Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Kruschev Mentiu (resumo) Parte 1






Iniciaremos agora a publicação dos resumos da obra KRUSCHEVE MENTIU de GROVER FURR, do resumo realizado pelos camaradas da Edicion Benigno Alvarez.



Por Grover Furr Adaptado do Galego por Klaus Scarmeloto do resumo do Original: Primeiros excertos da introdução e do capitutlo 1

"O DISCURSO MAIS INFLUENCIAL DO SÉCULO XX"

  • O 50º aniversário do discurso secreto de Nikita S. Khrushchev, proferido em 25 de fevereiro de 1956, provocou comentários previsíveis. Um artigo do jornal londrino Telegraph chamou-o de "o discurso mais influente do século XX". Em outro artigo no mesmo dia no New York Times, William Taubman, cuja biografia de Khrushchev ganhou o Prêmio Pulitzer de Biografia em 2004, descreveu-o como um "grande feito" que "merece ser comemorado" em seu aniversário. [1]

  • Há algum tempo, reli o Discurso Secreto de Khrushchev pela primeira vez em muitos anos. Usei a versão HTML da edição publicada em uma edição especial do The New Leader em 1962. [2] No decorrer da minha leitura, descobri que o proeminente estudioso menchevique Boris Nikolaevsky, em suas notas às palavras de Khrushchev, opinou que algumas das declarações de Khrushchev eram falsas. Por exemplo, no início de seu discurso, Khrushchev diz o seguinte:

  • Ultimamente, especialmente depois que o grupo de Beria foi exposto, o Comitê Central tem lidado com uma série de questões criadas por este grupo. Isso revelou um quadro muito desagradável quanto à má conduta de Stalin e sua obstinação brutal.

  • Na nota de Boris Nikolaevsky para esta passagem, lemos:

  • Esta declaração de Khrushchev não é inteiramente verdadeira: a investigação sobre as ações terroristas de Stalin no último período de sua vida foi iniciada por Beria. [...] Khrushchev, que agora se apresenta como pouco menos do que o iniciador da investigação das câmaras de tortura de Stalin, na verdade tentou bloqueá-la nos primeiros meses após a morte de Stalin.

  • Lembro-me de Arch Getty escrevendo algo muito semelhante em sua obra magistral Origins of the Great Purges.

  • Outra inconsistência no relato de Khrushchev é uma aparente confusão de Ezhov por Beria. Embora o nome de Ezhov seja mencionado de tempos em tempos, Beria é quem carrega a culpa por muitos crimes e repressões; no entanto, este último não foi mais do que um Primeiro Secretário Regional até 1938. Além disso, muitos relatórios indicam que o terror policial começou a diminuir quando Beria assumiu Ezhov em 1938. Khrushchev poderia convenientemente substituir Ezhov por Beria em sua conta? Que outras coisas poderiam ter mudado? Em todo caso, o fato de Beria ter sido executado por ordem de Khrushchev não faz muito tempo, fez do primeiro um excelente bode expiatório. O uso oportunista de Khrushchev de Beria realmente lança suspeitas sobre a precisão do resto de suas afirmações. [P. 268; ênfase de G. F.]

  • Portanto, suspeitei que uma investigação séria, à luz dos numerosos documentos nos antigos arquivos secretos soviéticos agora disponíveis, poderia revelar outras “questões” sobre Stalin que também eram falsas.

  • Na verdade, fiz uma descoberta muito diferente. Nenhuma das "revelações" concretas de Khrushchev sobre Stalin ou Beria se revelou verdadeira. Entre aqueles que puderam ser verificados com dados, todos eram falsos. Acontece que Khrushchev não apenas "mentiu" sobre Stalin e Beria, mas não fez mais nada. Todo o seu discurso secreto é criado com mentiras. Este é o "grande feito" pelo qual Khrushchev merecia o elogio de Taubman! (Outro artigo, embora muito mais curto, poderia ser escrito, expondo as próprias mentiras de Taubman em seu artigo no New York Times no qual ele celebra o discurso estrondoso de Khrushchev.) [3]

  • Para mim, como acadêmica, essa foi uma descoberta perturbadora e até desconfortável. Se, como eu havia previsto, descobrisse, por exemplo, que 25% ou menos das "revelações" de Khrushchev eram mentiras, minha pesquisa certamente despertaria algum ceticismo e surpresa. Mas, em geral, pode antecipar a aceitação e o reconhecimento: "Bom trabalho de pesquisa de Furr" e assim por diante.

  • Mas eu temia - e meus medos surgiram depois da minha experiência com a edição original em russo deste livro, publicada em dezembro de 2007 - de alegar que todas as "revelações" de Khrushchev eram falsas, ninguém acreditaria em mim. Eu pouco me importaria com o cuidado e o rigor das evidências para defender meus argumentos. Refutar todo o discurso de Khrushchev é, ao mesmo tempo, desafiar completamente o paradigma histórico da União Soviética no tempo de Stalin, um paradigma para o qual esse discurso é fundamental.

  • O discurso mais influente do século XX - senão de todos os tempos - uma fraude completa? A ideia era ultrajante demais. Quem poderia enfrentar a revisão da história soviética, da Internacional Comunista e mesmo da história mundial, que essa conclusão exigiria? Seria infinitamente mais fácil para todos acreditarem que eu havia “confundido os livros” escondendo a verdade, isto é, que falsifiquei os dados, exatamente do que acusei Khrushchev. Assim, meu trabalho poderia ser facilmente ignorado e o problema “desapareceria”. Especialmente porque eles conhecem minha simpatia pelo movimento comunista em todo o mundo, um movimento do qual Stalin era o líder reconhecido. Quando um pesquisador chega a conclusões que parecem apoiar de forma suspeita suas idéias preconcebidas, no mínimo, é prudente ser um pouco cauteloso com sua objetividade.

