Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Os Grandes Expurgos: houve uma conspiração militar?

Atualizado: Out 4



Yuri Emelyanov

Doutor em Ciências Históricas

(CAPÍTULO DO LIVRO "10 MITOS SOBRE 1937") Traduzido Por Klaus Scarmeloto

https://bit.ly/3jmSs82

  • No XXII Congresso do CPSU, N.S. Khrushchev anunciou publicamente que os líderes militares soviéticos, chefiados por M.I. Tukhachevsky, haviam sido presos sob falsas acusações. Segundo ele, os materiais fabricados pela Gestapo, a inteligência alemã conseguiu transferir para o presidente da Tchecoslováquia E. Beneš, que, por sua vez, os transferiu para Stalin. Esta versão foi repetida por D.D. Volkogonov. Stalin e sua comitiva foram acusados de confiança cega na farsa de Hitler e de falta de vontade de acreditar no marechal da União Soviética e em outros líderes militares. No entanto, em uma conversa com F. Chuev em dezembro de 1971, V.M. Molotov disse: "Sabíamos da conspiração mesmo sem Beneš, até sabíamos a data do golpe".

  • Em meados dos anos 30. sentimentos de oposição também se intensificaram na liderança do Exército Vermelho, entre os quais havia muitos dos indicados de Trotsky. A luta de vários grupos entre os comandantes soviéticos, que Sergei Minakov descreveu em detalhes, centrou-se no confronto entre as lideranças do Comissariado do Povo de Defesa, chefiado por K.E. Voroshilov e várias pessoas chefiadas por Gamarnik, Yakir, Tukhachevsky e outros. Esse confronto se intensificou, segundo Minakov, “diante da iminente ameaça de guerra“ em duas frentes”, catastrófica para o país.

  • Desde o início da criação da conspiração antigovernamental, o componente militar desempenhou um papel cada vez maior nela. A importância dos conspiradores militares aumentou após a queda de Yenukidze e Yagoda. Sergei Minakov, um pesquisador de conspiração militar, enfatizou: "Com todo o seu comportamento, a elite militar que surgiu em 1931 mostrou desobediência, exerceu pressão sobre os processos políticos internos e, em particular, a política externa, insistindo, em essência, em uma mudança no curso político." Ao mesmo tempo, como observou Minakov, a elite militar “tentou forçar Stalin e sua imperiosa comitiva a empreender uma mudança radical no sistema e na estrutura da liderança do país: transferir um dos cargos-chave - o comissário de defesa do povo - para seu representante, um profissional militar ...

  • A situação atual provocou a busca de líderes alternativos a Stalin, galvanizando o interesse das elites políticas e militares nos ex-“líderes”, olhando cada vez mais de perto o “líder” militar nas condições da guerra iminente, “adivinhando” tal líder, antes de tudo, em Tukhachevsky.

  • Enquanto isso, enquanto os trotskistas reais e imaginários eram presos, os militares participantes da conspiração também caíram nas mãos dos trabalhadores do NKVD. Preso em julho de 1936, o Comandante Divisional D. Schmidt começou a testemunhar contra o comandante do distrito militar de Kiev I.E. Yakira. Quando Schmidt foi levado para Moscou, Yagoda informou ao participante da conspiração Y. Gamarnik sobre isso. Como R. Balandin e S. Mironov enfatizaram, “aparentemente, com esta mensagem Yagoda queria mostrar que foi forçado a prender uma pessoa do círculo de Gamarnik e Yagoda, porque as circunstâncias da investigação fugiram de seu controle, Yagoda, e agora Yezhov e dedicado a ele Agranov".

  • Após a prisão de D. Schmidt em agosto de 1936, um dos acusados no julgamento de Zinoviev, Kamenev e outros, I.I. Dreitser disse que existe um grupo de oposição entre os militares, que inclui o vice-comandante do corpo militar do distrito militar de Leningrado, comandante V.M. Primakov e o adido militar na Grã-Bretanha, comandante do corpo de exército V.K. Putna.

