração, continua sendo dever dos pais participar do apoio aos filhos. É uma piada de mau gosto falar em "igualdade" em um caso em que o homem abandona a mulher, seu companheiro e deixa todo o ônus econômico para seus filhos nos ombros. Não somos a favor da "igualdade" nesse sentido. Somos a favor do bom companheirismo, onde o parceiro apaixonado e no casamento tem sua parte de responsabilidade.

  • Mas o ritmo febril da União Soviética não torna as mulheres mais irresponsáveis ​​com a vida e suas obrigações?

  • Kollontai:

  • O que você quer dizer com 'irresponsável'? Se você se refere aos deveres domésticos e ao lar, as mulheres estão apenas tentando eliminar os muitos fatores desnecessários que as retêm e as mantêm na desigualdade. Liberdade não significa negligência, desapego ou irresponsabilidade. Libertação das labutas inúteis da domesticidade, libertação da devoção abjeta, mas acima de tudo, liberdade para o desenvolvimento. Nosso novo sistema social dá liberdade a milhões de mulheres, mas até que elas estejam praticamente livres de grilhões domésticos, a liberdade de uma mulher nunca estará no nível de um homem. Mas trabalhamos para educar homens e mulheres e organizar suas vidas segundo os princípios socialistas que são a base do nosso estado soviético. A mulher soviética não considera sua casa particular como o centro de sua vida. Se ela tiver que escolher entre suas obrigações para com o estado e a comunidade ou sua casa particular, ela certamente negligenciará o último e não o primeiro. Mas esse também não é o objetivo de negligenciar, desde que se tenha, uma casa particular. O objetivo em nosso mundo socialista é organizar a vida de uma maneira, de modo a evitar tais colisões, restringindo os deveres domésticos e domésticos e desenvolvendo todo tipo de maneiras sociais para libertar as mulheres do trabalho cansativo do trabalho doméstico e ajudar as mães para criar seus filhos. Esse é o problema.

  • Mas se você pensa que a União Soviética está educando sua população no clima de irresponsabilidade, então está muito enganado. É absolutamente o contrário. Em nenhum país do mundo a responsabilidade é tão valorizada. Faça um dos mais recentes discursos brilhantes de Stalin. Responsabilidade perante o estado e a comunidade, antes de tudo, e ao mesmo tempo responsabilidade para com quem você está pessoalmente conectado ─ a mulher que você ama e o homem que ama.

  • Devo dizer que as pessoas na União Soviética têm uma consciência muito maior do que antes. Eles pensam mais em sua relação com a sociedade do que nunca. E a responsabilidade social deles não diminuiu, mas cresceu. [Hoje, as mulheres, mesmo na parte oriental da União Soviética e nas aldeias longínquas, não se casam aos 14 ou 15 anos e começam a ter filhos a partir de então. Hoje, as mulheres racionalizam mais sobre o advento das crianças.] Sob o regime czarista, o número de crianças abandonadas por suas mães era bastante assustador. Isso era 'responsabilidade' com a vida? Hoje, homens e mulheres, embora saibam que o Estado assumirá uma grande responsabilidade em relação à criança, são educados a não esquecer suas obrigações pessoais para com a criança. As mulheres estão tentando, portanto, não assumir as obrigações da maternidade até sentirem que podem cumpri-las.

  • A facilidade das leis de divórcio não cria uma psicologia na mulher em que ela não se adapta à vida de casada em um esforço sério?

  • Kollontai:

  • As leis do casamento nunca realmente mantiveram o casamento se a união não é mantida unida por outros laços ─ amor e camaradagem. Não é assim em todos os outros países que a maioria dos casamentos existe por mera tolerância e continua por hábito ou por meras visões práticas e econômicas? E ainda assim, você pode vê-lo nas estatísticas, na literatura moderna ─ todos os países do mundo estão passando por uma era de divórcio. Mesmo sob o regime capitalista. No entanto, os dedos apontam para a União Soviética como se ela fosse o único país do mundo que permitiu o divórcio. Mas o divórcio, como já lhe disse, não liberta um homem ou uma mulher de obrigações mútuas ou deveres econômicos e morais para com a criança. Se existe um país onde os deveres morais são mantidos elevados é a União Soviética, não apenas os deveres comunitários são, estabelecidos como um todo, mas os deveres mútuos de pais com seus filhos e dos filhos, em outra etapa, para com pais idosos ou doentes.

