Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Stálin e a Farsa do "Testamento" de Lênin Parte 2

Atualizado: 2 de mai.




O Texto Abaixo é um complemento do capitulo 1 da obra de Grover Furr "Khrushchev Mentiu". A maior parte das evidências de Furr não são trabalhadas no texto. Por isto, pedimos a todos que colaborem com o Catarse da obra, pois nosso esforço tem sido imensurável para servir vossos camaradas com munições contra o anticomunismo. O link do catarse é este: https://www.catarse.me/furr Formato pdf:

Stalin e a luta contra o culto a personalidade e farsa do Testamento de Lênin
.pdf
Download PDF • 558KB

Por Klaus Scarmeloto


A escalada de Stálin ao Poder no Decorrer da Doença de Lênin

“A fim de assegurar o curso da nova política econômica, o mecanismo do poder político teve que ser reorganizado de acordo” [[1]. Assim, fazia-se necessário, novos rumos na URSS para aplicação da chamada Nova política Econômica.


A NEP (em russo: НЭП), acrónimo de Novaya Ekonomiceskaya Politika (em português: Nova Política Econômica) foi a política econômica traçadana União Soviética entre o fim do comunismo de guerra (praticado durante a guerra civil) em 1921 e o inicio da coletivização e da renacionalização dos meios de produção em 1928. Em linhas gerais, passou pela reentrega das pequenas explorações agrícolas, industriais e comerciais à iniciativa privada, tentando, assim, desesperadamente, fazer a nascente União Soviética sair da grave crise em que se achava mergulhada.[2]


A Nova Política Econômica (NEP) trouxe de volta algumas características do capitalismo para estimular a recém-criada economia soviética. Neste sentido, o Partido Comunista da União Soviética e o governo dos sovietes visavam reconstruir a economia russa arrasada pela destruição do sistema de mercado ocasionado pela anterior guerra civil. A NEP, segundo Lenin, consistia num recuo tático, caracterizado pelo restabelecimento da livre iniciativa e da pequena propriedade privada, admitindo o apoio de financiamentos estrangeiros. Lenin teria dito: "Um passo atrás para dar dois à frente".


Este recuo tático era necessário e foi visto como uma flexibilização. "A flexibilidade era agora necessária ao máximo, para esta manobra de adaptação, a maior firmeza do aparelho do Estado era exigida"[454][3]. O que era necessário “era um sistema de administração que, por trás da enchente de assuntos correntes, não permitisse que a perspectiva de desenvolvimento das forças produtivas nacionais se perdesse[455]”[4]. Como era de costume, Trotsky vacilou em apoiar a nova política econômica. “Trotsky se interpôs no caminho desta reforma. Ele insistiu em sua versão da reorganização do sistema de gestão, cuja implementação significou efetivamente tirar o verdadeiro poder econômico, e portanto político, de Lênin e do Comitê Central do Partido”[5]. Para todos “Ficou claro que o desenvolvimento e a implementação da nova política econômica aconteceria em uma atmosfera de aguda luta política com Trotsky”. Pensando nisso, “então Lênin, ao reorganizar o sistema de governo, procurou simultaneamente fortalecer a posição política de seus apoiadores nas estruturas de poder do Partido e do Estado”[6].

Logo, para o bem do país “O novo sistema também tinha que levar em conta as realidades da época”[7]. Neste contexto duas questões se colocam. “Em primeiro lugar, a crescente doença de Lenin, que de fato encabeçou todo o sistema de poder, e em segundo lugar, a luta política no campo da NEP com Trotsky, que ofereceu tanto sua versão do NEP quanto uma versão correspondente da organização da governança”[8].


Infelizmente, Lênin não duraria muito para ajudar a guiar o período em tela. “A saúde de Lenin começou a se deteriorar visivelmente a partir do final de 1920, dificultando cada vez mais sua atividade política. Já durante a discussão sobre sindicatos, ele foi forçado a passar uma parte significativa de seu tempo fora da cidade”[9]. Sua baixa saúde deixava seus dias contados. “A capacidade de trabalho permaneceu limitada em fevereiro-março de 1921 [456]. Ele também se sentiu mal durante o 10º Congresso do RCP (b)”[10]. Infelizmente, “Uma nova e mais severa exacerbação da doença começou em Lenin em meados de 1921”[11]. A partir dessa época, ele começou a estabelecer um regime especial de trabalho, descanso e tratamento, que não era considerado um problema apenas concernente a Lenin pessoalmente, mas como uma questão política importante que afeta os interesses de todo o partido”[12]. No decorrer do meio do ano “em junho — meados de agosto, o Politburo concedeu licença a Lenin e limitou seu trabalho [457]”[13]. Essas medidas, aparentemente, não ajudaram muito. Em agosto de 1921, devido ao agravamento da doença de Lenin, os médicos, ainda sem compreender suas causas, nenhum personagem, mais uma vez recomendou que ele recebesse férias”[14]. [458]Sendo assim, “em 9 de agosto, na presença de Lênin, o Plenário do Comitê Central do RCP (Bolcheviques) decidiu: “Obrigar o camarada Lênin a continuar as férias na hora exata e nas condições indicadas pelos médicos (Prof. Guetier), com a participação do camarada Lênin nas reuniões (soviéticas e partidárias), bem como sobre os trabalhos para os quais haverá um consentimento formal prévio do Secretariado do Comitê Central ”[15][459]. Posteriormente, o revolucionário Lênin “estava bem ciente de sua condição, da necessidade de descansar e transferir para assistentes parte do trabalho que ele mesmo havia feito anteriormente”[16]. Ele, ciente de todo o problema, escreveu para A.M. Gorky: “Estou tão cansado que não consigo fazer nada” [460]. Voltando ao trabalho, Lênin logo voltou a sentir crises de doença, manifestadas por fortes dores de cabeça, insônia constante e diminuição da eficiência. Então setembro e meio de outubro se passaram”[17].