  • Durante o processo do "centro paralelo", palavras foram ouvidas que poderiam ser interpretadas como um aviso a Tukhachevsky. Réu K.B. Radek disse que em 1935 "Vitaly Putna veio até mim com um pedido de Tukhachevsky." É verdade que na sessão noturna do mesmo dia, Radek, declarando que Putna pertencia a uma organização clandestina, negou resolutamente o envolvimento de Tukhachevsky nas atividades do "centro paralelo" trotskista. E, no entanto, a sombra da suspeita foi lançada sobre o Vice-Comissário da Defesa do Povo.

  • É óbvio que as primeiras informações sobre a conspiração dos militares em Moscou vieram de Paris. Há evidências de que Yezhov enviou a Stalin uma nota com os materiais da ROVS (a organização de emigrantes brancos parisienses "União de Armas Combinadas da Rússia"). Ele disse que “na URSS, um grupo de comandantes de alto escalão está preparando um golpe de estado ... Argumentou-se que o marechal M.N. Tukhachevsky. Stalin enviou uma nota a Ordzhonikidze e Voroshilov com uma resolução: "Por favor, leia." Talvez Stalin tenha enviado uma nota sobre a conspiração de Tukhachevsky para Ordzhonikidze por um motivo. Ao contrário de Voroshilov, a quem Stalin decidiu comunicar esta mensagem, porque Tukhachevsky era seu vice, o provável significado do gesto de Stalin para Ordzhonikidze poderia ser interpretado da seguinte maneira: aqui, dizem, veja o que dizem sobre a pessoa que defendeu.

  • Muito foi falado sobre os conspiradores militares por vários líderes do Terceiro Reich. Eles estavam cientes da cooperação entre o Reichswehr e o Exército Vermelho durante o período do acordo secreto de 1923 a 1933. No decorrer dessa cooperação, estreitos laços pessoais foram estabelecidos entre Tukhachevsky e vários outros líderes militares soviéticos com generais alemães. Isso, em particular, foi contado por uma das pessoas mais informadas da Alemanha nazista, tradutor pessoal de A. Hitler Paul Schmidt, que escreveu seus livros sob o pseudônimo de Paul Carell. (Não é por acaso que em seu famoso livro A ascensão e queda do Terceiro Reich, William Shearer mais de uma vez admirou a consciência de Schmidt e o citou mais de uma vez ao descrever a história da Alemanha de Hitler.) Em seu livro Hitler Goes East, Paul Schmidt-Carell descreveu em detalhes como Tukhachevsky, Yakir e outros tentaram reviver os laços que foram estabelecidos com os líderes militares alemães durante o período do acordo Radek-Seeckt. O famoso chefe da inteligência estrangeira da Alemanha, Walter Schellenberg, também escreveu sobre isso em suas memórias.

  • Paul Schmidt-Carell apresentou informações conhecidas do alto escalão da Alemanha nazista sobre uma conspiração de figuras militares e políticas da URSS, lideradas por M.N. Tukhachevsky e Ya.B. Gamarnik. A espinha dorsal da conspiração foi o Exército do Extremo Oriente, comandado por V.K. Blucher. Como Schmidt-Carell argumentou, “desde 1935, Tukhachevsky criou uma espécie de comitê revolucionário em Khabarovsk ... Incluía os mais altos comandantes do exército, mas também alguns funcionários do partido que ocupavam altos cargos, como o líder do partido no norte do Cáucaso Boris Sheboldaev " Embora Schmidt-Carell não conhecesse muitos aspectos da conspiração e da composição de seus participantes, ele observou corretamente seu caráter "político-militar".

