Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Os Arquivos de Moscou Falam

Traduzido do Inglês por Klaus Scarmeloto Fonte: Grover Furr. Evidences of Leon Trotsky’s Collaboration with German and Japan. Disponível em <http://marxism.halkcephesi.net/Grover%20Furr/Furr%20tortsky%20japan.pdf>. Pag. 3-6.


  • Durante a existência da URSS e, especialmente, desde a ascensão de Khrushchev, poucos ou nenhum documento referente aos Julgamentos de Moscou e às repressões de final da década de 1930 foram publicados na URSS ou disponibilizados nos arquivos para pesquisadores. Krushchev e historiadores e escritores autorizados fizeram muitas afirmações sobre esse período da história, mas nunca deram a ninguém acesso a nenhuma evidência sobre isso.

  • Aqui está um exemplo. Numa conferência de historiadores em dezembro de 1962, depois de muitas apresentações de oradores promovendo a posição oficial de Khrushchev sobre questões de História soviética O convocador, membro do Presidium, Piotr Pospelov, falou as seguintes palavras:

  • Os alunos estão perguntando se Bukharin e o resto eram espiões de governos estrangeiros e o que você nos aconselha a ler. Posso declarar que é suficiente estudar cuidadosamente os documentos do 22º Congresso do PCUS para dizer que nem Bukharin, nem Rykov, é claro, eram espiões ou terroristas. (Vsesoiuznoe soveshchanie 298).

  • Embora as palavras de Pospelov estejam literalmente corretas, elas criam uma impressão falsa. No julgamento de 1938, Bukharin e Rykov não foram condenados por praticarem espionagem, mas por serem líderes no "bloco de direitista e trotskista" que se envolveu em atividades de espionagem.

  • Da mesma forma, Bukharin e Rykov foram condenados por recrutar outras pessoas para se envolverem em atos de violência contra terceiros - a melhor tradução russa aqui da palavra "terror", que significa algo bem diferente em inglês - mas não de se envolverem em pessoa nelas. Portanto, as palavras de Pospelov estão corretas no sentido que a maioria dos leitores entenderá - que um "espião" é alguém que espia e um terrorista alguém que comete atos de violência.

  • Mas, Pospelov está incorreto na medida em que deseja que seu público entenda que suas confissões e o veredicto contra eles estavam errados. Além disso, a pergunta era sobre "Bukharin e o restante" - presumivelmente, todos os outros réus no julgamento de 1938, enquanto Pospelov restringiu sua resposta apenas a Bukharin e Rykov. Na passagem que segue imediatamente a citação acima Pospelov disse claramente à platéia que os únicos materiais que os historiadores deveriam ler são os discursos oficiais feitos no 22º Congresso:

  • “Por que não é possível criar condições normais para trabalhar no arquivo Central do Partido? Eles não distribuem materiais relativos à atividade do CPSU.” Eu já te dei a resposta. Com efeito, Pospelov estava dizendo: "Não vamos dar acesso a nenhuma fonte primária".

  • Essa situação continuou até a dissolução da URSS. Graças a documentos publicados desde o final da URSS, agora podemos ver que alguns dos discursos no 22º Congresso do Partido continham mentiras flagrantes sobre os oposicionistas da década de 1930 - um fato que explica completamente a recusa de Pospelov em deixar alguém ver as evidências.

  • Como um exemplo do grau de falsificação no 22º Congresso do Partido Comunista sob Khrushchev, geralmente citamos o artigo de Aleksandr Shelepin que faz referência a uma carta a Stalin direta do comando (abaixo de Marechal) onde Lona E. Iakir é acusado de colaboração com a Alemanha nazista. Na citação de Shelepin da carta de Iakir a Stalin, em 9 de junho de 1937, o texto lido por Shelepin está em negrito. O texto da carta original (publicado em 1994), mas omitido por Shelepin, está em itálico.

  • “Uma série de resoluções cínicas de Stalin, Kaganovich, Molotov, Malenkov e Voroshilov sobre as cartas e declarações feitas pelos presos testemunha o tratamento cruel das pessoas, dos principais camaradas, que se viram sob investigação. Por exemplo, quando foi sua vez, Iakir - o ex-comandante de uma região militar - apelou a Stalin em uma carta em que ele jurava sua própria inocência.

  • Aqui está o que ele escreveu:

  • “Caro camarada Stalin. Atrevo-me a abordá-lo desta maneira, porque já disse tudo, desisti de tudo e me parece que sou um nobre guerreiro, dedicado ao Partido, ao Estado e ao povo, como era há muitos anos. Toda a minha vida consciente foi passada em um trabalho abnegado e honesto, à vista do Partido e de seus líderes - depois a queda no pesadelo, no horror irreparável da traição.... A investigação está concluída. Fui formalmente acusado de traição ao estado, admiti minha culpa, tenho total arrependimento. Tenho fé ilimitada na justiça e propriedade da decisão da corte e do estado.... Agora sou honesto em todas as minhas palavras, morrerei com palavras de amor por você, pelo Partido e pelo país, com uma fé ilimitada na vitória do comunismo”.

  • Como Shelepin leu, a carta é de um homem honesto e leal, protestando pela sua inocência. Na realidade, Lakir admitiu completamente sua culpa. (Há também o problema das duas elipses. Alguns dos textos de Lakir foram omitidos até nesta versão publicada. Como Lakir confessou traição ao estado, é possível que ele se refira à colaboração com a Alemanha, com Trotsky, ou talvez com outros, isso é sugerido em uma citação tentadora no caso de Uritsky, que discutiremos brevemente mais adiante neste ensaio. Lakir era uma das figuras militares envolvidas tanto na colaboração com a Alemanha quanto com Trotsky.)

  • A falsificação vai muito além dos discursos do 22º Congresso. As evidências de arquivo agora disponíveis nos permitem ver que Krushchev, mais tarde Gorbachev, e os historiadores que escreveram sob sua direção, mentiram consistentemente sobre os eventos dos anos de Stalin em uma extensão que dificilmente se pode imaginar.

  • Um grande número de documentos de arquivos soviéticos anteriormente secretos foi publicado desde o final da URSS. Essa é uma proporção muito pequena do que sabemos que existe. Especialmente no que diz respeito às oposições da década de 1930, aos Julgamentos de Moscou, às “expurgas” militares e às massivas repressões de 1937-38, a grande maioria dos documentos ainda é secreta e oculta mesmo de pesquisadores oficiais privilegiados. No entanto, nenhum sistema de censura está isento de falhas. Muitos documentos foram publicados. Mesmo esse pequeno número nos permite ver que os contornos da história soviética na década de 1930 são muito diferentes da versão "oficial".





0 visualização

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com