No início de dezembro, mesmo o trabalho limitado tornou-se completamente impossível. “A partir de então, a doença de Lenin tornou-se um fator político importante na vida do partido e do Estado”[18]. Em 5 de dezembro, “Lenin, a conselho de médicos, dirigiu-se ao Politburo com um pedido de licença para tratamento. Em 3 de dezembro, o Politburo concedeu-lhe uma licença entre 2 e 17 de dezembro por um período de 10 dias, ao mesmo tempo que confiou a presidência do SNK durante a ausência de Lenin ao seu vice para o STO A.D. Tsurupu”[19] [462]. Ao fim do ano “em 6 de dezembro, Lenin partiu para Gorki e, em 8 de dezembro de 1921, o Politburo adotou uma resolução”[20] sobre o assunto. A resolução dizia o seguinte:


“Reconhecer a necessidade de observar o repouso absoluto do camarada Lenin e proibir o seu secretariado de lhe enviar quaisquer documentos para que o camarada Lenin pudesse proferir um breve discurso (pelo menos meia hora) no Congresso dos Sovietes”[21] [463]. Com a saúde em piora “Lênin ficou em Gorki até 13 de janeiro de 1922 (em 16 de dezembro foi novamente forçado a pedir uma prorrogação de suas férias por até duas semanas)”[22] [464]. Infelizmente, “o descanso adicional não trouxe nenhuma melhora. A impossibilidade de participar ativamente dos trabalhos do IX Congresso dos Sovietes e dos atuais trabalhos do Politburo e do Conselho dos Comissários do Povo o oprimia profundamente”[23]. Ainda ao fim do ano “em 31 de dezembro de 1921, o Politburo concede-lhe "6 semanas de licença, com a proibição de vir a Moscou para trabalhar sem a permissão do Secretariado do Comitê Central" e limite do tempo de contatos de trabalho por telefone "em as questões mais importantes "a uma hora por dia”[24] ...Segundo vossa irmã M.I. Ulyanova, “Lenin naquela época era "sombrio, cansado ... sentia-se tão mal que era assustador”[25][465]. A capacidade de trabalho foi diminuindo, não houve melhora, aliás, começou o desmaio. Ele vinha a Moscou apenas para reuniões do Politburo e algumas outras reuniões importantes. Em 31 de janeiro, ele não pôde mais comparecer à reunião do Politburo [466]. Fevereiro também não trouxe alívio. Seu estado de saúde era imprevisível. “Numa carta a Kamenev e Stalin em 21 de fevereiro, ele escreveu: "Hoje, depois de uma bela noite, estou completamente doente" [467]. Nessas condições, em 23 de fevereiro de 1922, o Politburo prorrogou a licença de Lenin até o congresso do partido [468]”[26]. Neste contexto triste, “em 23 de fevereiro de 1922, o Politburo prorrogou a licença de Lenin até o congresso do partido [468]”[27].


Importantes eventos estavam para acontecer. “O congresso se aproximava, vários dos problemas políticos e organizacionais mais complicados tinham de ser resolvidos e a doença cada vez mais limitava a capacidade de Lenin de participar sistematicamente nos assuntos administrativos”[28]. Lênin “teve que se recusar a se encontrar com altos funcionários do Partido e do Estado, mesmo para discutir as questões mais importantes: ele mal conseguia suportar conversas e reuniões”[29]. A diminuição da capacidade física e mental era uma realidade. Cada vez mais, eles tiveram que ser apoiados por Lênin com notas curtas” [469]. Segundo o próprio Lenin, “o principal fator que pesava ultimamente era a impossibilidade de ler da maneira como lia antes. Isso tornava impossível acompanhar as informações e "tirar delas constantemente todas as conclusões necessárias”[30]. No passado, para Lênin, “era fácil para ele, não causando-lhe qualquer excitação emocional e nunca exigindo dele uma quantidade de tempo que não fosse suficiente para todas as outras questões exigidas”[31]. Infelizmente isto estava cada vez mais difícil: “no momento em que ele tentava trabalhar como de costume fortes dores de cabeça o afetavam”[32]. Não só este problema o afetava, a situação foi agravada pela insônia, assim ele se explicava: “O sono geralmente é ruim, mas ultimamente, quando tem que trabalhar muito, às vezes fico completamente sem sono”[33]. Sabemos que “uma noite condenada à insônia é realmente uma coisa terrível, quando pela manhã o enformo acorda tem que estar pronto para o trabalho, mas não há energia”[34][470]. Em 6 de março, “falando no Congresso Pan-Russo de Metalúrgicos com um relatório sobre a situação internacional e interna na república soviética, Lenin admitiu publicamente: “Minha doença ... por vários meses não me deu a oportunidade de participar diretamente de assuntos políticos e não me permite de forma alguma cumprir meu posto soviético, em que sou colocado”[35][471]. Infelizmente, “as estatísticas da sua participação nos trabalhos do Conselho de Comissários do Povo e da SRT [472] também falam de uma diminuição significativa da sua capacidade de trabalho”[36].


É significativo verificar que “em 2 de março de 1922”, escreve o Professor Osipov, “começaram esses fenômenos que atraíram a atenção de outras pessoas”: perda de consciência de curto prazo com dormência do lado direito do corpo e braço, acompanhada de distúrbios da fala, como resultado das quais ele perdeu a capacidade de “expressar livremente os seus pensamentos”[37] [473]. Nesse período, “Lenin escreveu para E.S. Varge: “Estou doente. Estou completamente incapaz de aceitar qualquer trabalho ”[38][474].


Então os médicos explicaram como antes — que era necessário diminuir o excesso de trabalho. “Daí suas recomendações: descanso constante... E limite a quantidade de trabalho”[39], etc. “Com esse diagnóstico, Lenin partiu para a aldeia de Kostino, que fica perto da aldeia de Troitse-Lykovo. Aqui viveu de 6 a 25 de março de 1922, preparando-se para o XI Congresso do Partido [475]”[40]. Com o tempo, “Lenin não se entregava mais a esperanças de recuperação, tinha certeza de que os médicos nada podiam fazer para ajudá-lo e, perdendo a fé nos médicos, acreditava que eles estavam “escondendo dele a verdadeira essência de sua doença”, que ele “Não iria recuperar ... se tivesse a certeza de que lhe acontecerá paralisia”[41] [476].


Após refletir que infelizmente não haveria mais melhora, a única pessoa em que Lênin pensava para que o futuro do país estivesse seguro era Stálin, essa é uma das conclusões de Sakharov e uma das razões pelo qual no período de doença ele o encontrava constantemente.


“Não é surpreendente que Lenin começou a pensar sobre seu futuro político. Seu pensamento seguia em duas direções: como "superar" a doença e como garantir o futuro da revolução — uma causa à qual toda a sua vida era devotada. Em ambos os planos, ele vinculou seus cálculos a Stalin”[42].