  • Portanto, eu ficaria muito mais feliz se minha pesquisa concluísse que 25% das "revelações" de Khrushchev sobre Stalin e Beria eram falsas. Porém, como praticamente todas essas “revelações” que podem ser verificadas são, na verdade, mentiras, a responsabilidade de desvendá-las é ainda mais forte, como acadêmico, do que se fosse um caso comum. Consequentemente, organizei as informações desta pesquisa de uma forma incomum.

  • O livro está dividido em duas seções separadas, mas relacionadas.

  • Na primeira seção, dos capítulos 1 a 9, analiso cada uma das afirmações, ou afirmações, que Khrushchev faz em seu discurso e que constituem o núcleo de suas chamadas "revelações". (Já identifiquei 61 dessas afirmações).

  • Cada uma dessas "revelações" é precedida por uma citação do Discurso Secreto e é examinada à luz de evidências documentais. A maioria desses testes aparecem como citações de fontes primárias. Apenas em alguns casos coleto citações de fontes secundárias. Para provar a falsidade do discurso de Khrushchev, me comprometi a apresentar as melhores evidências que possam ser encontradas, principalmente nos antigos arquivos soviéticos. Visto que extensas citações documentais, intercaladas no texto, tornariam difícil a leitura, nestes capítulos eu apenas anexo breves referências às evidências, reservando citações completas de fontes primárias (e ocasionalmente secundárias) para os apêndices de cada capítulo.

  • A segunda seção do livro, capítulos 10 a 12, é dedicada a questões metodológicas e à discussão de algumas das conclusões que emergem de meu estudo. Prestei atenção especial à tipologia de falsidades ou métodos de engano empregados por Khrushchev. Incluído aqui está um estudo da “reabilitação” de alguns líderes do Partido mencionados no discurso.

  • Eu lido com referências a fontes primárias de duas maneiras. Além da documentação acadêmica tradicional por meio de notas de rodapé e bibliografia, procuro, sempre que possível, indicar ao leitor onde encontrar essas fontes primárias, parcial ou integralmente, na Internet. Todos os links funcionaram quando a edição em inglês deste livro saiu de impressão.

  • Em alguns casos, eu mesmo carrego documentos primários importantes na Internet, geralmente em formato PDF. Isso possibilitou que às vezes me referisse ao número da página, algo totalmente inútil para usar a linguagem HTML.

  • Por fim, gostaria de agradecer aos meus colegas americanos e russos que leram o esboço deste trabalho, ajudando-me com seus conselhos. Naturalmente, não sou responsável pelos erros e falhas que ainda possam permanecer no livro, apesar de meus esforços.

  • Minha gratidão especial ao meu fantástico colega de Moscou, Vladimir Lvovich Bobrov. Acadêmico, pesquisador, editor e tradutor, professor de inglês e russo. Eu nunca teria aceitado um trabalho como este, muito menos o concluído, sem a sua inspiração, orientação e ajuda de todos os tipos.

  • Agradeço os comentários e análises dos leitores.

Grover Furr

1. O culto da personalidade e o testamento de LENIN

  • Khrushchev:

  • Camaradas! No relatório apresentado pelo Comitê Central do Partido ao XX Congresso, nos numerosos discursos dos delegados naquele Congresso, e também durante a recente sessão plenária do C.C. do PCUS [Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética], muito se tem falado sobre os efeitos deletérios do culto à personalidade.

  • Após a morte de Stalin, o Comitê Central do Partido começou a estudar como explicar, de forma concisa e consistente, o fato de que não é permitido e estranho ao espírito do marxismo-leninismo elevar uma pessoa a um super-homem. dotado de características sobrenaturais semelhantes às de um deus. Supõe-se que um homem desta natureza seja dotado de um conhecimento inesgotável, uma visão extraordinária, uma potência de pensamento que lhe permite antever tudo e, também, um comportamento infalível.

  • Entre nós, tal atitude foi assumida por um homem, especificamente por Stalin, por muitos anos.

  • O objetivo deste relatório não é avaliar a vida e as atividades de Stalin. Os méritos de Stalin são bem conhecidos por meio de vários livros, artigos e estudos que foram escritos durante sua vida. O papel de Stalin na preparação e execução da revolução socialista, na guerra civil, na luta pela construção do socialismo em nosso país, é universalmente conhecido. Ninguém o ignora. Neste momento, estamos interessados ​​em analisar um assunto de imensa importância para o Partido, tanto agora como no futuro [...] É nosso dever considerar como o culto à personalidade de Stalin cresceu gradualmente, um culto que a certa altura se tornou fonte de uma série de perversões excessivamente sérias dos princípios do Partido, da democracia do Partido e da legalidade revolucionária.

  • Este discurso é frequentemente referido como as "revelações" de Khrushchev sobre os crimes e males de Stalin. A questão do "culto à personalidade" ou "culto ao indivíduo" em torno da figura de Stalin foi o tema central do Discurso. Não foi Khrushchev quem "revelou" para si mesmo a existência de um "culto à personalidade". Sua existência era, é claro, bem conhecida. Isso tem sido discutido nas reuniões do Presidium logo após a morte de Stalin.

  • Embora Khrushchev não tenha especificado no início que Stalin havia promovido o "culto", essa era claramente sua intenção. Durante seu discurso, Khrushchev deu a entender - ou melhor, dá por certo - algo que deveria ter tentado, mas não pôde: que o próprio Stalin havia fomentado esse "culto" com o objetivo de ganhar o poder ditatorial. Na verdade, ao longo de seu discurso, Khrushchev foi incapaz de citar um único exemplo verdadeiro de como Stalin encorajou esse "culto"; provavelmente por não ser capaz de encontrá-lo.

  • Todo o discurso de Khrushchev foi construído sobre essa falsidade. O resto de suas "revelações" se enquadram no paradigma explicativo de um "culto" que, de acordo com Khrushchev, foi criado e nutrido por Stalin.

  • Este trabalho mostrará que todas as "revelações" de Khrushchev sobre Stalin são falsas. Mas, antes de tudo, acho que vale a pena mencionar que o quadro explicativo - a noção de "culto" como algo criado por Stalin, que explicaria como ele poderia cometer o resto de seus chamados "crimes" com impunidade - é, em si, um mentira. Não apenas Stalin não cometeu os crimes e crimes imputados por Khrushchev, mas também não criou o "culto" de sua pessoa. Na verdade, a evidência prova o contrário: que Stalin se opôs a esse "culto" asqueroso. Alguns argumentaram que a oposição de Stalin ao "culto" de sua pessoa deve ter sido um ato de hipocrisia. Afinal, Stalin era tão poderoso que, se realmente quisesse acabar com o "culto", não teria problemas em fazê-lo. Mas este argumento assume como verdadeiro algo que primeiro deve ser provado. Supor que ele era tão poderoso também implica supor que Stalin era como o “culto” absurdamente querido fazer de conta: um autocrata com poder supremo sobre tudo e todos na URSS.

1.1. A oposição de Stalin à adoração

  • Stalin protestou repetidamente e por muitos anos contra as lisonjas e elogios de sua pessoa. Ele acreditava na avaliação de Lenin de "culto à pessoa" e disse basicamente as mesmas coisas que Lenin. Khrushchev cita Lenin, mas sem reconhecer que Stalin disse o mesmo. Aqui está uma extensa lista de citações de Stalin que provam sua oposição ao "culto" de sua pessoa. Muitos mais podem ser adicionados a esta lista. Quase todas as memórias de pessoas que mantiveram contato pessoal com Stalin oferecem mais exemplos de sua oposição, incluindo seu desagrado, às lisonjas que recebeu.

  • Por exemplo, nas memórias póstumas recentemente publicadas de Stalin. Kak la Ego Znal ("Stalin, as I Knew Him", 2003) de Akaki Mgeladze, ex-primeiro secretário do Partido Comunista da Geórgia e mais tarde punido e marginalizado por Khrushchev, o autor frequentemente comenta sobre a aversão de Stalin ao "culto" sua pessoa. Mgeladze, que morreu em 1980, conta como Stalin queria suprimir qualquer celebração especial de seu 70º aniversário em 1949, concordando relutantemente com os argumentos de outros líderes do partido de que os atos serviriam para unir o movimento comunista ao reunir líderes de todo o mundo. mundo.

  • Stalin teve mais sucesso em impedir que outros membros do Politburo rebatizassem Moscou em 1937 como "Stalinodar" ("presente de Stalin"). No entanto, sua tentativa de rejeitar o Prêmio Herói da União Soviética foi frustrada quando a decoração, que ele nunca aceitou, foi fixada na almofada de seu caixão.

1.2. Tentativa de Malenkov de convocar uma Sessão Plenária do Comitê Central de "Adoração" em abril de 1953

  • Imediatamente após a morte de Stalin, Malenkov propôs a convocação de uma Sessão Plenária do Comitê Central para combater os efeitos nocivos do "culto". Malenkov foi honesto o suficiente para culpar a si mesmo e a seus colegas, lembrando a todos que Stalin havia desnecessariamente alertado contra a "adoração" em várias ocasiões. Essa tentativa falhou no Presidium; a sessão extraordinária do Plenário nunca foi convocada. Se realizado, tornaria a existência da Fala Secreta de Khrushchev impossível.

  • Se Khrushchev apoiou ou não a proposta de Malenkov - os dados não estão claros neste momento - da qual não há dúvida é sua participação na discussão. Khrushchev conhecia perfeitamente a intenção de Makenkov de debater o "culto" aberta e claramente. Mas ele nada disse sobre o assunto, o que na prática era o mesmo que negar que tivesse acontecido.

1.3. Sessão plenária de julho de 1953: Beria atacado por sua suposta oposição ao “culto”

  • Na Sessão Plenária de julho de 1953, convocada para atacar Beria ausente (possivelmente já morto), vários dos líderes culparam Beria por atacar o "culto". O papel de liderança de Khrushchev nesta Plenária e no grupo de líderes que se opõem a Beria mostra sua cumplicidade no ataque a Beria e sua defesa do "culto" como arma para desacreditá-lo.


1.4. Quem promoveu o "culto"?

  • O estudo das origens do "culto" está além do escopo deste trabalho. Mas há evidências de que os oponentes iniciaram o "culto" a Stalin ou participaram dele com entusiasmo como disfarce para suas atividades de oposição. Em um momento de descuido durante um de seus ochnye stavki (ácaros entre os acusados), Bukharin foi forçado a admitir que instava ex-oponentes que trabalhavam no Izvestiia a se referir a Stalin com elogios exagerados, usando o termo "culto" em sua pessoa. . Diz-se de outro oponente, Karl Radek, que escreveu o primeiro exemplo de "culto", o estranho futurista Zodchii Sotsialisticheskogo Obshchestva ("O Arquiteto da Sociedade Socialista"), na edição Izvestiia de 1º de janeiro de 1934, posteriormente publicada separadamente.

1,5. Khrushchev e Mikoyan

  • Khrushchev e Mikoyan, os principais líderes do Politburo da época de Stalin que avidamente instigaram e promoveram o movimento de "desestalinização", estavam entre aqueles que, na década de 1930, haviam incentivado mais vigorosamente o "culto".

  • Se isso fosse tudo, poderíamos hipoteticamente supor que Khrushchev e Mikoyan realmente respeitavam Stalin a ponto de se sentirem intimidados por ele. Certamente, este foi o caso para muitos outros. As memórias de Mgeladze mostram o exemplo de um importante líder do Partido que manteve sua admiração por Stalin muito depois de se tornar moda rejeitá-lo.

  • Mas Khrushchev e Mikoyan participaram do Presidium de março de 1953, no qual Malenkov, sem sucesso, tentou convocar a Sessão Plenária do Comitê Central para discutir o "culto". Eles lideraram a Sessão Plenária de junho de 1953, na qual Beria foi duramente criticado por se opor ao "culto" de Stalin.

  • Essas questões, junto com outras "revelações" de Khrushchev, são, na verdade, mentiras que, é claro, serão analisadas com mais detalhes neste trabalho.

  • Apêndice 1: Adoração


  • Khrushchev:

  • Camaradas! No relatório apresentado pelo Comitê Central do Partido ao XX Congresso, nos numerosos discursos dos delegados naquele Congresso, e também durante a recente sessão plenária do C.C. do PCUS [Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética], muito se tem falado sobre os efeitos deletérios do culto à personalidade.

  • Após a morte de Stalin, o Comitê Central do Partido começou a estudar como explicar, de forma concisa e consistente, o fato de que não é permitido e estranho ao espírito do marxismo-leninismo elevar uma pessoa a um super-homem. dotado de características sobrenaturais semelhantes às de um deus. Supõe-se que um homem desta natureza seja dotado de um conhecimento inesgotável, uma visão extraordinária, uma potência de pensamento que lhe permite antever tudo e, também, um comportamento infalível.

  • Entre nós, tal atitude foi assumida por um homem, especificamente por Stalin, por muitos anos.

  • O objetivo deste relatório não é avaliar a vida e as atividades de Stalin. Os méritos de Stalin são bem conhecidos por meio de vários livros, artigos e estudos que foram escritos durante sua vida. O papel de Stalin na preparação e execução da revolução socialista, na guerra civil, na luta pela construção do socialismo em nosso país, é universalmente conhecido. Ninguém o ignora. Neste momento, estamos interessados ​​em analisar um assunto de imensa importância para o Partido, tanto agora como no futuro [...] É nosso dever considerar como o culto à personalidade de Stalin cresceu gradualmente, um culto que a certa altura se tornou fonte de uma série de perversões excessivamente sérias dos princípios do Partido, da democracia do Partido e da legalidade revolucionária.

  • 1. A oposição de Stalin à adoração

  • Junho de 1926:

  • Devo dizer com toda a clareza, camaradas, que não mereço tanto elogio como se diz de mim. Eu sou, talvez, um herói da Revolução de Outubro, o líder do Partido Comunista da União Soviética, o líder da Internacional Comunista, um guerreiro lendário e tudo mais. É um absurdo, camarada, e um exagero um tanto desnecessário. É o tipo de coisa que geralmente se diz no túmulo de um revolucionário. Mas não tenho intenção de morrer ainda

  • [...]

  • Ele realmente foi, e continua sendo, um dos alunos dos trabalhadores avançados das oficinas ferroviárias de Tbilissi.

  • - I. V. Stalin: Works, vol. 8, Moscou, 1954, p. 182

  • Outubro de 1927:

  • E quem é Stalin? Stalin é apenas um personagem secundário.

  • - I. V. Stalin: Works, vol. 10, Moscou, 1954, p. 177

  • Dezembro de 1929:

  • Coloco as vossas felicitações e saudações ao crédito do grande Partido da Classe Trabalhadora que me fez nascer e me elevou a sua imagem e semelhança. E só porque os atribuo ao nosso Partido Leninista, posso apresentar o meu agradecimento bolchevique.

  • - I. V. Stalin: Works, vol. 12, Moscou, 1955, p. 146

  • Abril de 1930:

  • Algumas pessoas pensam que o artigo "Dizzy for Success" foi o resultado da iniciativa pessoal de Stalin. Isso, é claro, não faz sentido. Uma questão como essa não é tratada por iniciativa pessoal de uma pessoa, seja ela quem for, por algo que temos um Comitê Central.

  • - I. V. Stalin: Obras, id., P. 218.

  • Agosto de 1930:

  • Você fala sobre sua “devoção” por mim. Talvez esta seja uma expressão que ele proferiu acidentalmente. Talvez ... Mas se não for uma expressão casual, aconselho a descartar o "princípio" da devoção às pessoas. Não é o estilo bolchevique. Seja um devoto da classe trabalhadora, do Partido, do Estado. Isso é algo bom e útil. Mas não confunda isso com devoção às pessoas, aquele adorno vão e inútil de intelectuais sem caráter.

  • - I. V. Stalin: “Carta ao Camarada Shatunovsky.” Works, vol. 13, Moscou, 1955, p. 20

  • Dezembro de 1931:

  • Quanto a mim, sou apenas um aluno de Lenin, é a meta da minha vida ser um aluno digno de [...]

  • O marxismo não nega de forma alguma o papel desempenhado por indivíduos proeminentes ou que são as pessoas que fazem a história. Mas ... grandes pessoas não têm valor na medida em que não são capazes de entender adequadamente essas condições, entender como mudá-las. Se não compreenderem essas condições e quiserem modificá-las de acordo com os ditames de sua imaginação, estarão na situação de Dom Quixote [...]

  • As pessoass individualmente não podem decidir. As decisões individuais são sempre, ou quase sempre, decisões parciais ... Em cada órgão coletivo, há pessoas cuja opinião deve ser levada em conta ... Pela experiência de três revoluções sabemos que em cada cem decisões tomadas por indivíduos, sem que foram analisados ​​e corrigidos coletivamente, aproximadamente noventa são parciais [...]

  • Sob nenhuma circunstância nossos obreiros tolerariam ver o poder nas mãos de uma única pessoa. Conosco, pessoas das mais altas autoridades são reduzidas a personagens insignificantes, tornam-se meras figuras, assim que as massas trabalhadoras perdem a confiança nelas.

  • - I. V. Stalin: id., P. 107-108, 109, 113.

  • Fevereiro de 1933:

  • Recebi sua carta oferecendo-me sua segunda Ordem como recompensa pelo meu trabalho. Agradeço suas palavras calorosas e sua camaradagem. Sei que ele a priva disso em meu favor e agradeço seus sentimentos.

  • No entanto, não posso aceitar sua segunda Ordem. Não posso e não devo aceitá-lo, não só porque só pode pertencer a você, porque só você o conquistou, mas também porque já sou amplamente recompensado com a atenção e o respeito dos companheiros e, conseqüentemente, não tenho o direito de roubá-lo.

  • As ordens foram instituídas não para essas pessoas conhecidas, mas sobretudo para aquelas pessoas pouco conhecidas heróicas que precisam ser conhecidas por todos.

  • Além disso, devo dizer que já tenho dois pedidos. Quais são mais do que uma necessidade, garanto-lhe.

  • - I. V. Stalin: id., P. 241.

  • Maio de 1933:

  • Robins: Considero uma grande honra ter a oportunidade de lhe fazer uma visita.

  • Stalin: Não há nada de especial nisso. Exagerar.

  • Robins: O mais interessante para mim é que encontrei por toda a Rússia os nomes de Lenin-Stalin, Lenin-Stalin, Lenin-Stalin, unidos entre si.

  • Stalin: Isso também é um exagero. Como posso ser comparado a Lenin?

  • - I. V. Stalin: id., P. 267.

  • Fevereiro de 1938:

  • Oponho-me totalmente à publicação das Histórias da Infância de Stalin [...]

  • O livro está repleto de imprecisões nos fatos, alterações, exageros e elogios imerecidos [...]

  • Mas ... o importante é que o livro tende a gravar na mente das crianças soviéticas (e do povo em geral) o culto à personalidade dos líderes, dos heróis infalíveis. Isso é perigoso e prejudicial. A teoria dos "heróis" e da "multidão" não é uma teoria bolchevique, mas social-revolucionária [...] sugiro queimar o livro.

  • - I. V. Stalin: id., P. 327.

  • Fevereiro de 1946:

  • Os ouvidos doem com o som dos ditirambos em homenagem a Stalin; é simplesmente constrangedor ler isso.

  • - I. V. Stalin: “Resposta ao camarada Razin”, Works, vol. 16

  • Diário de Dimitrov

  • Dimitrov: [Propõe um brinde a Stalin com elogios efusivos e conclui com estas palavras] Não se pode falar de Lenin sem ligá-lo a Stalin!

  • Stalin: Tenho muito respeito pelo camarada Dimitrov. Somos amigos e continuaremos a ser. Mas eu tenho que discordar dele. Foi expresso de uma forma não marxista. O que a vitória para a causa requer são as condições certas, e os líderes sempre podem ser encontrados. (p. 66, 7 de novembro de 1937).

  • - Páx. 66, 7 de novembro de 1937.

  • Dimitrov: Este é um trabalho coletivo, com Cam [plow] Man [uilsky] como editor-chefe.

  • Stalin: (a respeito da passagem em que Stalin foi convidado a elogiar, especialmente as seguintes palavras: “Viva nosso Stalin!

  • Stalin significa paz!

  • Stalin significa comunismo!

  • Stalin é a nossa vitória! ”) Manuilsky é um adulador! Ele era um trotskista! Nós o criticamos por ficar calado e não falar a tempo sobre os expurgos dos bandidos trotskistas, e agora ele começou a se gabar! Há algo suspeito aqui. Este artigo dele no Pravda - "Stalin e o Movimento Comunista Mundial" - é prejudicial e provocador.

  • [...]

  • I. V. [Stalin] não permitiu que o apelo permanecesse "sob as bandeiras de Marx-Engels-Lenin-Stalin", ele insistiu simplesmente em "Marx-Engels-Lenin" - p. 104-105, 26 de abril de 1939.

  • Em dezembro de 1934, Stalin recusou-se a permitir uma exposição em homenagem a seu 55º aniversário:

  • [...] em uma carta da All-Union Bolchevik Veterans Society, que propunha uma campanha de propaganda dedicada ao seu 55º aniversário, ele escreveu a seguinte resolução: “Eu sou contra, pois essas iniciativas levariam a consolidação de um “culto à personalidade”, algo nocivo e incompatível com o espírito do nosso Partido.

  • - Rogovin, 1937, cap. 41, citado em Voprosy Istorri KPSS. No. 3, 1990, p. 104

  • Stalin critica o dramaturgo Afinogenov por usar o termo "Vozhd" (líder) para se referir a ele:

  • Depois de ler, em 1933, o manuscrito de A mentira de A. N. Afinogenov, Stalin escreveu uma extensa carta ao dramaturgo. No pós-escrito, ele escreveu: “P.D. O que você diz sobre "o líder" (vozhd) não ajuda. É algo ruim e, se me permite, indecente. Não se trata de um ‘líder’, mas de uma liderança coletiva, o C.C. do Partido. I. St [alin] ». Do que Stalin estava falando? Um dos protagonistas da jogada, o Comissário Adjunto Riadovoy, enquanto discutia com o ex-adversário Nakatov, afirmou com sentimento: “Estou falando do nosso Comitê Central ... Estou falando do líder que nos guia, que arrancou a máscara de muitos líderes que, apesar de suas preparação e possibilidades ilimitadas, agora se mostram impotentes. Estou falando sobre a pessoa cuja força está na confiança do granito de centenas de milhões de pessoas. Seu nome na linguagem dos homens do mundo soa como o símbolo da força da causa bolchevique. E esse líder é invencível. Stalin editou e corrigiu esta diatribe com suas próprias mãos, fazendo esta modificação essencial: “Deu orientações sobre os temas a serem tratados na agenda do Congresso. Para receber as instruções de Lenin, o camarada Ordzhonikidze, por ordem de Stalin, foi duas vezes à cabana de Lenin. Stalin torna a fazer a seguinte pergunta: "E o C.C., onde está?"

  • Ivanova, The Dreaming Doors.

  • Stalin rejeitou o título de Herói da União Soviética (maio de 1945):

  • Um dia depois do desfile, por ordem do Presidium do Soviete Supremo da URSS, I. V. Stalin recebeu o título de Herói da União Soviética. Malenkov tomou a iniciativa nesse assunto, mas Stalin recusou essa honra e até falou severamente com Kalinin, que havia assinado a ordem: “Eu”, disse ele, “não participei de ações militares, não fiz proezas; Eu sou apenas um líder.

  • - V. F. Alliluev, “Crônica de uma família”: Alliluev - Stalin. Moscou, 1995, p. 195.

  • Outras fontes confirmam isso:

  • A conversa continuou sobre a concessão a Stalin do título de Herói da União Soviética após a guerra. Stalin disse que não atendia aos critérios de Herói da União Soviética, que esse título foi criado apenas para quem mostrasse coragem pessoal. "Não mostrei coragem", disse Stalin. E ele não aceitou a Estrela. Ele apenas usava a estrela nos retratos. Quando ele morreu, o chefe da seção de decoração deu-lhe a Estrela de Ouro do Herói da União Soviética. Eles a colocaram em um travesseiro e então a levaram ao funeral.

  • "Stalin usava apenas uma pequena estrela, o Herói do Trabalho Socialista", acrescentou Molotov.

  • - Feliks Chuev, 140 Conversas com Molotov. Do Diário de F. Chuev. Moscou, 1994, p. 254.

  • A citação de Khrushchev sobre o "herói contra massas ”(exatamente o que Stalin havia escrito):

  • Embora atribuindo grande importância ao papel dos líderes e organizadores das massas, Lenin também criticou implacavelmente qualquer manifestação do culto do indivíduo, lutou implacavelmente contra a visão não marxista do "herói" e da "multidão" e lutou contra qualquer tentativa de opor um “herói” às massas e ao povo.

  • Veja as citações anteriores de Stalin.

  • 2. Tentativa de Malenkov de convocar uma Sessão Plenária do Comitê Central sobre "Adoração" em abril de 1953

  • Em abril de 1953, Malenkov queria convocar uma sessão extraordinária do Comitê Central para discutir o culto à personalidade de Stalin. Nas páginas 618 e 619 de seu livro Tainy Kremilia, Zhukov cita um projeto de relatório e resolução de Makenkov.

  • Orientados pelas principais reflexões do Presidium do C.C do PCUS, apresentamos ao Plenário do C.C do PCUS o seguinte anteprojeto de resolução para consideração:

  • “O Comitê Central do PCUS considera que em nossa propaganda impressa e oral existe uma situação anormal que se expressa em que nossos propagandistas caem em uma visão não marxista do papel do indivíduo na história e na promoção do culto da personalidade.

  • [É bem sabido que o camarada Stalin condenou veementemente este culto à personalidade, chamando-o de um erro da Revolução Socialista.] Nesse sentido, o Comitê Central do PCUS considera uma obrigação condenar e acabar definitivamente com esta tendência não marxista, essencialmente social-revolucionária em nosso propaganda, provocada pela linha do culto à personalidade e pela diminuição do papel e importância da linha política elaborada pelo Partido, diminuição do papel e importância de uma direção coletiva, consolidada, monolítica e unida do Partido e do Governo ”.

  • Muitos dos presentes sabem que o camarada Stalin costumava falar nesse sentido, condenando firmemente a compreensão antimarxista e social-revolucionária do papel do indivíduo na história.

  • - Zhukov, Taini Kremlia, p. 618-619; a frase entre colchetes é citada como parte deste mesmo projeto de resolução no MP Odesskii, DM Fel'dman, "Adoração da Personalidade (Materiais para uma Hiper-referência)", em Osvoboditel'noe Dvizheniie v Rossi, 2003 (Saratov University), e http://www.sgu.ru/files/nodes/9873/09.pdf

  • De acordo com esses dois estudiosos, essas observações provêm das notas coletadas por Pospelov na discussão do Presidium em 10 de março de 1953, menos de uma semana após a morte de Stalin (5 de março).

  • Malenkov não conseguiu que a Sessão Plenária do C.C. fosse convocada, embora não se saiba quem foi contra. Jukov acha que Khrushchev provavelmente se opôs à convocação.

  • 3. Plenário de julho de 1953. Beria atacou por sua alegada oposição ao "culto"

  • No Plenário do Comitê Central de julho de 1953, Mikoyan, mais tarde um importante aliado de Khrushchev, criticou Beria por acusá-lo duramente de lançar um ataque ao "culto" de Stalin.

  • Outra questão é sua hipocrisia [de Beria]. Nos primeiros dias [após a morte de Stalin; G. F.], falou em voz alta sobre o culto da personalidade. Entendemos que houve excessos sobre este assunto mesmo na época do camarada Stalin. O camarada Stalin os criticou duramente. A realidade é que eles, os social-revolucionários, criaram um culto a meu respeito, disse o camarada Stalin. Não foi possível corrigir esse problema na época, e tudo o que aconteceu aconteceu. Devemos abordar a questão do culto da personalidade de uma perspectiva marxista. Mas Beria falou asperamente. Ele queria destruir o culto do camarada Stalin e criar o seu próprio.

  • - Lavrentti Beria. 1953, pág. 168

  • Andreev (p. 207) também falou duramente para criticar Beria por formular o assunto de “culto”, alegando que isso simplesmente não era um problema. Kaganovich fez o mesmo (p. 283).

  • Evidentemente, todos sabiam que tinha sido Malenkov!

  • Maksimenkov também descreveu a crítica de Malenkov de março de 1953 ao "culto à personalidade" como "autocrítica", já que Malenkov foi incluído nela. Em uma crítica desonesta a Beria durante a Sessão Plenária do Comitê Central de julho de 1953, Andreev cinicamente culpou Beria por formular a questão do “culto”!

  • 4. Quem promoveu a “adoração”?

  • Roi Medvedev aponta que:

  • O primeiro número do Pravda de 1934 continha um enorme artigo de duas páginas de Radek, no qual se acumulavam elogios orgíacos a Stalin. O ex-trotskista, que havia liderado a oposição a Stalin por muitos anos, agora o chamava de "o melhor aluno de Lenin, o modelo do Partido Leninista, carne de sua carne, sangue de seu sangue", "Ele é tão clarividente quanto Lenin" e assim por diante. sucessivamente. Parece ser o primeiro artigo importante na imprensa dedicado especificamente à bajulação de Stalin e foi rapidamente reimpresso como uma folha em 250.000 exemplares, um número enorme para a época.

  • - R. A. Medvedev: Deixe a História Julgar: As Origens e Consequências do Estalinismo. Londres, 1972, p. 148. (Citado em Bland, pp. 8-9). O artigo de Radek foi publicado como um panfleto de 32 páginas: Zodchii sotsialisticheskogo obshchestva (Arquiteto da Sociedade Socialista). Moscou: Partiinoe izdatel’stvo, 1934.

  • BUKHARIN: Lembro-me de um incidente como este. Seguindo as instruções de Kliment Efremovich [Voroshilov], escrevi um artigo sobre a exposição do Exército Vermelho. Lá, Voroshilov, Stalin e outros discutiram. Quando Stalin disse: "O que eles estão escrevendo lá?", Alguém respondeu: "Como eu poderia não escrever algo assim?" Expliquei o assunto a todos de forma muito simples. Eu sabia que não havia razão para criar um culto a Stalin, mas, para mim, era conveniente.

  • SOSNOVSKY: E no meu caso, você acha que é essencial.

  • BUKHARIN: Pela simples razão de que você é um ex-oponente. Não vejo nenhum problema nisso.

  • - Voprosy Istorri. No. 3, 2002, p. 28

  • 5. Khrushchev e Mikoyan

  • O próprio Khrushchev foi um dos principais culpados no fortalecimento do "culto":

  • Foi Khrushchev quem introduziu o termo "vozhd" ("líder", correspondendo à palavra alemã "Führer"). Na Conferência do Partido em Moscou em janeiro de 1932, Khrushchev encerrou seu discurso dizendo:

  • "Os bolcheviques em Moscou, reunidos em torno do Comitê Central Leninista como nunca antes, e em torno do 'vozhd' de nosso Partido, o camarada Stalin, marcham com confiança e alegria em direção a novas vitórias na luta pelo socialismo, pela revolução proletária mundial. »

  • - Rabochaia Moskva, 26 de janeiro de 1932, citado em: L. Pistrak: The Grand Tactician: Khrushchev’s Rise to Power, Londres, 1961, p. 159.

  • Na Décima Sétima Conferência do Partido em janeiro de 1934, foi Khrushchev, e apenas Khrushchev, que chamou Stalin de "..." a voz do gênio. (“Nashego geneal’nogo vozhdia tovarishcha Stalina”) (XVII S’ezd Vsesoiuznoi Kommunisticheskoi Partii (B), p. 145, citado em: L. Pistrak: id., P. 160). Transcrição do discurso de Khrushchev em http://www.hrono.ru/vkpb_17/6_4.html

  • Em agosto de 1936, durante o julgamento por traição contra Lev Kamenev e Grigorii Zinoviev, Khrushchev, em sua qualidade de Secretário do Partido em Moscou, disse: “Pygmies miseráveis!

  • Eles levantaram as mãos contra o maior de todos os homens ... nosso sábio “vozhd”, camarada Stalin! ... Você, camarada Stalin, ergueu a grande bandeira do marxismo-leninismo acima de todo o mundo e continua a Siga em frente. Asseguramos a você, camarada Stalin, que a organização bolchevique em Moscou - seguidores incondicionais do Comitê Central stalinista - aumentará ainda mais a vigilância estalinista, erradicará os vestígios trotskistas-zinovievistas e aproximará ainda mais os bolcheviques do Partido e dos não-partidários do Comitê Central stalinista e do grande Stalin. ” (Pravda, 23 de agosto de 1936, citado em: L. Pistrak: id., P. 162. O discurso completo foi publicado em N. G. Tomilina, ed. Nikita Sergeevich Khrushchev. Dva Tsveta Vrenemi. Dokumenty iz lichnogo fonda N.S.

  • Khrushchev (Moscou: Mezhdunarodnyi Fond «Demokratiia», 2009.)

  • No Oitavo Congresso da União Soviética, em novembro de 1936, foi novamente Khrushchev quem propôs que a nova Constituição Soviética, que deveria ser aprovada no Congresso, fosse chamada de "Constituição Estalinista" porque foi escrita do começo ao fim por O próprio camarada Stalin. (Pravda, 20 de novembro de 1936, citado em: L. Pistrak: id., P. 161).

  • Deve-se notar que Vyacheslay Molotov, então primeiro-ministro, e Andrey Zhdanov, secretário do Partido em Leningrado, não mencionaram nenhum papel especial de Stalin na redação da Constituição.

  • No mesmo discurso, Khrushchev cunhou o tema "Estalinismo": "Nossa constituição é o Marxismo-Leninismo-Estalinismo que conquistou um sexto do planeta."

  • O discurso de Khrushchev em Moscou em janeiro de 1937, época do julgamento por traição contra Georgi Piatakov e Karl Radek, diante de uma audiência de 200.000 pessoas, seguiu as mesmas linhas:

  • Levantando as mãos contra o camarada Stalin, eles os ergueram contra o melhor que a humanidade possui. Stalin é esperança; é ilusão; é o farol que guia toda a humanidade progressiva. Stalin é a nossa bandeira! Stalin é a nossa vontade! Stalin é nossa vitória!

  • -Pravda, 31 de janeiro de 1937, citado em: L. Pistrak: id., P. 162. Discurso completo em Tomilina ed., Nikita Sergeevich Khrushchev. T. 1, pág. 465-468; esta passagem exata está no topo da página 467.

  • Stalin foi descrito por Khrushchev em março de 1939 como "... nosso grande gênio, nosso querido Stalin" (Visti VTsVK, 3 de março de 1939, citado em: L. Pistrak: id.; P. 164). No XVIII Congresso do Partido, em março de 1939, como:

  • "O maior gênio da humanidade, professor e" vozhd ", que nos leva ao comunismo, nosso próprio Stalin"

  • - XVIII S’ezd Vsesoiuznoi Kommunisticheskoi Partii (b), p. 174, citado em: L. Pistrak: id; p. 164

  • E em maio de 1945 como "Grande Marechal da Vitória". (Pravda Ukrainy, 13 de maio de 1945, citado em: L. Pistrak: id., P. 164).

  • Mikoian

  • Por ocasião da celebração do 50º aniversário de Stalin, em dezembro de 1929, Anastas Mikoyan acompanhou suas felicitações com o seguinte pedido:

  • "... que nós, para satisfazer as legítimas demandas das massas, finalmente comecemos a trabalhar em sua biografia, colocando-a à disposição do Partido e de toda a classe trabalhadora de nosso país." (Izvestia, 21 de dezembro de 1929, citado em: L. Pistrak: id., P. 164).

  • Dez anos depois, por ocasião de seu 60º aniversário em dezembro de 1939, Mikoyan continuou a insistir na elaboração de uma "biografia científica" de Stalin. (Pravda, 21 de dezembro de 1939, citado em: L. Pistrak: id., P. 158).

  • As suspeitas de Stalin sobre adoração

  • Que o próprio Stalin estava ciente de que os revisionistas disfarçados eram o principal motor do "culto da personalidade" foi demonstrado pelo revisionista finlandês Tuominen em 1935, que descreveu como, ao ser informado de que bustos com sua imagem haviam sido colocados em lugares privilegiados do principal Galerias de arte de Moscou, Stalin exclamou: "Isso é sabotagem em todas as regras!"

  • - A. Tuominen: op. cit.; p. 16. Bland, 12-13, "The Cult of the Individual", http://www.mltranslations.org/Britain/StalinBB.htm .Bland reuniu muitas evidências da oposição de Stalin ao "culto".

  • O escritor alemão Leon Feuchtwanger confirmou em 1936 que Stalin suspeitava que o "culto da personalidade" estava sendo incentivado por "sabotadores" para desacreditá-lo:

  • Essa adoração por ele irrita Stalin profundamente, e de vez em quando ele zomba dela [...]

  • De todos os homens no poder que conheço, Stalin é o mais modesto. Falei francamente com ele sobre esse culto à sua pessoa tão vulgar e excessiva, e ele me respondeu com a mesma franqueza.

  • [...]

  • Ele acha que é até possível que "sabotadores" estejam por trás disso, em uma tentativa de desacreditá-lo.

  • - L. Feuchtwanger: Moscou 1937, Londres, 1937, p. 93, 94-95. '

  • Stalin impediu o estabelecimento de uma Ordem Stalin, proposta pela primeira vez em 1945 por cinco membros do Politburo, e novamente em 1949 em seu 70º aniversário. Esta ordem foi estabelecida somente após sua morte:

  • Politburo do C.C. do Partido Comunista (Bolchevique) de toda a União.

  • Apresentamos as seguintes resoluções para consideração do Politburo:

  • 1. Conceder ao camarada Stalin a ordem da "Vitória";

  • 2. Conceder ao camarada Stalin o título de "Herói da União Soviética";

  • 3. Estabelecer uma Ordem de Stalin;

  • 4. Erga um Stalin Victory Arch na rodovia Moscou-Minsk, na entrada de Moscou.

  • Propomos que os decretos correspondentes sejam adotados na XII Sessão do Soviete Supremo. 22 de julho de 1945

  • V. Molotov

  • L. Beria

  • G. Malenkov

  • K. Voroshilov A. Mikoian

  • - V. A. Durov, “Orden Stalina Stalin ne utverdil”, Rodina, n.º 4, 2005. En http://chss.montclair.edu/english/furr/research/durovorden.pdf. As duas últimas propostas não foram aprovadas. No canto direito você pode ler escrito a lápis: “Meu arquivo. I. Stlain ”.

  • Stalin se recusa a permitir que Moscou seja renomeada em sua homenagem. Entre 1937 e 1938, propõe-se renomear Moscou como Stalinodar (Presente de Stalin).

  • No entanto, isso nunca aconteceu. M. I. Kalinin informou ao Presidium do Soviete Supremo da URSS e ao RSFS da Rússia que I. V. Stalin havia expressado sua oposição categórica a esta proposta [...]

  • Moscou manteve seu nome.

  • - B. A. Starkov, "Karl Moskva chut’ ne stala Stalinodarom ". Izvestiia TsK KPSS. 1990.

  • No. 12, p. 126-127. Em http://chss.montclair.edu/english/furr/research/stalinodar.pdf

57 visualizações

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com