  • O que é ou o que deveria ser - o principal interesse da mulher soviética: o amor por um homem - ou o Estado, a comunidade?

  • Kollontai:

  • A sociedade deve vir em primeiro lugar. Amor? - Ah sim. Isto tem seu lugar na vida da mulher, assim como na vida de um homem. Mas quando uma mulher tem interesses diversos, quando tem um trabalho que preza, o amor não controla sua vida. E se o amor a desapontou ─ e muitas vezes acontece ─ ela nunca pode se desmoronar se tiver seu trabalho e suas obrigações para com a comunidade em que está. Portanto, nós mulheres da União Soviética, damos nosso primeiro e duradouro amor à sociedade socialista, que estamos construindo com entusiasmo e energia e que nos dá a oportunidade de ser uma alma livre e de realizar um trabalho útil que apreciamos. Essa é a única maneira de superar a Eva antiga do passado e transformar a mulher em uma personalidade valiosa e completa, adaptada a um mundo melhor e progressivo de amanhã.

Sobre a nova lei do aborto (17 de julho de 1936)

Aleksandra Kollontai


  • Como as mulheres na União Soviética se posicionam em relação à nova lei do aborto?

  • Gostaria de salientar primeiro que é um erro colocar a questão do aborto em primeiro plano na avaliação da lei de 27 de junho. A nova lei tem outro propósito muito particular: dar às mulheres uma possibilidade ainda maior do que antes de combinar a maternidade com uma ocupação profissional de sua escolha. Sete dos oito artigos da lei tratam do aumento das provisões ou mantimentos para a mãe e para o filho. Com esta lei, o Estado Soviético enfatiza mais uma vez sua posição de princípio em relação à maternidade. A maternidade não é um assunto privado, mas uma função social natural das mulheres. Desde o primeiro dia da existência do Estado soviético, a legislação soviética sempre enfatizou a visão de que as mulheres têm duas tarefas principais na nova sociedade: ser cidadãs ativas do Estado e, ao mesmo tempo, não negligenciar a maternidade. Mas, para que as mulheres possam cumprir sua ocupação e dever do cidadão sem desvantagem da maternidade, o Estado deve garantir que a maternidade seja facilitada de todas as maneiras possíveis, por um lado, por uma ampla rede de instituições sociais para o bem-estar das crianças (creches, jardins de infância, estadias de crianças, lares para mães etc.), por outro lado, pelo apoio material estatal à mãe e, finalmente, por legislação detalhada que governa a questão do apoio à criança. A nova lei de 17 de junho é realmente uma extensão lógica desse princípio. por outro lado, pelo apoio material Estatal à mãe e, finalmente, por legislação detalhada que governa a questão do apoio à criança. A nova lei de 17 de junho é realmente uma extensão lógica desse princípio.

  • Com esta lei, o Governo Soviético assume uma enorme obrigação material em seu orçamento, a fim de realizar a expansão das instituições para o bem-estar de mães e filhos e fazer acomodações para as mulheres, para que possam cumprir suas duas tarefas sem desvantagem. para um pelo outro.

  • Mas o que significa o artigo 1) da lei, que abole a lei anterior para a permissibilidade de abortos e proíbe abortos?

  • A lei sobre a permissibilidade de abortos foi aprovada em 1920 na União Soviética sob a pressão de condições desfavoráveis ​​específicas que prevaleciam no país naquele momento. A Guerra Civil ainda não havia terminado. Prevaleceram severas condições de vida econômica e a principal tarefa do país que lutava por sua liberdade consistia em usar todas as forças para a construção de uma nova ordem social. As mulheres como cidadãs ativas do estado precisavam participar, mesmo que seus deveres maternos fossem deixados para trás.

  • Embora o governo tenha reconhecido legalmente a maternidade em função de mulheres de igual valor como seu trabalho para o estado, o estado ainda não podia garantir suficientemente as mulheres como mães. Assim, nessas condições, a lei que permitia o aborto foi aprovada.

