Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Julgamentos de Moscou de 1936-1938: a derrota dos dissidentes ou da quinta coluna?

Atualizado: Out 2



Mikhail Chisty Estudante PhD Faculdade de História Moscow State University 2014-11-18 17:48 Traduzido por Klaus Scarmeloto Original: https://bit.ly/2Sjjv8d

  • No período pós-perestroika em nosso país, forças políticas que contavam com o apoio da "comunidade mundial" assumiram o controle. Todos os principais passos da política interna e externa, que prejudicaram os interesses da Rússia, foram coordenados com os governos das principais potências mundiais. Atualmente, após a reunificação da Crimeia e de Sebastopol com a Rússia, intensificou-se a atividade das associações políticas, que se autodenominam "democratas", "liberais", orientadas para o Ocidente. Eles estão tentando trazer a Rússia de volta aos dias de seu governo nos anos 90.

  • Nesse sentido, é relevante analisar a atuação de forças que buscam utilizar a assistência de Estados estrangeiros na luta contra o governo. É especialmente importante encontrar uma resposta à pergunta: eles lutam contra o nosso Estado, ou, como eles próprios dizem, contra o regime, enquanto os países ocidentais, do seu ponto de vista, são assistentes na luta pela "democracia". A esse respeito, uma dessas associações merece atenção especial - o bloco pratrotskista, em cujas atividades permanecem muitos "espaços em branco".

  • O tema dos processos de 1936-1938 (o centro trotskista-zinovievista, o centro paralelo trotskista, o bloco trotskista) é um dos mais polêmicos na esfera social e política, mesmo dentro do movimento de esquerda. Assim, desde a época do XX Congresso do PCUS, realizado em 1956, eles tentaram formar uma opinião segundo a qual os trotskistas e bukharinistas em 1937 passaram para o lado de I.V. Stalin que cortou laços com Trotsky. Como N.S. Khrushchev em seu relatório no referido congresso, eles alegadamente não eram espiões, pestes e conspiradores, nenhuma evidência de suas atividades anti-soviéticas existe, exceto por suas próprias confissões, supostamente obtidas por investigadores através de tortura. Durante os anos da "perestroika" de Gorbachev, todos os envolvidos nos julgamentos de Moscou foram reabilitados. A tese principal de uma série de pesquisadores burgueses e até mesmo de alguns pesquisadores de esquerda resume-se ao fato de que eles lutaram contra a degeneração burocrática do poder, pela democratização e I.V. Stalin, em virtude de seus hábitos ditatoriais naturais, supostamente os removeu.

  • Enquanto isso, atualmente, uma quantidade considerável de informações foi revelada que confirma a composição dos crimes nas atividades dos trotskistas e bukharinitas que eles estavam realmente envolvidos naquilo de que foram oficialmente acusados ​​nos julgamentos de 1936 a 1938. Claro, houve muitos excessos quando as autoridades locais organizaram "competição" entre si no número de contrarrevolucionários identificados e derrotados. Tudo isso foi condenado sob I.V. Stalin, que foi mencionado em documentos como a resolução do Conselho de Comissários do Povo da URSS e do Comitê Central da AUCPB (b) de 28 de abril de 1937, em sua resolução conjunta de 17 de novembro de 1938, bem como na proposta do Politburo ao Procurador-Geral da URSS A.Ya. Vyshinsky em 5 de maio de 1937, a respeito da revisão de uma série de sentenças judiciais contra engenheiros e técnicos de Donbass, condenado sem fundamentos suficientes. Ao mesmo tempo, o bloco trotskista de direita, que tinha seus representantes no partido, no aparelho de Estado, no Exército Vermelho, no NKVD, células locais,

  • Em nossa opinião, para estabelecer o quadro real dos acontecimentos, é aconselhável refutar de forma consistente os principais mitos que se implantaram desde o XX Congresso do PCUS, utilizando fontes nacionais e estrangeiras publicadas nos últimos anos.

  • Mito 1. Os trotskistas e os Bukharniks não representaram nenhuma ameaça ao regime stalinista na década de 1930. Além disso, muitos deles se mudaram contra Trotsky, passaram para o lado de I.V. Stalin e ocuparam cargos importantes no partido e no aparelho soviético.

  • Na verdade, na década de 1920, os partidários de Trotsky formaram grupos conspiratórios para desenvolver planos anti-stalinistas. O filho de Trotsky, Lev Sedov, falou ativamente em reuniões secretas. O próprio Lev Davidovich na brochura "Lev Sedov: Filho, Amigo, Lutador" , publicada em 1938 após a morte de seu filho, observou que em 1923 ele "mergulhou de cabeça nas atividades da oposição. Ele rapidamente dominou a arte de conspirações, reuniões ilegais e impressão secreta e distribuição de documentos da oposição. " Portanto, tratava-se da transição para métodos ilegais de luta pelo poder.

