Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Os Grandes Expurgos: Stalin, Béria e Iejov

Atualizado: Jul 14



Abaixo Publicamos dois textos essenciais para compreender figuras muito associadas, mas, na realidade, completamente distintas. Iejov, realizou um massacre dentro do partido afim de minar a confiança do povo e do movimento comunista na causa e no partido. Iejov, no entanto, foi descoberto e desmascarado por Beria. Para desmistificar as mentiras contra Béria traduzimos o capítulo 15 do livro "O grande líder caluniado. Mentiras e verdades sobre Stalin", denominado de "Beria e o expurgo do NKVD", do conceituado jornalista e historiador Igor Pykhalov, onde ele retira o peso depositado sobre Béria e revela o quanto ele foi fundamental para cessar os possíveis exageros cometidos na política de expurgos de Iejov. O Segundo texto, trata-se da tradução do artigo de Grover Furr sobre Iejov onde ele revela a ligação deste com os países antissoviéticos. Este trabalho conjunto foi realizado pelo Editor Klaus Scarmeloto e pelo militante, historiador e tradutor Thiago Ribeiro.


Traduzido por Klaus Scarmeloto,

Original em: <https://stalinism.ru/elektronnaya-biblioteka/velikiy-obolgannyiy-vozhd-lozh-i-pravda-o-staline.html?start=13>


Beria e o expurgo da NKVD


Difamando Stalin em todos os sentidos, os historiadores e jornalistas da perestroika não se esquecem de atirar lama em seus associados. Especialmente Lavrenti Pavlovich Beria, que aparece nas suas operações como uma espécie de demônio do inferno.


Não vamos longe para dar exemplos. Aqui está uma resenha do livro de Leonid Mlechin "Chairmen of KGB". Destinos não classificados". Ao listar as primeiras pessoas do serviço de segurança soviético, o seu autor Valery Alexin declara inquestionavelmente "Sem dúvida, a figura mais sinistra entre os líderes do Lubyanka é Lavrenti Beria"[1} - referência número 660 do livro].


O que tinha Beria feito de tão "sinistro" para merecer tal reputação? Para começar, vamos dar uma volta e saltar os olhos à sua folha de serviço.


Depois de trabalhar nos organismos da OGPU até 3 de Dezembro de 1931, Lavrenti Pavlovich vai para o trabalho partidário. Em 14 de Novembro de 1931 a 31 de Agosto de 1938 ele - 1° Secretário do Comité Central do Partido Comunista da Geórgia.


Em 22 de Agosto de 1938, Beria regressou aos "órgãos" do partido, obtendo o cargo de Primeiro Comissário Popular Adjunto dos Assuntos Internos da URSS, e em 25 de Novembro de 1938, tornou-se Comissário Popular, sucedendo a N. I. Yezhov[2} - referência número 661 do livro].


Como vemos, durante as "grandes purgas" de 1937-1938, Lavrenty Pavlovich Béria estava a trabalhar no Partido na Transcaucásia, sem qualquer relação com os serviços de segurança.


A falta de relação das opiniões idealistas e demonizadas sobre Beria como "o principal vilão" e o seu verdadeiro papel na organização de repressões notórias remete ao fato de a ele ser constantemente atribuído os "méritos" de outras pessoas. Por exemplo, eis o que escreve no seu livro, "Rússia e Japão". A História dos Conflitos Militares:


"Uma espécie de prelúdio para estas batalhas na fronteira mongol - manchuriana foi a assinatura do Protocolo de Assistência Mútua em 12 de Março de 1936 em Ulan Bator entre a URSS e a MNR. Nele os governos de dois Estados amigos comprometeram-se a prestar toda a assistência possível um ao outro, incluindo militar, em caso de ataque a uma das partes contratantes. O lado soviético notificou o embaixador japonês em Moscovo. Depois, o aparelho de Beria expurgou o governo da República Popular Mongol, libertando-o de pessoas que estavam indecisas e não podiam defender firmemente a fronteira estatal contra o militarismo japonês. No final de Julho de 1937 na URSS foi preso como "inimigo do povo", o Primeiro Ministro da República Popular da Mongólia Paljidein Gengen foi baleado a 26 de Novembro do mesmo ano. Em 15 de Dezembro de 1956, o Supremo Tribunal da URSS reabilitou P. Gengen a título póstumo.


No mesmo 1937, não havia nenhum bando do Ministro da Guerra da República Popular da Mongólia, o comandante-em-chefe de seu exército, Galagjorijayn Damid, que dois anos antes ordenou que os guardas de fronteira da Mongólia não se envolvessem em uma batalha com os atacantes japoneses-manchus. Ele faleceu em 22 de agosto na estação Taiga na região de Kemerovo, onde chegou a convite do Marechal da União Soviética K. E. Voroshilov para participar como observador em exercícios do exército. A causa oficial de sua morte foi intoxicação alimentar ” [3} referência número 662 do livro] .


Está tudo bem, mas de que tipo de "aparelho de Beria" estamos falando? Resta apenas assumir que os cozinheiros pessoais do primeiro secretário do PC (b) da Geórgia foram enviados para a estação de Taiga.


Enquanto isso, no livro A derrota do Japão e a ameaça Samurai, publicado quatro anos depois, Aleksey Vasilievich repetiu a passagem citada acima, palavra por palavra [4} referência número 663 do livro].


Com mais frequência, Lavrenty Pavlovich é acusado de supostamente destruir os quadros de "chekistas honestos" criados por Dzerzhinsky. Como V. Aleksin escreve:


“Foi Beria o organizador dos expurgos e repressão do NKVD no corpo diplomático” [5} referência número 664 do livro] .


Está tudo bem, mas de que tipo de "aparelho" sob contro de "Beria" estamos falando? Resta apenas assumir que os cozinheiros pessoais do primeiro secretário do PC (b) da Geórgia foram enviados para a estação de Taiga.


Os defensores de tal ponto de vista também não se esquivam da falsificação direta. Por exemplo, o semanário "News of Intelligence and Counterintelligence" conta sobre o destino do espião soviético Fyodor Karpovich Parparov:


"A 27 de Maio de 1938, Parparov foi preso a mando de Beria e esteve sob investigação até Junho de 1939. Libertado por falta de corpus delicti (espionagem)"[6] referência número 665 do livro].


Como acabamos de ver, em 27 de maio de 1938, Beria ainda era o chefe do Partido Comunista da Geórgia, nada tendo a ver com o NKVD e, claro, não podia dar instruções sobre a prisão de oficiais de segurança do Estado. Mas Beria teve a relação mais direta com o lançamento de FK Parparov. Além disso, 4 meses após sua libertação, ele foi novamente alistado na equipe de inteligência estrangeira. Claro, um homem comum na rua pode não saber que em maio de 1938 Beria ainda estava trabalhando no partido em Tbilisi, mas para o autor do artigo, coronel Vladimir Karpov do SVR, esses "erros graves" são imperdoáveis.


A propósito, Parparov está longe de ser o único oficial de inteligência soviético reabilitado e reintegrado no NKVD por iniciativa de Beria. A este respeito, pode-se lembrar S. Z. Apresyan, S. T. Karin, PP Sobol (Irina Guro) e muitos outros.


“Por ordem de Beria, em meados de 1938, quase todos os residentes do serviço de inteligência estrangeiro foram chamados de volta a Moscou, muitos deles expressaram desconfiança e não voltaram” [7} referência número 666 do livro].


Como descobrimos, em meados de 1938, Beria ainda estava em Tbilissi e não podia dar instruções aos moradores.


Uma espécie de "pérola" está contida na biografia do oficial de inteligência Grigory Sergeevich Syroezhkin:


“Em 1938 [Syroezhkin] em uma conversa privada expressou uma opinião sobre a inocência de Tukhachevsky e outros líderes militares, cujos casos foram inventados por Beria e seus capangas” [8] referência número 667 do livro] .


Não discutiremos aqui se o caso de Tukhachevsky foi "inventado" ou se uma conspiração militar teve realmente lugar. No entanto, em qualquer caso, Tukhachevsky e os seus associados foram condenados e fuzilados já em Junho de 1937, ou seja, novamente sem a participação de Beria.


Menos evidente é a falsificação na biografia de Pavel Mikhailovich Fitin, que foi chefe da inteligência estrangeira na véspera da Grande Guerra Patriótica:


"Depois da guerra, Beria vingou-se do teimoso chefe dos serviços secretos, que acabou por ter razão sobre o timing do ataque alemão à URSS. No final de Junho de 1946, por sua ordem, o Tenente-General Fitin foi demitido do seu posto, no qual tinha desempenhado brilhantemente durante a guerra. Até ao final do mesmo ano, esteve à disposição do Departamento de Pessoal do Ministério da Defesa da URSS.


Em Dezembro de 1946, P. M. Fitin foi enviado para a Alemanha, onde permaneceu até 1947.


Em 1947, foi novamente despromovido: P. M. Fitin foi nomeado vice-chefe da direção de segurança do Estado na região de Sverdlovsk. Beria enviou-o para Alma-Ata.


No entanto, Beria não ousou tomar represálias físicas diretas contra P. M. Fitin, lembrando aparentemente que Stalin sabia da sua contribuição para o apoio informativo da vitória sobre o inimigo. Em 1951, Beria ordenou a sua demissão dos organismos de segurança do Estado "em serviço parcial" sem uma pensão militar, porque o tenente-general desonrado não tinha uma antiguidade adequada.


Só depois da sua prisão e do julgamento de Beria e dos seus amigos em 1953 P.M. Fitin conseguiu encontrar um emprego como director do departamento fotográfico da União das Sociedades Soviéticas de Amizade e Relações Culturais com os Países Estrangeiros, onde trabalhou até à sua morte. [9] referência número 668 do livro]


Novamente, não descobriremos aqui como Fitin e seus subordinados "brilhantemente" se provaram [10] referência número 669 do livro]. Vamos ver como sua biografia do pós-guerra se parece de acordo com os documentos de arquivo: a partir de 12 de maio de 1943 - Chefe da 1ª Diretoria do NKGB (posteriormente - MGB) da URSS; a partir de 15 de junho de 1946 - à disposição do departamento de pessoal do MGB; de setembro de 1946 - deputado. autorizado pelo Ministério da Segurança do Estado da Alemanha; a partir de 1º de abril de 1947 - deputado. chefe do UMGB da região de Sverdlovsk; a partir de 27 de setembro de 1951 - Ministro da Segurança do Estado do Cazaquistão; de 16 de março a 16 de julho de 1953 - chefe do Ministério de Assuntos Internos da Região de Sverdlovsk; 29 de novembro de 1953 - demitido do Ministério de Assuntos Internos por inconsistência de serviço [11] referência número 670 do livro].