Segundo Maria Ulianova depois, não se sabe como “Vladimir Ilyich chegou à conclusão de que teria paralisia, mas muito antes de 25 de maio [1922], quando teve os primeiros sinais óbvios de uma doença cerebral, ele conversou sobre isso com Stalin, perguntando sobre o caso, dê-lhe veneno, já que sua existência não terá sentido”. Stalin, sem muito ânimo para cumprir essa promessa, “prometeu a Vladimir Ilyich atender seu pedido, se necessário, reagindo, ao que parece, com bastante ceticismo que isso poderia acontecer e se perguntando de onde Vladimir Ilyich poderia ter tais pensamentos”[43][477]. O Professor L.O. Darkshevich. “escreveu que, em 4 de março, Lênin confessou-lhe que “nos últimos meses passou por uma condição muito difícil, até que perdeu completamente a capacidade de trabalhar intelectualmente na direção em que sempre havia trabalhado”[44]. Ele mesmo, “decidiu positivamente que a perda da capacidade de trabalho é uma coisa irreparável”, que “não poderia mais continuar trabalhando como antes; não é apenas difícil para ele trabalhar para o partido, mas também trabalhar para si mesmo sozinho, ser responsável por seus desígnios tornava-se além de seu poder”[45].“Não voltarei a ser trabalhador, de jeito nenhum”, concluiu Lenin. Segundo o que, escreveu Darkshevich, “Lênin está perto da ideia de que não trabalhará mais da maneira como trabalhava antes (...), terá de entregar o seu posto a alguém”(grifo nosso. - V. S). Lenin também disse a outros médicos que estava “inclinado a pensar que sua obra teria de ser continuado por outras pessoas”[46] [478].


Foi nestas condições que Lenin teve a ideia de um sucessor. “Mas esse problema não pode ser entendido de forma simplista. No quadro do sistema político existente, da luta política que nele ocorria, bem como das tradições políticas dos bolcheviques, Lenin não poderia indicar diretamente seu sucessor”[47]. Por isto, “a única coisa que ele realmente poderia fazer era fornecer a esse sucessor em potencial uma forte posição política que lhe permitisse seguir a linha que Lenin considerava necessária para a revolução”[48].


No decorrer da aproximação do próximo congresso do partido “o estado de saúde de Lênin não melhorava, e essa circunstância só poderia fortalecê-lo nesses pensamentos”[49]. Naquele ano de 1922 “em 22 de março, ele escreveu uma carta a Molotov para o Plenário do Comitê Central, na qual delineou seu plano para o relatório político do Comitê Central no Décimo Primeiro Congresso e pede para ser dispensado da participação no plenário por motivo de doença (e não vou dominar a reunião do plenário e o relatório do Congresso "), embora ele expresse total disponibilidade para vir ao Plenário para esclarecer o relatório”[50]. Ele conclui sua carta com um pedido: "Peço ao Plenário do Comitê Central que designe um relator adicional do Comitê Central, porque meu relatório é muito geral, então não estou absolutamente certo de que posso fazê-lo e, o mais importante, já estou atrasado em relação ao trabalho atual do Politburo há meses"[51][479]. Por motivos de saúde, “Lenin não pôde comparecer nem mesmo ao último Plenário do Comitê Central antes do Congresso”[52].


Assim, Lenin “foi extremamente vago sobre retornar ao trabalho nessa época [480].Nessas condições, Lenin começou a formar um sistema de governança política no qual, apesar de sua limitada capacidade de trabalho, ele teria mantido posições-chave que, pelo menos, forneceriam uma orientação geral para o trabalho atual e a capacidade de influenciar decisivamente a formação de políticas”[53].


Stálin e o envenenamento de Lênin


O Mito mais frequente sobre a morte de Lênin é o seu assassinato por parte de Stálin. “Soubemos que Stálin foi o visitante mais frequente de Lênin no período de sua doença em comparação com os outros líderes partidários. Lênin recorreu a Stalin para obter ajuda quando chegou à decisão de que, caso ficasse paralisado, desejava terminar sua vida consumindo cianeto de potássio”[54]. Assim, sem sombra de dúvidas, “O relato de Maria Ulyanova sobre este assunto é de grande valor, pois responde à acusação escandalosa lançada por Trotsky de que Stálin havia providenciado a administração de veneno a Lênin. (L. Trotsky, 'Stalin', Vol. 2, Londres, 1969, p. 199)”[55]. A narração, portanto, “é de maior valor para combater a noção assiduamente fomentada no ocidente de que Trotsky estava de alguma forma mais próximo de Lênin e, de fato, o 'herdeiro' de Lênin e do Leninismo”[56].


Não só o depoimento de Maria, desmente esta questão: “Em 17 de março de 1923, dia em que Semashko e os médicos assinaram o boletim, ratificado pelo Comitê Central e descrevendo a condição de Lenin como "boa", Stalin, como secretário-geral, escreveu uma nota ao Politburo na qual informava que Lenin estava solicitando uma dose letal de cianeto de potássio”[57]. Krupskaya estava "insistindo teimosamente que o pedido de Lenin não deveria ser recusado". Ela até "tentou dar a ele ela mesma, mas perdeu a coragem", e foi por isso que pediu a ajuda de Stalin. Stalin concluiu dizendo que, embora acreditasse que dar cianeto a Lenin seria "uma missão humana", ele próprio seria incapaz de realizá-la”[58].


Também fala contra esta versão de Trotsky os Especialistas médicos que trabalharam com Lênin ou em seu caso bem como historiadores.


“Academician B.V. Petrovsky, que estudou a história da doença de Lenin como médico, escreveu: “Não consigo entender como é possível publicar essas conjecturas quando a própria história de V.I. Lênin, os protocolos autênticos da autópsia de seu corpo e estudos microscópicos determinam com absoluta precisão o diagnóstico da doença... Todos os sintomas clínicos desta tragédia, observados por cientistas médicos soviéticos e estrangeiros ao lado do leito do paciente, confirmam isso. Não se pode falar de envenenamento ”[146]. Acadêmico Yu.M. Lopukhin, que estudou a história médica e as causas da morte de Lênin, nem mesmo menciona a versão do envenenamento: a julgar pela lógica de sua apresentação, não a considera grave [147]. Os historiadores também contestam a versão de Trotsky. Por exemplo, L. Fischer dedicou um suplemento especial a seu livro [148] para refutar esta versão. Não estou inclinado a acreditar em Trotsky e E.S. Radzinsky, contrasta seu raciocínio com o depoimento dos doutores V. Osipov e S. Dobrogaev, que apontaram definitivamente a grave esclerose dos vasos cerebrais como causa da morte de Lenin, que “estavam tão calcificados que ao serem abertos bateram na porta com pinças de metal, como se fossem de pedra ”[149].[59]

Volkogonov, um reacionário, que faria qualquer coisa para difamar Stálin, não consegue encontrar evidências para apoiar a acusação de Trotsky. Maria escreveu em suas memórias dos últimos seis meses de Lenin que:


“No inverno de 1920-21 e depois de 1921-22 Ilich piorou muito. Dores de cabeça e incapacidade de trabalhar o perturbavam profundamente. Não me lembro exatamente quando, mas em algum momento durante esse período, Ilich disse a Stalin que provavelmente acabaria paralisado, e ele recebeu a palavra de Stalin de que, nesse caso, o ajudaria a obter um pouco de cianeto de potássio. Stálin prometeu…”
Ela volta a esse tópico em outro lugar:
“Lênin fez o mesmo pedido a Stalin em maio de 1922, após seu primeiro derrame. Lenin decidiu que estava acabado e pediu a Stalin que o procurasse pelo menor tempo possível. Ele foi tão insistente que foi decidido que ele deveria ser indulgente. Stalin ficou literalmente não mais que cinco minutos. E quando ele saiu, ele disse a mim e a Bukharin que Lenin havia lhe pedido para pegar um pouco de veneno, pois havia chegado a hora de cumprir sua promessa anterior. Stalin prometeu, eles se abraçaram e Stalin partiu. Mas então, depois de discutirmos juntos, decidimos que deveríamos dar coragem a Lenin, então Stalin voltou a Lenin novamente e disse a ele que, depois de conversar com os médicos, ele estava convencido de que ainda não estava tudo perdido. Lenin ficou visivelmente aplaudido e concordou. As memórias de Maria, embora nem sempre corretas, deixam claro que o pensamento de suicídio estava na mente de Lênin desde o momento em que a doença o atingiu.[60]

Indo aos documentos de Moscou abertos nos anos 80-90 a conclusão é basicamente a mesma e sem qualquer diferença.