  • Agora a população da União Soviética vive em condições completamente diferentes, mais favoráveis ​​e felizes. O bem-estar das pessoas na cidade e, em particular, no campo, melhorou bastante nos últimos anos. A posição das mulheres como em grupos de trabalho coletivo foi fortalecida. Chegou a hora do Estado e da sociedade fazerem tudo o que podem e devem para dar às mulheres a oportunidade de não apenas ter uma ocupação, mas também de serem mães.

  • Mas a antiga lei sobre o aborto não impediu as mulheres de se tornarem mães. Não houve compulsão pelo aborto e contracepção por abortos?

  • Sim, claro que não havia contracepção e compulsão. Mas há um fator psicológico aqui, contra o qual a nova lei lutará arduamente. Essa é a psicologia dos homens. Como eu já disse, no direito da família da União Soviética há uma disposição sobre o pagamento de pensão alimentícia. Mas é preciso dizer que, com muita frequência, os homens tentam evitar cumprir suas obrigações. Em muitos casos, foi particularmente o homem que instou a mulher a fazer um aborto, para que ele não tivesse que pagar pensão alimentícia. Gostaria de salientar particularmente que o primeiro artigo da lei contém uma disposição muito forte contra qualquer pessoa que influencie uma mulher a fazer um aborto. Tal ação é considerada criminal.

  • A luta contra o aborto na lei de 27 de junho tem um propósito muito particular: educar os homens para uma maior responsabilidade em relação a seus camaradas, as mulheres. No artigo 8 da nova lei, a questão do apoio à criança é fortemente enfatizada. Além disso, o não pagamento de pensão alimentícia é considerado criminoso. A lei estabelece uma série de medidas para aliviar a carga econômica da maternidade para a mulher, enquanto, por outro lado, impõe uma obrigação muito maior do que antes ao homem em relação aos filhos;

  • Como a nova lei facilita a vida das mulheres?

  • Primeiro, aumentamos a quantidade de apoio Estatal para a mãe. Segundo, é punível recusar o emprego de uma mulher devido à gravidez. Além disso, a licença legal de gravidez é aumentada por lei para 56 dias, também para os trabalhadores de escritório. Toda família que tem mais de 6 filhos recebe uma contribuição anual do estado. O número de creches está aumentando muito, assim como o número de jardins de infância e outras instituições. E, finalmente, o apoio financeiro do estado a todas essas instituições quase dobrará.

  • Gostaria também de enfatizar que a lei realiza logicamente a política social da União Soviética em relação às relações familiares e matrimoniais. A lei deixa apenas uma parte da carga econômica para os pais. O estado assume cada vez mais os deveres morais e econômicos em relação às crianças. A lei de 27 de junho é uma indicação do desenvolvimento mais amplo das instituições sociais para provisões e mantimentos para crianças pequenas.

  • As mulheres na União Soviética são, em primeiro lugar, cidadãos independentes e iguais que participam ativamente da construção da nova sociedade. E se, ao mesmo tempo, cumprirem seus deveres maternos, o Estado estará ao lado delas com toda a assistência disponível.

  • Você não acredita que a abolição da antiga lei, que previa livremente o aborto na União Soviética, levaria a uma reação desfavorável nos outros países, onde as mulheres radicais estão liderando uma luta corajosa pelo direito ao aborto?

  • Acredito que, se alguém julga a lei da maneira correta, não se deixará influenciar negativamente nessa luta corajosa e não dará novas armas aos oponentes do aborto.

  • Não se pode comparar as condições sob as quais as mulheres na União Soviética vivem e trabalham com as condições em outros países. Enquanto o estado da União Soviética não fosse capaz de fornecer assistência completa, ampla e eficaz para a maternidade, e enquanto a prosperidade econômica para as grandes massas da população da União Soviética não fosse garantida, os abortos na União Soviética seriam permitidos por lei.

  • Em nenhum outro país existem garantias como as da União Soviética que facilitam a maternidade para as mulheres. Enquanto as mulheres ou os homens viverem sob a pressão do desemprego, desde que o nível dos salários não seja suficiente para uma família, desde que as condições de moradia sejam desfavoráveis ​​e enquanto o Estado não facilite a maternidade para todas as mulheres de várias maneiras e não fornece serviços sociais para mãe e filho, é claro que as mulheres devem defender abortos gratuitos.

  • Em que casos e sob quais critérios o aborto é permitido na União Soviética?

  • Nos termos do ponto 1 do artigo 1º da nova lei, a realização de abortos é permitida nos casos em que a gravidez é uma ameaça à vida da mulher ou causa graves consequências à saúde da mulher grávida. Os abortos também são permitidos se as doenças dos pais puderem ser transmitidas aos filhos. Assim, os princípios eugênicos foram levados em consideração na nova lei.

  • Você ainda não me deu uma resposta direta à minha primeira pergunta: como as mulheres na União Soviética se posicionam em relação à nova lei?

  • A lei de 27 de junho na União Soviética foi aprovada após uma ação extremamente democrática do governo soviético. O projeto desta lei foi discutido livremente durante um mês inteiro nas fábricas, escritórios, no campo, etc. Milhares de cartas foram enviadas pelas próprias mulheres e também pelos homens. A imprensa discutiu a favor e contra a lei e muitas das propostas do projeto foram levadas em consideração na aprovação da lei. A maioria das mulheres se manifestou a favor da nova lei, principalmente, porque a lei teria um certo efeito na mentalidade dos homens; devendo aumentar o sentimento de responsabilidade dos homens por crianças e mulheres. As mulheres são calorosas defensoras desta lei. Mas, parece-me que os homens eram um pouco mais reservados. Isso mostra particularmente a utilidade da lei.

Traduzido do inglês Por Klaus Scarmeloto Fonte de ambos os textos: https://www.revolutionarydemocracy.org


Alexandra Kollontai

A mulher soviética - uma cidadã plena e igualitária de seu país 1946

  • É um fato bem conhecido que a União Soviética alcançou sucessos excepcionais ao atrair mulheres para a construção ativa do estado. Essa verdade geralmente aceita não é contestada nem pelos nossos inimigos. A mulher soviética é uma cidadã plena e igual de seu país. Ao abrir para as mulheres o acesso a todas as esferas da atividade criativa, nosso estado garantiu simultaneamente todas as condições necessárias para que ela cumprisse sua obrigação natural - a de ser mãe criando seus filhos e amante de sua casa.

  • Desde o início, a lei soviética reconheceu que a maternidade não é um assunto privado, mas o dever social da cidadã ativa e igual. Esta proposição está consagrada na Constituição. A União Soviética resolveu um dos problemas mais importantes e complexos de como fazer uso ativo do trabalho feminino em qualquer área, sem que isso prejudique a maternidade.

  • Foi dada muita atenção à organização de cantinas públicas, jardins de infância, acampamentos dos jovens pioneiros, playgrounds e creches -— instituições que, como Lenin escreveu, facilitam na prática a emancipação das mulheres e são capazes, na prática, de reduzir a desigualdade feminina em relação aos homens. Mais de sete mil centros de consulta para mulheres e crianças foram estabelecidos na URSS, dos quais metade estão em áreas rurais. Mais de 20 mil creches foram organizadas. Deve-se salientar aqui que na Rússia czarista em 1913 existiam apenas 19 creches e 25 jardins de infância, e mesmo essas não eram mantidas pelo Estado, mas por organizações filantrópicas.

  • O estado soviético fornece crescente assistência material às mães. As mulheres recebem subsídios e férias pagas antes e após o nascimento da criança e seu cargo é mantido aberto para elas até que retornem da licença.

  • Famílias grandes e monoparentais recebem subsídios do Estado para ajudá-los a sustentar e criar seus filhos. Em 1945, o estado pagou mais de dois milhões de rublos em tais subsídios. O título 'Mãe-Heroína' foi concedido a mais de 10 mil mulheres somente no RSFSR, enquanto a ordem de 'Glória Materna' e 'Medalha da Maternidade' foram concedidas a 1.100 mil mulheres.

  • As mulheres soviéticas justificaram a confiança e a preocupação demonstradas por seu estado. Eles demonstraram um alto grau de heroísmo, tanto no trabalho pacífico e criativo antes da guerra, durante os anos de batalha armada contra os invasores nazistas, quanto agora nos esforços para cumprir as tarefas monumentais estabelecidas pelo novo plano de cinco anos. Muitos ramos da indústria em que o trabalho feminino é predominante estão entre os primeiros a cumprir seus planos. Igualmente dignas de menção são as enormes conquistas das camponesas soviéticas, que carregavam sobre seus ombros a maior parte do ônus do trabalho agrícola durante os anos da guerra.

  • Nossas mulheres dominam profissões que há muito são consideradas domínio exclusivo dos homens. Existem mulheres motoristas, mecânicas, operadoras de torno, instaladoras, trabalhadoras bem qualificadas encarregadas dos mecanismos mais complexos.

  • As mulheres da União Soviética trabalham em pé de igualdade com os homens para promover a ciência, a cultura e as artes; eles ocupam um lugar de destaque nos serviços nacionais de educação e saúde.

  • Em um país onde, há 30 anos, das 2.300 mil mulheres trabalhadoras, 1.300 mil trabalhavam como empregadas nas cidades e 750 mil como trabalhadoras rurais no campo, em um país onde quase não havia mulheres engenheiras, quase nenhuma cientista e nomeação a um posto de ensino era acompanhado por condições que insultavam a dignidade feminina, naquele país existem agora 750 mil professoras, 100 mil médicas e 250 mil engenheiras. As mulheres compõem metade do corpo discente em instituições de ensino superior. Mais de 33 mil mulheres trabalham em laboratórios e institutos de pesquisa, 25 mil possuem títulos e diplomas acadêmicos e 166 foram agraciadas com o Prêmio Estadual por suas realizações em ciência e trabalho.

  • As mulheres da União Soviética estão implementando seus direitos políticos na prática. O Soviete Supremo da URSS tem 277 deputadas, enquanto 256 mil foram eleitas para órgãos rurais, urbanos, regionais e republicanos do poder estatal ...

  • As mulheres da União Soviética não precisam exigir de seu governo o direito ao trabalho, o direito à educação, o direito à proteção da maternidade. O próprio estado, o próprio governo, atrai as mulheres para o trabalho, dando amplo acesso a todas as esferas da vida social, ajudando e recompensando as mães.

  • Durante os anos de invasão de agressores nazistas, mulheres soviéticas e mulheres de outros países democráticos viram com seus próprios olhos a necessidade de travar uma incansável batalha contra o nazismo até que todos os traços dele fossem removidos. Só isso poupará ao mundo a ameaça de novas guerras.

  • A luta pela democracia e pela paz duradoura, a luta contra a reação e o fascismo, é a principal tarefa que enfrentamos hoje. Afastar as mulheres dessa tarefa básica e importante, tentar confiná-las a organizações feministas 'puramente femininas', só pode enfraquecer o movimento democrático das mulheres. Somente a vitória da democracia pode garantir a igualdade das mulheres.

  • Nós, as mulheres da Terra dos Sovietes, dedicamos toda a nossa energia ao trabalho criativo, ao cumprimento das tarefas monumentais estabelecidas pelo plano quinquenal, sabendo que, ao fazê-lo, estamos fortalecendo o baluarte da paz em todo o mundo — e pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

  • Ao mesmo tempo, devemos estar atentos às intrigas dos reacionários e expor seus planos e intenções, suas tentativas de dividir as fileiras da democracia.

  • A unidade de todas as forças da democracia é a nossa arma mais confiável na luta contra a reação, na luta pela liberdade e paz em todo o mundo.

Traduzido do Inglês por Klaus Scarmeloto, fonte:

https://www.marxists.org/archive/kollonta/1946/full.htm

Mães da Coreia


  • A RPDC celebra significativamente o dia 16 de novembro todos os anos como Dia das Mães. No passado, as mulheres coreanas viveram uma vida sem valor acorrentada por cadeias feudais que duraram gerações. Experimentando o miserável destino de uma nação escravizada nos dias da ocupação militar (1905-1945) pelos imperialistas japoneses, elas foram privadas de sua personalidade e dignidade como mulheres e eram obrigadas a negar o direito à maternidade de forma digna. Pior ainda, eles não tinham para onde se queixar de sua triste situação.

  • No entanto, como elas tinham os melhores líderes Kim Il Sung e Kim Jong Il na mais alta estima após a libertação da Coreia, elas puderam perceber o verdadeiro significado de "mãe" um nome precioso e sagrado.

  • Os grandes líderes elucidaram a posição e o papel das mulheres em cada período e em cada etapa do desenvolvimento da revolução coreana e convocaram reuniões nacionais de mães em diversas ocasiões. Com uma nobre intenção de que o país avançasse vigorosamente com as mulheres cheias de vigor e vitalidade, eles fizeram obras em hospitais e se preocuparam com o atendimento às gestantes. Eles se certificaram de que melhorar o papel das mulheres em todos os aspectos dos assuntos do Estado e da vida social fosse mantido como uma tarefa revolucionária consistente.

  • Sob seu cuidado benevolente, as raízes sócio-históricas que restringiram a liberdade das mulheres e seu direito à maternidade por milhares de anos foram eliminadas de uma vez por todas. Várias creches e jardins de infância foram esplendidamente construídos perto de fábricas e em aldeias rurais e o número de políticas sociais para o bem estar das mães, inclusive a questão da educação gratuita aumentou. O Hospital de Maternidade de Pyongyang, o Jardim de infância de Changgwang, a creche Kim Jong Suk e outras instalações de saúde e bem-estar foram desenvolvidas em diferentes partes do país. A política da RPDC de dar prioridade máxima à conveniência e aos interesses das mães em todo o país e na sociedade produziu muitos episódios emocionantes como os helicópteros que são mandados para trazer as mães e bebês de aldeias distantes para Pyongyang.

  • O Líder Supremo Kim Jong Un, que herdou a visão nobre sobre o futuro e as crescentes gerações apreciadas pelos grandes líderes, administra a política de construir um paraíso para mães e filhos. Ele participou de um concerto realizado para marcar o dia 8 de março, o Dia Internacional da Mulher, e felicitou as mulheres nessa ocasião. Ele considerou que o Quarto Encontro Nacional de Mães foi realizado em grande estilo por ocasião do Dia das Mães em 2012, e teve uma sessão de fotos com as participantes na reunião. Algumas dos participantes receberam altas distinções estatais. O Instituto do Tumor do Peito do Hospital de Maternidade de Pyongyang, o Hospital Infantil Okryu e outras estruturas construídas recentemente no país estão associados ao seu caloroso amor para mães e crianças.

  • Na RPDC que incorporou consistentemente a política de amar e respeitar as mulheres, as mães do país participaram livremente da vida social e do Estado, exercendo seus direitos independentes ao máximo.

Hospital Maternidade de Pyongyang

  • Localizado no distrito de Taedonggang, Pyongyang, o hospital é um centro de atendimento médico abrangente para mulheres coreanas. É uma maternidade grande e padronizada, dedicada ao tratamento ginecológico e ao trabalho profilático, orientação técnica e metodológica, pesquisa científica, educação clínica e treinamento de reserva.

  • Inaugurado em Julho de 1980, o hospital cobre uma área de construção de mais de 10 000 m2 e um espaço total de mais de 60 000 m2.

  • O exterior do edifício lembra uma mãe abraçando crianças de braços abertos.

  • No lobby há um grande lustre decorado com dezenas de milhares de pedras preciosas e seu piso é coberto com jóias naturais.

  • O hospital é equipado com equipamentos e aparelhos médicos atualizados para garantir a exatidão científica e a prontidão do tratamento médico.

  • Possui departamentos especializados para gravidez e parto, ginecologia, medicina interna, urologia, odontologia, primeiros socorros, oftalmologia e otorrinolaringologia. Ele trata centenas de pacientes ambulatoriais por dia e presta assistência a 15 mil mulheres por ano.

  • Centenas de milhares de bebês, incluindo centenas de trigêmeos, nasceram no hospital e foi oferecido serviços médicos de alta qualidade a milhões de mulheres, incluindo estrangeiras.

  • Mais recentemente, foi construído o Instituto de Câncer da Mama do Hospital de Maternidade de Pyongyang, especializado na pesquisa, tratamento e prevenção de doenças da mama.

  • Maternidade com garantias em tempo completo

  • Mais de 3.500 mães de filhos com deficiências severas são protegidas pela Previdência Social

Observação: Os textos acima sobre a maternidade na RPDC e sobre o hospital designado para isso, vem do do Blog abaixo chamado de "A VOZ DO POVO", todas as traduções desse blog abaixo são do militante Lenan Cunha. E são o maior acervo disponível sobre a REPUBLICA POPULAR DEMOCRÁTICA DA COREIA.

Maternidade em Cuba com garantias em tempo completo

Mais de 3.500 mães de filhos com deficiências severas são protegidas pela Previdência Social


  • «A entrega de recursos é uma das modalidades de proteção que nós temos», declara a vice-diretora de Prevenção, Assistência e Trabalho Social, Belkis Delgado Cáceres. Photo: Ismael Batista

  • OS sonhos de Ana se esvaíram mal recebeu o diagnóstico, poucas semanas depois do nascimento do seu bebê. O nome quase impossível de proferir do padecimento era a constância de que existia uma deficiência severa na criança, que viria a mudar irremediavelmente a dinâmica familiar. Ela não veria seu filho formar-se no que ele quiser para ganhar a vida e ela teria que se engajar totalmente, e durante a vida toda, no seu cuidado.

  • Os anos já pesam para Maria. A partir do nascimento sua filha é totalmente dependente dela. A filha quase atinge os 30 anos e são muitos os momentos felizes que dá para todos em casa, apesar de suas deficiências. Porém, a mãe só tem uma preocupação: Quem cuidará dela quando eu não existir?

  • Certamente Ana e María são personagens imaginárias, mas a situação destas mães de filhos com deficiências severas está longe de ser uma invenção, pois não são poucas as mulheres que enfrentam circunstâncias deste tipo e a vida faz com que se dediquem totalmente ao atendimento de seus filhos. E a elas, quem as protege? Como recebem o sustento para elas e suas crianças?

  • O TEMPO TODO

  • Conversando com a vice-diretora-geral do Instituto Nacional de Previdência Social, Haydée Franco Leal, tratamos de temas como a proteção que Cuba oferece às mães de filhos com deficiência severa, as quais — perante a situação médica das crianças — são obrigadas a desvincular-se do emprego.

  • «Hoje, a legislação da proteção da maternidade da mulher trabalhadora concebeu a ajuda para o caso da mãe que tiver um filho com uma doença que requeira de atendimento especial ou que possua uma deficiência física sensorial.

  • «Levando em conta que essa criança não pode ser levada a um centro de educação nem de saúde; caso completar um ano de vida acarretando estes problemas, existe uma licença não retribuída para a mãe, até a criança completar os três anos».

  • «A legislação contempla outras licenças não retribuídas para a proteção da criança, as quais seriam posteriores aos três anos, caso esta não possa ser institucionalizada, bem seja na educação ou na saúde pública».

  • «Também existe o cumprimento de determinados requisitos que estabelece a lei no caso da mulher trabalhadora: depois de trabalhar quatro meses nos limites do semestre anterior à solicitação da licença, tem direito para pedir uma licença não retribuída, para o cuidado da criança, até os 17 anos de idade».

  • Segundo a especialista, estas medidas de proteção mostram a essência humanista da Revolução Cubana para aqueles que mais necessitam dela, pois as pessoas que não são aptas para trabalhar — incluindo as mães que devem cuidar de seus filhos o tempo completo — não são abandonadas à própria sorte.

  • Segundo a vice-diretora-geral do Instituto Nacional de Previdência Social, Haydée Franco Leal, as medidas de proteção mostram a essência humanista da Revolução Cubana para aqueles que mais necessitam dela. Photo: Ismael Batista

  • «A proteção para as mães de filhos com deficiência severa que tiveram que deixar o emprego, porque a criança demandava atendimento permanente e por tempo indefinido, não era concebida na legislação anterior. Foi por isso que surgiu esta disposição, que é um exemplo vivente do humanismo de nosso sistema revolucionário».

  • «Com o novo Decreto-lei no 339 foi reconhecido o tempo dedicado ao cuidado da criança como tempo de serviço para que a mãe, após atingir os requisitos estabelecidos na legislação, possa acessar ao direito da pensão por idade, estabelecida no Regime Geral de Previdência Social para os trabalhadores».

  • NINGUÉM FICA DESAMPARADO

  • Até agora, só falamos da trabalhadora com um filho que padece alguma deficiência, mas pode acontecer que a mãe do filho com deficiência severa não tenha vínculo de trabalho.

  • Também elas têm o direito à proteção da Previdência Social.

  • A vice-diretora de Prevenção, Assistência e Trabalho Social explica que a lei 505, entre os serviços comunitários, estabelece uma proteção às mães de filhos com deficiência severa.

  • «Esta proteção consiste no reconhecimento dos anos de serviço do tempo que a mãe dedique ao atendimento do filho permanentemente», sublinhou a funcionária».

  • «Esse é considerado o trabalho da mãe, é por isso que se reconhecem estes anos, a partir de que se avalia a proteção, começando a aposentadoria, para que a mãe tenha o direito avaliado na lei que manifesta acessar, em algum momento, à pensão de aposentadoria».

  • «Esse é um caso que também gera, ao falecer a mãe, pensão por sobrevivência para o filho com deficiência. As duas pensões são geradas através daquilo que é estabelecido pela lei».

  • «Caso falecer a mãe e a criança permanece viva, como qualquer mãe traba-lhadora, tem uma pensão por sobrevivência para que tenha uma ajuda econômica».

  • AS PRESTAÇÕES

  • As mães de filhos com deficiência severa, consideradas pessoas protegidas pelo regime da Previdência Social, desfrutam de outros serviços que é pertinente mencionar: prestações monetárias temporárias, o pagamento do bilhete de transporte e da estada em outra província para fazer um tratamento médico sistemático fora do lugar onde a pessoa mora; o pagamento do serviço de eletricidade para pacientes com doenças crônicas que são definidas na Resolução 146ª, do Ministério da Saúde Pública e a entrega de equipamentos e recursos àquelas pessoas que carecem deles e que são vitais para manter a vida do paciente em seu domicilio.

  • «A entrega de recursos — declara a vice-diretora de Prevenção, Assistência e Trabalho Social — é uma das modalidades de proteção que nós temos».

  • «Contamos com um orçamento amplo desde 2014 até hoje, com o qual se pode respaldar a situação de muitas famílias que têm uma situação social crítica e que identificamos. A partir disso se entregam os recursos necessários para que, sobretudo, as crianças e idosos, referindo algumas das pes-soas que são vulneráveis na família, mantenham uma vida digna».

  • «Isso na população tem um impacto muito positivo e soluciona diferentes problemas pontuais que vínhamos enfrentando há muito tempo. Agora temos um orçamento na Previdência Social que é destinado, somente, para a compra destes equipamentos, independentemente do orçamento que temos sempre para outras prestações».

  • Embora seja conhecido que a mãe é muito importante na vida de uma criança com qualquer tipo de deficiência, a proteção que se concede às mães nesta situação também é aplicada aos pais.

  • Os dados oferecidos pela diretoria de Prevenção, Assistência e Trabalho Social, mostram que até o primeiro trimestre de 2017 estavam protegidos pela Previdência Social 3.622 familiares de mães de filhos com deficiência severa no país todo.

  • Números que falam por si só das não poucas mulheres com histórias seme-lhantes às das heroínas que apareceram neste artigo e que, independentemente de sua situação para trabalhar, sempre têm para elas e para seus fi-lhos as garantias de uma vida com dignidade, amparo e a atendimento.

  • •••••

  • A quem protege a Previdência Social em Cuba?

  • • A necessidade de proteção da previdência social é determinada quando se demonstra a deficiência dos membros da família para incorporar-se ao trabalho, motivados por situações de saúde, deficiência ou outras causas justificadas; quando se verifiquem insuficiências das receitas para assumir a alimentação ou medicamentos, o pagamento de serviços básicos e a carência de familiares obrigados a oferecer apoio.

  • •••••

  • As mães do setor não estatal

  • • NO setor não estatal cada uma das atividades que hoje se desempenha é amparada pelos regimes especiais da Previdência Social, os quais são concebidos para adequar os benefícios às condições nas quais realizam a atividade essas trabalhadoras.

  • A maternidade da trabalhadora é condicionada aos benefícios, mas não são iguais. O conceito da licença não retribuída não está no setor não estatal; contudo a mãe pode pedir a suspensão do exercício da atividade por razões justificadas e contempladas em cada um dos regimes especiais no quais se ampara a trabalhadora que tem que se dedicar ao cuidado da criança.

  • Fonte: http://pt.granma.cu/cuba/2017-06-16/maternidade-com-garantias-em-tempo-completo

0 visualização

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com