Assim, em primeiro lugar, em 15 de junho de 1946, Lavrenty Pavlovich não era mais responsável pelos órgãos de segurança do Estado [12] referência número 671 do livro]. Consequentemente, ele não teve nada a ver com a remoção de Fitin do posto de chefe da inteligência, nem com suas transferências subsequentes. Em segundo lugar, foi depois da prisão de Beria que o "desgraçado tenente-general" foi primeiro destituído do cargo e depois demitido devido à inconsistência oficial. No entanto, Fitin, pode-se dizer, teve sorte. Parece que Beria realmente não gostava dele e, portanto, tendo se tornado ministro do Ministério do Interior em março de 1953, não o aproximou. Caso contrário, Pavel Mikhailovich teria sido fuzilado por ordem de Khrushchev.


Por que foi Beria, e não Yezhov, ou, digamos, Yagoda o escolhido pelos “denunciadores do totalitarismo” para desempenhar o papel de um monstro sanguinário?


Acima, já me referi ao livro de N. V. Petrov e K. V. Skorkin "Quem liderou o NKVD, 1934-1941." Entre outras informações interessantes, esta referência fundamental também contém uma análise da composição nacional da liderança do NKVD para o período correspondente [13] referência número 672 do livro]. A análise é bastante notável. Primeiro, foi executado por funcionários da Memorial, que são difíceis de acusar de antissemitismo. Em segundo lugar, atende aos critérios de caráter científico - compilado com base em dados de arquivo, os autores definem claramente o contingente em questão:


“No estudo, levamos em consideração os Comissários do Povo de Assuntos Internos da URSS e seus deputados, chefes de diretorias e departamentos do aparelho central do NKVD, Comissários do Povo de Assuntos Internos de todas as repúblicas sindicais e autônomas (a exceção foi República Socialista Soviética Autônoma Nakhichevan), os chefes do UNKVD dos territórios e regiões que faziam parte da RSFSR, a SSR da Ucrânia, a SSR da Bielo-Rússia e a SSR do Cazaquistão. Os líderes do NKVD das regiões autônomas da RSFSR que não mudaram seu status administrativo durante o período em análise, bem como os chefes do NKVD das regiões dentro do Quirguiz, Tadjique, Turcomenistão e Uzbeque SSR não foram levados em conta. Ao mesmo tempo, foram levados em consideração os chefes do NKVD daquelas regiões autônomas da RSFSR, cujo status foi elevado a repúblicas autônomas” [14] referência número 673 do livro].


Então, é assim que a composição nacional da direção do NKVD mudou desde o momento em que o Comissariado do Povo foi formado até o momento de sua divisão em NKVD e NKGB [15] referência número 674 do livro]:


O resultado é uma imagem muito curiosa. Na época da criação do NKVD, em 10 de julho de 1934, dos 96 funcionários importantes, 30 eram russos e 37 eram judeus. Além disso, havia 4 poloneses, 7 letões e 2 alemães. Na época da remoção de Yagoda, em 26 de setembro de 1936, a situação agravou-se: dos líderes do PO, 43 eram judeus, 33 eram russos, 5 eram poloneses, 9 eram letões e 2 eram alemães. Assim, uma situação claramente anormal se desenvolveu, quando entre a camada superior de chefes de órgãos de segurança do Estado 14,5% eram imigrantes de países - prováveis ​​oponentes da URSS, e a parcela de judeus chegou a quase 40%, superando a parcela de russos, ucranianos e bielorrussos combinados.


Após a chegada de Yezhov, poloneses, letões e alemães foram propositalmente expurgados da liderança do NKVD. A porcentagem de judeus também está caindo. Em 1o de setembro de 1938, no fim do yezhovismo, dos 150 líderes do NKVD já havia 85 russos e 32 judeus. No entanto, a participação destes últimos (21%) ainda é desproporcionalmente alta. Além disso, o aumento do percentual de russos se deve principalmente ao preenchimento de novas vagas.


Mas agora Beria assume a liderança dos órgãos de segurança do Estado e a situação muda radicalmente. Em 1o de julho de 1939, entre os 153 principais funcionários do NKVD, havia 102 russos, 19 ucranianos e 6 judeus (3,92%). Um quadro semelhante foi observado em um nível inferior: no início de 1940, a composição étnica do Escritório Central do NKVD era assim: Russos - 3.073 (84%), Ucranianos - 221 (6%), Judeus - 189 (5%), Bielorrussos - 46 (1, 25%), armênios - 41 (1,1%), georgianos - 24 (0,7%), tártaros - 20 (0,5%), etc. [16] referência número 675 do livro]

Vamos fazer uma reserva imediatamente: nem Beria nem Stalin eram antissemitas. Por exemplo, FK Parparov, que foi libertado e reintegrado nos órgãos, era judeu. Eles apenas corrigiram a situação quando a porcentagem de judeus no sistema do NKVD era muitas vezes maior do que sua parcela na população do país.


Finalmente, considere essa questão como a escala da repressão dentro do NKVD. A cifra de 20 mil seguranças reprimidos, que chegou a ser colocada em circulação pelo presidente do KGB da URSS, V.M. Chebrikov, é generalizada:


“Como resultado de falsas acusações, mais de 20 mil seguranças, trabalhadores altamente profissionais, leais ao Partido Comunista, foram vítimas da repressão. Muitos deles começaram a trabalhar com F. E. Dzerzhinsky e V. R. Menzhinsky ” [17] referência número 676 do livro]. À primeira vista, essa afirmação é verdadeira. Assim, de acordo com o certificado sobre o número de funcionários reprimidos do OGPU-NKVD para 1933-1939. [18] referência número 677 do livro] :


Ano Preso

1933 738

1934 2860

1935 6249

1936 1945

1937 3837

1938 5625

1939 1364

Total 22618


Mas isso é apenas à primeira vista. Ao contrário da crença popular, os órgãos de segurança do Estado eram apenas parte do NKVD, e de forma alguma os mais numerosos. O Comissariado do Povo também subordinava as tropas de fronteira e internas, a polícia, os bombeiros, os cartórios e até mesmo estruturas como a Direção-Geral de Levantamento e Cartografia do Estado e a Direção-Geral de Pesos e Medidas [19] referência número 678 do livro]. Além disso, as estatísticas citadas incluem os presos não apenas por crimes "contrarrevolucionários", mas também por crimes.


Qual é a proporção de oficiais da KGB entre os presos? Sob Yezhov, de 1 de outubro de 1936 a 15 de agosto de 1938, 2.273 oficiais de segurança do estado foram presos, dos quais 1862 foram presos por "crimes contrarrevolucionários". Após a chegada de Beria em 1939, mais 937 pessoas foram acrescentadas a eles [20] referência número 679 do livro]. Deve-se notar que alguns dos policiais presos foram posteriormente libertados e reintegrados às autoridades.


Assim, a figura nomeada por Chebrikov é superestimada várias vezes e inclui não tanto "partido dos chekistas leais", mas bombeiros ladrões e outros públicos não menos dignos.


Penso que depois de tudo o que foi dito, o próprio leitor poderá concluir se Beria era uma "figura sinistra" e, se for, aos olhos de quem.


  1. Aleksin V. O reverso da luta pelo poder na URSS // Revisão militar independente. 4 a 10 de fevereiro de 2000. No. 4 (177). P. 8.

  2. Petrov N. V., Skorkin K. V. Quem liderou o NKVD, 1934–1941: Livro de referência. M., 1999. S. 106–107.

  3. Shishov A.V. Rússia e Japão. História dos conflitos militares. Moscou, 2001, p. 477-478.

  4. Shishov A.V. A derrota do Japão e a ameaça de samurai. M., 2005.S. 396.

  5. Aleksin V. O reverso da luta pelo poder na URSS // Revisão militar independente. 4 a 10 de fevereiro de 2000. No. 4 (177). P. 8.

  6. Karpov V. Vamos lembrar seus nomes // Notícias de inteligência e contra-espionagem. 1995. No. 15-16 (48-49). P. 4.

  7. Veteranos do Serviço de Inteligência Estrangeiro Russo (breve referência biográfica). M., 1995.S. 161.

  8. No mesmo lugar. P. 140.

  9. Veteranos do Serviço de Inteligência Estrangeiro Russo ... P. 155.

  10. Para obter mais detalhes sobre o que o serviço de inteligência soviético realmente relatou na véspera da guerra, consulte: I. V. Pykhalov, The Great Slandered War. Ambos os livros estão em um volume. M., 2009. S. 225–270.

  11. Petrov N. V., Skorkin K. V. Quem liderou o NKVD, 1934–1941: Livro de referência. M., 1999.S. 423.

  12. Petrov N. V., Skorkin K. V. Quem liderou o NKVD ... p. 107.

  13. No mesmo lugar. P.495.

  14. Petrov NV, Skorkin KV Quem liderou o NKVD ... página 491.

  15. No mesmo lugar. P.495. Os dados de 01/06/1936 foram calculados por mim de forma independente de acordo com as biografias publicadas no livro de referência.

  16. Kokurin A.I., Petrov K.V. NKVD: estrutura, funções, pessoal. Artigo dois (1938-1941) // Pensamento livre. 1997. No. 7.P. 113.

  17. A reestruturação e o trabalho dos chekistas. Membro do Politburo do Comité Central do PCUS, Presidente do KGB da URSS V. M. Chebrikov responde a perguntas do Pravda // Pravda. 2 de setembro de 1988. No. 246 (25 598). P. 3.

  18. CA FSB. F.Z-os. Op. 6. D. ЗЗ. L.4. Cit. Citado de: N. V. Petrov, K. V. Skorkin .Quem liderou o NKVD, 1934–1941: Handbook. M., 1999.S. 501.

  19. Kokurin AM, Petrov NV NKVD: estrutura, funções, pessoal. Artigo dois (1938-1941) // Pensamento livre. 1997. No. 7. P. 108–109.

  20. GARF. F.R-9401. Op. 8. D.51. L.2. Cit. Citado de: Petrov K.V., Skorkin K.V. Who led the NKVD, 1934-1941: A Handbook. M., 1999.S. 501.


Ilustração da capa do livro de Furr. A parte da Ezhov é separada da parte em que se encontram Stalin, Molotov e Vorochilov posando na margem do Canal Moscou-Volga, em 1937

YEZHOV VS. STALIN: AS CAUSAS DAS REPRESSÕES EM MASSA DE 1937–1938 NA URSS



Por Grover Furr Tradução do Inglês por Thiago Ribeiro




Este artigo descreve as causas da repressão em massa de 1937 a 1938 na União Soviética. As evidências de fontes primárias apoiam fortemente a hipótese de que essas repressões foram o resultado de conspirações anti-Stalin por dois grupos, que, em alguma medida, se sobrepuseram: a oposição política dos partidários de Grigorii Zinoviev, dos trotskistas, dos direitistas (Bukharin, Rykov e seus adeptos) e de militares (marechal Mikhail Tukhachevsky e outros); e líderes de alto escalão do Partido, nominalmente apoiadores de Stalin, que se opunham aos aspectos democráticos da Constituição “Stalin” de 1936. O artigo discute a luta de Stalin pela reforma democrática e sua derrota. O prevalecente “paradigma anti-Stalin” da história soviética é exposto como a razão pela qual os estudos tradicionais não conseguiram entender a repressão em massa, erroneamente chamada de “Grande Terror”.