Os arquivos, no entanto, guardam um documento mais confiável – uma carta “estritamente secreta” de Stalin ao Politburo, datada de 21 de março de 1923: “No sábado, 17 de março, no mais estrito sigilo, a camarada Krupskaya me contou sobre 'o pedido de Vladimir Ilitch a Stalin', a saber, que eu, Stalin, deveria assumir a responsabilidade de encontrar e administrar a Lenin uma dose de cianeto de potássio. Em nossa conversa, Krupskaya disse, entre outras coisas, que 'Vladimir Ilitch está sofrendo inacreditavelmente', que 'continuar vivendo é impensável', e ela teimosamente insistiu que eu 'não recuse o pedido de Ilitch', em vista da insistência de Krupskaya e também porque Ilitch estava exigindo minha concordância (Lenin ligou duas vezes para Krupskaya para ir até ele durante minha conversa com ela em seu escritório, onde estávamos conversando, e emocionalmente pediu o 'acordo de Stalin', fazendo com que interrompemos nossa conversa duas vezes), senti isso impossível recusá-lo, e declarou: "Gostaria que Vladimir Ilitch ficasse tranquilo e acreditasse que, quando for necessário, atenderei sua demanda sem hesitação." Ilitch ficou realmente tranquilo. Devo, no entanto, declarar que não tenho forças para cumprir o pedido de Ilitch e tenho que recusar esta missão, por mais humana e necessária que seja, e por isso comunico isso aos membros do Politburo. As reações do Politburo foram resumidas em uma resolução informal: “Eu li. Proponho que a “indecisão” de Stalin está correta. Deve haver uma troca de opinião estritamente entre os membros do Politburo. Sem secretários (administrativos). Assinado Tomsky, Zinoviev, Molotov, Bukharin, Trotsky, Kamenev. [61]

Radzinsky afirma que Stálin sabia que se cumprisse o pedido de Lênin isto seria usado contra ele no futuro e, portanto, achou por bem jamais fazer o procedimento para envenenar Lênin.


Stalin recebeu um pedido que imediatamente relatou por escrito aos membros do Politburo. Em 17 de março, Krupskaya, “no mais estrito sigilo… comunicou-me o pedido de Lenin para obter e repassar a ele uma quantidade de cianeto de potássio…. Krupskaya disse que o sofrimento de Lenin era inacreditável…. Devo declarar que não tenho forças para cumprir o pedido e sou obrigado a recusar esta missão… e por meio deste informar o Orgbureau em conformidade.” O infeliz Líder [Lenin] agora mal conseguia pensar. A própria Krupskaya estava tentando realizar seu desejo anterior e poupá-lo de mais sofrimento. Na verdade, Stalin informou a seus amigos do triunvirato, Zinoviev e Kamenev, que “Krupskaya disse... que ela 'tentou dar-lhe cianeto', mas 'não conseguiu', e por isso estava 'pedindo o apoio de Stalin'. ” Mas Stalin era um conhecedor de caráter. Ele sabia que seus parceiros posteriormente o acusariam. Não, Lenin deve obedecer morrendo sem ajuda. Os membros do Politburo naturalmente aprovaram sua decisão. Então agora suas mãos estavam limpas.[62]

Radzinsky também alça depoimentos médicos que são da mesma origem dos de Sakharov. Com base nestes depoimentos ele desmente Trotsky e o movimento trotskysta.


Trotsky mais tarde falaria do “veneno de Stalin”. Mas isso é irrelevante. O professor V. Shklovsky, filho do médico iminente M. Shklovsky, encontrou nos registros de seu pai o testemunho [originalmente destinado a ser destruído] de V. Osipov, um dos médicos seniores que atendem Lenin, e um fonoaudiólogo S. Dobrogayev. Lemos em particular que “o diagnóstico final descarta as histórias do caráter sifilítico da doença de Lenin, ou do envenenamento por arsênico. Era aterosclerose, afetando principalmente os vasos sanguíneos cerebrais. O depósito de cálcio era tão espesso que durante a dissecação as pinças faziam um barulho como se estivessem batendo na pedra. Os pais de Lenin também morreram dessa doença.” Mas a história de que Lenin foi envenenado nunca morreria[63].

O Mesmo caminho percorreu McNeal, do qual já sabemos que em nada agrada a defesa de Stálin.


Esta ilusão foi utilizada por vários escritores, Trotsky o mais eminente, que argumentaram que Stalin assassinou Lenin. Lênin não estava tão mal, eles sustentam, então não é estranho que ele tenha morrido tão repentinamente? Pela natureza das coisas, a inocência de Stalin não pode ser provada e, na história, ao contrário de alguns sistemas judiciais, não pode ser presumida. Mas força a imaginação acreditar que o relato oficial da esclerose arterial de Lenin foi fabricado. Além disso, a impressão geral das táticas de Stalin em todo esse período, aproximadamente 1922-28, é que ele considerava que o tempo estava do seu lado e era notavelmente paciente em esperar para ver se os acontecimentos se desenrolariam a seu favor. É improvável que no início de 1924 ele temesse que Lenin pudesse reviver e causar problemas.[64]

Stalin não queria ser o Supervisor da Saúde de Lênin no Partido

Depois da inesquecível conversa telefônica com Krupskaya, “Stalin não a incomodou mais; ele simplesmente a ignorou”[65]. Evidentemente "agora certo de que Lenin não se recuperaria, ele estava achando suas responsabilidades onerosas”. No decorrer de “1º de fevereiro de 1923, ele leu uma declaração ao Politburo, pedindo para ser dispensado de ter 'que observar que o regime estabelecido pelos médicos para o camarada Stalin é executado”[66]. No entanto, “A resposta foi um 'não' unânime”[67]. Devido aos óbvios problemas de saúde já imensamente tratados pelas citações da obra de Sakharov, algumas decisões foram deliberadas pelo partido:


