Buscar
  • Klaus Scarmeloto

O Testamento de Lenin


Por Emelyanov Yuri Vasilievich Doutor em Ciências Históricas

Traduzido por KlAUS SCARMELOTO ORIGINAL: https://bit.ly/2QgIFDH

Do livro Stalin caminho para o Poder


  • Como você sabe, a frase de Lenin sobre a concentração de imenso poder por Stalin terminou com as seguintes palavras: "E não tenho certeza se ele sempre será capaz de usar esse poder com a cautela suficiente." Esta observação crítica estava contida na famosa "Carta ao Congresso" ou "Testamento" de Lênin. Por muitos anos, os oponentes de Stalin criaram a impressão de que a "Carta ao Congresso" era dirigida exclusivamente contra Stalin e foi escrita com o único propósito de privá-lo do poder.

  • Enquanto isso, como decorre do conteúdo da Carta, a principal causa da ansiedade de Lenin era uma possível cisão no partido. A "discussão sindical" mostrou a Lenin que o perigo de uma divisão do partido em trotskistas e leninistas permanecia, e a luta pelo poder no Olimpo político soviético não parou.

  • Como principal medida para evitar uma divisão no partido, Lenin propôs aumentar o número de membros do Comitê Central "para várias dezenas ou até centenas", elegendo membros do partido que trabalhavam na produção. Lenin acreditava que “entre os membros operários do Comitê Central deveriam estar predominantemente operários que estão abaixo do estrato que foi promovido em nosso país em cinco anos ao número de empregados soviéticos, e que pertencem mais perto do número de operários e camponeses, que, entretanto, não se enquadram na categoria diretamente ou indiretamente exploradores. “Na opinião de Lenin, “tal reforma aumentaria significativamente a força de nosso partido e tornaria mais fácil para ele lutar entre os estados hostis, o que, em minha opinião, pode e deve se intensificar fortemente nos próximos anos".

  • Stalin estava perfeitamente ciente do perigo de uma divisão na liderança do partido e de sua separação das massas. Concluindo seu relatório no XII Congresso, Stalin observou que entre os 27 membros do Comitê Central “há um núcleo de 10-15 pessoas que se acostumaram a dirigir o trabalho político e econômico de nossos órgãos e correm o risco de se tornarem padres na liderança. Isso pode ser bom, mas também tem um lado muito perigoso: esses camaradas, tendo adquirido muita experiência na liderança, podem se contaminar com a presunção em si mesmos e romper o trabalho entre as massas "Stalin apontou o perigo de divisão do partido devido às relações que se desenvolveram" no núcleo dirigente do Comitê Central ". Ele chamou a atenção para o fato de que “dentro do Comitê Central, nos últimos 6 anos, certas habilidades e algumas tradições da luta intra-tsekista se desenvolveram (não podiam deixar de se desenvolver), às vezes criando uma atmosfera que não é inteiramente boa”.

  • A proposta de Lenin de introduzir muitos novos trabalhadores e camponeses no Comitê Central correspondia totalmente às ideias que Stalin defendeu durante seu trabalho no Comitê do Partido em Baku desde 1909. No XII Congresso do Partido, Stalin expressou pensamentos semelhantes às propostas de Lenin. O confronto entre os principais líderes no plenário de fevereiro (1923) do Comitê Central, quando "a intervenção de pessoas das localidades" ajudou a acalmar o conflito, serviu como um argumento adicional para Stalin de que "novos, novos trabalhadores deveriam ser recrutados para o Comitê Central e ... elevados". "Precisamos de pessoas independentes no Comitê Central", declarou Stalin, "livres de influências pessoais, daquelas habilidades e tradições de luta dentro do Comitê Central que desenvolvemos e que, às vezes, geram alarme dentro do Comitê Central." Como no início de sua atividade revolucionária, Stalin confiou nos "mais capazes e independentes, tendo cabeças em seus ombros." A essas pessoas, Stalin, como sempre foi característico dele, opôs-se a portadores de conhecimento puramente livresco, incapazes de trabalho criativo e independente e não familiarizados com a atividade prática. Ele disse: “Você não pode criar um livro de líderes. O livro ajuda a seguir em frente, mas não cria um líder em si. Os trabalhadores executivos crescem apenas no decorrer da própria obra.” Ele propôs expandir a composição do Comitê Central para 40 pessoas às custas de "novos" e "independentes" membros do partido. (É verdade, Stalin imediatamente enfatizou que com a "independência" dos novos membros do Comitê Central, ele não queria dizer sua independência do leninismo.)

  • A essa altura, não era segredo para ninguém que a principal ameaça de divisão do partido vinha de Trotsky. O desejo de Lenin de incluir Trotsky no trabalho comum em termos iguais encontrou resistência obstinada deste, que buscou manter sua posição especial até o momento em que pudesse se tornar livremente o chefe do partido e do país. Quando em 11 de abril de 1922, em uma reunião do Politburo, Lenin propôs nomear Trotsky para o cargo de vice-presidente do Conselho dos Comissários do Povo, Trotsky, como I. Deutscher escreveu em sua biografia, “categoricamente e de forma arrogante rejeitou essa proposta." Obviamente, Trotsky não queria ser um dos deputados de Lenin, entre os quais Rykov e Tsyurupa. Ao mesmo tempo, Trotsky lutou para manter a liderança do Exército Vermelho.

  • Sem esconder seu desprezo por outros líderes que estavam abaixo dele em posição, Trotsky estava constantemente em confronto com a maioria dos membros do Comitê Central. Durante a doença de Lenin, de maio a setembro de 1922, Trotsky demonstrou desafiadoramente sua relutância em obedecer à vontade do Politburo. Quando Lenin voltou ao trabalho e em setembro de 1922 ofereceu novamente a Trotsky para assumir o cargo de deputado Presnarkom, ele novamente se recusou a aceitar a oferta. Em 14 de setembro de 1922, Stalin, por sugestão de Lenin, apresentou a questão do comportamento de Trotsky ao Politburo para consideração.

  • A última circunstância pode ser a razão do ataque de Trotsky a Stalin. Embora Trotsky estivesse em confronto com toda a liderança do Comitê Central, ele, como um político experiente, entendeu perfeitamente bem que o controle sobre vários comissariados populares e departamentos do Comitê Central e, em seguida, o cargo de secretário-geral, permitiu a Stalin receber informações extremamente completas e precisas sobre a situação no país e fez dele uma figura-chave desenvolver as decisões políticas mais poderosas. Provavelmente Stalin foi especialmente ativo na luta contra seu antigo oponente.

  • Portanto, Lenin tinha motivos para afirmar que “o principal na questão da estabilidade ... são membros do Comitê Central como Stalin e Trotsky. As relações entre eles, na minha opinião, representam mais da metade do perigo de uma divisão que poderia ter sido evitada. " Essas qualidades negativas que, na opinião de Lenin, Stalin tinha, eram significativas apenas do ponto de vista de sua relação com Trotsky: “Esta circunstância pode parecer uma ninharia insignificante. Mas acho que do ponto de vista de evitar uma cisão e do ponto de vista do que escrevi acima sobre a relação entre Stalin e Trotsky, isso não é uma ninharia, ou é uma ninharia que pode adquirir importância decisiva".

  • Aparentemente, Lenin decidiu recorrer ao desarmamento das figuras políticas conflitantes para desarmar o conflito, como foi o caso em 1919 e 1921. Agora Lenin estava pronto para apresentar de 50 a 100 novos membros do Comitê Central de trabalhadores e camponeses entre Stalin e Trotsky para que se tornassem uma barreira entre os líderes oponentes. Provavelmente, desta vez ele pensou que neste confronto valeria a pena pressionar um pouco Stalin. Disso não se deduzia que Lenin estivesse sempre pronto a ceder a Trotsky.

  • A atitude cautelosa de Lênin em relação a Trotsky foi evidenciada pelo fato de que seus cumprimentos a Trotsky ("talvez o homem mais capaz no atual Comitê Central") foram contrabalançados por uma avaliação negativa (sua autoconfiança excessiva e entusiasmo excessivo pelo lado puramente administrativo da questão foram notados). Lenin quase não esqueceu a ruptura repentina de Trotsky com ele no Segundo Congresso do Partido, a luta contra Trotsky e seus partidários durante 1903-1917. A discussão sindical, que levou o partido à beira da cisão e o país a uma nova guerra civil, mais uma vez demonstrou a Lenin a insegurança de Trotsky como aliado e seu perigo como inimigo. Avaliando a atitude de Lenin para com Trotsky nos últimos anos de sua vida, o autor da carta a I. Britan observou: "Como sempre, Lenin estava certo em sua antipatia, em sua desconfiança dele". No entanto, desta vez, Lenin estava se comprometendo.

  • Ele apoiou a posição de Trotsky sobre o monopólio estatal do comércio exterior e, em sua "Carta ao Congresso", concordou em fazer algumas concessões a Trotsky na questão do Comitê de Planejamento do Estado, embora "até certo ponto e sob certas condições".

  • Por que Lenin tolerou o comportamento desafiador de Trotsky e fez concessões? Da "Carta ao Congresso" segue-se que Lenin esperava novas complicações internacionais. Apesar dos muitos fracassos de Trotsky durante a Guerra Civil como Conselho Pré-Revolucionário (e ele não foi o único que cometeu erros na liderança das tropas), a autoridade de Trotsky no Exército Vermelho era grande. Lenin não só não pretendia retirá-lo da direção do Exército Vermelho, mas, obviamente, contava com ele como o líder da máquina militar soviética no caso de uma nova intervenção ou revoluções proletárias no Ocidente. É possível que Lenin apreciasse os contatos internacionais de Trotsky e não pretendesse abandoná-los durante o período de futuras complicações no cenário mundial.

  • Muito provavelmente, Lenin decidiu “pelo bem da causa” fazer outro compromisso com Trotsky. Além disso, ele pensava não em retirar Stalin da liderança do país, mas apenas em liberá-lo do cargo de secretário-geral, que ainda era visto como puramente organizacional e técnico. Lenin não pretendia excluir Stalin do Politburo e provavelmente estava disposto a confiar-lhe importantes áreas de trabalho.

  • Ao mesmo tempo, Lenin acompanhou sua proposta em relação ao secretário-geral com uma caracterização nada lisonjeira, que foi constantemente repetida em muitas biografias de Stalin: "Stalin é muito rude, e este defeito, que é bastante tolerável no ambiente e na comunicação entre nós, comunistas, torna-se intolerável no cargo de secretário-geral. Portanto, proponho aos camaradas que considerem o método de retirar Stalin deste lugar e nomear para este lugar outra pessoa que em todos os outros aspectos difere do camarada. A única vantagem de Stalin, a saber, mais tolerante, mais leal, mais educado e mais atencioso com seus camaradas, menos caprichoso, etc. "

  • É improvável que tal descrição fosse completa e justa. Lenin não disse uma palavra sobre qualidades de Stalin como trabalho árduo, atitude responsável para com o trabalho, estudo diligente de qualquer assunto, vontade de ferro. De acordo com seu colega Pestkovsky, Stalin, ao contrário de muitos outros líderes soviéticos, se distinguia por uma tolerância invejável e lealdade para com seus colegas. Há ampla evidência de que Stalin foi enfaticamente educado com os colegas de trabalho e, mesmo em momentos de extrema irritação, geralmente evitava grosseria.

  • Ao mesmo tempo, Lenin poderia muito bem ter levado algumas das acusações contra Stalin a seus outros colegas e a si mesmo. Nos discursos e artigos, ordens e ordens de todos os líderes soviéticos, incluindo Lenin, palavras rudes e ameaças, comparações ofensivas eram constantemente ouvidas. As ações dos líderes soviéticos, nas quais se podiam ver manifestações de capricho, não foram exceção. É sabido que não só Stalin, mas também Trotsky, Zinoviev, Kamenev, Bukharin, Rykov e o próprio Lenin conseguiram se destacar nos primeiros anos do poder soviético com declarações sobre queixas pessoais, nem sempre bem fundamentadas, e cenas com ameaças de renúncia.

  • No entanto, a crítica de alguns traços de caráter de Stalin foi um tanto equilibrada pelos lembretes de Lenin sobre o "episódio de outubro" de Zinoviev e Kamenev e o "não-bolchevismo" de Trotsky, por observações de que as "visões teóricas" de Bukharin poderiam ser muito duvidosamente classificadas como completamente marxistas, porque há algo de escolástico (ele nunca estudou e, eu acho, nunca entendeu completamente a dialética)", e Pyatakov é" muito empolgado pela administração e pelo lado administrativo dos negócios para ser invocado em uma questão política séria".

  • Lenin não se limitou a criticar os modos de Stalin. Em 30-31 de dezembro de 1922, ele ditou seu artigo "Sobre a Questão das Nacionalidades ou" Autonomização ", no qual criticava as atividades de Stalin para criar a URSS. Lenin partiu do fato de que na União criada, que em sua forma era uma federação, as ideias de Stalin sobre a criação de um estado unitário com autonomias regionais foram incorporadas. Lênin lamentou que ele "não tenha intervindo com energia suficiente e de maneira bastante brusca na famosa questão da autonomização, que, ao que parece, é oficialmente chamada de questão da união das repúblicas socialistas soviéticas". Lenin acreditava que na criação da URSS "a pressa e o entusiasmo administrativo de Stalin desempenharam um papel fatal, assim como sua raiva contra o notório" social-nacionalismo ". Em geral, a raiva geralmente desempenha o pior papel na política. "

  • O conteúdo das notas de Lenin refletia as contradições em seus julgamentos sobre a URSS. Por um lado, disse que de acordo com os princípios da organização da URSS, “a liberdade de retirar-se do sindicato ... seria um papel vazio”, mas, por outro lado, não se propôs a dissolver a URSS. Além disso, no final de suas notas, ele enfatizou a necessidade de uma aliança "para lutar contra a burguesia mundial e se defender contra suas intrigas". Ao mesmo tempo, ele não descartou que no próximo congresso dos soviéticos seria necessário "deixar a união das repúblicas socialistas soviéticas apenas em termos militares e diplomáticos e, em todos os outros aspectos, restaurar a total independência dos comissariados do povo individualmente".

  • Argumentos contraditórios sobre a URSS foram combinados com críticas ásperas e injustas de Stalin por falta de atenção ao desenvolvimento das línguas nacionais. Embora Stalin repetisse constantemente que era necessário encorajar o desenvolvimento das línguas nacionais, Lenin retratou a questão como se Stalin ignorasse esse problema: "É necessário introduzir as regras mais estritas sobre o uso da língua nacional nas repúblicas estrangeiras de nossa união, e verificar essas regras com especial cuidado".

  • Sem se limitar a condenar Stalin por desatenção ao fator nacional, Lenin acusou-o diretamente de encorajar a opressão nacional: "É sabido que os estrangeiros russificados sempre exageram em termos do humor verdadeiramente russo." Insinuando Ordzhonikidze, ou Stalin, ou ambos, Lenin escreveu: “Aquele georgiano que desdenhosamente se refere a este lado da questão é desdenhosamente lançado à acusação de 'social-nacionalismo' (enquanto ele próprio é real e verdadeiro não apenas um "social-nacional", mas também uma rude divindade da Grande Rússia), que georgiano, em essência, viola os interesses da solidariedade de classe proletária, porque nada impede o desenvolvimento e a consolidação da solidariedade de classe proletária mais do que a injustiça nacional, e não é tão sensível a nada Cidadãos "ofendidos",

  • Referindo-se aos nomes insultuosos de várias nacionalidades que ele lembrava de sua infância no Volga, Lenin ligou ilogicamente essas memórias à luta de Stalin, Ordzhonikidze e Dzerzhinsky contra o “desvio nacionalista” no Partido Comunista da Geórgia e garantiu, sem provas, que algum tipo de "Grande campanha nacionalista russa" havia começado. Lenin sugeriu tornar Stalin e Dzerzhinsky "politicamente responsáveis" por ela. Permitindo ataques insultuosos ao povo russo, Lênin pediu a proteção dos "estrangeiros russos da invasão daquela pessoa verdadeiramente russa, um grande chauvinista russo, em essência, um canalha e estuprador, que é um burocrata russo típico". (Descobriu-se que "uma pessoa verdadeiramente russa" é um "canalha" e um "estuprador".) Lenin assustou aqueles que "uma porcentagem insignificante de trabalhadores soviéticos e soviéticos se afogará neste mar de lixo chauvinista da Grande Rússia como uma mosca no leite". Ele declarou: “O internacionalismo por parte dos opressores ou da chamada “grande” nação (embora grande apenas por sua violência, grande como o grande Derzhimorda) deve consistir não apenas em observar a igualdade formal das nações, mas também em tal desigualdade que compensaria isso a nação opressora, a nação é grande a desigualdade que se desenvolve na vida de fato. Quem não entendeu isso, não entendeu a atitude realmente proletária em relação à questão nacional, permaneceu, em essência, do ponto de vista da pequena burguesia e, portanto, não pode deixar de escorregar a cada minuto para o ponto de vista burguês ”. “O internacionalismo por parte do opressor ou da chamada“ grande ”nação (embora grande apenas por sua violência, grande como o grande Derzhimorda) deve consistir não apenas na observância da igualdade formal das nações, mas também em tal desigualdade que compensaria por parte da nação opressora, da nação, a desigualdade que realmente se desenvolve na vida é grande. Quem não entendeu isso, não entendeu a atitude realmente proletária em relação à questão nacional, permaneceu, em essência, do ponto de vista da pequena burguesia e, portanto, não pode deixar de escorregar a cada minuto para o ponto de vista burguês”. “O internacionalismo por parte do opressor ou da chamada” grande” nação (embora grande apenas por sua violência, grande como o grande Derzhimorda) deve consistir não apenas na observância da igualdade formal das nações, mas também em tal desigualdade que compensaria por parte da nação opressora, da nação, a desigualdade que realmente se desenvolve na vida é grande. Quem não entendeu isso, não entendeu a atitude realmente proletária em relação à questão nacional, permaneceu, em essência, do ponto de vista da pequena burguesia e, portanto, não pode deixar de escorregar a cada minuto para o ponto de vista burguês”. que realmente se desenvolve na vida.

  • Estas observações de Lênin foram retomadas no XII Congresso por Bukharin, que declarou: “Nós, como uma antiga nação de grande potência ... devemos nos colocar em uma posição desigual... Somente com tal política, quando artificialmente nos colocarmos em uma posição inferior aos outros, somente a esse preço podemos comprar a confiança de nações anteriormente oprimidas." Com base nisso, Bukharin propôs retirar da resolução do congresso o ponto em que o chauvinismo local fosse condenado. Opondo-se a ele, Stalin lembrou que no passado recente Bukharin falava do ponto de vista do niilismo nacional contra o direito das nações à autodeterminação." Arrependido, foi ao outro extremo ... O fato é que Bukharin não entendia a essência da questão nacional."

  • Embora Stalin, levando claramente em consideração as declarações de Lenin, tenha condenado o “chauvinismo da Grande Rússia" no congresso, ele, na verdade, rejeitou as acusações de Lenin de políticas errôneas na questão nacional. Em resposta a Bukharin e, ao mesmo tempo, a Lenin, Stalin declarou: “Eles nos dizem que não devemos ofender os nacionais. Isso é, absolutamente correto, eu concordo com isso — não há necessidade de ofendê-los. Mas, a partir disso, criar uma nova teoria de que é necessário colocar o proletariado da Grande Rússia em uma posição de direitos desiguais em relação às nações anteriormente oprimidas é o mesmo que dizer incongruência. O fato de que o camarada Lenin deu uma virada de discurso em relação a seu famoso artigo, fez Bukharin transformar tal situação em um slogan completo... Deve-se lembrar que, além do direito dos povos à autodeterminação, há também o direito da classe trabalhadora de fortalecer seu poder, e o direito à autodeterminação está subordinado a este último direito. Reconhecendo o papel predominante do proletariado russo na revolução e na transformação pós-revolução desde o período de Baku, Stalin resistiu fortemente a qualquer tentativa de duvidar disso e ainda mais para colocar os trabalhadores russos em uma "posição de desigualdade".

  • Ao mesmo tempo, embora Stalin mostrasse sua discordância com Lenin, era óbvio que ele tentou interpretar as duras palavras de Lenin como uma “virada de discurso”. Aparentemente, ele considerava essas divergências temporárias, como aquelas que já os haviam dividido mais de uma vez, mas de forma alguma desejava se opor a Lenin. Mesmo durante os períodos de crise (antes da tomada do poder e nos primeiros dias após o início da revolução, durante as disputas pela Paz de Brest-Litovsk, durante a "oposição militar" e acalorada discussão antes do X Congresso do partido), quando muitos líderes partidários proeminentes (Zinoviev, Kamenev, Bukharin, Trotsky e outros) se opuseram a Lenin, Stalin invariavelmente ficou do lado do líder do partido.

  • Por sua vez, Lenin apreciou muito não só o apoio de Stalin, mas também sua eficiência e o colocou como um exemplo para outros líderes do partido. Em sua carta a Joffe, que se queixava de que estava sendo transferido de um posto para outro, Lenin se referia a Stalin, que cumpre humildemente várias atribuições partidárias, sem reclamar nem ser caprichoso. A preocupação de Lenin com a saúde de Stalin quando ele precisou de uma cirurgia em maio de 1921 também atesta a visão de Lenin de Stalin como insubstituível. Lenin insistiu que Stalin deveria ter um bom descanso após a operação.

  • Então, por que Lenin de repente atacou seu aliado leal e confiável com duras críticas? Para responder a essa pergunta, devemos nos voltar para os eventos que precederam a redação da Carta ao Congresso. Depois que Lenin sofreu um golpe em sua saúde em maio de 1922, Stalin o visitava constantemente. De acordo com S. Semanov e V. Kardashov, ele visitou Lenin em Gorki de maio a outubro de 1922 com mais frequência do que todos os outros membros do Politburo (12 vezes). Stalin descreveu suas conversas com Lenin no artigo "Lenin on Rest" publicado no suplemento ilustrado do Pravda em 24 de setembro de 1922. Lenin manteve relações amigáveis ​​com Stalin mesmo depois de seu retorno ao trabalho em setembro de 1922. No entanto, a saúde de Lenin piorou novamente. Em 25 de novembro, ele caiu no corredor de seu apartamento. Os médicos exigiram que Lenin observasse repouso completo, mas ele violou o regime estabelecido. Em 27 de novembro, sua perna e braço foram retirados por vários minutos. Como M.I. Ulyanov, Lenin “cansava-se facilmente, ficava nervoso, sentia um peso na cabeça, havia também uma pequena paralisia. Mas, apesar disso, ele não largou o trabalho". Por insistência dos médicos, Lenin foi enviado a Gorki para descansar, onde passou cinco dias. Ele voltou a trabalhar em Moscou em 12 de dezembro, mas já em 13 de dezembro teve duas paralisias, que duraram vários minutos. Lenin concordou com um tratamento de longo prazo e, de acordo com Fotieva, “começou a liquidar seus negócios antes de um longo descanso e se preparar para a partida ... Por 2-3 dias ele ditou cartas em seu apartamento, deu instruções e recebeu 2-3 companheiros (entre outros Stalin) ".

  • Lenin ainda pretendia falar no Congresso dos Sovietes, que estava marcado para 23 a 27 de dezembro. Como apontou M.I. Ulyanov, “a deterioração posterior de sua saúde (em 16 de dezembro, uma paralisia mais persistente se instalou e Vladimir Ilyich foi para a cama) tirou-lhe essa esperança e pediu para dizer a Stalin que não falaria no congresso. A incapacidade de falar no congresso teve um efeito muito forte em Vladimir Ilyich, e ele, apesar de seu excepcional autocontrole, não conseguiu conter seus soluços amargos." De acordo com Maria Ilyinichna Ulyanova, durante o exame de Lenin em 20 de dezembro, o professor Foerster, que veio do exterior, afirmou que "a amplitude de movimentos não é totalmente completa, elevar o braço à posição vertical é impossível ... a língua não se desvia e todos os seus movimentos são realizados de forma lenta e incerta".

  • Depois que a saúde de Lenin piorou em 16 de dezembro de 1922, o Politburo, claramente levando em conta a proximidade de Stalin com Lenin, decidiu em 18 de dezembro tornar Stalin pessoalmente responsável por observar o regime estabelecido pelos médicos e isolar Lenin de contatos pessoais e profissionais. Essa decisão foi confirmada no plenário do Comitê Central em 18 de dezembro. Os participantes no plenário enfatizaram especialmente a necessidade de Lenin cumprir as instruções estritas dos médicos sobre a abstinência do trabalho. Conhecendo o estilo de trabalho de Stalin, é impossível supor que, tendo recebido tal ordem do Comitê Central, ele não tivesse verificado como o regime de tratamento estava sendo seguido. É possível que, no decorrer de tais controles, Stalin tenha mostrado severa exatidão, e isso só poderia irritar os já agitados parentes de Lenin. É provável que a partir de 18 de dezembro, Stalin começou a ser percebido por Krupskaya e outros, como um administrador que lhes ordena como tratar um ente querido. É possível que Krupskaya e outras pessoas tenham expressado sua insatisfação com o tom e o conteúdo das ordens de Stalin a Lenin.

  • É preciso dizer que, durante o período de tratamento, Lenin reagiu de forma extremamente irritada a várias ações que limitaram suas atividades. Stalin também mencionou isso em suas notas "Lenin on Rest": "Os médicos começaram a causar irritação ativa em Lenin." Ao mesmo tempo, Trotsky escreveu: "Ele não tolerava mais os médicos, seu tom paternalista, suas piadas banais, suas falsas promessas".

  • Mais uma circunstância deve ser levada em consideração. Embora ainda bastante saudável, Lenin disse certa vez ao funcionário do Conselho dos Comissários do Povo Y. Shatunovsky: “Não entendo bem as pessoas, não as entendo. Mas eu conheço essa lacuna por mim mesmo e tento consultar velhos camaradas, como Nadezhda Konstantinovna e Maria Ilyinichna. " Após o primeiro golpe em maio de 1922, a comunicação de Lenin com o mundo exterior foi severamente limitada e, desde então, N.K. Krupskaya e M.I. Ulyanov se tornaram praticamente suas únicas curadoras, “ajudando-o” a “entender as pessoas”. Portanto, as avaliações de Lenin sobre certas pessoas durante sua doença dependeram em grande parte dessas duas pessoas. É possível que a atitude irritada de Lenin em relação a Stalin tenha aparecido sob a influência de Krupskaya e de outras pessoas que Stalin incomodava em controlar. É significativo que três dias depois

  • Em 22 de dezembro, um dia antes de Lenin começar a ditar suas primeiras páginas da Carta ao Congresso, segundo M.I. Ulyanova, havia um humor extremamente pessimista. Como Fotieva escreveu em suas anotações, às 18h do dia 22 de dezembro, Lenin ditou-lhe o seguinte: "Não se esqueça de tomar todas as medidas para obter e entregar ... se a paralisia evoluir, cianeto de potássio, como medida de humanidade e como imitação de Lafargue ..." ele acrescentou: “Esta nota está fora do diário. Você entende? Você entende? E eu espero que você faça isso. “Não conseguia lembrar a frase que faltava no início. No final — eu não entendi, porque falei muito baixo. Quando perguntei de novo, não respondi. Ele mandou mantê-lo em segredo absoluto".

  • Não foi a primeira vez que Lenin pediu veneno para se suicidar. MI. Ulyanova lembrou que em 30 de maio de 1922 “Vladimir Ilyich exigiu que Stalin fosse convocado até ele... Chamaram Stalin, e depois de um tempo ele chegou com Bukharin. Stalin entrou no quarto de Vladimir Ilyich, fechando a porta com força atrás de si a pedido de Ilyich. Bukharin ficou conosco e de alguma forma misteriosamente declarou: "Acho que por que Vladimir Ilyich deseja ver Stalin." Mas desta vez ele não nos contou sobre seu palpite. Poucos minutos depois, a porta do quarto de Vladimir Ilyich se abriu e Stalin, que me pareceu um pouco chateado, saiu. Depois de se despedir de nós, os dois (Bukharin e Stalin) passaram pela casa grande, atravessaram a casa do sanatório e foram até o pátio do carro. Eu fui vê-los partir. Eles conversaram sobre algo um com o outro em voz baixa, mas no pátio Stalin voltou-se para mim e disse: "Para ela (ele se referia a mim) podemos dizer, mas Nádia (Nadezhda Konstantinovna) não." E Stalin me disse que Vladimir Ilyich o convocou para lembrá-lo de sua promessa anterior de ajudá-lo a deixar o palco a tempo, se ele tivesse paralisia”.

  • "Agora, o momento que lhe falei antes", disse Vladimir Ilyich, "chegou, estou com paralisia e preciso da sua ajuda." Vladimir Ilyich pediu a Stalin que trouxesse veneno para ele. Stalin prometeu, beijou Vladimir Ilyich e saiu do quarto. Mas aqui, durante nossa conversa, Stalin assumiu uma dúvida: Vladimir Ilyich não entendeu seu consentimento de tal maneira que o momento do suicídio realmente havia chegado e não havia mais esperança de recuperação? Stalin disse ainda a Ulyanova: “Prometi acalmá-lo, mas se ele realmente interpretar minhas palavras no sentido de que não há mais esperança? E será como uma confirmação de sua desesperança? " Tendo discutido isso, decidimos que Stalin deveria mais uma vez ir a Vladimir Ilyich e dizer que havia falado com os médicos e estes lhe garantiram que a posição de Vladimir Ilyich não era desesperadora. sua doença não é incurável e que é necessário aguardar a execução do pedido de Vladimir Ilyich. E assim foi feito. " Stalin voltou para Lenin. “Fiquei com Lenin ainda menos do que da primeira vez e, quando saí, disse a ela e a Bukharin que o paciente“ concordou em esperar ”. Ele também se tranquilizou com o fato de que Stalin prometeu ajudar com o veneno se "realmente não houver esperança".

  • É óbvio que, mais uma vez retornando seus pensamentos ao suicídio em 22 de dezembro de 1922, Lenin novamente perdeu sua paz de espírito. Além disso, como dessa vez ele não convocou Stalin, pode-se presumir que percebeu que Stalin não o ajudaria a cometer suicídio. É possível que em 22 de dezembro Lênin tenha se lembrado da conversa de 30 de maio e, talvez, tenha ficado indignado com Stalin por não ter fornecido a ele o veneno que ele agora era forçado a pedir novamente, desta vez de Fotieva. (Idéias únicas sobre lógica permitiram aos anti-Stalinistas reinterpretar a recusa de Stalin de dar veneno a Lenin para acusá-lo de tentar envenenar Lenin ou até mesmo de envenená-lo.)

  • Também deve ser notado que em 22 de dezembro de 1922, Stalin teve um conflito com Krupskaya. Stalin soube que em 21 de dezembro Krupskaya havia permitido que Lenin ditasse uma carta a Trotsky. Conforme observado por V.A. Kumanev e I.S. Kulikova em seu livro "Confronto: Krupskaya — Stalin", "tendo aprendido que N.K. Krupskaya estava diretamente envolvida na escrita, sob o ditado de Lenin, de uma carta para Trotsky e contatos com este último sobre este assunto, o secretário-geral ficou furioso e a atacou ao telefone com abusos rudes e ameaças — Stalin ameaçou a Comissão de Controle de Krupskaya por violar uma receita médica." (Embora os autores do livro tentem provar que a "raiva" de Stalin foi causada pelo que Lenin escreveu a Trotsky, pode-se supor que Stalin ficaria indignado se Lenin escrevesse para qualquer um, já que se presumia que após o golpe de 16 de dezembro, o paciente permaneceria em estado de repouso total.) Em 23 de dezembro, Krupskaya escreveu uma queixa a Kamenev contra Stalin por sua “grosseiria". Ela relatou que “está no partido há mais de um dia. Em todos os 30 anos não ouvi de nenhum camarada uma única palavra rude ... Apelo a você e a Grigory (Zinoviev. — Aprox. Ed.), Como camaradas mais próximos de V.I., e peço que me protejam de interferências grosseiras em vida pessoal, abusos indignos e ameaças. "

  • Afirmou-se que Krupskaya naquela época se limitou a uma carta a Kamenev e não disse uma palavra sobre esse incidente a Lenin. No entanto, foi assim? É significativo que já no dia seguinte, 23 de dezembro, Lênin "pedisse aos médicos que permitissem a estenógrafa" e começasse a ditar sua famosa Carta. Na véspera deste dia, na noite de 23 de dezembro, seu estado piorou ainda mais. De acordo com M. Ulyanova, "ele não tinha absolutamente nenhum movimento na perna ou na mão". Não é difícil presumir que o estado de espírito de Lenin não melhorou naquele dia. M.A. Volodicheva, que escreveu o texto da Carta ao Congresso, anotou em seu diário: “Eu ditei por 4 minutos. Eu me senti mal. Havia médicos. Antes de ditar, ele disse: “Quero ditar uma carta para o congresso. Anote-a!" Ele ditou rapidamente, mas sua condição dolorosa foi sentida".

  • Estando, neste estado, no dia 24 de dezembro, Lenin dita a Volodicheva: “Camarada. Stalin, tendo se tornado secretário-geral, concentrou um imenso poder em suas mãos, e não tenho certeza se ele sempre será capaz de usar esse poder com o cuidado suficiente...” Cartas ". Até então, Lenin nunca havia se queixado da "grosseria" de Stalin e geralmente raramente prestava atenção às maneiras de seus colegas de trabalho. Muito provavelmente, as avaliações de Lenin foram uma consequência do "conselho" de Nadezhda Konstantinovna, que ela costumava dar ao marido sobre os camaradas dele. Desta vez, o "conselho" pode ser falado por uma mulher extremamente ofendida. Eles foram ouvidos por uma pessoa extremamente irritada e mentalmente perturbada que estava planejando seu próprio suicídio.

  • A própria acusação de Lenin da grosseria de Stalin era claramente um eco da disputa entre Stalin e Krupskaya em 22 de dezembro de 1922. Enquanto isso, as avaliações de Lenin gravemente doente e semiparalítico, que soluçava de desespero ou planejava suicídio, influenciaram a opinião das pessoas sobre o caráter de Stalin e suas atividades. Milhões de pessoas acreditaram que a "grosseria" de Stalin era a principal característica de seu caráter, e ainda explicam a "grosseria" de Stalin todos os infortúnios que aconteceram ao nosso país, e mesmo em suas vitórias tendem a ver apenas o triunfo da "força bruta".

  • Ao mesmo tempo, as ações de Stalin durante os dias em que a "Carta" de Lenin estava sendo escrita só podiam confirmar ao doente Lenin e ofender Krupskaya a correção de seus julgamentos sobre a "grosseria" de Stalin. O fato é que em 24 de dezembro, em uma conferência com Stalin, Kamenev e Bukharin, os médicos elaboraram novas regras duras para limitar seus estudos: “1. Vladimir Ilyich tem o direito de ditar 5-10 minutos diários, mas isso não deve ser da natureza da correspondência e Vladimir Ilyich não deve esperar por uma resposta a essas notas. Namoro é proibido. 2. Nem os amigos nem a família devem contar a Vladimir Ilyich nada da vida política, de modo a não fornecer material para reflexão e emoção." Não é difícil presumir que Krupskaya, outros parentes de Lenin e ele próprio poderiam ter percebido essas regras como regras de prisão. Krupskaya não podia esquecer que Stalin a ameaçou com a Comissão de Controle Central se ela violasse o regime, estabelecido por médicos e membros do Politburo. É improvável que isso tenha contribuído para uma melhora na atitude em relação a Stalin dos enfermos Lenin e Krupskaya.

  • De acordo com M.I. Ulyanova, o "estado geral" de Lenin no final de dezembro era muito ruim: "... distúrbios quase constantes do estômago, dores de cabeça, sono insatisfatório, fraqueza geral. O humor pessimista não podia deixar de influenciar, por sua vez, a condição física de Vladimir Ilyich." Neste estado, Lenin escreveu notas “Sobre a Questão das Nacionalidades ou “Autonomização”, repletas de inconsistências lógicas, ataques rudes à suposta ameaça de chauvinismo da Grande Rússia, ataques ofensivos aos russos e comentários críticos injustos sobre a pessoa que era responsável por seu regime médico estrito.

  • Neste estado, V.I. Lenin tornou-se especialmente suscetível a qualquer boato e calúnia. Ao mesmo tempo, as pessoas que se comunicavam com ele muitas vezes não entendiam imediatamente o estado de Lenin. Em 11 de janeiro de 1923, o secretário de Lenin, M. Glasser, em uma carta a Bukharin, contou sobre os antecedentes do artigo “Sobre a questão das nacionalidades ou “autonomização”. Junto com Fotieva e o chefe do Conselho dos Comissários do Povo Gorbunov, ela, sendo membro da comissão para verificar materiais sobre o chamado "caso georgiano", conversou com Lenin. Agora Glasser admitia que Lenin havia entendido mal a informação já unilateral e "devido à doença ... estava errado em relação ao camarada Stalin". M. Glasser escreveu: “É especialmente difícil porque durante meus dois anos e meio de trabalho no Politburo, vendo de perto o trabalho do Politburo, não apenas aprendi a apreciar profundamente e respeitar todos vocês, em particular, Stalin (tenho vergonha de olhar para ele agora), mas também de entender a diferença entre a linha de VI. Il-cha e Trotsky. " Ela relatou que Lênin pediu a palavra aos membros da comissão "para manter tudo na mais estrita confidencialidade até o final dos trabalhos e não dizer nada sobre seu artigo". Explicando essa exigência de Lenin, Glasser escreveu que Lenin "estava doente e terrivelmente desconfiado". Citando esses fatos em seu livro, Kumanev e Kulikova não encontraram nada mais inteligente do que explicar a carta de Glasser pela capacidade de Stalin de "encantar" as pessoas e pelo fato de essa mulher ter caído na "hipnose de Stalin".

  • É fácil ver que, assim que Lenin saiu de seu difícil estado físico e mental, ele interrompeu os ataques a Stalin. Embora Trotsky afirmasse que Lenin estava preparando uma "bomba contra Stalin", que supostamente explodiria no congresso do partido, nada foi confirmado. A partir de meados de janeiro de 1923, quando, de acordo com M.I. Ulyanova, a condição de Lenin começou a melhorar e ele começou a ditar regularmente, os ataques a Stalin e ao chauvinismo da Grande Rússia desapareceram em suas obras. Ao mesmo tempo, suas notas adquiriram uma consistência lógica característica de Lenin. Durante este período, ele ditou artigos "Sobre nossa revolução", "Como podemos reorganizar o Rabkrin", "Melhor menos, mas melhor." Esses artigos foram publicados em março - maio de 1923. As notas que Lenin ditou durante os períodos de deterioração da saúde não foram publicadas, embora seja possível que seu conteúdo se tornou conhecido por muitos. N.K. Krupskaya tornou-se o guardião da Carta ao Congresso. O artigo “Sobre a questão das nacionalidades ou da “autonomização ”, escrito por M. Volodicheva, foi mantido por L. Fotieva.

  • No início de março de 1923, a condição de Lenin começou a se deteriorar novamente. Como em dezembro de 1922, a paralisia severa foi precedida por um declínio do humor. Em 5 de março de 1923, Lenin escreveu uma carta furiosa a Stalin. Ele novamente se lembrou da discussão de Stalin com Krupskaya em 22 de dezembro de 1922 e exigiu que Stalin se desculpasse com Nadezhda Konstantinovna. Lênin apresentou a Stalin uma escolha: "Você concorda em retirar o que foi dito e se desculpar, ou prefere romper as relações entre nós?" Em 6 de março, Lenin ditou uma carta sobre a polêmica no Partido Comunista da Geórgia, na qual reiterou sua indignação com a "grosseria de Ordzhonikidze e os insultos de Stalin e Dzerzhinsky". Stalin, em sua resposta de 7 de março, negou ter dito algo rude ou inadmissível para Krupskaya, mas concordou em “retirar” suas palavras. Não há evidências de que como Lenin reagiu à carta de Stalin, já que em 10 de março Lenin sofreu outro golpe. Ele novamente perdeu a fala e a habilidade de escrever.

  • Uma semana após este evento N.K. Krupskaya decidiu lembrar a Stalin de sua promessa de dar veneno a Lenin. Em 21 de março de 1923, Stalin escreveu uma nota aos membros do Politburo: “No sábado, 17 de março, camarada Ulyanov (N.K.) (Refere-se a N.K.Krupskaya. - Nota do autor) informou-me de maneira arqui-conspiratória “o pedido de Vl. Ilyich a Stalin" que eu, Stalin, assuma a obrigação de obter e entregar a VI. Ilyich uma porção de cianeto de potássio. Em uma conversa comigo N.K. disse, aliás, que “Vl. Ilyich está experimentando um sofrimento incrível "de que" é inconcebível continuar vivendo dessa maneira "e teimosamente insistiu" para não negar seu pedido a Ilyich ". Tendo em vista a persistência especial de N.K. e tendo em vista o fato de que V. Ilyich exigiu meu consentimento (V.I. convocou N.K. duas vezes durante uma conversa comigo em seu escritório, onde tivemos uma conversa, e com entusiasmo exigiu "o consentimento de Stalin", em vista do qual nós ambas as vezes fui obrigado a interromper a conversa), não achei possível recusar, dizendo: "Peço a V. Ilyich que se acalme e acredite que, quando necessário, atenderei sua demanda sem hesitação." V. Ilyich realmente se acalmou. Devo, no entanto, declarar que não tenho forças para cumprir o pedido de V. Ilyich, e sou forçado a abandonar esta missão, por mais humana e necessária que seja, que levo ao conhecimento dos membros do Bureau do Comité Central.

  • Visto que o conteúdo desta nota nunca foi refutado, então, aparentemente, ela corresponde a eventos reais. Assim, Stalin conversou com Krupskaya em Gorki e Lenin interrompia a conversa de vez em quando. A conversa entre Stalin e Krupskaya em Gorki, nele descrita, deve ter ocorrido antes de 10 de março, ou seja, antes do golpe que se abateu sobre Lênin. Assim, Lenin voltou-se para Stalin com um segundo pedido, mas desta vez ele o transmitiu por meio de sua esposa, e não em uma conversa pessoal, como foi o caso em maio de 1922. Muito provavelmente, Lenin estava muito doente e ninguém, exceto as pessoas mais próximas, tinham permissão para vê-lo e, portanto, ele só podia ligar para a esposa de vez em quando e transmitir pedidos a Stalin por meio dela.

  • Resulta também do conteúdo da carta que desde 17 de março de 1923 N.K. Krupskaya voltou-se para Stalin com um pedido de ajuda, então, obviamente, ela fez as pazes novamente com ele após a carta de Lenin a Stalin em 5 de março.

  • No entanto, a segunda recusa de Stalin em dar veneno a Lenin poderia piorar novamente seu relacionamento com Krupskaya, que queria salvar seu marido do sofrimento. Além disso, pela carta de Stalin, membros do Politburo souberam que Krupskaya pedira veneno para envenenar Lenin. Quaisquer que sejam os motivos pelos quais Krupskaia foi guiada, essa circunstância dificilmente a mostrava da melhor maneira e poderia causar seu ressentimento mortal contra Stalin. Esta pode ser a razão pela qual Krupskaya começou a usar cartas escritas por Lenin em estado grave na luta política contra Stalin. Enquanto isso, é óbvio que as críticas de Lenin a Stalin fora provocada por uma briga entre Stalin e Krupskaya e relacionadas ao tempo em que Lenin estava em uma condição extremamente dolorosa (21 de dezembro - 4 de janeiro de 1922 e 5 a 6 de março de 1923).

  • Aparentemente, Stalin estava perto da verdade quando, depois de ler a Carta ao Congresso, disse a M. Volodicheva: “Isso não é Lenin falando, é a doença dele”. Stalin considerou o conteúdo das notas de Lenin sobre a questão nacional de maneira semelhante. Stalin não reagiu imediatamente aos ataques de Lenin contra ele. Falando em dezembro de 1926, ele disse: “Camarada. Antes do XII Congresso do nosso partido, Lenin censurou-me por ser uma política organizacional muito rígida para com os seminacionalistas georgianos, semicomunistas como Mdivani ... que os "persigo". No entanto, os fatos subsequentes mostraram que os ditos "desviantes", pessoas do tipo Mdivani, mereciam, de fato, uma atitude mais severa para consigo próprios do que eu fiz como um dos secretários do Comité Central do nosso partido. Os eventos subsequentes mostraram

  • A vida também mostrou a falácia das esperanças de Lenin de "apaziguar" Trotsky com concessões. Em janeiro de 1923, Trotsky rejeitou novamente a oferta de Stalin de assumir o cargo de vice-presidente do Conselho de Comissários do Povo. Antes do plenário de fevereiro (1923) do Comitê Central, Trotsky rejeitou a proposta de Lenin de aumentar a composição do Comitê Central e, em vez disso, fez uma proposta para restringir a composição do Comitê Central, incluindo apenas membros do Politburo, Bureau Organizador e Secretariado. O plenário rejeitou esta proposta por maioria de votos. Em 22 de março de 1923, todos os membros e candidatos a membros do Politburo (exceto Trotsky e o paralisado Lenin) assinaram uma carta declarando que no plenário “Camarada. Trotsky não hesitou em acusar vários membros do Politburo de uma maneira extremamente aguda de que sua posição sobre o assunto era ditada por supostos pensamentos retrógrados e movimentos políticos.

  • Lênin não reagiu de forma alguma ao plenário de fevereiro, embora durante este período tenha recebido informações mais completas sobre o que estava acontecendo no partido e no país. Aparentemente, ele não se opôs às duras críticas de Trotsky por parte dos membros do Comitê Central e assistiu à polêmica no Comitê Central de fora, sem participar dela. O golpe que ele sofreu em 10 de março o deixou completamente incapacitado. Em conexão com a doença de Lenin, LB Kamenev começou a cumprir suas funções como presidente do Conselho dos Comissários do Povo. O relatório do Comitê Central no XII Congresso, em vez de Lenin, foi instruído a fazer G.E. Zinoviev. Stalin permaneceu como secretário-geral do Comitê Central. Esses três líderes realmente formaram um triunvirato, cujos membros se apoiavam e se opunham às intenções de Trotsky de se tornar o chefe do partido e do país. Os triúnviros tentaram organizar a ordem do congresso de tal forma,

  • Obviamente, não Lenin, mas Trotsky e seus apoiadores tentaram “jogar uma bomba” em Stalin. O texto do artigo de Lenin "Sobre as nacionalidades" se tornaria uma dessas "bomba". No entanto, nesta intriga do palácio, algo deu errado como pretendido. Por algum motivo, em 16 de abril de 1923, L. Fotieva entregou o artigo a Stalin, contra quem a intriga era dirigida. Em uma carta a Stalin, ela relatou este artigo: “Vladimir Ilyich sugeriu que fosse publicado, pois, à minha pergunta, que foi feita a ele pouco antes de sua última doença, se ele considerava necessário publicar este artigo, ele disse:“ Sim, estou pensando em publicá-lo , mas um pouco mais tarde. " Explicando por que ela não mostrava este artigo a ninguém por muito tempo, Fotieva escreveu: “Antes ela não podia fazê-lo, porque no início não era bem óbvio que Vladimir Ilyich não seria capaz de revelar sua vontade a este respeito antes do congresso, e nas últimas 2/2 semanas eu estava doente e hoje é o primeiro dia de trabalho".

  • Embora V.A. Kumanev e I.S. Kulikov condenem o comportamento de IW. Stalin nos dias de hoje como "intriga sofisticada", na verdade, I.V. Stalin não escondeu este artigo, não atrasou o assunto com sua transmissão até o final do congresso e não cometeu uma dezena de outras ações que qualquer intrigante, muito menos uma "sofisticada", teria cometido. Ele conscienciosamente submeteu o artigo ao presidium do congresso. Os autores não têm motivos para afirmar que a decisão sobre o destino do artigo foi tomada pelo presidium do XII Congresso "sob pressão do secretário-geral e de sua equipe". De acordo com esta decisão, o artigo foi anunciado em uma reunião de representantes das delegações do congresso e, a seguir, em reuniões de delegações do congresso. Aparentemente, isso deu a Stalin muitos minutos desagradáveis. Portanto, não se pode acreditar em V.A. Kumanev e I.S. Kulikova, quando asseguram que, ao tomar conhecimento da decisão do presidium do congresso, "Koba lavou as mãos". (Como eles sabem, permanece um segredo.) No entanto, nenhuma conclusão organizacional para Stalin foi feita após a leitura do artigo de Lenin. A “explosão da bomba” preparada por Trotsky e outros intrigantes não aconteceu.

  • Trotsky e seus partidários tinham motivos para estar insatisfeitos com muitos no congresso. Os trotskistas reclamaram de discriminação. V. V. Kosior disse no congresso: “Dezenas de nossos camaradas estão fora do trabalho partidário, não porque sejam maus comunistas, mas unicamente porque em diferentes momentos e em diferentes ocasiões participaram de vários grupos ... Que relatório ... seria começar com o camarada Trotsky ... ”Em resposta, I.V. Stalin disse: “Tenho que refutar essa acusação ... Como podemos dizer seriamente que o camarada Trotsky está sem trabalhar? Para liderar um colosso, como nosso exército e nossa marinha, isso não é suficiente? Isso é não trabalhar? Suponhamos que isso não seja suficiente para um trabalhador tão proeminente como o camarada Trotsky, mas devo apontar alguns fatos que indicam que o próprio camarada Trotsky, aparentemente, não pretende, não se sente atraído por outro trabalho mais complexo. " ...

244 visualizações

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com