  • Essa tendência se desenvolveu na década de 1930. Externamente, os ex-companheiros de armas de Trotsky (Radek, Pyatakov, Kamenev, Zinoviev) romperam formalmente com ele, em discursos eles o marcaram, e Trotsky, por sua vez, os acusou de traição. Esse é o lado de fora. Na realidade, eles usaram a tática de enganar o partido - para assumir posições de responsabilidade, colocar a máscara de partidários do poder soviético e, pelas costas da liderança da URSS, eles mantiveram contatos com Trotsky, desenvolveram planos conspiratórios. Os seguintes fatos e documentos são diretamente indicativos disso: O historiador J. Arch Getty em 1980 na Biblioteca Huotno da Universidade de Harvard descobriu nos arquivos de Trotsky recibos postais de cartas enviadas por ele na década de 1930 para Radek, Sokolnikov, Holtsman... O maior número de receitas foi em 1932, quando se formou o bloco trotskista. Esta é a questão de que as pessoas listadas supostamente interromperam a conexão com L.D. Trotsky e parou a luta. Foi a tática de lutar contra I.V. Stalin, como evidenciado pelos materiais de uma das cartas de Lev Sedov a seu pai em 1932 , descoberto nos arquivos de Trotsky pelo historiador Pierre Bruet. “[O bloco] está organizado. Incluía os zinovievistas, o grupo Stan-Lominadze e os trotskistas ... A declaração de Z. e K. sobre seu maior erro em 27 foi feita durante as negociações com os nossos sobre o bloco, pouco antes da deportação de Z e K. ”. (nota: Z e K - Zinoviev e Kamenev).

  • O comunista suíço e membro do comitê executivo do Comintern J. Amber-Droz foi outrora associado de N. Bukharin. Em 1971, nas suas memórias, escreve sobre o último encontro com ele, durante o qual teve lugar uma longa conversa. Segundo o comunista suíço, ele foi informado por Bukharin "sobre as conexões de seu grupo com a facção Zinoviev-Kamenev para coordenar a luta contra o governo de Stalin". Humbert-Droz reagiu negativamente a esta aliança, já que outrora lutaram contra o programa trotskista e depois da vitória as diferenças políticas podem dividi-los. Ele também observou que Bukharin disse que "eles decidiram usar o terror individual para se livrar de Stalin".

  • Você também deve consultar as publicações na imprensa de um dos associados de Bukharin - Valentin Astrov, que viveu até o final do século XX. Assim, no jornal Izvestia de 27 de fevereiro de 1993, ele lembrou como, no verão de 1931, Bukharin "declarou explicitamente a necessidade de matar STALIN". Além disso, segundo ele, Bukharin levantou a questão do bloqueio da linha partidária ". É importante notar que Astrov escreveu sobre isso no início dos anos 1990, quando aqueles que tentaram provar a inocência dos inimigos do poder soviético divulgaram o clima na imprensa.

  • Assim, os partidários de Trotsky e Bukharin unidos, eles organizaram tentativas contra I.V. Stalin, V.M. Molotov, K.E. Voroshilov, S.M. foi morto por sua iniciativa. Kirov em 1934. Eles também esperavam realizar um golpe militar em 1937 com a ajuda de seu povo no Exército Vermelho, que incluía Tukhachevsky, Yakir, Uborevich e outros. Mas todas essas questões serão consideradas em um artigo separado.

  • Não se limitando a isso, o bloco trotskista de direita lançou uma campanha de sabotagem e sabotagem nas instalações de produção e transporte. Como isso aconteceu pode ser visto nas memórias do engenheiro americano J. Littlepage "In Search of Soviet Gold". Ele descreve como enfrentou a confusão nas minas de Ural, depois explicou tudo ao pessoal das empresas, depois do que a situação começou a melhorar acentuadamente. Mas, após a intervenção da comissão do líder do partido dos Urais I. Kabakov, que agiu com o conhecimento do Vice-Comissário do Povo da Indústria Pesada G.L. Pyatakov, sua condição voltou a ficar crítica. Uma imagem semelhante foi observada no Cazaquistão nas minas de chumbo-zinco Ridder. Com isso, os indicadores de produção caíram e a indústria sofreu perdas.

  • Mito 2. Não houve cooperação entre Trotsky, Bukharin e seus apoiadores com a Alemanha e o Japão. Além disso, em suas obras, Trotsky afirmou que na guerra que se aproximava ele era pela URSS, periodicamente equiparando Stalin e Hitler, ele até acusou o primeiro de dividir o movimento antifascista na Alemanha no início dos anos 1930.

  • Claro, L.D. Trotsky escreveu sobre tudo isso em suas obras. Mas, ao mesmo tempo, ele manteve silêncio sobre muitos aspectos de suas atividades. Então, em 1927, quando um perigo militar pairava sobre a União Soviética, ele clamou abertamente pela "restauração das táticas de Clemenceau, que ... se opôs ao governo francês numa época em que os alemães estavam a oitenta quilômetros de Paris". Além disso, Trotsky não negou suas palavras, explicando em sua carta a Ordzhonikidze de 11 de julho de 1927, a essência do derrotismo, que consiste em ajudar "a derrota de" seu "estado, que está nas mãos de uma classe hostil". Exatamente a mesma ideia que desenvolveu em uma conversa com o escritor liberal alemão Emil Ludwig nas Ilhas dos Príncipes. O escritor postou o conteúdo dessa conversa em seu livro "Gifts of Life". Trotsky afirmou que a Rússia estava supostamente em um beco sem saída, o plano de cinco anos e a industrialização estavam falhando. Quando questionado sobre quantos seguidores ele tem na Rússia, Trotsky disse que era difícil determinar, mas eles estavam desunidos e trabalhavam na clandestinidade. À pergunta de E. Ludwig, quando ele e seus apoiadores esperam falar abertamente novamente, a resposta foi : “Quando haverá uma oportunidade favorável de fora? Talvez uma guerra ou uma nova intervenção europeia - então a fraqueza do governo será um incentivo. "

  • As táticas escolhidas são idênticas às adotadas pelo general Andrei Vlasov durante a Segunda Guerra Mundial - a luta contra seu governo com a ajuda de invasores estrangeiros. Pura traição ...

  • Abaixo, fornecemos informações que confirmam a cooperação das forças trotskistas-Bukharinistas com os alemães e japoneses na década de 1930. Assim, em 20 de fevereiro de 1937, o jornal Miako de Tóquio publicou um relatório sobre a reunião da comissão de planejamento orçamentário do governo japonês. Nela, o deputado Yoshida perguntou ao Ministro da Guerra japonês, General Sugiyama, se ele sabia alguma coisa sobre a capacidade da Ferrovia Siberiana. Este último respondeu afirmativamente e acrescentou que “há elementos na Rússia que se opõem ... ao governo”, e deles receberam as informações relevantes. Após a publicação, o jornal foi multado por divulgar informações sigilosas, e seu editor-chefe, por insistência do Ministério da Guerra, renunciou.

  • Muita informação confirma o fato da cooperação entre trotskistas e nazistas. Assim, deve-se atentar para a fraude dos trotskistas espanhóis - o Partido dos Trabalhadores da Associação Marxista (POUM), chefiado por um dos amigos de Trotsky, Andrés Nin. Em palavras, eles defenderam forçar as transformações socialistas, acusaram a liderança do Partido Comunista Espanhol de trair os interesses da classe trabalhadora, formalmente faziam parte da Frente Popular contra os rebeldes de Franco. Além disso, A. Nin atuou como Ministro da Justiça na Catalunha na época em que Franco levantou um motim. Ao mesmo tempo, o governo republicano foi criticado. À primeira vista, parecia que isso era uma manifestação de contradições dentro das forças de esquerda, mas todas são contra o fascismo. Porém, no verão de 1937, em um momento decisivo, Os trotskistas espanhóis se revoltaram contra o governo republicano em Barcelona. Descobriu-se que o POUM estava colaborando secretamente com Franco. Então, 23 de outubro de 1937o chefe da polícia de Barcelona, ​​tenente-coronel Burillo, publicou documentos secretos que apreenderam sobre a conspiração do POUM. Decorreu deles que a organização estava envolvida na espionagem a favor dos nazistas, sabotagem organizada do transporte de munições do exército republicano e operações militares na frente.

  • O POUM também contou com o apoio da Alemanha, sobre a qual o P.A. Sudoplatov em suas memórias “Special Operations. Lubyanka e o Kremlin, 1930 - 1950 ". Segundo ele, os trotskistas espanhóis se rebelaram contra o governo republicano em Barcelona em 1937 com o apoio da Abwehr, conforme relatado a eles por um dos futuros líderes de seu grupo clandestino "Capela Vermelha" Schulze-Boysen. Após sua prisão, a Gestapo o acusou de transmitir essas informações. Assim, em um fragmento da transcrição do tribunal nazista, notou-se que “no início de 1938, durante a Guerra Civil Espanhola, o acusado por sua posição soube que um levante contra o governo vermelho local em Barcelona estava sendo preparado em conjunto com o serviço secreto alemão. Esta informação, juntamente a informação recebida de Polnitsa, foi transmitida por ele à Embaixada da Rússia Soviética em Paris. ” Isso é aproximadamente o que L.D. Trotsky em 1927, propondo o slogan de repetir as táticas de Clemenceau. Com todas as consequências decorrentes ...