Em 24 de dezembro de 1922, um comitê do Politburo composto por Stalin, Kamenev e Bukharin realizou uma conferência com os médicos. Foi decidido que “Vladimir Ilyich tem o direito de ditar todos os dias por 5 ou 10 minutos, mas isso não pode ter o caráter de correspondência e Vladimir Ilyich pode não esperar receber respostas. Ele é proibido de visitantes [políticos]. Amigos ou aqueles ao seu redor podem não informá-lo sobre assuntos políticos”. Stalin foi delegado como homem de ligação do Politburo com os médicos, na verdade o guardião de Lenin. Quando esses detalhes foram finamente publicados na Rússia em 1963, era claro que a intenção do regime de Khrushchev era lançar luz desfavorável sobre Stalin. No entanto, como no caso de muitas dessas revelações, a história reflete mais descrédito em seus colegas do que em Stálin. Ele não havia buscado essa missão e, na verdade, tentou em pelo menos uma ocasião abandoná-la. Estava destinado a aumentar a já crescente antipatia e suspeita de Lenin por Stalin, quase inevitavelmente envolveria Stalin com a família de Lenin. (...) Mas deve ter ficado claro que o velho [Lenin] estava tramando alguma coisa, fazendo com que sua esposa e secretários contrabandeassem para ele materiais e notícias “proibidos” do Partido, ditando a eles não apenas altas reflexões históricas, como seria de um líder moribundo, mas escandalosas peças subversivas destinadas a desordenar o Partido.
Stalin não parava de ligar para as pobres mulheres, perguntando quem estava dizendo essas coisas a Vladimir Ilitch, lembrando-lhes que estavam sujeitas à disciplina do Partido e que era melhor vigiar seus passos. Após uma dessas ligações, em 23 de dezembro, Krupskaya apelou para seus amigos Kamenev e Zinoviev para protegê-la de “injúrias e ameaças”. Mas quando eles protestaram levemente com Stalin, ele declarou que renunciaria ao cargo – deixar que outra pessoa lidasse com Lênin [68].

Após críticas Stalin Tentou Renunciar Várias Vezes

As evidências demonstram que Stalin deve ter se sentido surpreso e magoado com o comportamento de Lenin nos meses em que aconteceu a briga com Krupskaya. É evidente tal fato pelo depoimento de Maria Ulianova que já trabalhamos em partes.


Stalin ainda não sabia nada sobre a chamada carta “Testamento” que ainda era mantido em segredo, mas tinha sido informado da hostilidade pessoal de Lenin com a carta que ele o enviou obrigando Stálin a uma retratação.


Stálin serviu Lênin e a causa bolchevique lealmente por 20 anos; ele trabalhou de perto com ele como membro do Comitê Central por 10 anos. Em algumas ocasiões ele expressou desacordo, e durante a Guerra Civil, quando eles estiveram sob pressões insuportáveis, ele mostrou mau humor, assim como Trotsky e outros. Lenin não havia proferido recriminações. O relacionamento deles sempre foi baseado na confiança e devoção à causa e ele nunca conspirou para desalojá-lo ou minar sua autoridade. A recompensa por essa lealdade foi uma campanha viciosa para destruir sua posição no partido. Stalin só pode ter visto isso como uma terrível traição. Certamente ele não respondeu então ou depois com hostilidade ou ressentimento. De fato, sua atitude em relação a Lenin foi expressa com precisão em sua palestra na Academia Militar do Kremlin em 28 de janeiro de 1924. Embora cuidadosamente planejado para mostrá-lo como o sucessor natural, esse discurso enfatizava as qualidades do grande líder, “o águia da montanha.” O Lenin que se voltou contra ele era um homem doente e moribundo. No entanto, Stalin tinha uma memória tenaz, e essa traição de seu antigo líder provavelmente contribuiu para o crescimento canceroso da suspeita e desconfiança dos outros, o que iria distorcer sua perspectiva nos próximos anos. Embora cuidadosamente planejado para mostrá-lo como o sucessor natural, esse discurso havia enfatizado as qualidades do grande líder, “a águia da montanha”.[69]

Diversas referências dão conta de explicar que, inúmeras vezes, Stálin tentou renunciar. Mas, é preciso que fique claro: na Rússia e na URSS, era de extremo mal tom não aceitar uma promoção, votação ou deliberação coletiva. Por isto, o comitê central nunca aprovou as renúncias de Stálin e ele, por consequência, nunca insistiu nisso dado que todos eram contra.


“Tão jovem Joseph – Sosso, eles o chamavam…. Lenin criticou Stalin. Stalin disse isso três anos atrás em um Congresso aberto do Partido Comunista, e disse calmamente: “Eu lhe disse então e repeti agora, que estou pronto para me aposentar, se você desejar”[70]


Apenas ocasionalmente ele permitia que seu ressentimento transparecesse. Em novembro de 1919, ele tentou renunciar ao cargo de presidente do Conselho Revolucionário-Militar da Frente Sul. Lenin, alarmado, apressou-se a obter uma decisão do Politburo para implorar-lhe que reconsiderasse. Stalin era útil demais para ser descartado[71].

Quando o testamento de Lênin se tornou propriedade pública por ter sido difundido furtivamente pelo boca-a-boca, Stálin apresentou sua demissão[72]... Por quase um ano, enquanto viveu, Lenin não fez nada com sua declaração e foi somente após sua morte que ela foi apresentada ao Partido. Quando foi apresentado, Stalin ofereceu sua renúncia, mas o Partido, incluindo Trotsky, não a aceitou[73], e o Comitê Central se recusou a aceitar sua renúncia[74].


Segundo Gray, “Deve ter sido um alívio para ele [Stalin] quando foi decidido que o Congresso seria contornado e as notas não seriam publicadas. No entanto, quando o Comitê Central recém-eleito se reuniu, ele ofereceu sua renúncia”[75]. Assim, “ele provavelmente estava confiante de que aqueles que ele havia selecionado cuidadosamente para a eleição não o aceitariam. De qualquer forma, o comitê, incluindo Trotsky, votou por unanimidade para não aceitar sua renúncia”[76]. Ludiwig conclui: Com base no testamento de Lenin, ele [Stalin] apresentou sua renúncia, mas foi novamente eleito como chefe do Partido[77]….


Um livro de documentos que foram desclassificados e abertos após a queda da URSS, sobre este assunto diz: “É um fato bem conhecido que Stalin muitas vezes (começando na década de 1920) levantou a questão da demissão da pesada carga de trabalho de suas responsabilidades no partido e no governo. Seus pedidos sempre não foram aceitos e ele foi instado por unanimidade por todos a permanecer em sua posição como chefe do partido e seu posto como líder da União Soviética”[78].


