Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Moscou 1941 – O Início da Vitória


João Claudio Platenik Pitillo

Pesquisador do NUCLEAS/UERJ

Especialista em Segunda Guerra Mundial

Doutorando em História Social

  • Os nazistas denominaram “Operação Tufão” *a conquista da capital da URSS e o aniquilamento dos Exércitos de Konev e Yeremenko, que comandavam respectivamente a Frente Ocidental e a Frente de Bryansk**.

  • A resistência que as tropas soviéticas ofereceram aos nazistas e à sua guerra-relâmpago na cidade de Smolensk*** em agosto de 1941 gerou um desgaste fundamental para dar tempo que as defesas de Moscou pudessem ser reforçadas, já que o avanço nazista, mesmo que custoso as suas tropas, não se detinha. Com isso o perigo de queda da capital da URSS já era sentido pelo governo soviético em setembro.

  • A ofensiva alemã contra Moscou contou com duas fases. A 1a foi de 30 de setembro a 30 de outubro e a 2a foi de 15 de novembro a 5 de dezembro de 1941. Para tanto, o Comando alemão mandou para essa missão os blindados (Panzers) dos generais Guderian, Hoth e Hoeppner que eram apoiados pelos Comandantes Chefes Leeb, Bock e Rundstedt e seus Grupos de Exércitos.

  • A 2 de Outubro o ataque principal começou com uma força tão avassaladora que conseguiu tomar Orel e reter o 3o , 13o e 50o Exércitos de Yeremenko****, mais a frente no dia 6 era a vez de Koniev***** quase ser cercado e aniquilado. Ao todo o Grupo de Exército Centro Alemão utilizaram mais de 1.000.000 de homens, 1.700 blindados e canhões de assalto e mais de 19.000 canhões e morteiros apoiados por grande número de aeronaves1.

  • O avanço violento dos nazistas rompeu as defesas da Frente Ocidental e a Frente de Reserva. Com isso a cidade de Tula passou a ser perigosamente ameaçada depois da captura de Orel. A 6 de outubro os invasores transferiram todo seu poder de ataque de Leningrado para Moscou, deixaram um cerco de artilharia sitiando a referida cidade.

  • Nesse momento a população moscovita começou uma grande mobilização para construir vários quilômetros de defesas antitanques e anti-pessoal.

  • A população moscovita foi muito firme, já que em nenhum momento deixou o pânico possuir a sua cidade. O crédito dessa organização pode ser dado também ao Partido Comunista da URSS.

  • Nos dias 8 e 9, os jornais moscovitas começaram a noticiar que o inimigo estava muito próximo e que parecia inevitável que os combates começassem nos arredores dos subúrbios de Moscou dentro de alguns dias. A situação era tão crítica que uma comissão do Comitê Estatal de Defesa formado por Voroshilov, Malenkov e Molotov foi para o Q.G.* da Frente Ocidental no dia 10 para analisar a situação, lembrando que Jukov** havia sido nomeado comandante da mesma no dia anterior.

  • Nos dias 12 e 13 algumas repartições públicas e alguns organismos estatais foram evacuados, porém sem alarmismo ou desespero. A população continuava a agir de forma centrada, todos trabalhando e a vida moscovita a pleno vapor, teatros, bares e cinemas funcionando normalmente, exceto na hora dos apagões. Nos dias 14 e 15 grandes quantidades de tropas motorizadas e blindadas das hordas nazistas avançaram sobre as tropas soviéticas. As tropas de reservas soviéticas foram enviadas para tentar reconstruir a Frente Ocidental.

  • As defesas em profundidade que os soviéticos organizaram dependiam muito das reservas provenientes da Ásia e como havia ameaças nos quatro lados de suas fronteiras, ficava cada vez mais complicado retirar tropas de algum lugar. A formação e a equipagem de novas divisões não estavam correspondendo aos números de perdas.

  • Nesse momento o PCUS*** começou a organizar operários, camponeses e jovens de todas as áreas para integrar as Forças Armadas em maiores quantidades, mostrando que a pátria corria sério risco e que os Aliados Ocidentais pouco poderiam fazer para deter Hitler e seus satélites.

  • Esse chamado foi respondido de imediato. Os batalhões operários ganharam corpo com maior ênfase e começaram a marchar para frente de combate. Os jovens alistaram-se em massa, e as mulheres, no primeiro momento inundaram as fábricas para dirigir toda a produção para frente de batalha.

  • Somente em outubro e novembro de 1941 os operários de Moscou forneceram à Frente 5 divisões de reforços. Ao todo, desde o começo da guerra os moscovitas haviam formado 17 divisões, fora as tropas voluntárias que se organizaram em centenas de destacamentos de infantaria e de caça-tanques, visando a defesa da cidade. 17.000 mulheres foram treinadas para o serviço de saúde.