Traduzido por Thiago Ribeiro. original disponível aqui.

Demais trabalhos do camarada Thiago Ribeiro: <https://thiago-mackandall.medium.com/> Introdução Em 25 de fevereiro de 1956, Nikita S. Khrushchev fez seu “discurso secreto” aos delegados no XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética. No discurso, ele atacou Stalin por cometer uma série de crimes contra membros do Partido. Khrushchev afirmou: Foi determinado que dos 139 membros e suplentes do Comitê Central do partido que foram eleitos no 17º Congresso, 98 pessoas, ou seja, 70 por cento, foram presas e fuziladas (principalmente em 1937–1938). . .. De 1.966 delegados com direito a voto ou apenas ouvintes, 1.108 pessoas foram presas sob a acusação de crimes antirrevolucionários. . . . Agora, quando os casos de alguns desses chamados “espiões” e “sabotadores” foram examinados, descobriu-se que todos os seus casos foram inventados.

Confissões de culpa de muitos presos e acusados de atividades inimigas foram obtidas com a ajuda de torturas cruéis e desumanas. Khrushchev afirmou que Nikolai Ezhov, o comissário do NKVD de agosto de 1936 até novembro de 1938, deve ter agido sob as ordens de Stalin. É claro que essas questões foram decididas por Stalin e que, sem suas ordens e sua sanção, Yezhov não poderia ter feito isso. (Khrushchev, 1962) Em 1968, o escritor britânico Robert Conquest publicou um livro intitulado The Great Terror. Stalin’s Purges of the thirties. Conquest se baseou fortemente em livros e artigos da era Khrushchev, que ele citou sem fazer crítica sobre as fontes, como se as afirmações feitas neles fossem precisas, sem problemas. O livro de Conquest provou ser de enorme valor como propaganda anticomunista. Estudiosos da história soviética começaram a empregar “o Grande Terror” como designação para este período da história soviética.

O Paradigma Anti-Stalin O objetivo de meu livro recente, Yezhov vs. Stalin, é identificar as causas e localizar apropriadamente a responsabilidade por essa repressão em massa. Os historiadores da União Soviética propuseram várias explicações diferentes. Minha pesquisa concluiu que todos eles estão fundamentalmente errados. Na verdade, esses historiadores não têm tentado descobrir as causas das repressões em massa. Em vez disso, estão procurando uma explicação que se encaixe na estrutura histórica dominante, ou paradigma, para este período. Eu chamo isso de “paradigma anti-Stalin”. A origem aproximada do paradigma anti-Stalin são os escritos de Leon Trotsky. A serviço de sua própria conspiração, Trotsky descreveu Stalin como um monstro. Hoje, sabemos que Trotsky mentiu sobre praticamente tudo o que dizia respeito a Stalin e à URSS. Em seu “discurso secreto”, Khrushchev adotou várias das mesmas falsidades que Trotsky havia inventado (Furr 2015). No XXII Congresso do Partido em 1961, Khrushchev e seus homens acusaram Stalin de ainda mais crimes. De 1962 a 1964, Khrushchev patrocinou centenas de artigos e livros atacando Stalin. Os ataques foram repetidos avidamente por escritores anticomunistas ocidentais. Entre 1987 e 1991, Mikhail Gorbachev patrocinou ainda outra avalanche de escritos anti-Stalin. Isso contribuiu significativamente para o desmantelamento ideológico da União Soviética. Hoje, sabemos que os homens de Khrushchev e Gorbachev mentiam em praticamente tudo que escreveram sobre Stalin. De acordo com o paradigma Anti-Stalin: - Stalin era um “ditador”. Portanto, ele deve ter iniciado, ou pelo menos poderia ter parado, tudo de importante que ocorreu. O que quer que tenha acontecido, aconteceu porque ele queria, ou algo muito parecido, que acontecesse. Stalin estava sempre “no controle”. - As supostas conspirações contra o governo de Stalin foram todas invenções. - As provas produzidas nos depoimentos nos Julgamentos de Moscou e nos interrogatórios e declarações de confissão que foram gradualmente publicadas desde o fim da URSS em 1991, devem ser falsificações também. A maioria dos historiadores tradicionais do período de Stalin se vinculam a priori a esses princípios. Não são questionados, nem há qualquer tentativa de validá-los. Essas restrições ditam os tipos de explicações e os tipos de evidências que são considerados aceitáveis. O objetivo deles é garantir que as únicas explicações históricas apresentadas na historiografia convencional sejam aquelas que fazem Stalin e a URSS “parecerem malvados”. Eles são convenientes à visão da URSS como “totalitária”, uma “ditadura” governada pelo “terror”. Eles reforçam o conceito deste período como “o Grande Terror”. Essas são suposições incapacitantes. Aceitá-las torna impossível compreender a história soviética do período de Stalin. Mas seu objetivo nunca foi facilitar um relato verdadeiro da história. Em vez disso, seu objetivo é reforçar uma visão anticomunista e virtualmente demonizada de Stalin e da URSS e, portanto, do movimento comunista mundial do século XX. Livros sobre o chamado “Grande Terror” continuam a aparecer. Um exemplo recente é The Great Fear. Stalin’s Terror of the 1930s do historiador britânico James Harris. O tom de Harris é moderado e, para o campo da história soviética, relativamente sem julgamento. No entanto, em comum com todos os outros historiadores acadêmicos convencionais deste período, incluindo os historiadores trotskistas, Harris ignora todas as evidências que provam que as execuções em massa não foram obra de Stalin, mas o produto da conspiração de Ezhov. Harris endossa a história há muito refutada da trama alemã para incriminar o marechal Tukhachevsky (169–170), repete a história igualmente refutada de que o assassino de Kirov “quase certamente agia sozinho” e decide, diante de todas as evidências, que os temores de desafios ao governo de Stalin eram falsos (186). As questões fundamentais sobre a repressão em massa conhecida como o “Grande Terror” são estas: 1. Stalin foi responsável pelos assassinatos de centenas de milhares de pessoas inocentes, como geralmente se afirma? 2. Se Stalin não era o responsável, como Ezhov e seus homens continuaram matando tantas pessoas inocentes por mais de um ano? Eleições Durante a década de 1930, a liderança de Stalin preocupou-se em promover a democracia no governo do Estado e em fomentar a democracia intra partidária e sindical. Em dezembro de 1936, o 8º Congresso Extraordinário dos Soviets aprovou um projeto da nova Constituição Soviética que exigia votação secreta e eleições abertas(mais de um candidato disputando pelas vagas — Nota do Tradutor) (Zhukov 2003, 309). Deveriam ser permitidos candidatos não apenas do Partido Comunista [1], mas também de outros grupos de cidadãos, com base na residência, afiliação (como grupos religiosos) ou organizações locais de trabalho. Mas esta última disposição nunca foi posta em vigor. Eleições deste tipo nunca foram realizadas. Os aspectos democráticos da Constituição [2] foram inseridos por insistência de Stalin. Stalin e seus apoiadores mais próximos lutaram tenazmente para manter essas disposições. Eles cederam apenas quando confrontados pela rejeição do Comitê Central do Partido [às propostas] e pelo pânico em torno da descoberta de conspirações sérias que colaboraram com o fascismo japonês e alemão para derrubar o governo soviético. Em junho de 1934, o Politburo atribuiu a tarefa de redigir uma nova Constituição a Avel ‘Enukidze, por muito tempo uma figura importante no governo soviético. Alguns meses depois, Enukidze voltou com uma sugestão de voto aberto e eleições fechadas. Quase imediatamente, Stalin expressou seu desacordo com a proposta de Enukidze, insistindo em eleições secretas (Zhukov 2003, 116–121). Em uma entrevista dramática de 1º de março de 1936, com o magnata da imprensa norte-americano Roy Howard, Stalin declarou que a constituição soviética garantiria que todas as votações seriam por voto secreto. A votação seria em igualdade de condições, com o voto do camponês valendo tanto quanto o do operário; numa base territorial, como no Ocidente, e direta — todos os Soviets seriam eleitos pelos próprios cidadãos. Provavelmente adotaremos nossa nova constituição no final deste ano. . .. Como já foi anunciado, de acordo com a nova constituição, o sufrágio será universal, igual, direto e secreto. Stalin também declarou que todas as eleições seriam abertas. Diferentes organizações de cidadãos seriam capazes de apresentar candidatos para concorrer contra os candidatos do Partido Comunista. Stalin disse a Howard que os cidadãos riscariam os nomes de todos os candidatos, exceto aqueles em quem desejassem votar. Stalin também destacou a importância das eleições abertas na luta contra a burocracia. Você acha que não haverá disputas eleitorais. Mas haverá, e prevejo campanhas eleitorais muito animadas. Não são poucas as instituições em nosso país que funcionam mal. . . .Nosso novo sistema eleitoral fortalecerá todas as instituições e organizações e as obrigará a melhorar seu trabalho. O sufrágio universal, igual, direto e secreto na URSS será um chicote nas mãos da população contra os órgãos do governo que funcionam mal. Em minha opinião, nossa nova constituição soviética será a constituição mais democrática do mundo. (Stalin 1936a) Stalin insistiu que os lishentsy, cidadãos soviéticos privados de direito de voto, deveriam ter seus direitos restaurados. Entre estes se incluíam membros de antigas classes exploradoras, como ex-proprietários, aqueles que lutaram contra os bolcheviques durante a Guerra Civil de 1918–1921 e aqueles condenados por certos crimes (como nos EUA hoje). Destacados entre os lishentsy eram os “kulaks”, ex-camponeses ricos que foram os principais alvos do movimento de coletivização alguns anos antes. Essas reformas eleitorais teriam sido desnecessárias, a menos que a liderança de Stalin quisesse mudar a maneira como a União Soviética era governada. Stalin queria tirar o Partido Comunista do negócio de dirigir diretamente a União Soviética e devolver “todo o poder aos Soviets”, uma exigência bolchevique de 1917. A luta contra a burocracia A liderança de Stalin também estava preocupada com o papel do Partido. O próprio Stalin levantou a luta contra o burocratismo com grande vigor já em seu Relatório ao XVII Congresso do Partido em janeiro de 1934. Os líderes do partido controlavam o governo determinando quem entrava nos Soviets e exercendo várias formas de supervisão ou revisão sobre o que os ministérios faziam. Stalin, Molotov e outros chamaram o novo sistema eleitoral de “arma contra a burocratização”. Falando no 7º Congresso dos Soviets em 6 de fevereiro de 1935, Molotov disse que as eleições secretas “vão atacar com grande força os elementos burocráticos e dar-lhes um choque útil” (Zhukov 2003, 124). Os ministros do governo e suas equipes precisavam saber algo sobre os assuntos sobre os quais estavam encarregados, se quisessem ser eficazes na produção. Isso significava educação técnica em seus campos [de atuação]. Mas os líderes do Partido geralmente construíram suas carreiras progredindo apenas por meio de posições no Partido. Esses funcionários do Partido exerciam o controle, mas muitas vezes careciam de conhecimento técnico que os tornasse hábeis na supervisão. Isso é, aparentemente, o que a liderança de Stalin quis dizer com o termo “burocratismo”. Embora vissem isso como um perigo — como, de fato, todos os marxistas o faziam — eles acreditavam que não era inevitável. Em vez disso, eles pensaram que isso poderia ser superado mudando o papel do Partido na sociedade socialista. O conceito de democracia que Stalin e seus apoiadores na liderança do Partido desejavam inaugurar na União Soviética envolveria necessariamente uma mudança qualitativa no papel social do Partido. Esses documentos que eram acessíveis aos pesquisadores nos permitiram entender. . . que já no final da década de 1930 estavam sendo empreendidas determinadas tentativas para separar o Partido do Estado e limitar de maneira substantiva o papel do Partido na vida do país. (Zhukov 2000, 8) O Artigo 3 da Constituição de 1936 diz “Na URSS, todo o poder pertence aos trabalhadores da cidade e do país, representados pelos Comissários do Povo dos Soviets. O Partido Comunista é mencionado apenas no artigo 126, como “a vanguarda da classe trabalhadora em sua luta para fortalecer e desenvolver o sistema socialista e é o núcleo dirigente de todas as organizações da classe trabalhadora, tanto públicas quanto estatais”. Ou seja, o Partido deveria liderar as organizações, mas não os órgãos legislativos ou executivos do estado (Constituição de 1936; Zhukov 2000, 29–30). No Plenário do Comitê Central de junho de 1937, Iakov A. Iakovlev, um dos que haviam trabalhado no esboço da nova constituição, disse que a sugestão de eleições abertas fora feita pelo próprio Stalin. Esta sugestão encontrou oposição generalizada, embora tácita, dos líderes regionais do Partido, os Primeiros Secretários. Depois da entrevista com Howard, não houve nem mesmo elogio nominal ou apoio à declaração de Stalin sobre as eleições abertas nos jornais centrais — aqueles sob o controle direto do Politburo. O Pravda publicou apenas um artigo, em 10 de março de 1936, e não mencionou eleições com concorrência. (Zhukov 2003, 423; 210). Disto conclui o historiado Iurii N. Zhukov: Isso pode significar apenas uma coisa. Não apenas a ‘ampla liderança’ [os primeiros secretários regionais], mas pelo menos uma parte do aparato do Comitê Central, Agitprop . . . não aceitaram a inovação de Stalin, não quiseram aprovar, mesmo de maneira puramente formal, eleições abertas, perigosas para muitos, que, como se depreende das palavras de Stalin que o Pravda sublinhou, ameaçavam diretamente as posições e o poder real dos Primeiros Secretários — os Comitês Centrais dos partidos comunistas nacionais, a cidade regional, oblasts e comitês de área. (Zhukov 2003, 211) Os principais líderes do partido eram geralmente veteranos dos perigosos dias do czarismo, da revolução, da guerra civil e da coletivização, quando ser comunista era repleto de perigos e dificuldades. Muitos tiveram pouca educação formal. Parece que a maioria deles não queria ou era incapaz de “refazer-se” por meio da autoeducação. Todos esses homens eram apoiadores de longa data das políticas de Stalin. Eles haviam implementado a coletivização do campesinato — um passo essencial para escapar do ciclo de fome — durante o qual centenas de milhares de famílias kulak foram deportadas. Eles foram responsáveis pela industrialização acelerada, sob condições necessariamente severas de moradia precária, alimentos e assistência médica insuficientes, salários baixos e poucos produtos para comprar com eles. Agora Stalin estava ameaçando-os com eleições nas quais as pessoas anteriormente privadas do direito de voto por se oporem a essas políticas soviéticas teriam repentinamente o direito de voto restaurado. Eles temiam que muitos votassem contra seus candidatos ou mesmo contra qualquer candidato apoiado pelo Partido. O próprio Stalin foi ainda mais veemente: . . . se as pessoas aqui e ali elegerem forças hostis, isso significará que nosso trabalho de agitação está mal organizado e que merecemos totalmente esta desgraça. (Stalin 1936b; Zhukov 2003, 293). Essa era a posição de Stalin. Os primeiros secretários se opuseram. Eles consideraram a proposta de Stalin uma violação da ditadura do proletariado? Eles consideraram