  • É importante analisar como os trotskistas atuaram em muitos países durante a Segunda Guerra Mundial. Todas as suas ações confirmam a justiça da propaganda de Stalin, que os acusava de ajudar os fascistas. Assim, em setembro de 1938, quando os alemães se preparavam para atacar a Tchecoslováquia, o jornal de Nova York Socialistappil, que apoiava os trotskistas, escreveu em um editorial: “A Tchecoslováquia é uma aberração monstruosa na família dos poderes, nascida da vergonhosa Conferência de Versalhes ... Tchecoslováquia a democracia sempre foi apenas um véu gasto jogado sobre a exploração capitalista desenvolvida ... Esta perspectiva requer de nós, em todas e quaisquer circunstâncias, uma oposição revolucionária real ao estado burguês da Checoslováquia. " Na China, os trotskistas operaram sob a liderança da inteligência militar japonesa. O chefe do serviço de informação japonês em Beiping em 1937 afirmou sem rodeios: que para o benefício do Japão, eles deveriam “apoiar um grupo de trotskistas e contribuir para o sucesso de suas atividades em diferentes partes da China, já que esses chineses minam a unidade do povo chinês. Eles trabalham sutilmente e com grande habilidade. " Nos Estados Unidos, que fazem parte dos países da coalizão anti-Hitler, os trotskistas também foram condenados como cúmplices dos nazistas e sabotadores. Por exemplo, em 1o de dezembro de 1941, um tribunal distrital federal em Mineapolis considerou 18 importantes trotskistas culpados de uma conspiração organizada para minar a disciplina e a lealdade dos soldados e marinheiros americanos. Entre os condenados estava o advogado de Trotsky, A. Goldman, um de seus ex-guarda-costas no México, Jake Cooper, e outros. Todos receberam um ano e 16 meses de prisão. E em março de 1943, o órgão trotskista "Militant" foi removido das listas da rede postal dos EUA, porque "atrapalha e prejudica o governo em seus esforços para levar a guerra a uma conclusão vitoriosa". Um decreto do Ministério da Justiça declarou que o Militante "abertamente agitou as massas populares contra a participação na guerra ... As colunas desta publicação ... apareceram materiais ... calculados para criar oposição aos esforços militares e minar o espírito do exército e da marinha."

  • Da mesma forma, os trotskistas estavam prontos para agir em nosso país durante o ataque alemão.

  • Mito 3. Trotsky não apoiou a restauração do capitalismo. Como segunda pessoa do Partido Bolchevique, ele não poderia assumir tal posição.

  • Esse L.D. Trotsky considerava impossível construir o socialismo em um único país, admitia a possibilidade de sua vitória apenas em escala mundial - é bem sabido. Portanto, no final dos anos 1910, quando um fogo revolucionário estava queimando em todo o mundo, ele defendeu uma revolução mundial. Na década de 1920, quando a onda revolucionária no mundo estava morrendo, ele assumiu posições opostas, que podem ser julgadas tanto por fatos específicos quanto por fontes primárias . Como você sabe, em 1925 L.D. Trotsky foi nomeado para o cargo de presidente do comitê de concessão, após o que começou a concluir acordos com empresas internacionais em termos onerosos. Assim, em 14 de novembro de 1925, a concessão para o desenvolvimento das minas de Lena foi transferida para a empresa Lena Goldfields... O consórcio bancário britânico, que era dono de Lena Goldfields e mantinha laços com o banco americano Kuhn Leeb, recebeu o direito de minerar ouro por 30 anos. Nos termos do acordo, a área de concessão cobre o território de Yakutia até as encostas orientais dos Montes Urais. A empresa recebeu o direito de extrair não só ouro, mas também ferro, chumbo, prata, cobre, recebeu à sua disposição um enorme complexo de empresas metalúrgicas, em particular, Bisertsky, Seversky, plantas metalúrgicas Revdinsky, depósitos de cobre Zyuzelskoye e Degtyarskoye, minas de carvão Yegorshinsky, ferro Revdinsky minas. Nestes termos do acordo de partilha de produção, a participação do governo soviético na extração de metais preciosos era de apenas 7%. Assim, a empresa dispõe de enormes preferências, um vasto território e um número significativo de empresas.

  • A questão não é que tenha havido uma suposta devastação, e foi necessário usar qualquer um, inclusive investidores estrangeiros, para criar todas as condições para eles, apenas para tirar a economia da crise, segundo vários pesquisadores. Desde 1921, quando foi introduzida a NEP, o país saía da ruína, o governo soviético, claro, usava o mecanismo de concessões, mas em certa quantidade e em condições favoráveis ao nosso estado. Porém, em 1925, quando a economia do nosso país atingiu o nível de 1913, estava em pauta a questão da superação do atraso, da transformação da Rússia de país agrário em industrial. Naquela época, houve uma experiência negativa em que a Rússia, tendo entrado na Primeira Guerra Mundial, não resolveu problemas importantes. Assim, uma parcela significativa da economia era o setor agrícola, com uma pequena parcela da indústria (em uma proporção de 80 a 20% a favor do campo, enquanto nos países europeus a proporção das proporções dessas indústrias era aproximadamente igual), máquinas e equipamentos eram adquiridos no exterior. Durante a Primeira Guerra Mundial, esse atraso se transformou em graves consequências econômicas para nosso país, já que a A.I. Denikin. Houve um precedente! Com o amadurecimento de uma nova ameaça externa, era importante atentar para a industrialização. E nessas condições, Trotsky via o capital estrangeiro como o principal motor do desenvolvimento, fornecendo-lhe todos os recursos em quantidades ilimitadas, sem realmente controlar suas atividades. A propósito, os estrangeiros que receberam uma fatia significativa da economia nacional de nosso país não se envolveriam seriamente na industrialização da URSS - ninguém levantaria um concorrente com as próprias mãos. Além disso, esta conclusão sugere-se a partir da consideração das atividades da referida empresa “Lena Goldfields”, que prometeu investimentos na conclusão do acordo, mas não investiu um único rublo no desenvolvimento de minas e empreendimentos. Todas as suas atividades se resumiam exclusivamente à exportação de ouro para o exterior.

  • Deve-se notar que o próprio Trotsky em Moya Zhizn, relembrando suas atividades como chefe do comitê de concessão, escreve que ele não foi guiado de forma alguma por considerações de aumentar a economia nacional. Segundo ele, "na luta contra a estúpida abordagem nacional das questões econômicas (" independência "através do isolamento autossuficiente)" ele apresentou "o problema de desenvolver um sistema de coeficientes comparativos da nossa economia e do mundo. Esse problema surgiu da necessidade de uma correta orientação no mercado mundial ... ”. Ele observou que "por sua própria essência, o problema dos coeficientes comparativos, decorrentes do reconhecimento da dominação das forças produtivas mundiais sobre as nacionais, significava uma campanha contra a teoria reacionária do socialismo em um determinado país."Tendo rastreado os fatos acima mencionados, tendo lido estas linhas de Trotsky, pode-se facilmente responder à pergunta se a propaganda stalinista atribuiu a ele a ideia da restauração capitalista, ou se ele realmente procurou implementá-la.

  • Trotsky desenvolveu essa ideia na "Carta aberta aos membros do PCUS (b)", publicada no "Boletim da oposição" em 23 de março de 1930. Ele avaliou a industrialização e coletivização levada a cabo na URSS como uma "aventura", criticou seus métodos forçados (esquecendo que a URSS estava em um anel de países inimigos prontos para atacar). Conclui que é necessário desviar-se desta política. Trotsky escreveu literalmente o seguinte: “De qualquer maneira, um recuo é inevitável. Deve ser feito o mais cedo possível e na maior ordem possível . "Preste atenção nas palavras “recue o máximo possível” - é claro que estamos falando de restauração capitalista. Entre suas propostas, publicadas neste artigo, estava a seguinte: “abandonar os“ ideais ”de uma economia fechada. Desenvolver uma nova versão do plano, desenhada para a mais ampla interação possível com o mercado mundial. ” Acima notamos que não se tratava de "proximidade", mas sim da criação de uma poderosa base industrial em nosso país, da eliminação da dependência da importação de máquinas e equipamentos. Além disso, no início dos anos 1930, os principais países capitalistas introduziram sanções econômicas contra a Terra dos Soviéticos. Então, em 1930 - 1931. Os Estados Unidos impuseram restrições à importação de produtos soviéticos, uma medida semelhante foi tomada pela França em 1930, e em 1933 a Grã-Bretanha impôs um embargo a todas as exportações soviéticas. Assim, as chances de interagir com o Ocidente e atrair investimentos são reduzidas a zero. Como ele esperava, nessas condições, cumprir sua tarefa? Teríamos de fazer inúmeras concessões e ofertas ao imperialismo mundial na política econômica e externa, o que foi feito por Gorbachev e Ieltsin nas décadas de 1980 e 1990, e pelo próprio Trotsky no campo da política de concessões em 1925-1929.

  • Todos os fatos acima permitem afirmar diretamente a real intenção de Trotsky de restaurar o capitalismo na URSS.

  • Mito 4. Pyatakov não voou para Oslo para discutir planos conspiratórios com Trotsky em dezembro de 1935. Isso é evidenciado pelas publicações dos jornais noruegueses - o conservador Aftenposten e o social-democrata Arbeiterbalten em janeiro de 1937, em que o pessoal da administração do aeródromo de Heller, localizado perto de Oslo, e seu diretor disseram isso durante todo o inverno de 1935-1936. aeronaves estrangeiras não pousaram lá. E esse fato, na opinião dos líderes antissoviéticos, confirma que não houve conspiração de oposição.

  • Infelizmente, ninguém tentou refutar esse mito. O que os jornais mencionados acima escreveram, Trotsky escreveu em seus trabalhos sobre o assunto, é uma tentativa direta de enganar. Para deixar claro do que se trata, voltemos ao testemunho de Radek e Pyatakov no julgamento do centro trotskista paralelo em janeiro de 1937. No final de 1935, Karl Radek recebe uma carta de Trotsky, na qual declara a necessidade de obter o apoio da Alemanha e do Japão na luta contra Stalin, após a vitória, fazer amplas concessões econômicas e territoriais a eles e restaurar o capitalismo. Depois de ler a carta, Radek levanta a questão da necessidade de se encontrar com Trotsky. Pyatakov, que fez uma viagem de negócios a Berlim em dezembro de 1935, encontra-se com o D.P. correspondente do Izvestia. Bukhartsev, a quem Radek recomendou a ele. Isso, por sua vez, o apresenta a Gustav Stirner no parque Tiergarten, que sugeriu que ele voasse para Trotsky em um avião fretado particular no dia seguinte. No início da manhã de 12 de dezembro de 1935, Pyatakov e Stirner decolam do aeródromo de Tempelhof e ao meio-dia sentam-se no aeródromo de Oslo, onde um carro já os esperava, que os levou para a área suburbana onde morava Trotsky. Os materiais do julgamento mencionado mostram o seguinte: durante uma conversa que durou cerca de duas horas, Trotsky disse a Pyatakov sobre a inevitabilidade do colapso do estado stalinista, que, do seu ponto de vista, não resistiria ao golpe do fascismo na guerra que se aproximava. Nessas condições, segundo ele, os trotskistas têm uma escolha: morrer nas ruínas do Estado soviético ou derrubar I.V. Stalin, para o qual você precisa obter o apoio da Alemanha e do Japão. Trotsky relatou que, como resultado de suas negociações com o vice-presidente do NSDAP Rudolf Hess, ele concordou com as concessões que os trotskistas deveriam fazer aos alemães no caso de sua vitória. Entre eles: uma atitude favorável em relação ao governo alemão nas principais questões internacionais; concessões territoriais; admissão de empresários alemães à exploração de matérias-primas na URSS; a criação na União Soviética de condições favoráveis ​​para as atividades das empresas privadas alemãs; implantação de trabalho de sabotagem durante a guerra em empresas de defesa e na frente. admissão de empresários alemães à exploração de matérias-primas na URSS; a criação na União Soviética de condições favoráveis ​​para as atividades das empresas privadas alemãs; implantação de trabalho de sabotagem durante a guerra em empresas de defesa e na frente. admissão de empresários alemães à exploração de matérias-primas na URSS; a criação na União Soviética de condições favoráveis ​​para as atividades das empresas privadas alemãs; implantação de trabalho de sabotagem durante a guerra em empresas de defesa e na frente.

  • Como observado acima, a equipe do aeródromo de Heller, que supostamente era o único perto de Oslo, afirmou isso no período de 19 de setembro de 1935 a 1 de maio de 1936. em geral, nenhum avião pousou, mas apenas um avião norueguês que chegou de Linköping (nota: Linköping está na Suécia, não na Noruega - ver "World Atlas". M., Publishing House ONICS, 2001, p. 118 - 119. Assim, vemos o primeiro erro da propaganda contra-revolucionária).

  • Quanto às publicações em jornais sobre o aeroporto de Heller ... Em primeiro lugar, deve-se ter em mente que o vôo de Pyatakov era secreto , o avião era fornecido pelos serviços especiais alemães. E ninguém registra voos secretos, não registra no diário do aeroporto. É possível que, no esforço de passar despercebido, ele tenha descido pela lateral do local de pouso. Os especialistas observam que os aviões da década de 1930 eram pequenos e podiam, em certas situações, pousar fora dos aeroportos. Em segundo lugar, a versão da imprensa norueguesa foi refutada pelo Procurador-Geral da URSS A.Ya. Vyshinsky . Ele apresentou ao tribunal Informação da Seção Consular do Comissariado do Povo da URSS para as Relações Exteriores, segundo a qual a Embaixada da URSS na Noruega recebeu um certificado oficial de que o campo de pouso de Heller perto de Oslo recebe aviões de outros países ao longo do ano, chegadas e partidas são possíveis nos meses de inverno. Eles se opuseram a isto: é apenas, eles dizem, um certificado do departamento consular do NKID, e não das autoridades norueguesas, cuja opinião poderia ser considerada imparcial, portanto, não deve ser tomado como um documento sério. Mas perdem de vista que não se trata de dados do Comissariado do Povo para as Relações Exteriores da URSS, mas de informações de seu departamento consular sobre o certificado oficial recebido pela embaixada da URSS na Noruega. Ou seja, os dados das autoridades norueguesas, é claro. Nesse sentido, pode-se questionar: e os certificados que os jornais publicam? Digamos o seguinte: depois da "perestroika" garantimos que os jornais podem publicar qualquer desinformação, eles podem pagar para dar entrevistas de maneira adequada. Outra coisa é a verificação por órgãos do governo, dos quais nada se pode esconder.

  • Também foi declarado que o aeroporto de Heller era supostamente o único campo de aviação em Oslo. Na verdade, Heller não era o único aeroporto. Desde 1912, outro aeroporto, Gradermun, operava perto de Oslo. Os campos de Heller e Gradermun foram usados para decolagem e pouso de aeronaves (veja o material na Wikipedia na versão em inglês - KjellerAirport, Wikipedia). Portanto, em 1935 havia dois aeródromos que receberam aeronaves. Pode-se responder que apenas Heller recebeu aeronaves civis, e o outro foi um campo de aviação militar. Mas se olharmos o link sobre o aeroporto de Heller na versão em inglês da Wikipedia, notaremos que também era um campo de aviação militar.

  • Deve-se também referir o depoimento de Tukhachevsky, prestado por ele durante a investigação, no qual relatou o que Pyatakov lhe disse após o vôo para Oslo em dezembro de 1935. "No inverno de 1935 a 1936, ... tive uma conversa com Pyatakov, na qual este me informou das instruções de Trotsky para garantir a derrota incondicional da União Soviética na guerra contra Hitler e o Japão e sobre a possível rejeição da Ucrânia e Primorye da URSS. Essas instruções falavam que é necessário estabelecer contato com os alemães a fim de determinar para onde eles vão mover seus exércitos e para onde é necessário preparar a derrota dos exércitos soviéticos ”.

  • No entanto, o trabalho não se limitou a publicações na imprensa norueguesa. Trotsky em sua obra "Os Crimes de Stalin" e os autores do artigo "O Encontro de Pyatakov com Trotsky", publicado no "Boletim da Oposição" em 1937, tentaram por todos os meios afirmar a desconfiança do fato do encontro dos dois contrarrevolucionários mencionados. Assim, Trotsky ficou perplexo porque um dia Bukhartsev se encontrou com Stirner e no dia seguinte um avião e um passaporte para Pyatakov estavam prontos. Ele se perguntou como isso é possível? O avião foi fornecido pelos serviços especiais. Não se deve esquecer que Stirner é um pseudônimo, seu nome era Karl Johanson (Reich). Ele organizou todas as reuniões de Trotsky e Sedov com seus associados na URSS, tinha extensas conexões no exterior, vários passaportes para uma autorização de residência. E graças a suas extensas conexões, é claro, tudo saiu rapidamente.(Foi mencionado durante o julgamento do bloco trotskista em março de 1938). A propósito, o Procurador-Geral da URSS A.Ya. Vyshinsky perguntou à testemunha D.P. Bukhartseva: não é fácil voar de um estado para outro. Como você conseguiu o avião com tanta facilidade na Alemanha? Bukhartsev respondeu que Stirner lhe dissera que tinha ligações com o governo e estava organizando o caso.

  • Tentando provar que a reunião supracitada supostamente não ocorreu, Trotsky argumentou que se um camarada e cúmplice da conspiração viesse a ele, ele teria que providenciar para que ele passasse a noite para que não fosse notado por agentes dos serviços especiais soviéticos. Ele se perguntou como Pyatakov poderia deixar Berlim por um dia, quando a supervisão dos funcionários soviéticos no exterior era estrita - principalmente pela OGPU. Deve-se ter em mente que eles lutaram contra o regime soviético e não tinham tempo para distrações, especialmente considerando a situação de Pyatakov, que, durante uma viagem de negócios em Berlim, esteve ausente por um dia. Pyatakov esteve ausente de Berlim por um dia. Se não houvesse mais dele, ele imediatamente teria se estabelecido. Pelo contrário, ele teve que voltar a Berlim o mais rápido possível.

  • Quanto à supervisão dos dirigentes soviéticos pela OGPU, de quem é impossível esconder, caso contrário, como argumentou Trotsky, ele teria sido rapidamente desmascarado. Não devemos esquecer que a OGPU era então chefiada por G. Yagoda, que também era membro do bloco trotskista. Há a seguinte evidência de que Yagoda encobriu suas atividades. Primeiro, em 1997, o trabalho “Heinrich Yagoda. Comissário do Povo para os Assuntos Internos da URSS, Comissário Geral da Segurança do Estado na Recolha de documentos”, que apresenta os protocolos dos seus interrogatórios durante a investigação aos quais confessou as suas ligações com os conspiradores . Em segundo lugar, G.A. Tokayev , que ocupou o cargo de secretário do partido da Academia de Engenharia da Força Aérea. NÃO. Zhukovsky em 1937-1948,que era membro de uma organização conspiratória clandestina , escreveu em suas memórias no exílio que ele e seus camaradas de armas estavam em contato com o chefe da Lubyanka, Heinrich Yagoda, o avaliou não como um "servo, mas um inimigo do regime". Tokayev observou que Yagoda salvou muitos deles da exposição, mas "foi removido do NKVD e perdemos a forte conexão de nossa oposição com o serviço de inteligência". Portanto, é compreensível por que Pyatakov conseguiu passar despercebido em 1935 enquanto voava para Oslo.

  • Tendo considerado todas as circunstâncias acima, temos todos os motivos para afirmar que em 1937-1938. I.V. Stalin e as autoridades do NKVD tomaram medidas oportunas para impedir as atividades de agentes da Alemanha nazista. Como observado acima, o volante da repressão também afetou pessoas honestas, o que foi condenado pelo governo soviético em 1938, mas ao mesmo tempo não deve ser subestimado que as medidas tomadas para derrotar a quinta coluna minimizaram a chance de nosso país ser derrotado na guerra iminente contra o imperialismo mundial.

  • Essa ideia foi compartilhada por vários estadistas proeminentes em países não comunistas. Assim, o Embaixador dos EUA na URSS J. Davis, associado de F.D. Roosevelt escreveu o seguinte em seu diário em 7 de julho de 1941:“... Hoje sabemos, graças aos esforços do FBI, que os agentes de Hitler estão em toda parte, até mesmo nos Estados Unidos e na América do Sul. A entrada alemã em Praga foi acompanhada por um apoio ativo às organizações militares de Henlein. A mesma coisa aconteceu na Noruega (Quisling), Eslováquia (Tiso), Bélgica (Degrel)... Porém, não vemos nada parecido na Rússia. "Onde estão os cúmplices russos de Hitler?" - Muitas vezes me perguntam. “Eles foram baleados,” eu respondo. Só agora você está começando a perceber o quão perspicaz o governo soviético agiu durante os anos de expurgos." E em uma das edições de novembro do jornal britânico "Sunday Express" de 1941, J. Davis observou em sua entrevista que em 1937 uma parte significativa do mundo condenou os expurgos na União Soviética, acreditando que eles eram "medidas ultrajantes de barbárie, ingratidão e uma manifestação de histeria... No entanto, agora se tornou óbvio que eles testemunharam a incrível previsão de Stalin e seus associados próximos. " Ele também disse que a resistência soviética "da qual estamos testemunhando atualmente" teria sido "reduzida a zero se Stalin e seus associados não tivessem removido os elementos traiçoeiros", que "... é uma lição que deve ser ponderada outros povos amantes da liberdade ”.

  • No entanto, todas essas circunstâncias não são levadas em consideração pelos pesquisadores antissoviéticos. Hoje é óbvio que a meta traçada pelos autores da "perestroika" e das "reformas", apoiadas pelos governos dos Estados Unidos e da Europa, é a destruição do nosso país (sob a bandeira de eliminar o "império do mal", "agressor", substituindo-o por um "país civilizado"), transformação está no apêndice de matéria-prima e o mercado de vendas das potências mundiais foi alcançado. Para isso, era preciso apresentar nosso país como império predatório na Terra, tanto no cenário internacional quanto internamente, igualado à Alemanha de Hitler, provar que supostamente não cedeu à reforma, só poderia ser destruído. Para cumprir a tarefa estabelecida, as atividades das forças políticas também foram reabilitadas, cujas táticas de cooperação com países estrangeiros, minando o país, foram adotadas pela "Rússia democrática" em 1989-1991.

  • No momento, é especialmente importante evitar a repetição de eventos trágicos e a completa subordinação dos interesses da Rússia aos interesses dos países ocidentais sob a bandeira da integração na comunidade mundial. Para isso, primeiro é importante perceber toda a falsidade da propaganda utilizada pelos respectivos grupos políticos. Nesse sentido, atenção especial deve ser dada ao estudo da atuação das forças que cometeram alta traição no passado, tendo como destacado representante o bloco trotskista, derrotado em 1936-1938.

98 visualizações

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com