Duranty também afirma: “Lenin acrescentou: “Ele [Stalin] é muito ávido por poder e sua ambição é perigosa”. Stálin repetiu isso ele mesmo no Congresso aberto do Partido Comunista, e disse calmamente: “Eu disse a você então repito agora, que estou pronto para me aposentar se desejarem”[79].


Do mesmo modo “Na reunião de um grupo de líderes do partido no Cáucaso, Zinoviev falou da necessidade de se proteger contra o poder do Secretariado. Quando Stalin soube desse discurso, imediatamente se ofereceu para renunciar. A oferta foi recusada, pois eles não podiam viver sem ele”[80].


Esta situação acima ocorreu em 1924, no Plenário do Comitê Central de Janeiro de 1924. A crítica de Stalin a Kamenev foi condenada em uma reunião do Politburo como pouco camarada e imprecisa sobre a verdadeira posição de Kamenev. Stalin imediatamente se ofereceu para renunciar. Esta era a segunda vez que o fazia como secretário-geral, embora não fosse a última. Mais uma vez sua oferta foi recusada, e por ninguém menos que Kamenev, apoiado por Zinoviev[81].


Zinoviev convocou uma reunião informal de vários colegas de férias, no cenário conspiratório de uma caverna perto do balneário caucasiano de Kislovodsk, e garantiu um acordo para um plano para restringir os poderes de Stalin.
Quando a carta com suas propostas chegou a Stalin, ele reagiu indo pessoalmente a Kislovodsk e propondo que Zinoviev, Trotsky e Bukharin, como membros do Politburo, recebessem assentos no Orgburo e vissem a “máquina de Stalin” por dentro. Ao mesmo tempo, ele se ofereceu para renunciar: “Se os camaradas persistissem em seu plano, eu estava preparado para sair sem nenhum barulho e sem nenhuma discussão, aberta ou secreta”. Zinoviev, no entanto, aproveitou a oferta de Stalin para participar das reuniões do Orgburo apenas uma ou duas vezes, enquanto Trotsky e Bukharin não compareceram. Quanto à sua oferta de renúncia, Stalin sabia muito bem que, se residisse, deixaria o caminho livre para Trotsky reivindicar a sucessão de Lenin.[82] [83].

“O 13º Congresso do Partido aconteceu em junho de 1924 e pouco depois em uma sessão plenária do Comitê Central; Stalin implorou para ser dispensado de suas funções. Trotsky, Kamenev e Zinoviev e todos os delegados dos partidos locais pediram que ele ficasse. Assim ele permaneceu pela vontade do Partido”[84]. No ano seguinte, Stalin repetiu esse gesto, sabendo muito bem que não aceitaria sua palavra.[85] [86].


A saúde de Stálin nesse período não andava nada bem segundo o relato do historiador R. Service.


Sua saúde também era precária. Sentindo-se humilhado, Stalin seguiu seu curso habitual: pediu dispensa de suas funções. Em uma carta ao Comitê Central em 19 de agosto de 1924, ele alegou que o trabalho “honroso e sincero” com Zinoviev e Kamenev não era mais possível. O que ele precisava, ele afirmou, era um período de convalescença. Mas ele também pediu ao Comitê Central que removesse seu nome do Politburo, Orgbureau e Secretariado:... postando….
Ele voltaria para Turukhansk como um militante provincial comum e não como o líder do Comitê Central que havia sido em 1913. Stalin estava solicitando um rebaixamento mais severo do que até mesmo o Testamento havia especificado. [87]

Segundo Harpal Brar: “Um ano depois [1925] eu [Stalin] novamente fiz um pedido ao plenário para me libertar, mas fui novamente obrigado a permanecer no meu posto.”[88]


Em 27 de dezembro de 1926, ele [Stalin] escreveu ao presidente do Sovnarkom, Rykov, dizendo: “Peço que você me libere do cargo de secretário-geral do Comitê Central. Afirmo que não posso mais trabalhar neste posto, que não tenho mais condições de trabalhar neste posto.” Ele fez uma tentativa semelhante de demissão em 19 de dezembro de 1927[89].


Assim, posteriormente, “quando Stalin veio falar [perante o Comitê Central em outubro de 1927], ele declarou que havia oferecido duas vezes sua renúncia como secretário-geral, mas que o Partido a rejeitara em ambas as ocasiões[90]. Sobre este assunto, pode encontrar na obra de Stálin:


No decorrer de 1927 “pedi à primeira sessão plenária do Comitê Central, logo após o XIII Congresso, que me liberasse de minhas funções como secretário-geral. O congresso discutiu a questão”[91]. Assim “Cada delegação discutiu a questão. E por unanimidade todos eles, incluindo Trotsky, Kamenev e Zinoviev, obrigaram Stalin a permanecer em seu posto. O que eu poderia fazer? Fugir do posto?” Stalin argumentava que “Isso não está no meu personagem. Nunca fugi de nenhum posto e não tenho o direito de fugir. Isso seria deserção. Não me considero um homem livre e obedeço às ordens do partido”[92]. Um ano depois, apresentei novamente minha demissão, mas novamente eu deveria permanecer. O que eu poderia fazer?[93]


No Primeiro Plenário do Comitê Central, após o 15º Congresso, Stalin se ofereceu para renunciar ao cargo de secretário-geral. Dirigindo-se à reunião conjunta, ele disse:
“Acho que até recentemente havia circunstâncias que colocaram o partido na posição de precisar de mim neste cargo como uma pessoa bastante dura em seus negócios, para constituir um certo antídoto para a oposição… . Agora a oposição não foi apenas esmagada, foi expulsa do partido. E ainda temos a recomendação de Lênin, que na minha opinião deveria ser posta em prática. Portanto, peço ao Plenário que me libere do cargo de secretário-geral. Garanto a vocês, camaradas, que com isso o partido só tem a ganhar.”
Stalin insistiu que sua proposta deveria ser submetida ao Plenário. Como ele bem sabia que seria, sua renúncia foi rejeitada por uma votação unânime, exceto por uma abstenção. Com um único golpe, Stalin enterrou o Testamento de Lenin e obteve um voto de confiança esmagador para justificar medidas que ele pudesse tomar agora[94].

Não é preciso repetir, mas é útil fazê-lo, que Deustcher é conhecido pelo seu amplo apoio as teses mais próximas de Trotsky, no entanto, o retrato dele sobre as renúncias de Stálin é bem interessante:


Lá estava o homem de aço, como ele se chamava,... cara a cara com aquele cadáver [o corpo de sua esposa]. Foi nessa época que ele se levantou um dia no Politburo para apresentar sua demissão a seus colegas. “Talvez eu tenha, de fato, me tornado um obstáculo à unidade do partido. Se sim, camaradas, estou pronto para me apagar...' Os membros do Politburo – o corpo já havia sido expurgado de sua ala direita – se entreolharam embaraçados…. Ninguém mexeu…. Por fim, Molotov disse: “Pare com isso, pare com isso. Você tem a confiança do partido...' O incidente foi encerrado[95].

Segundo Fishman e Hutton “Quando o Soviete Supremo se reuniu pela primeira vez após a guerra, Stalin decidiu ensinar uma lição a Molotov e seus seguidores. Ele apresentou sua própria renúncia e a de todo o seu Comissariado, para provar seu poder e popularidade. Ele estava certo de que voltaria ao cargo por uma maioria esmagadora de votos, e não se enganou”[96].


No decorrer de 15 de março de 1946, “por ocasião da primeira reunião do Conselho Supremo após a guerra, uma notícia sensacional foi transmitida em todo o mundo. Stalin apresentou sua renúncia e a de todo o seu ministério. Mas algumas horas depois ele foi restaurado ao cargo; e a breve excitação dos comentaristas estrangeiros diminuiu”[97].


De acordo com seu ex-intérprete, “Pavlov, eleito membro do Comitê Central no XIX Congresso, meu pai, no final de 1952, pediu duas vezes aos novos membros do Comitê que sancionassem sua aposentadoria. Cada membro, como um, disse que era impossível”[98]. Pouco antes de Sua Morte Stálin fez o mesmo procedimento:


[Em 1952] Stalin inesperadamente pediu ao Plenário que aceitasse sua renúncia como secretário-geral, citando sua idade e a deslealdade de Molotov, Mikoyan e vários outros. Quer isso fosse para ser levado a sério ou não, o Plenum recusou e implorou que ele ficasse. Tendo concordado, ele então tirou um papel do bolso e leu uma lista dos novos membros que ele propôs para o novo Presidium, que foi aceita sem comentários. A lista incluía 10 dos 11 membros do Politburo existente, mas um número ainda maior de figuras mais jovens e menos conhecidas[99].

A filha de Stálin também confirma a posição acima: Após o 19º congresso do partido em outubro de 1952, ele informou duas vezes ao Comitê Central que desejava se aposentar. Provavelmente era porque ele estava doente. De qualquer forma, o fato de que ele queria se aposentar é conhecido por todos que pertenciam ao Comitê Central naquele momento[100].


De acordo com Kaganovich, ele [Stalin] também expressou o desejo de se aposentar. Molotov era seu substituto pretendido; “Deixe Vyacheslav fazer o trabalho.” Isso causou consternação: Kaganovich não gostou da perspectiva de ceder a Molotov[101].


Deve-se averiguar também um diálogo de Stálin com Molotov.
STALIN – “Camarada Molotov – o mais dedicado à nossa causa. Ele deve dar sua vida pela causa do partido.”
MOLOTOV – Chegando à tribuna do orador, admite totalmente seus erros perante o Comitê Central, mas afirmou que é e sempre será um fiel discípulo de Stalin.
STALIN– (interrompendo Molotov). Isso não faz sentido. Eu não tenho nenhum aluno. Somos todos estudantes do grande Lenin.
VOZ DO CHÃO – Precisamos eleger o camarada Stalin como secretário-geral do Comitê Central do PCUS e presidente do Conselho de Ministros da URSS.
STALIN – Não! Peço que me livrem dos dois postos![102]

Até mesmo os representantes da Escola do totalitarismo reproduzem essa versão dos fatos[103], e é possivelmente unânime. Embora a escola do totalitarismo viaje sempre em busca de anedotas para contradizer o fato de que tudo isso representa uma tendência em Stálin que não o resuma a ditador sanguinário e sem controle.

Logo Depois da Morte de Lenin, Stalin Encomendou a Publicação de Todos os Seus Pelo Instituto


Segundo a biografia de Lênin escrita por Volkoganov, Stálin manifestou extrema preocupação na publicação urgente das obras de Lênin “Logo após a morte de Lenin, um ano depois, Stalin fez com que o Instituto Marx-Engels renomeasse o Instituto Marx-Engels-Lenin”[104]. Assim, “ele assegurou, por meio de uma decisão especial do Comitê Central, que todos os materiais, documentos e cartas, incluindo os de natureza pessoal, seriam depositados neste novo centro para a “pesquisa da herança de Lenin”[105]. Neste sentido “Um arquivo de Lenin de 4.500 documentos foi criado, como Tikhomirnov informou a Stalin no início de 1933. Logo cresceria para 26.000”[106]. Por ordem de Stalin, “todo o material de Lenin que havia pertencido a Bukharin, Zinoviev, Kamenev e outras figuras importantes foi transferido para ele, e expedições de Ganetsky, Adoratsky e Tikhomirnov vasculharam Viena, Varsóvia, Cracóvia, Zurique, Bruxelas e Paris em busca de mais informações. Leniniana”[107].




[1] Idem. Ibidem. [2] Ellis, Elisabeth Gaynor; Anthony Esler (2007). Revolution and Civil War in Russia. World History; The Modern Era. Boston: Pearson Prentice Hall. Pag. 483. [3] Сахаров В.А. Политическое завещание Ленина: реальность истории и мифы политики. Disponível em: <https://leninism.su/books/4135-politicheskoe-zaveshhanie-lenina-realnost-istorii-i-mify-politiki.html?showall=1.>. Tradução: SAKHAROV, A. Testamento político de Lenin: a realidade da história e os mitos da política. Acesso em 21 de agosto de 2021. [4] Idem. Ibidem. [5] Idem. Ibidem. [6] Idem. Ibidem. [7] Idem. Ibidem. [8] Idem. Ibidem. [9] Idem. Ibidem. [10] Idem. Ibidem. [11] Idem. Ibidem. [12] Idem. Ibidem. [13] Idem. Ibidem. [14] Idem. Ibidem. [15] Idem. Ibidem. [16] Idem. Ibidem. [17] Idem. Ibidem. [18] Idem. Ibidem. [19] Idem. Ibidem. [20] Idem. Ibidem. [21] Idem. Ibidem. [22] Idem. Ibidem. [23] Idem. Ibidem. [24] Idem. Ibidem. [25] Idem. Ibidem. [26] Idem. Ibidem. [27] Idem. Ibidem. [28] Idem. Ibidem. [29] Idem. Ibidem. [30] Idem. Ibidem. [31] Idem. Ibidem. [32] Idem. Ibidem. [33] Idem. Ibidem. [34] Idem. Ibidem. [35] Idem. Ibidem. [36] Idem. Ibidem. [37] Idem. Ibidem. [38] Idem. Ibidem. [39] Idem. Ibidem. [40] Idem. Ibidem. [41] Idem. Ibidem. [42] Idem. Ibidem. [43] Idem. Ibidem. [44] Idem. Ibidem. [45] Idem. Ibidem. [46] Idem. Ibidem. [47] Idem. Ibidem. [48] Idem. Ibidem. [49] Idem. Ibidem. [50] Idem. Ibidem. [51] Idem. Ibidem. [52] Idem. Ibidem. [53] Idem. Ibidem. [54] SIGH, V. Apud in: ULIANOVA, M. Sobre as Relações Entre Lênin e Stálin. Disponível em: <https://www.cienciasrevolucionarias.com/post/sobre-as-rela%C3%A7%C3%B5es-entre-l%C3%AAnin-e-st%C3%A1lin>. [55] Idem. Ibidem. [56] Idem. Ibidem. [57] Сахаров В.А. Политическое завещание Ленина: реальность истории и мифы политики. Disponível em: <https://leninism.su/books/4135-politicheskoe-zaveshhanie-lenina-realnost-istorii-i-mify-politiki.html?showall=1.>.Tradução: SAKHAROV, A. Testamento político de Lenin: a realidade da história e os mitos da política. Acesso em 21 de agosto de 2021. [58] Idem. Ibidem. [59] Сахаров В.А. Политическое завещание Ленина: реальность истории и мифы политики. Disponível em: <https://leninism.su/books/4135-politicheskoe-zaveshhanie-lenina-realnost-istorii-i-mify-politiki.html?showall=1.>.Tradução: SAKHAROV, A. Testamento político de Lenin: a realidade da história e os mitos da política. Acesso em 21 de agosto de 2021. [60] Volkogonov, Dmitri. Autópsia para um Império. Nova York: Free Press, c1998, p. 66 [61] Volkogonov, Dmitri. Lenin: Uma Nova Biografia. Nova York: Free Press, 1994, p. 425-426. [62] Radzinsky, Edvard. Stálin. Nova York: Doubleday, c1996, p. 202. [63] Idem. Pag. 213. [64] McNeal, Robert, Stalin: Homem e Governante. Nova York: New York University Press, 1988, p. 85. [65] Volkogonov, Dmitri. Lenin: Uma Nova Biografia. Nova York: Free Press, 1994, p. 421. [66] Idem. Ibidem. [67] Idem. Ibidem. [68] Ulam, Adam. Stálin; The Man and his Era. Nova York: Viking Press, 1973, p. 216 e 218. [69] Gray, Ian. Stálin, The Man of History. Londres: Weidenfeld e Nicolson, 1979, p. 191. [70] Duranty, Walter. Duranty Reports Rússia. Nova York: The Viking Press, 1934, p. 168 [71] Service, Robert. Stálin. Cambridge, Massachusetts: Belknap Press de Harvard Univ. Imprensa, 2005, pág. 174. [72] Ludwig, Emil, Stálin. Nova York, Nova York: filhos de GP Putnam, 1942, p. 95 [73] Davis, Jerônimo. Atrás do poder soviético. Nova York, NY: The Readers' Press, Inc., c1946, p. 25. [74] Cameron, Kenneth Neill. Stalin,The Man of Contradition. Toronto: NC Press, c1987, p. 49 [75] Idem. Ibidem. [76] Cinza, Ian. Stálin, Homem de História. Londres: Weidenfeld e Nicolson, 1979, p. 197 [77] Ludwig, Emil. Líderes da Europa. Londres: I. Nicholson and Watson Ltd., 1934, p. 365. [78] Lucas e Ukas. Trans. e Ed. Documentos Secretos. Toronto, Canadá: Northstar Compass, 1996, p. 7 [79] Duranty, Walter. História da Rússia Soviética. Filadélfia, NY: JB Lippincott Co. 1944, p. 170. [80] Cinza, Ian. Stálin, The Man of Históry. Londres: Weidenfeld e Nicolson, 1979, p. 185. [81] Volkogonov, Dmitri. Stalin: Triunfo e Tragédia. Nova York: Grove Weidenfeld, 1991, p. 106 [82] Bullock, Alan. Hitler e Stalin: Vidas Paralelas. Nova York: Knopf, 1992, p. 128 [83] Ulam, Adam. Stálin; The Man and his Era. Nova York: Viking Press, 1973, p. 239. [84] Graham, Stephen. Stálin. Port Washington, Nova York: Kennikat Press, 1970, p. 93 [85] Idem. Ibidem. [86] Levine, Isaac Don. Stálin. Nova York: Cosmopolitan Book Corporation, c1931, p. 237 [87] Service, Robert. Stálin. Cambridge, Massachusetts: Belknap Press de Harvard Univ. Imprensa, 2005, pág. 223-224. [88] Brar, Harpal. Trotskismo ou Leninismo. 1993, pág. 616. [89] Service, Robert. Stálin. Cambridge, Massachusetts: Belknap Press de Harvard Univ. Imprensa, 2005, pág. 247 [90] Chamberlin, William Henry. Rússia soviética. Boston: Little, Brown, 1930, p. 96. [91] Stálin, Josef. Stálin Kampf. Nova York: Howell, Soskin & Company, c1940, p. 244. [92] Idem. Ibidem. [93] Levine, Isaac Don. Stálin. Nova York: Cosmopolitan Book Corporation, c1931, p. 281 [94] Bullock, Alan. Hitler e Stalin: Vidas Paralelas. Nova York: Knopf, 1992, p. 205 [95] Deutscher, Isaac. Stálin: Uma biografia política. Nova York: Oxford Univ. Imprensa, 1967, p. 334 [96] Fishman e Hutton. A Vida Privada de Josef Stalin. Londres: WH Allen, 1962, p. 168. [97] Delbars, Yves. O Verdadeiro Stálin. Londres, Allen & Unwin, 1951, p. 400. [98] Alliluyeva, Svetlana. Apenas um ano. Nova York: Harper & Row, 1969, p. 393 [99] Idem. Pag. 964. [100] Alliluyeva, Svetlana. Vinte Cartas a um Amigo. Nova York: Harper & Row, 1967, p. 206. [101] Service, Robert. Stálin. Cambridge, Massachusetts: Belknap Press de Harvard Univ. Imprensa, 2005, pág. 573 [102] Discurso de Stalin no Plenário do Comitê Central, PCUS, 16 de outubro de 1952. [103] Medvedev, Roy. Let History Judge. New York: Columbia University Press, 1989, p. 59,85, 183; Volkogonov, Dmitri. Stalin: Triumph and Tragedy. New York: Grove Weidenfeld, 1991, p. 93-96; Conquest, Robert. Stalin: Breaker of Nations. New York, New York: Viking, 1991, p. 111. Bullock, Alan. Hitler and Stalin: Parallel Lives. New York: Knopf, 1992, p. 205 [104] Idem. Ibidem. [105] Idem. Ibidem. [106] Idem. Ibidem. [107] Volkogonov, Dmitri. Lenin: Uma Nova Biografia. Nova York: Free Press, 1994, p. 274

226 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo