Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Sobre as Mortes na URSS de Stalin

Atualizado: Abr 21


  • No Ocidente, quando o nome de Stalin é mencionado, a primeira coisa que vem à mente são os "milhões de mortes" sob seu "regime cruel". Por décadas, propagandistas fascistas e capitalistas perpetuaram essa visão de Stalin como um monstro, empregando os melhores propagandistas da Segunda Guerra Mundial e da Guerra Fria para difamar o papel de Stalin como estadista. Qual é a verdade por trás dessas afirmações? Espero lançar alguma luz sobre o assunto.

  • Como já foi resolvido, o número variável de mortes sob o governo Stalin é um produto da propaganda e, portanto, tem sido exagerado. As evidências encontradas nos arquivos russos, abertas pelo capitalista Yeltsin, colocam o número total de sentenças de morte de 1923 a 1953, a União Soviética pós-Lenin, entre 775.866 e 786.098. Para isso, devemos somar os 40.000 que podem ter sido executados sem julgamento e não oficialmente. Se somarmos os números, conseguimos alcançar 800.000 execuções em um período de 36 anos, menos do que as vidas reivindicadas pela ditadura do Suharto anticomunista, apoiado pela CIA, na Indonésia, em um período de 2 anos. Isso não quer dizer que as mortes devam ser perdoadas, mas levanta uma questão importante: se menos vidas foram reivindicadas pela União Soviética sob Stalin do que a Indonésia de Suharto, por que Stalin é demonizado a tal ponto quando Suharto raramente é conhecido entre os capitalistas?

  • Responderemos a essa pergunta em um post futuro sobre hegemonia cultural, agora vamos continuar com nosso exame das mortes soviéticas. Como o número de 800.000 execuções inclui as pessoas condenadas à morte, mas tiveram, por exemplo, suas sentenças reduzidas, isso também pode ser uma superestimação. De fato, em uma pesquisa realizada por Vinton, foram fornecidas evidências indicando que o número de execuções foi significativamente abaixo do número de prisioneiros civis condenados à morte na URSS, com apenas 7.305 execuções em uma amostra de 11.000 prisioneiros autorizados a serem executados em 1940 (ou cerca de 60%). Além disso, 681.692 das 780.000 sentenças de morte foram proferidas durante o Grande Expurgo (período de 1937-1938) .

  • Inicialmente, o NKVD, sob as ordens de Yezhov, estabeleceu um limite de 186.500 prisões e 72.950 penas de morte para uma operação especial de 1937 para combater a ameaça de subversão externa e interna. A operação foi decidida após a descoberta de conspirações bonapartistas contra o governo, lideradas por Tukhacevsky, cujos vínculos com facções oportunistas do Partido causaram pânico total. As ordens da NKVD tiveram que ser cumpridas pelas troikas. Como as troikas proferiram sentenças antes mesmo de o acusado ser preso, as autoridades locais solicitaram aumentos em suas próprias cotas, e houve um pedido oficial em 1938 de duplicar a quantidade de transporte de prisioneiros que havia sido inicialmente solicitada para realizar a campanha original cotas dos tribunais.

  • No entanto, mesmo se houvesse duas vezes mais execuções reais do que o planejado originalmente, o que eu duvidaria, o número ainda seria menor que 150.000. Muitos, de fato, podem ter sua sentença de morte recusada ou revogada pelas autoridades antes que a prisão ou execução possa ocorrer, especialmente porque Stalin, Molotov e Beria perceberam mais tarde que excessos haviam sido cometidos no período de 1937-38 (Grande Expurgo), várias condenações foram anuladas e muitos dos líderes locais responsáveis ​​foram punidos. Os registros soviéticos indicam apenas cerca de 300.000 detenções reais por atividades antissoviéticas ou crimes políticos durante esse intervalo de 1937-1938. Com uma taxa de 1 execução para cada 3 prisões, conforme especificado originalmente pelo NKVD, isso implicaria cerca de 100.000 execuções. Como algumas das pessoas condenadas à morte já podem ter sido confinadas, e como existem evidências de um aumento de 50.000 no número total de mortes em campos de trabalho durante o intervalo de 1937-38 que provavelmente foi causado por essas execuções, o total o número executado pela campanha da troika provavelmente seria de cerca de 150.000. Também houve 30.514 sentenças de morte proferidas por tribunais militares e 4.387 por tribunais regulares durante o período de 1937-38, mas, mesmo que todas essas sentenças de morte tenham sido cumpridas, o número total permanece abaixo de 200.000. Um número tão baixo parece especialmente provável, dado o fato de que as taxas agregadas de mortes por todas as causas em toda a União Soviética foram realmente mais baixas em 1937-38 do que em anos anteriores, possivelmente como resultado de cuidados de saúde universais, vacinação e melhoria dos padrões de vida. Um número tão baixo parece especialmente provável, dado o fato de que as taxas agregadas de mortes por todas as causas em toda a União Soviética foram realmente mais baixas em 1937-38 do que em anos anteriores, possivelmente como resultado de cuidados de saúde universais, vacinação e melhoria dos padrões de vida. Supondo que as cerca de 100.000 sentenças de morte passadas nos outros anos do governo Stalin (1923-1936 e 1939-53) resultaram em uma taxa de execução de 60%, conforme a amostra de Vinton, o número total executado pela União Soviética durante o período seria cerca de 250.000. Mesmo com os milhares executados entre 1917 e 1921, é plausível que o número de civis desarmados mortos entre 1917-1953 tenha atingido consideravelmente menos de um quarto de milhão, dado que milhares dessas vítimas podem ter sido soldados soviéticos, já que muitos podem ter sido bandidos armados e guerrilheiros, e dado que pelo menos 14.000 das execuções reais eram de prisioneiros de guerra estrangeiros.

  • Um diplomata dos EUA à União Soviética, George Kennan, afirmou que o número executado era realmente apenas na casa das dezenas de milhares e, portanto, é muito provável que o número real de pessoas mortas pela União Soviética ao longo de toda a sua história (incluindo os milhares de mortos no Afeganistão) é muito pequeno para o país chegar aos dez primeiros em assassinatos em massa (ao contrário dos Estados Unidos da América, mas isso é por mais um dia). Não havia dúvida de que muitas vítimas inocentes durante o expurgo de Stalin em 1937-38, mas também deve ser mencionado que há arquivos substanciais dos arquivos soviéticos de cidadãos soviéticos que defendiam ofensas traiçoeiras, como a derrubada violenta do governo soviético ou a invasão estrangeira do território soviético. União Soviética. Além disso, a União Soviética sentiu-se tão ameaçada pela subversão e invasões militares iminentes do Japão e da Alemanha (que ocorreram com força total em 1938 e 1941, respectivamente) que percebeu a necessidade de empreender uma campanha nacional para eliminar potenciais inimigos internos. Além disso, essas ameaças externas foram ainda mais alimentadas pelo fato de que a nobreza e os czaristas russos (mais de um milhão de emigraram após a revolução comunista em 1917) haviam dado ajuda financeira aos nazistas alemães na década de 1930 com o objetivo de usá-los ( depois de terem conseguido o poder na Alemanha) para ajudá-los a derrubar o governo soviético. Documentos falsificados e desinformação espalhados pela Alemanha nazista para incriminar soviéticos inocentes e patrióticos também contribuíram para a paranoia soviética. Também deve ser lembrado que o medo soviético de subversão patrocinada por estrangeiros na década de 1930 existia no contexto da guerra de guerrilha travada contra a União Soviética por alguns dos mesmos grupos de pessoas que lutaram com os invasores estrangeiros contra a União Soviética em 1918 -22 Guerra Civil Intervencionista Estrangeira. Embora os expurgos de 1937-38 tenham sido muito repressivos e trágicos em quase todas as medidas, eles podem ter ajudado a impedir que os fascistas incitassem uma rebelião ou golpe de sucesso na União Soviética. Essa ameaça era muito real, uma vez que os nazistas alemães conseguiram usar intrigas políticas, ameaças, pressão econômica e ofertas de ganhos territoriais para trazer outros países da Europa Oriental para a sua órbita, incluindo a Bulgária, a Romênia e a Hungria. Iugoslávia por um curto período de tempo, dado que a União Soviética havia sido submetida a uma guerra civil brutal de 1918-22, iniciada por rebeldes que foram apoiados por mais de um milhão de tropas invasoras estrangeiras de mais de uma dúzia de países capitalistas, uma vez que houve uma grande quantidade de sabotagem cometida por cidadãos soviéticos na década de 1930, e dado que havia um número significativo de dissidentes soviéticos que eram a favor de derrubar o governo soviético, mesmo que exigisse uma invasão da Alemanha ou de alguma outra potência estrangeira. Além disso, muitas pessoas podem ter trabalhado de forma independente para sabotar a União Soviética, na esperança de que assim contribuíssem para uma derrubada estrangeira da União Soviética, especialmente porque a Alemanha nazista fez grandes esforços para incitar revoltas, causar ações subversivas e criar etnia, conflitos na Europa Oriental e na União Soviética. Apesar do sucesso da União Soviética em derrotar as invasões subsequentes do Japão fascista (em 1938) e da Alemanha (1941-44), o perigo representado pelos espiões e sabotadores nazistas na Europa Oriental é ilustrado pelo fato de a CIA os considerar tão eficazes que adotou praticamente toda a rede nazista em seu próprio sistema de terrorismo na Europa Oriental após a Segunda Guerra Mundial.

  • Evidências dos arquivos soviéticos indicam que os funcionários responsáveis ​​pela repressão política da década de 1930 sentiram sinceramente que as vítimas eram culpadas de algum crime, como sabotagem, espionagem ou traição, e muitas das execuções do Grande Expurgo foram relatadas no soviete local, pressões de momento. Mesmo quando se provou que não havia conexão direta entre os acusados ​​e as potências estrangeiras fascistas, havia muitas vezes uma forte crença de que os suspeitos eram simpatizantes estrangeiros que estavam trabalhando por conta própria (sem orientação formal) para contribuir para a derrubada dos soviéticos. Deve-se notar também que grande parte da repressão de 1937-38, muitas vezes chamada de Grande Expurgo, foi realmente dirigida contra o banditismo generalizado e a atividade criminosa (como roubo, contrabando, uso indevido de cargos públicos para ganho pessoal e fraudes) ocorrendo na União Soviética. Além das execuções, também havia muitos presos e centenas de milhares de pessoas foram expulsas do Partido Comunista durante o Grande Expurgo por serem incompetentes, corruptas e/ou excessivamente burocráticas. Como os mitos de milhões de execuções, os contos de fadas de que Stalin prendeu dezenas de milhões de pessoas e foram jogados permanentemente em campos de prisioneiros ou de trabalho para morrer no intervalo de 1930-1953 são falsos. Em particular, os arquivos soviéticos indicam que o número de pessoas nas prisões, gulags e campos de trabalho soviéticos nas décadas de 30, 40 e 50 foi em média de 2 milhões, dos quais 20 a 40% foram libertados a cada ano. Essa média, que inclui anos desesperados da Segunda Guerra Mundial, é semelhante ao número de presos nos EUA na década de 1990 e é apenas um pouco maior como porcentagem da população. Note-se também que a taxa de mortalidade anual da população internada soviética era de cerca de 4%, o que incorpora o efeito das execuções de prisioneiros. Excluindo os desesperados anos da Segunda Guerra Mundial, a taxa de mortalidade nas prisões, gulags e campos de trabalho soviéticos era de apenas 2,5% a, abaixo da média do cidadão russo na Rússia sob o czar em tempos de paz em 1913. Essa constatação não é muito surpreendente, dado que cerca de 1/3 das pessoas confinadas não precisavam trabalhar e que a semana máxima de trabalho era de 84 horas, mesmo nos campos de trabalho soviéticos mais severos, durante o ano mais desesperado da guerra. A última semana de trabalho máxima (e incomum) na verdade se compara favoravelmente às semanas de 100 horas de trabalho que existiam mesmo para crianças de 6 anos "gratuitas" durante o tempo de paz na era dourada e na revolução industrial (gritaria aos libertários), embora possa parecer alta em comparação com o dia de 7 horas trabalhado pelo cidadão soviético típico sob Stalin.

  • Além disso, também deve ser mencionado que a maioria das prisões sob Stalin foi motivada por uma tentativa de acabar com crimes como banditismo, roubo, uso indevido de cargo público para ganho pessoal, contrabando e fraude, com menos de 10% do total. prisões durante o governo de Stalin por razões políticas ou questões policiais secretas. Os arquivos soviéticos revelam muito mais divergências políticas permitidas na União Soviética de Stalin (incluindo uma quantidade generalizada de críticas às políticas governamentais individuais e líderes locais) do que normalmente é percebido no ocidente. Dado que a polícia regular, a polícia política ou secreta, os guardas prisionais, algumas tropas da guarda nacional e bombeiros (que estavam no mesmo ministério que a polícia) representavam apenas 0,2% da população soviética sob Stalin, uma repressão severa teria sido impossível mesmo que a União Soviética quisesse exercê-la. Em comparação, hoje os EUA têm muitas vezes mais policiais como porcentagem da população (cerca de 1%), sem mencionar guardas prisionais, tropas da guarda nacional e bombeiros incluídos nos números usados ​​para calcular a proporção bem menor de 0,2% para a União Soviética. De qualquer forma, é possível que os países comunistas da Europa Oriental se tornem politicamente menos repressivos e mais democráticos (especialmente ao longo do tempo), se não houvesse esforços abertos e encobertos pelas potências capitalistas para derrubar seus governos, incluindo a subversão conduzida na URSS, nos anos 80, que o governo dos EUA admitiu nos anos 90. Esses esforços de subversão violenta foram inicialmente realizados principalmente pelos britânicos (antes da Segunda Guerra Mundial) e depois mais tarde pelos EUA através da CIA, que conseguiu derrubar violentamente um governo comunista muito democrático no Chile em 1973. Se os comunistas tivessem sido verdadeiramente tão maus e ditatoriais quanto retratada na imprensa capitalista, a revolução pacífica de 1989 na Europa Oriental (com virtualmente nenhuma morte relacionada exceto na Romênia) nunca poderia ter ocorrido.

Referências

a: Getty, Ritterspom, and Zemskov, “Victims of the Soviet Penal System in the Pre-War Years: A First Approach on the Basis of Archival Evidence”




b: Hellmut Andics, “Rule of Terror”

c: Louisa Vinton, “The Katyn Documents: Politics and History.”

d: Amy Knight, “Beria, Stalin’s First Lieutenant”

e: Robert Thurston, “Life and Terror in Stalin s Russia”

f: Stephen Wheatcroft, “More Light on the Scale of Repression and Excess Mortality in the Soviet Union in the 1930s”

g: J. W. Smith, “Economic Democracy: The Political Struggle of the 21st Century”

h: Marshall Miller, “Bulgaria during the Second World War”

i: Sarah Davies, “Popular Opinion in Stalin’s Russia”

j: Leslie Feinberg, “The Class Character of German Fascism”

k: Christopher Andrew and Oleg Gordievsky “KGB: The Inside Story”

l: Von Schnitzler, “Der Rote Kana”

m: John Arch Getty, “Origins of the Great Purges”

n: Edwin Bacon, “The Gulag at War: Stalin’s Forced Labour System in the Light of the Archives”

o: R. J. Rummel, “Lethal Politics”

p: Marx and Engels, “Das Kapital”


0 visualização

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com