  • Ao final de outubro, cerca de 2.000.000 de habitantes tinham sido evacuados de Moscou. Mesmo assim, as fábricas e o comércio continuaram funcionando, como escolas e demais organismos estatais. A direção central do PCUS e os dirigentes de Estado continuaram na capital como prova de determinação e coragem.

  • Essa mobilização construiu 1.428 ninhos de canhões e metralhadoras, 160 quilômetros de valas antitanques, 122 quilômetros de pistas com dentes de dragão, cavalos de frisas, além de minas e arames de tropeço, tudo isso construído por mais de 100.000 moscovitas, na sua grande maioria mulheres que trabalharam debaixo de uma terrível nevasca1.

  • No final de Outubro os soviéticos lançaram um duro contra-ataque que conseguiu deter os nazistas. Eles tiveram que reagrupar e organizar uma nova ofensiva, o que levou pelo menos 15 dias. Nesse momento, o governo soviético preparou a festa da revolução. No dia 7 de novembro, uma semana do esmorecimento da primeira grande investida contra Moscou, o governo soviético organizou uma grande parada militar para comemorar o 24o aniversário da revolução. A população compareceu em massa e ajudou a aplacar o sentimento de cerco que vinham sentido.

  • No mês de novembro os hitleristas continuaram avançando lentamente. O número de mortos dos dois lados era estrondoso. Com isso os alemães tomaram Rostov* e a 2 de dezembro desfecharam o maior e mais violento golpe contra as defesas soviéticas. Os nazistas tinham como ponta de lança o 2o Exército Panzer, que não conseguiu quebrar as defesas soviéticas. Com isso, as pinças alemãs foram detidas pelas torqueses soviéticas.

  • A capacidade defensiva da URSS naquele momento foi tão extraordinária que a 5 de dezembro os nazistas perderam o ímpeto em todas as Frentes, isso acerca de 30 quilômetros de Moscou. Uma combinação de armas antitanques, artilharia e tropas bem treinadas e dispostas, conseguiram parar o avanço hitlerista antes de alcançarem a capital soviética.

  • No início de dezembro as duas poderosas ofensivas da “Operação Tufão” não tinham conseguido tomar Moscou, as tropas hitleristas estavam exauridas e com graves problemas de logística. O Alto Comando nazista não acreditava que a resistência soviética seria tão grande e duradoura. Com isso os nazistas não foram preparados para um inverno na defensiva.

  • Foi assim que a partir da primeira semana de dezembro, o Exército Soviético começou a desenrolar o seu contra-ataque, com tropas melhores equipadas e treinadas para o novo contexto de guerra. O Alto Comando Soviético começou a organizar várias frentes que visavam expulsar os invasores de Moscou e retomar o contato com Leningrado. Para isso os novos T-34* e as armas antitanques que os soviéticos desenvolveram em larga escala tiveram um papel preponderante.

  • Os contra-ataques soviéticos recuperaram Kalinim, Rzhev, Kaluga, Kerch e várias outras cidades menores, além de terem rechaçado os hitleristas para até 300 quilômetros de Moscou. Nesse contexto o Exército Vermelho pode se organizar com mais calma e planejar os próximos passos a partir de uma defesa ativa, onde os recuos já tinham virado coisa do passado.

  • Com a vitória do Exército Vermelho em janeiro de 1942 a história na Frente Leste passou a ser escrita pelos combatentes soviéticos.

*16 de setembro de 1941, Hitler expede uma diretiva com o objetivo de cercar e esmagar Moscou, como foi feito na Ucrânia.

** Principais forças soviéticas naquele momento.

*** Importante cidade que fica a cerca de 360 km de Moscou.

**** Andrei Ivanovich Yeremenko foi Comandante da Frente Ocidental (1941), da Frente de Stalingrado (1942/1943) e da Frente Ucraniana (1945).

***** Iván Stepanovich Koniev comandou o 19o Exército, teve atuação destacada na defesa de Moscou.

1 JUKES, Geoffrey. A Defesa de Moscou, Rio de Janeiro, Editora Renes, 1975.

*Quartel General.

** Na língua portuguesa a pronúncia deve ser com “j” e não “z”, que é usado pelo inglês quando na tradução do russo.

*** Partido Comunista da União Soviética.

1 JUKES, Geoffrey. A Defesa de Moscou, Rio de Janeiro, Editora Renes, 1975. P. 105.

*Cidade considerada o portão de entrada do Cáucaso.

* “Tanko-34” – Blindado médio soviético. Desenvolvido entre 1943 e 1944, armados com canhões de 76 e 85 mm tornara-se o “cavalo de batalha” soviético, pela combinação de velocidade, força, confiabilidade e blindagem.

24 visualizações

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com