  • Como Paul Schmidt-Carell argumentou, quando no início de 1936 Tukhachevsky, que chefiou a delegação soviética no funeral do Rei George V, estava de passagem por Berlim a caminho da Inglaterra e de volta, ele se encontrou com “importantes generais alemães. Ele queria garantias de que a Alemanha não usaria quaisquer eventos revolucionários possíveis na União Soviética como pretexto para uma marcha para o Leste. O principal para ele foi a criação de uma aliança russo-alemã após a derrubada de Stalin. "

  • Isso se deveu em grande parte ao fato de que Tukhachevsky, como outros conspiradores, temia um confronto armado com a Alemanha. Os líderes militares alemães experimentaram medos semelhantes. Apoiando totalmente a ascensão de Hitler ao poder e suas ações para rearmar a Alemanha, eles sabiam que a Alemanha ainda não estava pronta para a guerra. É verdade que outros países do mundo também não estavam prontos para a guerra. Em grande parte, isso se devia ao fato de que o progresso da tecnologia militar não acompanhava o ritmo do rearmamento de exércitos em todo o planeta. O cálculo de Hitler baseou-se no fato de que, no final dos anos 30, as outras grandes potências haviam ficado para trás da Alemanha em seus preparativos militares. Ao mesmo tempo, ele acreditava que o tempo estava trabalhando contra a Alemanha e, portanto, os países ocidentais e a URSS alcançariam esse atraso.

  • O Ministro da Defesa e o Comandante Supremo da Alemanha Marechal de Campo von Blomberg e o comandante do exército, General von Fritsch, falaram abertamente contra o plano de aventura de Hitler em uma reunião em 7 de novembro de 1937. Eles rejeitaram esse plano não porque lutassem pela paz, mas porque perceberam que a implementação do plano de Hitler levaria a Alemanha a uma derrota militar ainda mais grandiosa do que em 1918. Logo, os dois líderes militares foram grosseiramente comprometidos e demitidos.

  • No entanto, a represália contra os principais líderes militares da Alemanha não impediu o crescimento da oposição entre os generais alemães que não queriam levar o país à derrota. Entre os militares, amadureceu uma conspiração contra Hitler, da qual participaram inicialmente os principais líderes das Forças Armadas alemãs. Eles responderam à proposta de concluir um "pacto de não agressão" secreto entre os militares da Alemanha e da URSS. É possível que já nesta fase estivessem dispostos a garantir a Tukhachevsky e outros a não ingerência nos assuntos da URSS durante o golpe militar em troca da não ingerência da ditadura militar instaurada na URSS após um golpe semelhante na Alemanha.

  • Enquanto isso, rumores de uma conspiração entre militares dos dois países começaram a chegar nas capitais de estados europeus. O enviado da Tchecoslováquia em Berlim Mastny em janeiro de 1937 com alarme informou ao presidente de seu país Benes que os alemães haviam perdido o interesse nas negociações que estavam naquele momento com a Tchecoslováquia para resolver questões polêmicas, porque começaram a proceder da inevitabilidade de mudanças bruscas no Soviete política externa após o esperado golpe de Estado em breve na URSS. No caso de forças pró-alemãs chegarem ao poder em Moscou, a Tchecoslováquia não poderia mais contar com o apoio da URSS, com a qual estava vinculada pelo tratado de assistência mútua de 1935.

  • Isso é confirmado pela declaração de Benes em sua conversa com o plenipotenciário soviético Aleksandrovsky em 7 de julho de 1937. Conforme declarado na transcrição da conversa, de janeiro de 1937, Benes “recebeu sinais indiretos sobre a grande proximidade entre o Reichswehr e o Exército Vermelho. Desde janeiro, ele está esperando como isso vai acabar. O enviado da Tchecoslováquia Mastny em Berlim é um informante extremamente preciso ... Mastny teve duas conversas em Berlim com representantes proeminentes do Reichswehr ... "

  • Claro, as reuniões de Tukhachevsky e outros contatos entre os militares soviéticos e os alemães não podiam passar pela atenção da Gestapo. Tendo sabido dos agentes da Gestapo sobre uma conspiração entre os militares dos dois países, o chefe da RSHA R. Heydrich informou Hitler sobre isso. Claro, Hitler poderia ter prendido os conspiradores. No entanto, todos os seus planos foram baseados na propaganda do poderio militar alemão. Qualquer repressão maciça nas fileiras das forças armadas minaria a crença em sua onipotência, enquanto Hitler inicialmente confiava principalmente em blefes. Portanto, ele decidiu quebrar a conspiração entre os militares soviéticos e alemães, sem revelar o que sabia sobre isso.

  • Em suas memórias, W. Schellenberg escreveu que, tendo recebido informações sobre a conspiração dos militares dos dois países, "Hitler ordenou que os oficiais do quartel-general do exército alemão fossem mantidos no escuro sobre o passo planejado contra Tukhachevsky". “E então, uma noite Heydrich enviou duas equipes especiais para invadir os arquivos secretos do Estado-Maior e do Abwehr, o serviço de inteligência militar chefiado pelo Almirante Canaris ... Material relacionado à cooperação do Estado-Maior Alemão com o Exército Vermelho foi encontrado e apreendido. Material importante também foi encontrado nos arquivos do almirante Canaris. Para esconder os vestígios, foram iniciados incêndios em vários locais, que rapidamente destruíram todos os sinais de arrombamento.” Isso aconteceu entre 1 e 3 de março de 1937.

  • Como Schellenberg enfatizou, “certa vez foi afirmado que o material coletado por Heydrich para confundir Tukhachevsky consistia principalmente em documentos fabricados deliberadamente. Na realidade, muito pouco foi forjado - não mais do que o necessário para preencher algumas das lacunas. Isso é confirmado pelo fato de que todo o volumoso dossiê foi preparado e apresentado a Hitler em um curto período de tempo - quatro dias. O dossiê causou forte impressão em Hitler, que aprovou a proposta de transferir esses materiais: para Stalin, o líder da potência soviética mais hostil à Alemanha nazista. Para a transmissão das informações, decidiu-se utilizar pessoas que participaram das negociações Alemanha-Tchecoslováquia.

  • Carell alegou que Benes recebeu informações sobre o golpe iminente em Moscou e, ao mesmo tempo, as mesmas informações foram enviadas pela inteligência alemã para Paris. O então ministro da Defesa E. Daladier informou ao embaixador soviético em Paris V. Potemkin sobre "a possibilidade de mudanças em Moscou" e "um acordo entre a Wehrmacht nazista e o Exército Vermelho". Aleksandrovsky escreveu que “parece que é 22 de abril” Benes colocou diante dele a questão da possibilidade de um acordo entre a Alemanha e a URSS. No entanto, a julgar pelas palavras de Aleksandrovsky, durante esta conversa: Benes falou apenas em dicas vagas.

  • Esclarecendo como a informação era transmitida de Praga a Moscou, W. Schellenberg escreveu: “Decidiu-se estabelecer contato com Stalin pelos seguintes canais: um dos agentes diplomáticos alemães que trabalhava sob a liderança do SS Standartenfuehrer Boehme era um emigrante alemão que vivia em Praga. Por meio dele, Boehme estabeleceu contato com um amigo de confiança do Dr. Beneš ... O Dr. Benesch escreveu imediatamente uma carta a Stalin pessoalmente, da qual Heydrich recebeu uma resposta pelos mesmos canais para estabelecer contato com um dos funcionários da embaixada soviética em Berlim. Assim o fizeram, e o russo nomeado imediatamente voou para Moscou e voltou acompanhado pelo enviado pessoal de Stalin, que tinha poderes especiais em nome de Yezhov. " Obviamente, a esta altura, Stalin já havia recebido informações suficientes para suspeitar que os militares e seus aliados entre os líderes do partido cometem crimes, mas os nomes exatos e as evidências ainda não foram apresentados. Além disso, informações de Berlim indicaram que os conspiradores recorreram aos militares da Alemanha, um país hostil à União Soviética, em busca de apoio.

  • A essa altura, os conspiradores haviam feito um progresso significativo em seus preparativos para um golpe militar. As prisões de vários participantes da conspiração, bem como a desgraça de Yenukidze e Yagoda, forçaram os conspiradores a agir mais rápido e com mais energia. Além disso, após a remoção de Yenukidze e Yagoda do poder, a ala militar da conspiração começou a desempenhar um papel decisivo nela. Em meados de fevereiro de 1937, o Vice-Comissário do Povo para Assuntos Internos da Ucrânia Zinoviy Kantselson informou a seu parente A. Orlov (Feldbin) que os líderes do Exército Vermelho “estavam em um estado de “reunir forças”. Embora naquela época os conspiradores "ainda não tivessem chegado a um acordo sobre um plano de golpe firme ... Tukhachevsky acreditava que era necessário" sob algum pretexto plausível "convencer o" Comissário do Povo da Defesa Voroshilov ... a pedir a Stalin que convocasse a mais alta conferência sobre problemas militares da Ucrânia , O Distrito Militar de Moscou e algumas outras regiões, cujos comandantes estavam a par dos planos de conspiração. Tukhachevsky e outros conspiradores deveriam aparecer com seus assessores de confiança. A uma certa hora ou com sinal, dois regimentos de elite do Exército Vermelho bloqueiam as ruas principais que levam ao Kremlin para bloquear o avanço das tropas do NKVD. No mesmo momento, os conspiradores anunciarão a Stalin que ele foi preso. Tukhachevsky estava convencido de que o golpe poderia ser realizado no Kremlin sem distúrbios. " Kantselson estava confiante no sucesso: “Tukhachevsky é um líder respeitado do exército. A guarnição de Moscou está em suas mãos. Ele e seus generais têm passes do Kremlin. Tukhachevsky reporta regularmente a Stalin, ele está além de qualquer suspeita. Ele vai organizar uma conferência, chamar dois regimentos sobre o alarme - e é isso https://stalinism.ru/repressii/byil-li-zagovor-voennyih.html

  • Tukhachevsky acreditava que, após a tomada do poder, Stalin deveria ter sido baleado imediatamente. No entanto, o próprio Kantselson, bem como vários outros participantes na conspiração, em particular, o primeiro secretário do Comitê Central do Partido Comunista (Bolcheviques) da Ucrânia S. Kosior e o Comissário do Povo para Assuntos Internos da Ucrânia Balitsky, acreditavam que "Stalin deveria ter sido submetido ao plenário do Comitê Central." As ações dos conspiradores se aceleraram após o final do plenário de fevereiro-março do Comitê Central do Partido Comunista dos Bolcheviques de União. Simultaneamente com o expurgo no NKVD, a ofensiva de Moscou contra a liderança ucraniana continuou. Em 17 de março, Postyshev foi demitido do cargo de segundo secretário do Comitê Central do PC (b) U e foi eleito primeiro secretário do comitê regional do partido de Kuibyshev. Uma campanha foi lançada em Kiev contra os "métodos de trabalho não bolcheviques" de Postyshev. Enquanto isso, rumores começaram a se espalhar amplamente na Europa Ocidental de que um golpe militar estava sendo preparado em Moscou. No Boletim da Oposição, Trotsky escreveu que "a insatisfação dos militares com o ditame de Stalin coloca seu possível discurso na ordem do dia". Em 9 de abril de 1937, o chefe do GRU do Exército Vermelho S. Uritsky informou a Stalin e Voroshilov que havia rumores em Berlim sobre a oposição à liderança soviética entre os líderes militares do país. Uritsky, entretanto, estipulou essa mensagem com a observação de que esses rumores são pouco acreditados.

  • Em abril, o vice-chefe do departamento de blindados do Exército Vermelho M.M. Olshansky, comandante do 9º corpo de rifles do distrito militar de Moscou G.N. Kutateladze, o ex-chefe da segurança governamental V.Pauker, o ex-comandante do Kremlin R.A. Peter-son, o comandante do Kremlin, comissário divisionário M.A. Imyaninnikov.

  • Esses eventos forçaram os participantes da conspiração a acelerar seu discurso. De acordo com Carell, uma apresentação foi agendada para 1º de maio de 1937. A escolha do dia do golpe deveu-se principalmente ao fato de que "a realização de um desfile militar no Primeiro de Maio permitiria o envio de unidades militares a Moscou sem levantar suspeitas". No entanto, as circunstâncias da política externa interferiram no desenvolvimento dos eventos.

  • No final de abril, em Londres, foi anunciado que em 12 de maio de 1937 ocorreria a coroação de Jorge VI, que havia assumido o trono há cinco meses no lugar de Eduardo VIII, que abdicou do trono. Foi decidido em Moscou que Tukhachevsky conduziria novamente a delegação soviética a essa cerimônia real. De acordo com Karell, ao saber de sua viagem de negócios a Londres, Tukhachevsky decidiu aproveitar a oportunidade para mais uma vez acertar com os generais alemães a cooperação durante e após o golpe. “Tukhachevsky adiou o golpe por três semanas. Este foi o seu erro fatal. "

  • Há evidências de que as ações dos conspiradores foram evitadas no último minuto. A celebração de 1º de maio em Moscou para os conhecedores foi realizada em uma atmosfera de expectativa ansiosa por acontecimentos imprevistos. Segundo o depoimento de meu pai, que estava em uma das arquibancadas da Praça Vermelha em 1º de maio de 1937, durante o desfile, espalhou-se entre os presentes o boato de que o Mausoléu, onde estavam Stalin e outros líderes do país, estava prestes a explodir. Também houve rumores sobre outros ataques terroristas planejados.

  • O jornalista inglês Fitzroy Maclean, que esteve presente em 1º de maio de 1937 na Praça Vermelha, escreveu que ficou impressionado com o aumento da tensão no comportamento dos líderes que estiveram no Mausoléu de Lenin: sua posição elevada. " Só Stalin ficou imperturbável, e sua expressão era simultaneamente "indulgente e entediada, impenetrável". A tensão reinou entre os líderes militares que estavam localizados ao pé do Mausoléu. Como escreveu V. Krivitsky, que havia fugido da URSS, os presentes na Praça Vermelha notaram que Tukhachevsky “primeiro chegou ao pódio reservado aos chefes militares ... Então Yegorov chegou, mas não respondeu à saudação de Tukhachevsky. Então Gamarnik se juntou a eles em silêncio. Os militares ficaram em um silêncio assustador e sombrio.

  • Aparentemente, naquela época, Tukhachevsky estava se preparando para partir para Londres. Em 3 de maio de 1937, os documentos de Tukhachevsky foram enviados à Embaixada Britânica na URSS e em 4 de maio foram retirados. O chefe da delegação soviética para a coroação de George VI foi nomeado Vice-Comissário da Defesa do Povo para a Marinha V.M. Orlov. Obviamente, as suspeitas que aumentaram depois de 1º de maio forçaram a liderança do país a reconsiderar repentinamente a decisão sobre a saída de Tukhachevsky.

  • Enquanto isso, em 6 de maio, o comandante da brigada M.E. Medvedev foi preso. Conforme relatado no Izvestia do Comitê Central do PCUS (1989, No. 12), um dia após sua prisão, Medvedev anunciou sua participação em uma organização conspiratória "chefiada pelo Subcomandante do Distrito Militar de Moscou, BM Feldman".

  • Na noite de 14 de maio, o chefe da Academia Militar de Frunze, Comandante do Exército A.I. Cortiça. R. Balandin e S. Mironov escreveram: “Um dia depois de sua prisão, Kork escreveu duas declarações a Yezhov. A primeira é sobre a intenção de dar um golpe no Kremlin. O segundo é sobre a sede do golpe liderado por Tukhachevsky, Putnaya e Kork. Segundo ele, Yenukidze estava envolvido na organização conspiratória e “a principal tarefa do grupo era dar um golpe no Kremlin”.

  • Preso em 15 de maio, B.M. Feldman, no quarto dia após sua prisão, começou a testemunhar contra outros participantes da conspiração. Nessa época, um mês e meio após sua prisão, ele começou a testemunhar contra Yenukidze, Tukhachevsky, Peterson e Kork G.G. Baga. Cerca de um mês depois de sua prisão, os trabalhadores do NKVD presos Gai e Prokofiev começaram a testemunhar contra seus colegas na conspiração.

  • Em 22 de maio, Tukhachevsky foi preso e o presidente do conselho central de OSOAVIAKHIM, comandante R.P. Eideman. Três dias após sua prisão, Tukhachevsky começou a confessar. No livro de N.A. Os "Marechais e Secretários Gerais" de Zenkovich publicaram o testemunho de Tukhachevsky, escrito por ele na prisão interna do NKVD. Ele escreveu que o golpe foi originalmente planejado para dezembro de 1934. Mas teve que ser adiado devido ao assassinato de Kirov. Os conspiradores se assustaram com uma explosão de indignação popular. R. Balandin e S. Mironov não excluem o fato de que depois de 1º de dezembro de 1934 "a proteção dos líderes estaduais foi reforçada".

  • Em 24 de maio, Stalin, por si próprio, enviou um documento aos membros e candidatos a membros do Comitê Central do PCUS (b) para votação por enquete, que dizia: "Com base nos dados que expõem o membro do Comitê Central do PCUS (b) Rudzutak e o candidato a membro do Comitê Central do PCUS (b) Tukhachevsky em anti-soviético trotskista-direita conspiratória e trabalho de espionagem contra a URSS em favor da Alemanha fascista, o Politburo do Comitê Central do Partido Comunista da União dos Bolcheviques põe em votação uma proposta para expulsar Rudzutak e Tukhachevsky do partido e transferir seus assuntos para o Comissariado do Povo. No mesmo dia, um candidato a membro do Politburo e vice-presidente do Conselho de Comissários do Povo da URSS Ya.E. Rudzutak foi preso. Na mesma época, o ex-plenipotenciário da URSS na Turquia, L.K. Karakhan, foi preso. Outras prisões se seguiram. 11 de junho M.I. Tukhachevsky, I.P. Uborevich, I.E. Yakir, B.M. Feldman, R.P. Eideman, A.I. Kork, V.K. Putna e V.M. Primakov compareceu perante o Colégio Militar da Suprema Corte da URSS. O veredicto foi pronunciado no mesmo dia.

  • Stalin se recusou categoricamente a explicar as ações dos conspiradores por suas convicções ideológicas e políticas. Como no plenário de fevereiro-março, Stalin rejeitou a condenação indiscriminada das pessoas por seu compromisso anterior com o trotskismo. Stalin também rejeitou a explicação da participação de várias pessoas na conspiração por sua origem "estrangeira de classe". Ele declarou: “Dizem que Tukhachevsky é um latifundiário ... Tal abordagem, camaradas, não resolve nada ... Lênin era de origem nobre ... Engels era filho de um fabricante - elementos não proletários, como vocês desejam. O próprio Engels dirigia sua fábrica e alimentava Marx com ela ... Marx era filho de um advogado, não filho de um trabalhador rural e não filho de um trabalhador ... Consideramos o marxismo não uma ciência biológica, mas uma ciência sociológica. "

  • Embora rejeitando as acusações que poderiam se tornar a base para desencadear repressões em uma base ideológica ou de classe e, assim, desestabilizar a sociedade soviética, Stalin ao mesmo tempo enfatizou que na URSS não havia condições para a insatisfação em massa com o sistema existente e a política governamental.

  • Stalin disse: “Aqui nós prendemos 300-400 pessoas. Existem boas pessoas entre eles. Como foram recrutados? " Stalin argumentou que apenas "pessoas fracas" poderiam ser recrutadas. Ele parecia estar pensando em voz alta: “Acho que eles agiram assim. Uma pessoa está insatisfeita com algo, por exemplo, ela está insatisfeita com o fato de ser um ex-trotskista ou zinovievita e não foi nomeado tão livremente, ou está insatisfeita com o fato de ser uma pessoa incapaz, não cuidar de seus negócios e ser rebaixada para isso, e se considera muito capaz. Às vezes é muito difícil para uma pessoa entender a medida de sua força, a medida de seus prós e contras. Às vezes uma pessoa pensa que é um gênio e, portanto, fica ofendida quando não é indicada. "

  • Stalin disse: "Aqui temos 300-400 homens presos. Há boas pessoas entre eles. Como eles foram recrutados"? Stalin alegou que somente "pessoas de baixa resistência" poderiam ser recrutadas. Ele parecia estar pensando em voz alta: "Acho que foi assim que eles agiram". Uma pessoa está insatisfeita com algo, por exemplo, com o fato de ser um ex-Trotskysta ou Zinovievista e não é tão livremente promovido, ou insatisfeita com o fato de ser incapaz, não consegue fazer negócios e é reduzido por isso, mas continua a se considerar muito capaz. Às vezes é muito difícil para uma pessoa compreender a medida de sua força, a medida de seus prós e contras. Às vezes uma pessoa pensa que é um gênio e, portanto, fica ofendida quando não é promovida.

  • Stalin disse: "Se eles tivessem lido o plano, como queriam assumir o Kremlin... Eles começaram pequenos — com um grupo ideológico, e depois continuaram. Houve uma conversa assim. A PSU está em nossas mãos, a Berry está em nossas mãos... Temos o Kremlin em nossas mãos, porque Peterson está conosco, o Distrito de Moscou, Cork e Gorbachev também estão conosco. Nós temos tudo. Ou se movem agora ou amanhã, quando chegarmos ao poder, fiquem sobre o feijão. E muitas pessoas fracas e instáveis pensavam que este caso era real, era até lucrativo. Você não está percebendo, o governo será preso nesse meio tempo, a guarnição de Moscou será apreendida, e todas essas coisas, e você permanecerá falido. É exatamente isso que Peterson diz em seu testemunho. Ele levanta as mãos e diz: é uma coisa real, como não recrutar? Acontece que não é tão real assim. Mas estas pessoas fracas raciocinavam exatamente assim: como não ficar para trás. Vamos direto ao assunto, ou você estará falido".

  • Partindo do fato de que o núcleo da conspiração é pequeno, e apenas algumas poucas pessoas de baixa força estavam envolvidas nela, Stalin pediu para limitar o alcance da repressão: "Acho que entre nosso povo, tanto na linha de comando quanto na linha política, ainda existem tais camaradas que estão acidentalmente feridos. Disse-lhe algo, quis envolvê-lo, assustou-o, chantageou-o. É bom implementar tal prática, para que, se tais pessoas vierem e nos falarem sobre tudo - para perdoá-los.

  • É evidente que a conspiração militar-política, da qual participaram figuras proeminentes do Exército Vermelho, era uma realidade. Ao mesmo tempo, é claro que durante sua exposição Stalin e sua comitiva procuraram se limitar à despromoção de figuras militares proeminentes, e após a prisão de 300-400 figuras militares não expandiram o círculo de presos, mesmo que houvesse pessoas envolvidas na conspiração. Estas circunstâncias refutam o mito de que as acusações de conspiração de figuras militares eram apenas uma consequência da confiança cega de Stalin na falsificação de Hitler ou de seu desejo de lidar com os líderes militares indesejados.


25 visualizações

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com