isso uma concessão muito grande aos conceitos capitalistas de democracia? Mesmo nos estados capitalistas mais “democráticos”, os inimigos declarados do capitalismo não têm permissão para participar livremente nas eleições, a menos que os partidos pró-capitalistas tenham vantagens esmagadoras. E mesmo nesses estados, o próprio sistema — capitalismo — nunca está “disponível para ser conquistado”. Conspiração: Bloco de Oposição Enquanto o Congresso, iniciado em 25 de novembro de 1936, cuidava da nova Constituição, a liderança soviética estava entre os dois primeiros grandes Julgamentos de Moscou. Grigorii Zinoviev e Lev Kamenev foram a julgamento junto com alguns outros em agosto de 1936. O segundo julgamento, em janeiro de 1937, envolveu alguns dos principais seguidores de Trotsky, liderados por Iurii Piatakov, até recentemente o Vice-Comissário da Indústria Pesada (Zhukov 2003, 291). Nos julgamentos públicos de Moscou em 1936, 1937 e 1938, a acusação promotoria dava conta da formação de um bloco criminoso clandestino de vários grupos de oposição em 1932, que assassinou Kirov e continuou a conspirar contra a liderança de Stalin. Do exílio, Leon Trotsky negou vigorosamente que ele e seus seguidores tivessem aderido ou que algum dia ingressariam nesse bloco. Mas em 1980 Pierre Broué, na época o historiador trotskista mais proeminente do mundo, descobriu que esse bloco existia de fato e que Trotsky o havia aprovado. (Broué, 1980). Em 1 de dezembro de 1934, Sergei M. Kirov, primeiro secretário do oblast de Leningrado e dos Comitês do Partido da cidade, foi assassinado na sede do Partido no Instituto Smolny em Leningrado. O governo soviético liderado por Stalin declarou que sua investigação provou que o assassino, Leonid Vasil’evich Nikolaev, agiu em nome de um grupo secreto zinovievista. Trotsky afirmou que Stalin estava mentindo. Os homens de Khrushchev e, mais tarde, de Gorbachev afirmaram que não existia nenhum grupo zinovievista secreto e que Nikolaev havia sido um assassino solitário. Estudiosos anticomunistas ocidentais concordam com Khrushchev e Gorbachev ou afirmam que Stalin mandou matar Kirov. Graças às evidências dos antigos arquivos soviéticos e dos arquivos de Trotsky em Harvard, agora sabemos que a polícia e a promotoria da era Stalin estavam corretas (Furr 2013). No primeiro Julgamento de Moscou em agosto de 1936, Zinoviev e Kamenev confessaram ter colaborado no assassinato de Kirov. Eles admitiram que o objetivo do bloco de oposicionistas, incluindo zinovievistas, trotskistas e outros, era tomar o poder na URSS pela violência. Outros trotskistas confessaram tramar o assassinato de líderes soviéticos, incluindo Stalin. Os réus no Julgamento de Moscou de 1936 revelaram a existência de uma liderança paralela para o bloco e nomearam trotskistas e direitistas como participantes. Os trotskistas nomeados incluem Karl Radek e Iurii Piatakov. Os líderes direitistas nomeados incluem Mikhail Tomsky, Aleksei Rykov e Nikolai Bukharin (Report of Court Proceedings, 1936). Entre setembro e dezembro de 1936, Radek, Piatakov e outros envolvidos com eles revelaram detalhes sobre as conspirações de Trotsky com a Alemanha, o Japão e com as forças anti-soviéticas e pró-fascistas dentro da URSS. No segundo Julgamento de Moscou de janeiro de 1937, os réus detalharam os planos de Trotsky para desmantelar o socialismo na URSS em troca do apoio alemão e japonês na tomada do poder. Eles implicaram Bukharin, Rykov e outros direitistas como membros do bloco que estavam totalmente informados sobre os planos de Trotsky (Report of Court Proceedings 1937). O Plenário do Comitê Central de fevereiro-março de 1937, o mais longo já realizado, se arrastou por duas semanas. Este plenário dramatizou as tarefas contraditórias com que se defrontou a direção do Partido: a luta contra os inimigos internos e a necessidade de se preparar para eleições secretas e com concorrência ao abrigo da nova Constituição. A descoberta de mais grupos conspirando para derrubar o governo soviético exigiu ação policial. Mas para se preparar para eleições verdadeiramente democráticas para o governo e para melhorar a democracia interna — um tema enfatizado continuamente por aqueles mais próximos de Stalin no Politburo — era necessário o oposto: abertura à crítica e autocrítica, e eleições secretas de líderes por Membros comuns do Partido. O líder do Partido em Leningrado, Andrei Zhdanov, falou sobre a necessidade de mais democracia no país e no Partido, invocando a luta contra a burocracia e a necessidade de estreitar os laços com as massas, partidárias e não partidárias. O novo sistema eleitoral. . . dará um poderoso impulso para a melhoria do trabalho dos órgãos soviéticos, a liquidação dos órgãos burocráticos, a liquidação das deficiências burocráticas e deformações no trabalho de nossas organizações soviéticas. E essas deficiências, como você sabe, são muito substanciais. Nossos órgãos do Partido devem estar prontos para a luta eleitoral. Nas eleições, teremos de lidar com agitação hostil e candidatos hostis. (Zhukov 2003, 343) Zhdanov também falou fortemente em favor da democracia no Partido. Isso significava a reeleição por voto secreto de todos os órgãos do partido de cima para baixo, relatórios periódicos dos órgãos do partido para suas organizações, disciplina partidária estrita e subordinação da minoria à maioria e decisões obrigatórias incondicionais dos órgãos superiores sobre todos os membros do partido. Ele reclamou da cooptação (nomeação) para os órgãos do partido em vez da eleição, e de candidatos a cargos de liderança sendo avaliados à porta fechada, ’em ordem familiar’. Quando ele chamou isso de ‘familiaridade [semeistvennost]’, Stalin interrompeu: ‘é um acordo’ [sgovor, literalmente, um acordo de casamento]. Esta foi uma declaração virtual de guerra contra as lideranças regionais do clã, e sua reação na discussão ao relatório de Zhdanov (que a princípio saudaram com um silêncio furioso sem precedentes) mostrou que eles estavam com raiva. (Getty 2013a, 77) Nikolai Shvernik, representando a liderança de Stalin do Partido, fez um forte apelo à democracia nos sindicatos. Shvernik argumentou que os sindicatos, como o Partido, careciam de democracia interna. “Devo dizer aqui, diretamente e com toda a franqueza”, explicou, “que os sindicatos estão em situação ainda pior”. Com o desenvolvimento de novas indústrias durante o primeiro plano de cinco anos, os 47 sindicatos do país se dividiram em 165, criando milhares de novos empregos. Os cargos em todos os níveis foram preenchidos por nomeação, e não por eleição. . .Shvernik concluiu seu discurso com a sugestão de que as eleições eram necessárias não só no Partido, mas também nos sindicatos. (Goldman 2007, 126) O medo das eleições dos secretários de partido O relatório de Zhdanov foi abafado por discussões sobre “inimigos”. Vários primeiros secretários responderam alarmados de que aqueles que estavam, ou se poderia esperar que estivessem, se preparando com mais assiduidade para as eleições soviéticas, eram oponentes do poder soviético. Desde o início das discussões, os temores de Stalin eram compreensíveis. Parecia que ele havia se deparado com uma parede surda de incompreensão, da relutância dos membros do CC, que ouviram no relatório exatamente o que queriam ouvir, para discutir o que ele queria que discutissem. Das 24 pessoas que participaram das discussões, 15 falaram principalmente sobre “inimigos do povo”, ou seja, trotskistas. Eles falaram com convicção, de forma agressiva, assim como fizeram depois dos relatórios de Zhdanov e Molotov. Eles reduziram todos os problemas a um — a necessidade de procurar “inimigos”. E praticamente nenhum deles lembrava o ponto principal de Stalin — sobre as deficiências no trabalho das organizações do Partido, sobre a preparação para as eleições para o Soviete Supremo. (Zhukov 2003, 357) Mais ameaçadora para todos os oficiais do Partido, incluindo os primeiros secretários, foi a proposta de Stalin de que cada um deles escolhesse dois quadros para ocupar seus lugares enquanto frequentavam cursos de educação política de seis meses. Com a substituição de oficiais em seu lugar, os secretários do Partido bem poderiam temer que pudessem ser facilmente transferidos durante este período, quebrando a coluna de suas “famílias” (membros do Partido subservientes a eles), uma característica importante da burocracia (Zhukov 2003, 362). Esta proposta de Stalin foi ignorada. Os cursos nunca aconteceram. Durante os meses seguintes, Stalin e seus associados mais próximos tentaram desviar o foco de uma caça aos inimigos internos — a maior preocupação dos membros do CC — e voltar a lutar contra a burocracia no Partido e se preparar para as eleições soviéticas. Enquanto isso, “os líderes partidários locais fizeram tudo o que puderam dentro dos limites da disciplina partidária (e às vezes fora dela) para atrasar ou mudar as eleições” (Getty 2002, 126; Zhukov 2003, 367–371). Mas um período muito sinistro se aproximava. No final de março de 1937, Genrikh Iagoda, ex-chefe do NKVD, foi preso. Em abril, ele começou a confessar ter desempenhado um papel importante no bloco secreto de oposicionistas que havia sido o principal alvo do Primeiro e do Segundo Julgamentos de Moscou. (Genrikh Iagoda 1997). O Politburo havia planejado que as reformas constitucionais fossem o item central da agenda no Plenário de junho de 1937 que se aproximava. Mas, em junho, a descoberta de planos do ex-chefe do NKVD e de importantes líderes militares para derrubar o governo e matar seus principais membros mudou completamente a atmosfera política. Em um discurso de 2 de junho na sessão ampliada do Soviete Militar, Stalin retratou a série de conspirações recentemente descobertas como limitada e amplamente resolvida com sucesso. No Plenário de fevereiro-março, ele e seus apoiadores do Politburo minimizaram a preocupação primordial dos Primeiros Secretários com os inimigos internos. Mas a situação estava “lenta, mas decisivamente, saindo do controle [de Stalin]” (Stalin 1937; Zhukov 2003, Chapter 16, passim.; 411). Entre o final do Plenário do CC de fevereiro-março de 1937 em 5 de março de 1937 e a abertura do Plenário do CC de junho em 23 de junho de 1937, 18 membros do Comitê Central e 20 suplentes foram presos por participação em conspirações anti-soviéticas. Suas expulsões foram aprovadas no Plenário de junho. As conspirações eram genuínas Em 17 de junho de 1937, pouco antes do plenário do CC de junho, Nikolai Ezhov, que substituiu Iagoda como comissário do NKVD, transmitiu uma mensagem de S. N. Mironov, chefe do NKVD na Sibéria Ocidental, relatando a ameaça de revoltas por subversivos em conjunto com Inteligência japonesa. Mironov relatou que Robert I. Eikhe, Primeiro Secretário do Partido da Sibéria Ocidental, solicitaria a capacidade de formar uma “troika” para lidar com esta ameaça (Furr 2016, 48; Khaustov and Samuel’son 2009, 332–333). Em 19 de junho de 1937, Stalin recebeu um telegrama, dirigido ao governo soviético, enviado por Trotsky de seu exílio no México. Nele, Trotsky afirmou que as políticas de Stalin levariam “ao colapso externo e interno.” Nele, Stalin assinou seu nome e escreveu: “Espião feio! Espião descarado de Hitler! ” Também foi assinado por Molotov, Voroshilov, Mikoian e Zhdanov. Claramente, todos eles acreditavam que Trotsky realmente estava em contato com os alemães. Dada a confissão de Tukhachevsky e os comentários do marechal Budennyi sobre o julgamento de Tukhachevsky, não há dúvida de que essa conspiração existiu (Furr 2009, 15). Conspirações Antissoviéticas Nenhuma transcrição do Plenário de junho de 1937 foi publicada. No entanto, Iurii Zhukov cita extensivamente alguns materiais das transcrições pesquisados em arquivos. Também temos um “konspekt” (sinopse) das observações feitas por Ezhov. Está datado de 23 de junho, o que tornaria as observações de Ezhov o primeiro relatório do Plenário. O relatório de Ezhov foi extremamente alarmante. Ele listou uma dúzia de conspirações ativas, concluindo: “o acima é uma lista apenas dos grupos mais importantes” (Petrov and Iansen 2008, 293–294). Eleições Iakovlev e Molotov criticaram o fracasso dos líderes do Partido em se organizarem para eleições soviéticas independentes. Molotov enfatizou a necessidade de tirar do caminho até mesmo revolucionários respeitados, se eles não estivessem preparados para as tarefas do dia. Ele enfatizou que os oficiais soviéticos não eram “trabalhadores de segunda classe” (pessoas de pouca importância). Evidentemente, alguns líderes do Partido os tratavam como tal. De acordo com a agenda remanescente do Plenário do CC, Iakovlev falou em 27 de junho. Ele expôs e criticou o fracasso dos Primeiros Secretários em realizar eleições secretas para cargos do Partido, confiando em nomeação. Ele enfatizou que os membros do partido eleitos como delegados aos sovietes não deveriam ser colocados sob a disciplina de grupos partidários fora dos sovietes ou por superiores do partido e ser informados sobre como votar. E Iakovlev se referiu nos termos mais fortes à necessidade de “recrutar da reserva muito rica de novos quadros para substituir aqueles que se tornaram podres ou burocratizados”. Todas essas declarações constituíram um ataque explícito aos Primeiros Secretários (Zhukov 2003, 424–427; Zhukov 2000, 39–40, quoting from archival documents). Talvez o mais revelador seja o seguinte comentário de Stalin, citado por Zhukov: No final da discussão, quando o assunto era a busca de um método mais imparcial de contagem dos votos, [Stalin] observou que no Ocidente, graças a um sistema multipartidário, esse problema não existia. Imediatamente depois, ele pronunciou repentinamente uma frase que soou muito estranha em uma reunião deste tipo: “Não temos partidos políticos diferentes. Feliz ou infelizmente, temos apenas um Partido. ” [Ênfase de Zhukov] E então ele propôs, mas apenas como uma medida temporária, para uso com o propósito de supervisão imparcial de representantes eleitorais de todas as organizações sociais existentes, exceto para o Partido Bolchevique. . . O desafio à autocracia do Partido havia sido lançado.(Zhukov 2003, 430–431; Zhukov 2000, 38) A Constituição foi finalmente delineada e a data das primeiras eleições foi marcada para 12 de dezembro de 1937. A liderança de Stalin novamente insistiu nos benefícios de lutar contra a burocracia e construir laços com as massas. Mas tudo isso se seguiu à expulsão sem precedentes do CC de 26 membros, 19 dos quais foram diretamente acusados de traição e atividade contra-revolucionária (Zhukov 2003, 430). O Partido estava em crise severa e era impossível esperar que os eventos se desenrolassem sem problemas. Foi a pior atmosfera possível para se preparar para a adoção de eleições democráticas — secretas, universais e abertas. As causas da repressão Em comum com a maioria dos historiadores da URSS, Iurii Zhukov desconsidera amplamente a existência de conspirações reais. Ele acredita que os alvos do NKVD devem ter sido lishentsy, as mesmas pessoas cujos direitos de cidadania, incluindo direito a voto, foram recentemente restaurados e cujos votos representavam potencialmente o maior perigo para a permanência dos primeiros secretários no poder. Este pode, de fato, ter sido um dos motivos de alguns dos líderes regionais do Partido. Mas isso não deve ser simplesmente presumido, e ainda não temos evidências para apoiá-lo. Outros historiadores afirmam que essa repressão em massa foi liderada por Stalin, que estava tentando matar qualquer um que pudesse ser desleal, uma “Quinta Coluna”, se a União Soviética fosse invadida. Outros ainda afirmam que Stalin estava decidido a assassinar todo e qualquer rival possível, ou era paranóico ou simplesmente louco. Não há evidências para apoiar essas noções. Na verdade, o motivo da campanha de repressão fica evidente nas evidências que temos. As atividades subversivas e rebeliões que Mironov, Eikhe e outros líderes regionais do Partido e homens do NKVD relataram foram uma consequência lógica das conspirações que foram gradualmente descobertas desde o assassinato de Kirov nos últimos dois anos e meio. Antes do “discurso secreto” de Khrushchev, poucos especialistas em estudos soviéticos duvidavam da existência real dessas conspirações. Apenas o movimento trotskista, fiel ao seu líder assassinado, alegou que essas conspirações eram invenções de Stalin. Isso mudou depois do discurso de Khrushchev. Praticamente todos os anticomunistas, bem como a maioria dos comunistas e, claro, todos os trotskistas, optaram por acreditar nas alegações de Khrushchev contra Stalin. Decorreu do que Khrushchev sugeriu em 1956, e do que seus apoiadores alegaram no XXII Congresso do Partido em outubro de 1961, que os réus nos Julgamentos de Moscou, mais os réus do Caso Tukhachevsky, foram todos vítimas inocentes de uma armação. Os tenentes de Mikhail Gorbachev fizeram as mesmas afirmações. Desde os dias de Khrushchev, o consenso entre os estudiosos profissionais da história soviética se conformava com a posição de Khrushchev-Gorbachev: não houve conspirações, todas foram invenções de Stalin. Isso tudo é falso. Nunca houve qualquer evidência de que qualquer uma dessas conspirações fosse armada ou que algum dos réus fosse inocente. Exatamente o oposto é o caso. A evidência é esmagadora de que Kirov foi de fato assassinado pelo grupo zinovievista clandestino e que Zinoviev e Kamenev estavam envolvidos nas atividades do grupo, incluindo o assassinato de Kirov. Trotskistas e o próprio Trotsky também foram implicados (Furr 2013). Temos muitas evidências de que as conspirações alegadas nos três Julgamentos de Moscou eram reais e que todos os réus eram culpados pelo menos pelo que confessaram. Em alguns casos, podemos agora provar que os réus eram culpados de crimes que não revelaram ao Ministério Público. Também temos muitas evidências sobre o Caso Tukhachevsky. Tudo isso apóia a hipótese de que os réus eram culpados das acusações (Furr 2015). A evidência de que todas essas conspirações de fato existiram nos permite ver as repressões em massa de Ezhov de julho de 1937 a outubro-novembro de 1938 de forma objetiva e em seu contexto adequado (Furr 2015, Capítulos 1–12). Negação Os historiadores ocidentais da URSS aceitaram as supostas “revelações” de Khrushchev como verdadeiras sem problemas, apesar do fato de que Khrushchev nunca deu qualquer evidência para suas acusações contra Stalin e de fato reteve evidências aos pesquisadores do Partido que as solicitaram. A principal base de evidências para Conquest e para obras de escritores patrocinados por Khrushchev, incluindo dissidentes como Roi Medvedev e Alexander Nekrich, foram as “revelações” da era Khrushchev. Os relatos dos historiadores ocidentais do período de Stalin continuam a depender fortemente dos relatos da era Khrushchev. Vladimir L. Bobrov e eu estudamos o décimo capítulo do livro premiado de Stephen F. Cohen, Bukharin and the Bolshevik Revolution. Cohen traça a vida de Bukharin de 1930 até seu julgamento e execução em março de 1938. Ele confiou em fontes da era Khrushchev que provaram ser mentiras. Por meio do uso de evidências de fontes primárias de antigos arquivos soviéticos, mostramos que todas as alegações de fatos feitas por Cohen neste capítulo que, de alguma forma, aleguem ação de Stalin é falsa (Furr and Bobrov 2010). Desde a época da Revolução Bolchevique em 1917, o estudo da história soviética se desenvolveu como um complemento do anticomunismo político. Sempre teve um caráter duplo: o de descobrir o que aconteceu e o de difamar Stalin, a União Soviética e o comunismo em geral. O resultado é que a historiografia acadêmica da União Soviética raramente é objetiva. Tem “vacas sagradas”, princípios que nunca são questionados. Este é o “paradigma anti-Stalin”. Os historiadores acadêmicos da URSS são pressionados a se conformar a esse paradigma, ou pelo menos a não violá-lo abertamente. O principal entre os princípios do paradigma anti-Stalin é que todos os Julgamentos de Moscou, mais o Caso Tukhachevsky, foram armações. Hoje, sabemos que isso é falso. Um estudo objetivo das evidências agora disponíveis nos antigos arquivos soviéticos, nos arquivos de Trotsky e em outros lugares, prova que essas conspirações realmente existiram. Esse falso paradigma priva os historiadores acadêmicos e seus leitores da capacidade de compreender os julgamentos de conspiração. Isso rouba a eles e a nós a capacidade de entender o contexto das repressões em massa da era Ezhov. A ameaça era real Documentos de arquivo mostram que a liderança central do Partido, Stalin e o Politburo, estavam constantemente recebendo relatos muito confiáveis do NKVD de conspirações, incluindo transcrições de confissões e detalhes de investigações (Zhukov 2003, Capítulo 18; Zhukov 2002a, b, 23). Também possuímos uma série de relatos dessas conspirações além das fronteiras da URSS (e, portanto, além de qualquer poder da acusação soviética ou do NKVD para fabricá-las). Provas de conspirações que o NKVD enviou a Stalin Em 2 de julho de 1937, logo após a conclusão do plenário, o Politburo — Stalin e os mais próximos dele — emitiu o decreto “Sobre os elementos anti-soviéticos”. No ano seguinte ou mais, a liderança de Stalin foi inundada com relatos de conspirações e revoltas de toda a URSS. Muitos deles foram publicados. Sem dúvida, muitos outros permanecem inéditos. De acordo com V. N. Khaustov, um pesquisador anti-Stalin e editor de uma dessas coleções, Stalin acreditou nesses relatórios (Khaustov 2004, 234–235, №114) [3] E o mais assustador é que Stalin tomava suas decisões com base em confissões que resultavam das invenções de certos funcionários dos órgãos de segurança do Estado. As reações de Stalin atestam o fato de que ele levou essas confissões completamente a sério. (Khaustov 2011, 6) Aqui, Khaustov admite a existência de uma grande conspiração de Ezhov e admite que Stalin foi enganado por ele. Stalin agiu de boa fé com base nas evidências apresentadas a ele por Ezhov, muitas das quais podem, ou devem ter sido falsas. As listas Khrushchev: Foi tolerada a prática viciosa de fazer o NKVD preparar listas de pessoas cujos casos estavam sob a jurisdição do Colégio Militar e cujas sentenças foram preparadas com antecedência. Yezhov enviaria essas listas pessoalmente a Stalin para sua aprovação da punição proposta. Em 1937–1938, 383 dessas listas contendo os nomes de muitos milhares de membros de partidos, sovietes, Komsomol, exército e trabalhadores econômicos foram enviadas a Stalin. Ele aprovou essas listas. Essas listas foram publicadas na Internet, onde são intituladas “Listas de fuzilamentos de Stalin”. [4] Alguns escritores desonestamente as chamam de “sentenças de morte”. Ambos são nomes tendenciosos e imprecisos, pois não eram listas de pessoas “a serem fuziladas”. Seguindo Khrushchev, os editores anti-Stalin dessas listas chamam as listas de “sentenças preparadas com antecedência”. Mas sua própria pesquisa refuta essa afirmação. Na realidade, essas listas eram enviadas a Stalin e a outros membros do Secretariado para “revisão” — rassmotrenie — uma palavra usada muitas vezes na introdução das listas. [5] As listas fornecem as sentenças que o NKVD recomendou que a acusação buscasse se o indivíduo fosse condenado — ou seja, a sentença que a acusação pediria ao tribunal para aplicar. Muitas pessoas nessas listas não foram condenadas de forma alguma ou foram condenadas por um delito menor e, portanto, não foram baleadas. Os limites Na campanha contra os insurgentes e conspiradores, o Politburo estabeleceu limites para o número de pessoas que os líderes do Partido e o NKVD podiam executar e prender. O pedido nº 00447 estabeleceu limites [limity] em vez de cotas, máximos, não mínimos. . .. Como vimos, durante anos Stalin colocou limites às execuções em massa por líderes provinciais. Se o Politburo neste momento esperava ou queria um terror ilimitado, não haveria razão para chamá-los de “limites”. O significado da palavra era bem conhecido: nunca significou “cotas”. Refletindo a preocupação de Stalin de que os moradores possam ficar fora de controle (ou fora de seu controle), a Ordem nº 00447 avisou duas vezes que “excessos” na implementação local da operação não eram permitidos.(Getty, 2013b,231–232) Getty também enfatiza esse fato em um livro recente: Um dos mistérios do campo [da história soviética] é como a limitação é rotineiramente traduzida como “cotas”. (Getty 2013b, 340 n. 109) Um escritor que constantemente traduz “limity” como “cotas” é Oleg Khlevniuk. Outro é Timothy Snyder. Parece que os escritores anticomunistas querem que Stalin tenha clamado por “cotas” para que pareça desonesto e cruel. Eleições abertas para os Sovietes são canceladas O Plenário do Comitê Central de outubro de 1937 [foi palco do] cancelamento final do plano de eleições abertas para os sovietes. Isso representou uma séria derrota para Stalin e seus partidários no Politburo. Um modelo de cédula, mostrando vários candidatos, já havia sido elaborado. [6] As eleições para os Soveites de dezembro de 1937 foram implementadas com base no fato de que os candidatos do Partido concorreriam com 20–25 por cento dos candidatos não partidários — uma espécie de aliança, mas sem concorrência. Originalmente, as eleições foram planejadas sem chapas, com votação apenas para indivíduos — um método muito mais democrático em que os candidatos não obteriam votos simplesmente por estar “na chapa” (Zhukov 2000, 41; Zhukov 2002a,b; Zhukov 2003, 443). Iakov Iakolev Iakov Iakovlev foi um dos mais próximos de Stalin ao redigir a Constituição de 1936 com a qual Stalin estava tão comprometido. Junto com A. I. Stetskii e B. M. Tal ‘, Iakovlev foi membro da pequena comissão que trabalhou no texto da constituição. A comissão apresentou um “rascunho” a Stalin em fevereiro de 1936 — o rascunho a que Stalin se referiu em sua celebrada conversa com Roy Howard em 1} de março (Zhukov 2003, 223). Mas em 10 de outubro, todos os membros do Politburo e do Secretariado se reuniram no escritório de Stalin. A reunião terminou às 22 horas. após a aprovação dos pontos principais da apresentação de Molotov na sessão de abertura do Plenário do CC, a realizar no dia seguinte. O segundo ponto da apresentação de Molotov foi: Candidatos concorrentes [literalmente “paralelos”] (não obrigatório). As eleições abertas foram efetivamente descartadas, já que ninguém esperava que os líderes regionais do Partido, os primeiros secretários, as permitissem, a menos que fossem obrigados a fazê-lo. O ponto três do esboço de Molotov diz: “Membros não partidários: 20–25 por cento.” O que aconteceu? Zhukov conclui que simplesmente não havia maioria no Politburo, muito menos no Comitê Central, para apoiar as eleições abertas e uma forte insistência em garantir que o Partido — o que significava os líderes regionais do Partido — dominaria os Sovietes. Claramente, Stalin não era um “ditador”. [7] Ele não conseguiu o que havia lutado tanto.

cópia da cédula das eleições abertas que sobreviveu em um arquivo


Prisão e Confissão de Iakovlev A organização do Partido do oblast de Saratov desconfiava de Iakovlev, que havia sido trotskista em 1923. Stalin o apoiara firmemente. Mas em 12 de outubro, um dia após a abertura do Plenário do CC, Iakovlev foi preso. Dois dias depois, ele confessou ter sido um “adormecido” trotskista clandestino desde 1923. Um choque ainda maior foi o fato de Iakovlev também ter confessado ter sido recrutado por um agente alemão que lhe disse que eles, os alemães, estavam em contato com Trotsky e desejava trabalhar com Iakovlev nos mesmos termos. A confissão de Iakovlev é indiscutivelmente um dos documentos mais importantes dos antigos arquivos soviéticos publicados nos últimos anos. Isso sem dúvida explica por que virtualmente nunca é mencionado, muito menos estudado, pelos principais historiadores da URSS. Iakovlev considerou conspiradores várias figuras soviéticas importantes. Em alguns casos, também temos uma ou mais confissões que confirmam a confissão de Iakovlev. Eleições partidárias e sindicais Embora as eleições abertas não tenham sido realizadas para os Sovietes, elas foram realizadas para cargos no Partido e nos sindicatos. Stalin de fato tinha intenções democráticas — confiar na base para eliminar os líderes locais, se eles assim decidissem, é uma das coisas que a democracia tem a ver. As forças que foram poderosas o suficiente para derrotar a luta de Stalin por eleições democráticas e abertas para os sovietes não foram poderosas o suficiente para impedir eleições democráticas no Partido e nos sindicatos. Durante a segunda metade de 1937, as eleições sindicais democráticas sem precedentes foram de fato realizadas. Mas eles não aconteceram novamente. As repressões em massa são interrompidas Relatos das repressões de 1937–1938 por historiadores tradicionais são úteis na medida em que documentam como as repressões ocorreram. Ao pesquisar o grande número de fontes primárias agora disponíveis, esses relatos mostram como Stalin e a alta liderança do Partido gradualmente foram compreendendo o que estava acontecendo. O que eles garantem é que uma batalha contra as conspirações contrarrevolucionárias, na verdade, muitas vezes foi dirigida contra membros leais do partido e cidadãos completamente inocentes. Os historiadores tradicionais não discutem os conjuntos mais importantes de evidências documentais que afetam diretamente as causas, o curso e a conclusão das repressões em massa de Ezhov: - As conspirações que sabemos que existiram. Isso inclui todos aqueles que foram objeto dos três Julgamentos de Moscou, mais a conspiração de comandantes militares e outros oficiais, que costuma ser chamada simplesmente de Caso Tukhachevsky. Essas conspirações forneceram o ímpeto para as resoluções do início de julho de 1937 sobre a necessidade de usar força maciça. - Os documentos de investigação detalhando as confissões de supostos conspiradores e as conclusões dos investigadores do NKVD com os quais Ezhov bombardeou Stalin e a liderança central do Partido por mais de um ano após o Plenário do CC de junho de 1937. Dezenas desses relatórios, muitas vezes muito longos e detalhados, foram publicados. A confissão de Iakov Iakovlev é uma delas. Apenas alguns foram traduzidos para o inglês. Não sabemos quanta documentação mais Stalin recebeu. Provavelmente essa é apenas uma fração disso. - A confissão do assistente de Ezhov, Mikhail Frinovskii, e as muitas confissões de Ezhov em 1939. [8] Estas são totalmente ignoradas. As poucas observações que os historiadores tradicionais fazem sobre esse material mostram que eles preferem “não acreditar” nele. Esta é a falácia de “beggin the question”, “presumir o que deve ser provado”. É ilegítimo para os historiadores ignorar as evidências simplesmente porque essas evidências não são consistentes com algum paradigma preconcebido de “o que deve ter acontecido”. Essas confissões desmontam o “paradigma anti-Stalin”. Os estudos mainstream ignoram todas as evidências que explicam o motivo da repressão em massa da era Ezhov. Então, esses estudiosos declaram que a razão para essas repressões é um mistério. Naturalmente, se alguém decidir com antecedência ignorar as evidências, os eventos serão realmente inexplicáveis. Novembro de 1938: Ordens para acabar com todas as repressões em massa Temos uma pequena documentação sobre as primeiras suspeitas do Politburo contra o próprio NKVD. No início de 1938, o Comitê Central enviou Shkiriatov a Ordzhonikidze para “investigar as evidências sobre perversões criminosas durante as operações em massa” cometidas por órgãos regionais do NKVD. (Jansen and Petrov 2002, 135) Continuaram a crescer no Politiburo as suspeitas de que uma repressão massiva e não autorizada estava acontecedo. Em agosto de 1938, o segundo em comando de Ezhov, Mikhail Frinovskii, foi substituído por Lavrentii Beria. Beria foi escolhido como uma pessoa confiável para vigiar Ezhov, como o próprio Ezhov declarou mais tarde. Na época de outubro de 1937, o Plenário do CC Stalin e o Politburo começaram a descobrir evidências de repressão ilegal em massa. Em 15 de novembro de 1938, a audiência de casos por troikas foi interrompida, juntamente com os tribunais militares e o Colégio Militar do Supremo Tribunal Federal (Furr 2016, 107). Em 8 de dezembro, a imprensa anunciou que ele [Ezhov] havia sido dispensado de suas funções como chefe do NKVD “a seu próprio pedido”. Quatro dias depois, o Tribunal Regional de Moscou reverteu a primeira de muitas condenações de ex-“inimigos”. A declaração observou que a Suprema Corte não só liberou cinco engenheiros de construção, mas reconheceu que os cinco realmente tentaram frustrar “inimigos reais”. (Getty, 1985, 188–189) A conspiração de Ezhov gradualmente descoberta “. . .legalidade é reintroduzida sob Beria, novembro de 1938. ” (Wheatcroft 2007, 41) Assim que Ezhov renunciou, para ser substituído por Beria, ordens foram emitidas para interromper imediatamente todas as repressões, revogar todas as Ordens Operacionais do NKVD que as permitiam e reenfatizar a necessidade de supervisão pelo Ministério Público de todos os casos de prisão. Então, começou uma enxurrada de relatórios para Beria e a liderança central do Partido sobre repressões ilegítimas massivas e tiroteios por parte de grupos locais do NKVD. A liderança central do Partido começou a investigar. Em 29 de janeiro de 1939, os membros do Politburo Beria, Andrei Andreev e Georgii Malenkov assinaram um relatório detalhando crimes em massa durante o mandato de Ezhov (Petrov e Iansen 2008, 359–363). Esta importante evidência de que a repressão em massa foi obra de Ezhov, não de Stalin, só foi publicada em 2008. Durante os anos seguintes, outras investigações e processos contra os homens culpados do NKVD prosseguiram. De acordo com os editores de uma grande coleção de documentos: . . .em 1939, o NKVD prendeu mais de 44 mil pessoas, cerca de 1/15 do número detido em 1938. A maioria dessas prisões foi na Ucrânia Ocidental e na Bielo-Rússia [como resultado da retomada desses territórios da Polônia em setembro de 1939 e do detenções de funcionários e colonos poloneses]. Durante o mesmo ano, cerca de 110.000 pessoas foram libertadas após a revisão dos casos dos presos em 1937–1938. (Khaustov 2006, 564 n. 11) [9] Em 28 de outubro de 1939, um grupo de promotores escreveu a Andrei Zhdanov pedindo-lhe que intercedesse junto ao Comitê Central sobre a lentidão do NKVD na revisão de casos de pessoas inocentemente presas. Parece que a decisão do Comitê Central do partido de 17 de novembro de 1938 deveria ter mobilizado toda a atenção para retificar imediatamente a política criminosa do bastardo Ezhov e sua camarilha criminosa, que literalmente aterrorizou pessoas soviéticas, cidadãos íntegros, dedicados, antigos membros do partido , e organizações partidárias inteiras. (Koenker and Bachman 1997, 26–27) [10] Confissões de Ehzov As próprias confissões de Ezhov são evidências de que Stalin e a liderança central soviética não foram responsáveis por suas execuções em massa. Ezhov afirma explicitamente muitas vezes que suas repressões e execuções foram realizadas em busca de seus próprios objetivos conspiratórios particulares. Em sua confissão de 4 de agosto de 1939, Ezhov admitiu: “[Estávamos] enganando o governo da maneira mais flagrante.” [11] Não há nenhuma evidência de que essas confissões representem algo além do que Ezhov escolheu dizer — nenhuma evidência de tortura, ameaças ou fabricação. Ideologicamente, relatos anticomunistas suprimem as evidências da conspiração de Ezhov contra o governo soviético. A razão aparente é o desejo de acusar falsamente Stalin de ter ordenado todo o grande número de execuções realizadas por Ezhov. Declaração de Frinovskii Em sua declaração a Beria de 11 de abril de 1939, Mikhail Frinovskii, o segundo em comando de Ezhov, confirma explicitamente a culpa dos réus nos Julgamentos de Moscou. [12] Frinovskii é explícito que Ezhov não forçou Bukharin e outros a confessar falsamente. Em vez disso, Ezhov pediu que não o nomeassem, Ezhov, como um dos conspiradores de direita — e Bukharin e os outros não o fizeram. Temos muitas outras evidências de que Bukharin era culpado. Esta evidência também serve como confirmação da declaração de Frinovskii (2006). Ezhov foi preso em 10 de abril de 1939. De acordo com Ezhov, a ideia de uma conspiração do NKVD foi sugerida pela primeira vez a ele pelo adido militar alemão General Ernst Kostring. Após o julgamento e as execuções do Caso Tukhachevsky, o Marechal Egorov (já conspirador) e os alemães reconsideraram este plano original, que se orientava no sentido de auxiliar uma invasão da URSS pela Alemanha e / ou aliados. Com as principais figuras da conspiração militar agora removidas, os alemães sugeriram um golpe de Estado em vez disso. Além dos réus dos Julgamentos de Moscou e do Caso Tukhachevsky, de cuja culpa podemos ter certeza, não sabemos a quem Ezhov visava especificamente. Gostaríamos de saber quantos membros do Comitê Central e outras pessoas conhecidas, como intelectuais e oficiais militares de menor patente que foram julgados e executados durante 1937–1938, eram de fato culpados; da mesma forma, as centenas de milhares de cidadãos soviéticos comuns. A principal razão pela qual não sabemos mais sobre isso é que ninguém está fazendo essa pergunta e fazendo pesquisas. Um grande número de pessoas foi “reabilitado” — declarado inocente. Mas o processo de reabilitação é político e judicial, não histórico. Mostramos que muitas das figuras conhecidas que foram “reabilitadas” eram de fato culpadas, declaradas inocentes sob Khrushchev e Gorbachev por conveniência política apenas (Furr 2011, Capítulo 11). No final do interrogatório de Ezhov em 4 de agosto de 1939, o interrogador levanta o fato de que o NKVD também controlava os GULAG, os campos de trabalho onde aqueles não condenados à execução eram confinados. Os relatos do GULAG concordam que as condições nos campos eram ruins durante 1937–1938 e melhoraram imediatamente depois que Beria assumiu o NKVD de Ezhov. O relato de Ezhov aqui explica isso. Evgeniia Ginzburg, que estava na prisão de Iaroslavl e não viu jornais, disse que os prisioneiros sabiam quando Ezhov caiu: O regime draconiano nas prisões (confinamento solitário frequente e privação de todos os privilégios) foi relaxado um dia. O momento foi confirmado alguns dias depois, quando o nome de Beria começou a aparecer em avisos oficiais da prisão. (Getty, 1985, 189) Conclusões “Grande Terror” é um nome enganador, mas não porque ninguém estivesse com medo. Seu nome é incorreto porque Conquest inventou o termo “Grande Terror” para significar “Expurgo de Stalin dos anos 30”, e não foi assim. A falsidade não está na afirmação de que houve terror, mas na afirmação de quem eram os terroristas. Ezhov escolheu muitas de suas vítimas ao acaso, um processo que deve ter gerado medo. Mas a população soviética não era governada pelo terror e a população soviética em geral não estava “aterrorizada”. O termo “Grande Terror” é falso na forma como Conquest o usou, e na forma como continua a ser usado no campo da história soviética. As repressões em massa de Ezhov foram uma continuação das conspirações descritas nos três Julgamentos de Moscou e no Caso Tukhachevsky. Ezhov iniciou sua própria conspiração do NKVD — os assassinatos em massa — depois que a conspiração militar foi descoberta e, principalmente, destruída. Muitas pessoas inocentes foram assassinadas. De 1939 aos anos de guerra, Beria, como chefe do NKVD, e a Procuradoria Soviética revisaram centenas de milhares de casos e libertaram centenas de milhares de pessoas que eles julgaram terem sido presas por engano. Ao mesmo tempo, eles continuaram a investigar, descobrir e punir pessoas que realmente estavam envolvidas em conspirações anti-soviéticas. Conspirações reais existiram. As confissões de Ezhov e Frinovskii deixam claro que nem todos os reprimidos sob Iagoda e Ezhov eram inocentes. Emigrantes soviéticos como Grigory Tokaev (1956) e “Svetlanin” / Likhachev atestam o fato de que alguns conspiradores nunca foram identificados. [13] A evidência que temos agora apóia duas hipóteses. Em primeiro lugar, que muitos primeiros secretários e outros líderes do partido estavam envolvidos na conspiração trotskista de direita. Em segundo lugar, que alguns deles também estavam diretamente envolvidos com a conspiração NKVD de Ezhov. Isso é confirmado pela convergência de muitas evidências individuais. Também é totalmente incompatível com a historiografia soviética dominante, que exige que Stalin seja o assassino em massa e Ezhov seu “executor leal”. Por esta razão, ele é rejeitado pelos historiadores anticomunistas soviéticos e pelos trotskistas. Não se encaixa no leito de Procusto [14] do paradigma anti-Stalin. Notas [1] Seu nome oficial era “Partido Comunista da União (Bolchevique)”. [2] Por “democrático” aqui queremos dizer “consistente com as noções social-democratas, isto é, capitalistas, de democracia.” 3. Online em http://www.memo.ru/history/document/pbkulaki.htm. Uma tradução ligeiramente diferente está em Getty e Naumov, Doc. 169, 470–471. [4] http://stalin.memo.ru/ [5] http://stalin.memo.ru/images/intro1.htm [6] Pelo menos uma cópia dessa cédula sobreviveu em um arquivo. Zhukov incluiu uma fotografia dele em Inoi, 6ª ilustração. Eu coloquei online em https://msuweb.montclair.edu/~furrg/research/sample_ballot_1937.html [7] Para mais informações sobre a questão do “ditador”, consulte Wheatcroft, S. G. 2007. Agency and terror: Evdokimov and mass killing in Stalin’s great terror. Australian Journal of Politics and History 53:20–43. 8. Para esses textos em russo e inglês, consulte meu artigo “Os Julgamentos de Moscou e o ‘Grande Terror’ de 1937–1938: O que as evidências mostram ”. Em http://msuweb.montclair.edu/~furrg/research/trials_ezhovshchina_update0710.html 9. Texto em russo online em http://istmat.info/node/24582. Tradução em inglês em https://msuweb.montclair.edu/~furrg/research/beria_andreev_malenkov012939eng.html 10. Online em https://msuweb.montclair.edu/~furrg/research/prosecutors_zhdanov_102839.pdf 11. Tradução em inglês em https://msuweb.montclair.edu/~furrg/research/ezhov080439eng.html 12. Tradução para o inglês em https://msuweb.montclair.edu/~furrg/research/frinovskyeng.html 13. No início da década de 1980, tentei verificar esse relato escrevendo para pessoas que conheceram Likhachev. Professor Nikolai Andreyev, da Universidade de Cambridge (agora falecido), escreveu-me duas cartas contando sobre sua amizade íntima com Likhachev / Svetlanin / Frolov; de quão altamente ele pensava em sua confiabilidade. [14] personagens da mitologia grega, Procusto, impiedoso bandido que possuía uma cama de ferro de seu exato tamanho. Divertia-se obrigando os viajantes que capturava a deitarem-se nessa tal cama; se maiores, cortava-lhes as pernas, se menores, esticava-os até caberem exatamente no leito. Referências Broué, P. 1980. Trotsky et le bloc des oppositions de 1932. Cahiers L eon Trotsky 5:5–37. Constituição de 1936: em Russo, http://www.hist.msu.ru/ER/Etext/cnst1936.htm, Em inglês, http://www.departments.bucknell.edu/russian/const/1936toc.html (1936 Constitution). Frinovskii, M. P. 2006. To the people’s commissar for internal affairs of the union of Soviet Soc. Republics: Commissar of state security 1 st degree Beria L.P. Lubianka 1939–1946 33–60. Russian original at https://msuweb.montclair.edu/~furrg/research/frinovskyru.html English translation at https://msuweb.montclair.edu/~furrg/research/frinovskyeng.html Furr, G. 2005. Stalin and the struggle for democratic reform. Cultural Logic. http://clogic.eserver.org/2005/furr.html and http://clogic.eserver.org/2005/furr2.html — — — . 2009. Evidence of Leon Trotsky’s collaboration with Germany and Japan. Cultural Logic. http://clogic.eserver.org/2009/Furr.pdf — — — . 2011. Khrushchev lied: The evidence that every “Revelation” of Stalin’s (and Beria’s) crimes in Nikita Khrushchev’s infamous “Secret Speech” to the 20th Party Congress of the Communist Party of the Soviet Union on February 25,1956, is Provably False. Kettering, OH: Erythros Press & Media LLC. — — — . 2013. The murder of Sergei Kirov. History, scholarship and the anti-Stalin paradigm. Kettering, OH: Erythros Press and Media, LLC. — — — . 2015. Trotsky’s “Amalgams”: Trotsky’s lies, the Moscow trials as evidence, the Dewey commission. Trotsky’s conspiracies of the 1930s. Vol. 1. Kettering, OH: Erythros Press & Media, LLC. — — — . 2016. Yezhov Vs. Stalin: The truth about mass repressions and the so-called ’Great Terror’ in the USSR. Kettering OH: Erythros Press & Media LLC. — — — . The Moscow trials and the “Great Terror” of 1937–1938: What the evidence shows. http://msuweb.montclair.edu/~furrg/research/trials_ezhovshchina_update0710.html Furr, G., and V. L. Bobrov. 2010. Stephen Cohen’s biography of Bukharin: A study in the falsehood of Khrushchev-Era ’Revelations’. Cultural Logic. http://clogic.eserver.org/2010/Furr.pdf Genrikh Iagoda. 1997. Narkom vnutrennikh del SSSR, General’niy komisar gosudarstvennoi bezopasnosti. Kazan: Sbornik dokumentov. Getty, J. A. 1985. Origins of the great purges. The Soviet communist party reconsidered, 1933–1938. New York and Cambridge: Cambridge University Press. — — — . 2002. Excesses are not permitted: Mass terror and Stalinist governance in the late 1930s. The Russian Review 61:113–38. — — — . 2013a. The Rise and Fall of a Party First Secretary: Vainov of Iaroslavl’. In The Anatomy of Terror: Political Violence Under Stalin, ed. J. Harris, 66–84. Oxford Scholarship Online. — — — . 2013b. Practicing Stalinism. Bolsheviks, Boyars, and the persistence of tradition. New Haven, CT: Yale University Press. — — — . Pre-election fever: The origins of the 1937 mass operations. Harris Anatomy 216–235. Getty, J. A., and O. V. Naumov. 1999. The road to terror. Stalin and the self-destruction of the Bolsheviks, 1932–1939. New Haven: Yale University Press. Goldman, W. Z. 2007. Terror and democracy in the age of Stalin. The social dynamics of repression. New York: Cambridge University Press. Harris, J. ed. 2013. The anatomy of terror. Political violence under Stalin. New York: Oxford University Press. Jansen, M., and N. Petrov. 2002. Stalin’s loyal executioner. People’s commissar Nikolai Ezhov 1895–1940. Stanford: Hoover Institution Press. Khaustov, V. N. 2011. Lubianka. Sovetskaia elita na stalinskoi golgofe. 1937–1938. Dokumenty. Moscow: Mezhdunarodnyi Fond “Demokratiia”, 2011. — — — . 2004. Lubianka. Stalin i Glavnoe Upravlenie Gosbezopasnosti NKVD. 1937–1938. Moscow: Materik, 2004. — — — . 2006. Lubianka. Stalin i NKVD-NKGB-GUKR “Smersh.” 1939 — mart 1946. Moscow: MDF, 2006. Khaustov, V., and L. Samuel’son. 2009. NKVD, i Repressii 1936–1938 gg. Istoriia Stalinizma series. Moscow: ROSSPEN. Khrushchev, N. S. 1962. The new leader. The crimes of the Stalin era. Introduction by Anatol Shub, notes by Boris Nikolaevsky. New York: The New Leader. Koenker, D. P., and R. D. Bachman, eds. 1997. Revelations from the Russian archives. Documents in English translation. Washington, DC: Library of Congress. Petrov, N., and M. Iansen. 2008. “Stalinskii pitomets” — Nikolai Ezhov. Moscow: ROSSPEN. Report of court proceedings. The case of the Trotskyite-Zinovievite terrorist center. Moscow: People’s Commissariat of Justice of the U.S.S.R. 1936. Report of court proceedings in the case of the Anti-Soviet Trotskyite Centre. Heard before the military collegium of the supreme court of the U.S.S.R. Moscow, January 23–30, 1937. . .. Verbatim report. Moscow: People’s Commissariat of Justice of the U.S.S.R. 1937. Stalin, J. V. 1936a. The Stalin-Howard interview. NY: International Publishers. — — — . 1936b. On the Draft of the Constitution of the USSR. Collected Works, Vol. 14. http://grachev62.narod.ru/stalin/tl4/tl4_44.htm (in Russian); Problems of Leninism, 795–834. Peking: Foreign Languages Press (in English). http://www.marx2mao.com/Stalin/SC36.html — — — . 1937. Vystuplenie Stalina na Rashirennom Zasedanii Voennogo Soveta pri Narkome Oborony. Istochnik 3 (1994) 72–88. A slightly different version is in Lubianka 1937–1938, 202–209. Tokaev, G. 1956. Comrade X. London: Harvill Press. Wheatcroft, S. G. 2004. From team-Stalin to degenerate tyranny. In The nature of Stalin’s dictatorship. The Politburo, 1924–1953, ed. E. A. Rees, 79–107. Basingstoke: Palgrave Macmillan.

1

328 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo