Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Stalin e Democracia


Yuri Vasilyevich Yemelyanov Doutor em ciências históricas (1979) pela academia de ciências da URSS

Ex-membro do Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais da Academia de Ciências da URSS e do Instituto do Movimento Internacional do Trabalho da Academia de Ciências da URSS.

Traduzido do Russo por Klaus Scarmeloto Original em:https://stalinism.ru/stalin-i-gosudarstvo/stalin-i-demokratiya.html?fbclid=IwAR0jBL7rsWcEuoDFC4leyPXB3Bo1rrgpqCDC1Ha-G-DzEq76WGF3ss6aaMo

Caso os bolcheviques se afastem das massas perdendo, por isto, o contato com elas, devem estar cobertos de ferrugem burocrática, só assim perderiam todo o poder e se transformariam em nada" - advertiu Stalin.


  • Atualmente, mesmo os adversários mais implacáveis do regime soviético, não negam o veloz desenvolvimento das forças produtivas nos anos que antecedem a guerra. Os caluniadores, entretanto, para incriminar a façanha da classe trabalhadora soviética, mantém em total silêncio a verdade sobre o entusiasmo popular dos que edificaram os primeiros planos quinquenais Stalinianos, caracterizando a economia soviética como fruto da violência. No entanto, é impossível negar a existência de fábricas, ramos de produção inteiros e grandes cidades durante os planos quinquenais de Stalin que ainda existem hoje.

  • Mas os antissoviéticos nem sequer querem ouvir falar sobre isso quando são dadas provas da natureza democrática do sistema político soviético. Tendo retirado a noção de "democracia", que durante séculos significou "o poder do povo", os apologistas do capitalismo nos fazem crer que o sistema burguês, assegurador da onipotência da minoria exploradora, é o auge da democracia. Desde que a vitória do capitalismo na Rússia pôs fim ao verdadeiro poder do povo e não há traços da antiga democracia, é mais fácil para os caluniadores provar, especialmente para a geração nascida depois de 1991, que a URSS era um reino de arbitrariedade e terror.

  • O ódio singular entre os caluniadores que comandam a consciência popular da Rússia atual é a evidência do papel de Stalin na transformação política democrática. Eles afirmam histericamente que Stalin e democracia são conceitos incompatíveis. Talvez por esta razão, citando os indiscutíveis documentos de arquivo sobre as reformas políticas dos anos 30, realizados por iniciativa de Stalin, o historiador Yuri Zhukov chamou seu livro "O Outro Stalin". A ideia de Stalin como um guerreiro que luta pela democratização da sociedade soviética contradiz as ideias projetadas na consciência de massa. Afinal, de acordo com eles, o sistema soviético, criado com base nos ensinamentos comunistas — é a encarnação da tirania.

  • Ao mesmo tempo em que a luta de Stalin por reformas políticas democráticas seguiu, natural e logicamente, suas ideias marxista-leninistas — sobre o desenvolvimento da democracia como construção indispensável do socialismo —, também, estava em conformidade com as instituições políticas da sociedade soviética e com a natureza de suas relações econômicas. Em meados dos anos 30, Stalin ressaltou a questão da indispensabilidade de transformações cada vez mais democráticas na ordem constitucional do país, que reverberariam as gigantescas mudanças ocorridas na economia e na vida social da sociedade soviética.


Como a Constituição de 1936 foi criada

  • As autoridades contemporâneas e a mídia burguesa procuram se esquecer da Constituição staliniana. Quando mencionada, porém, é retratada como uma "cortina de fumaça" projetada para ocultar as repressões em massa que haviam sido preparadas com antecedência. Assim, em seu livro sobre Stalin, E. Radzinsky escreveu: "Antes do Ano Novo, Stalin organizou um feriado para o povo: ele lhe deu a Constituição, escrita pelo pobre Bukharin". Esta pequena frase dispõe de vários erros efetivos. Em primeiro Lugar, a Constituição foi legitimada não "pouco antes do Ano Novo", mas em 5 de dezembro de 1936. Em segundo lugar, a nova Constituição não foi imposta de cima. Sua adoção foi antecedida por diversos meses de debates a nível nacional sobre o projeto de constituição. Em terceiro lugar, Bukharin não foi o autor da Constituição, mas liderou apenas uma das subcomissões para sua preparação.

  • O mito de Bukharin como fundador da Constituição Soviética está insistentemente sendo reiterado hoje em toda imprensa burguesa (os aparelhos hegemônicos privados e aparelhos ideológicos de Estado). O apresentador do programa Top Secret Svyatoslav Kucher conceituou Bukharin como "Criador da Constituição". No decorrer dos programas populares "Inteligentes", seus participantes foram informados de que a Constituição de 1936 foi escrita por Bukharin.

  • Evidentemente, a Constituição não foi o resultado dos esforços de um único sujeito. O desenvolvimento de seções individuais da Lei Básica da URSS foi realizado por 12 subcomissões, e suas propostas foram sintetizadas e sugeridas por uma comissão editorial, composta por doze presidentes de subcomissões. Paralelamente, as fontes históricas indicam que os fatos se davam pela iniciativa de rever a constituição de 1924, já a criação de uma nova constituição, com participação popular, veio de I.V. Stalin. Em uma reunião do Politburo em 10 de maio de 1934, por sugestão de Stalin, foi tomada uma decisão de emendar a Constituição do país. Stalin liderou toda a comissão editorial, assim como o subcomitê de assuntos gerais.

  • Em uma conversa com o autor deste artigo, o ex-presidente do Soviete Supremo da URSS A.I. Lukyanov contou como, em 1962, cumprindo as deliberações da classe dirigente do país, ele teve a oportunidade de estudar vários materiais de arquivo relacionados ao trabalho de Stalin no esboço da Constituição por vários meses. Uma nota detalhada sobre esta edição de várias centenas de páginas foi escrita por Lukyanov e apresentada por ele ao Presidium do Comitê Central.

  • Dos materiais com os quais se familiarizou, seguiu-se que, no decorrer de seu trabalho, os membros do comitê editorial trouxeram a Stalin várias versões do chamado rascunho da constituição. Depois disso, Stalin repetidamente redigiu e dirigiu seus artigos.

  • A.I. Lukyanov enfatizou: “Iosif Vissarionovich entendeu muito bem que a essência da democracia socialista é garantir direitos humanos reais na sociedade. E quando N. Bukharin, que chefiava o subcomitê jurídico, propôs prefaciar o texto da constituição com a "Declaração dos Direitos e Deveres dos Cidadãos da URSS", Stalin não concordou com isso e insistiu que os direitos de um cidadão soviético fossem consagrados diretamente nos artigos da constituição. Além disso, eles não foram apenas proclamados, mas garantidos da maneira mais detalhada. Assim, pela primeira vez na prática mundial, a Lei Básica do país introduziu os direitos ao trabalho, descanso, educação gratuita e assistência médica, previdência social na velhice e em caso de doença ".

  • Anatoly Ivanovich Lukyanov observou ainda: “Foi incrível o quão meticulosamente Stalin trabalhou na redação de cada artigo da constituição. Ele as revisou várias vezes antes de trazer o texto final para discussão. Assim, o 126º artigo, que trata do direito dos cidadãos de se unirem, Stalin o escreveu, reescreveu e atualizou várias vezes ". No total, Stalin escreveu pessoalmente onze dos artigos mais significativos da Lei Básica da URSS.

  • Segundo Lukyanov, Stalin, tentando desenvolver as bases democráticas do sistema soviético, analisou cuidadosamente a experiência histórica do parlamentarismo mundial. Um registro de seu discurso foi preservado nos arquivos: “Não haverá congressos... O Presidium deve ser apenas um intérprete das leis. O legislador deve realizar sua sessão no parlamento. O Conselho dos Deputados dos Trabalhadores não está mais em condições de realizar congressos, seu funcionamento segue prejudicado e isso deve ser corrigido. A Assembléia Legislativa Suprema " Por acordo com I.V. Stalin V.M. Molotov, em seu relatório no VII Congresso (fevereiro de 1935), falou de um movimento gradual "em direção a uma espécie de parlamentos soviéticos nas repúblicas e em direção a um parlamento de toda a União".

  • Simultaneamente, Lukyanov enfatizou que é digno de nota que Stalin não transcreveu mecanicamente os modelos de prática parlamentar, mas os considerou junto da experiência dos soviéticos acumulada no decorrer de pelo menos duas décadas. Ele inseriu pessoalmente no texto da Constituição os 2º e 3º artigos, preconizando que a estrutura política da URSS consiste nos sovietes dos deputados dos trabalhadores, que se edificaram e se solidificaram como sintese da derrota dos latifundiários, capitalistas e da consumação da ditadura do proletariado, cujo o poder na URSS pertence ao povo trabalhador, representadas pelas sovietes, que não conhecem a divisão de poderes e têm o direito de considerar questões de importância nacional e local.

  • Outro princípio relevante foi a supremacia dos soviéticos sobre todos os órgãos estatais responsáveis, com base na representação em massa (mais de 2 milhões de deputados), e o direito dos soviéticos de decidir diretamente ou através de seus órgãos subordinados todas as questões de desenvolvimento estatal, econômico e sociocultural.

  • Em março de 1936, o trabalho sobre o texto estava avançado, extensamente concluído. Em abril, foi criado um "esboço preliminar" da Constituição da URSS que, por sua vez, foi revisado no "Projeto preliminar da Constituição da URSS", que em 15 de maio de 1936 foi adotado pela comissão constitucional. Em seguida, o projeto foi aprovado no plenário de junho (1936) do Comitê Central do PCUS (b) e em 11 de junho — pelo Presidium do Comitê Executivo Central da URSS, que ordenou sua publicação.

O projeto de Constituição da URSS foi publicado e divulgado em todos os jornais do país, transmitido no rádio, editado em brochuras separadas em cem idiomas dos povos da URSS, com uma circulação de mais de 70 milhões de cópias. O escopo da discussão nacional do projeto é evidenciado pelos seguintes dados: ele foi discutido em 450.000 reuniões e 160.000 plenários de soviéticos e seus comitês executivos, reuniões de seções e grupos substitutos; mais de 50 milhões de pessoas (55% da população adulta do país) participaram dessas reuniões e sessões; durante a discussão, foram feitas cerca de 2 milhões de emendas, adições e propostas ao projeto. A última circunstância indica que a discussão do projeto não foi meramente formal.
  • A história do desenvolvimento e adoção da constituição staliniana difere bastante de como a atual Constituição da Federação Russa de 1993 foi composta e adotada. Milhões de cidadãos do país não estavam familiarizados com o texto escrito às pressas. Há grandes dúvidas de que o projeto de Constituição de 1993 tenha realmente recebido a aprovação da maioria dos eleitores em um referendo. E se assim for, então a Constituição da Federação Russa não é um documento legal.


Por que uma nova constituição foi necessária?

  • O projeto de Constituição da URSS que foi, exaustiva e meticulosamente, discutido por vários meses de 1936, refletia as profundas mudanças que ocorreram no país soviético em menos de 20 anos após a Revolução de Outubro, especialmente, nos últimos anos do acelerado desenvolvimento econômico da URSS. Comparando o estado do país soviético em 1924, quando a primeira Constituição da URSS foi adotada, com o estado do país no final de 1936, Stalin, em seu relatório sobre o rascunho da Constituição da URSS no VIII Congresso Extraordinário da União Soviética, falou em detalhes sobre mudanças quantitativas radicais em todas as esferas da economia e uma mudança qualitativa — expulsar o comerciante privado deles. Stalin concluiu: "Assim, a vitória completa do sistema socialista em todas as esferas da economia nacional é agora um fato".

  • Stalin falou nos mesmos detalhes sobre as profundas mudanças qualitativas na classe e na estrutura social da sociedade soviética. Stalin disse: “A classe dos proprietários, como se sabe, já foi liquidada como resultado do fim vitorioso da Guerra Civil ... A classe dos capitalistas no campo da indústria se foi. A classe dos kulaks na agricultura desapareceu. Não há comerciantes e especuladores no campo da circulação de mercadorias”.

  • Segundo Stalin, mudanças radicais também ocorreram nas classes e camadas sociais sobreviventes da sociedade soviética. "Tomemos, por exemplo, a classe trabalhadora da URSS", disse Stalin. - Ele é, frequentemente, chamado proletariado da memória antiga. Mas o que é o proletariado? .. O proletariado é uma classe explorada pelos capitalistas ... É possível ... chamar a nossa classe trabalhadora da URSS de proletariado? É claro que é impossível ... O proletariado da URSS se transformou em uma classe completamente nova, na classe trabalhadora da URSS, que destruiu o sistema capitalista da economia, estabeleceu a propriedade socialista dos instrumentos e meios de produção e direcionou a sociedade soviética ao caminho do comunismo ".

  • Após a conclusão da coletivização e a implantação da mecanização agrícola, o campesinato do país também mudou. Stalin disse: "A esmagadora maioria dos camponeses soviéticos são camponeses coletivos, ou seja, eles baseiam seu trabalho e sua riqueza não no trabalho individual e na tecnologia atrasada, mas no trabalho coletivo e na tecnologia moderna".

  • O rápido crescimento da educação e da ciência foi acompanhado por mudanças qualitativas na intelectualidade do país. Stalin enfatizou: “Primeiro, a composição da intelectualidade mudou. Pessoas da nobreza e da burguesia compõem uma pequena porcentagem de nossa intelectualidade soviética. 80-90% da intelligentsia soviética são da classe trabalhadora, camponesa e outros estratos do povo trabalhador. Finalmente, a própria natureza das atividades da intelligentsia mudou.

  • Essas profundas mudanças na sociedade soviética exigiram mudanças políticas. Portanto, a nova Constituição previu pela primeira vez na história soviética a realização de eleições diretas, iguais, secretas e gerais.

  • Desde 1918, as eleições no país soviético estão abertas. Os eleitores foram reunidos nas assembleias de voto, onde, durante as reuniões, foram realizados votos de candidatos a membros de conselhos locais por demonstração de mãos. Os deputados de cada Conselho superior foram eleitos da mesma maneira nas reuniões dos soviéticos.

  • As eleições foram desiguais, pois um deputado de um círculo eleitoral rural representava cinco vezes mais eleitores do que um deputado de um círculo eleitoral urbano. A desigualdade de oportunidades de expressão foi exacerbada pelas eleições em vários estágios que existiam antes de 1936.

  • Além disso, vários milhões de pessoas foram privadas do direito de votar, alegando que, no passado, exploravam mão de obra contratada, serviam em exércitos brancos, estavam em partidos antissoviéticos, eram padres ou eram de alguma forma diferentes da maioria dos soviéticos.

  • Em seu relatório de 25 de novembro de 1936, Stalin se opôs fortemente àqueles que insistiam em continuar “privando clérigos, ex-guardas brancos e pessoas que não estão envolvidas em trabalho útil em geral, ou, de qualquer forma, limitando os direitos de voto de pessoas desta categoria, dando-lhes apenas o direito de eleger, mas não de serem eleitos. " Rejeitando essa posição, Stalin se referiu às mudanças que ocorreram com esses grupos de pessoas. Sem abandonar a tese sobre a intensificação da luta de classes ao avançar para o socialismo, Stalin ao mesmo tempo procedeu do fato de que em uma sociedade soviética renovada a influência de forças hostis na consciência do povo soviético não poderia ser significativa.

  • Ele declarou: “Em primeiro lugar, nem todos os antigos kulaks, guardas brancos ou padres são hostis ao poder soviético. Em segundo lugar, se as pessoas aqui e ali elegerem pessoas hostis, isso significa que nosso trabalho de propaganda é muito ruim e merecemos totalmente essa vergonha, mas se nosso trabalho de propaganda for do modo bolchevique, o povo não deixará pessoas hostis a seus corpos supremos. Portanto, precisamos trabalhar, não lamentar, precisamos trabalhar, e não esperar que tudo seja fornecido pronto na forma de ordens administrativas ... Se você tem medo de lobos, não deve ir para a floresta. " Assim, Stalin proclamou uma mudança na vida política das proibições para a remoção das restrições sociais e políticas.

  • Além disso, Stalin partiu do pressuposto de que os eleitores escolheriam o candidato mais digno dentre vários candidatos. Em entrevista a Roy Howard, presidente da associação de jornais americanos Scripps-Howard Newspapers, em 1º de março de 1936, Stalin disse: “Temos muitas instituições que funcionam mal. Acontece que uma ou outra autoridade local não é capaz de satisfazer uma ou outra das múltiplas e crescentes necessidades dos trabalhadores da cidade e do país. Você construiu ou não uma boa escola? Você melhorou suas condições de vida? Você é um burocrata? Você ajudou a tornar nosso trabalho mais eficiente, nossa vida mais cultural? Esses serão os critérios com os quais milhões de eleitores abordarão os candidatos, descartando os impróprios, excluindo-os das listas, nomeando os melhores e nomeando-os. Sim, a luta eleitoral será animada, ocorrerá em torno de uma multidão de questões práticas prementes de suma importância para o povo. Nosso novo sistema eleitoral reforçará todas as instituições e organizações e as fará melhorar seu trabalho. Eleições gerais, iguais, diretas e secretas na URSS serão um chicote nas mãos da população contra órgãos do governo que trabalham mal. "

  • Apesar da resistência de muitos trabalhadores partidários, Stalin conseguiu, em agosto de 1937, alguns meses antes das eleições para o Soviete Supremo da URSS, a adoção em uma reunião do Politburo de uma cédula de amostra, destinada a realizar eleições de vários candidatos. (Esta amostra é dada no livro mencionado acima por Yuri Zhukov.)

  • Foi assim que os novos começos de Stalin foram incorporados na organização política da sociedade soviética. (Embora Stalin posteriormente não tenha conseguido garantir uma eleição de múltiplos candidatos, a cédula de amostra não mudou até o final do poder soviético. Portanto, quando a eleição de múltiplos candidatos de 1989, a forma da cédula aprovada por Stalin e outros membros do Politburo em 1937 foi não precisou mudar.)


A luta de Stalin contra os oponentes da nova Constituição

  • A adoção pelo VIII Congresso Extraordinário da União Soviética da Constituição da URSS foi recebida com entusiasmo pela esmagadora maioria do povo soviético. Em 5 de dezembro, o dia da adoção da Constituição de Stalin, foi declarado feriado. Nas escolas, as crianças recitavam os versos do cazaque akyn Dzhambul em matinês: “Eu louvo a Grande Lei Soviética. A lei pela qual a alegria vem, a lei pela qual as estepes são férteis... A lei pela qual todos somos iguais, Na constelação das repúblicas fraternas do país. Cante, akyns, deixe as músicas fluírem! Cante a Constituição stalinista ... "

  • No entanto, muitos líderes dos principais quadros do partido resistiram à adoção da nova Constituição. Ignorando as mudanças na sociedade soviética, entraram em conflito com os ditames da história, opondo-os a seus próprios interesses egoístas sob o pretexto de lutar para preservar os "fundamentos de classe" da sociedade soviética. Embora em 10 de maio de 1934, em uma reunião do Politburo, o Secretário do Comitê Executivo Central da URSS A.S. Yenukidze foi instruído a preparar propostas para um novo procedimento eleitoral, ele obstinadamente objetou o desenvolvimento desta resolução. (Sobre a oposição de Yenukidze à reforma constitucional de Stalin é descrita em detalhes no livro de Yuri Zhukov "Um Outro Stalin".) No início, Yenukidze tentou arrastar a questão das mudanças constitucionais. Mal concordando em eleições diretas e iguais, Yenukidze nunca incluiu a cláusula sobre eleições secretas no projeto de proposta,

  • Mais tarde, tornou-se conhecido que Yenukidze, Comissário Popular da Administração Interna da URSS G.G. Yagoda, assim como um grupo de líderes militares, começaram a preparar uma conspiração. Seu objetivo inicial era desestabilizar a situação no país, desencadear repressões, o que tornaria impossível a implementação de reformas constitucionais democráticas. Ao mesmo tempo, estavam em andamento os preparativos para um golpe de Estado. Uma das vítimas dos conspiradores era membro do Politburo e chefe da organização do partido Leningrado, S.M. Kirov. (Veja o apêndice das pistas "SR", datadas de 31 de março de 2011, nº 3. "Shot in Smolny".)

  • Embora os planos dos conspiradores tenham sido frustrados pela remoção do poder de Yenukidze e depois de Yagoda, a resistência à Constituição da URSS e o novo procedimento eleitoral não pararam. Alguns líderes do partido tentaram usar a limpeza do partido e fazer campanha contra o "inimigo de classe disfarçado" que se desenrolou após o assassinato de S.M. Kirov, por suscitar suspeitas na sociedade e represálias contra seus concorrentes em potencial.

  • Esses sentimentos se manifestaram mesmo após a adoção da Constituição staliniana durante o plenário de fevereiro-março (1937) do Comitê Central do PCUS (b). Em seus discursos, os membros do Comitê Central S.V. Kosior, R.I. Eikhe, P.P. Postyshev, B.P. Sheboldaev, I.M. Vareikis, K. Ya. Bauman, Ya.B. Gamarnik, A.I. Egorov, G.N. Kaminsky, P.P. Lyubchenko, V.I. Mezhlauk, B.P. Posern, J.E. Rudzutak, M.L. Rukhimovich, M.M. Khataevich, V. Ya. Chubar, I.E. Yakir e outros exigiram repressão em larga escala contra os trotskistas secretos e seus cúmplices.

  • Distorcendo gritantemente fatos históricos em seu relatório em uma sessão fechada do XX Congresso do PCUS, Khrushchev assegurou que "o relatório de Stalin no plenário de fevereiro-março do Comitê Central em 1937", "Sobre as deficiências do trabalho partidário e métodos para eliminar os trotskistas e outros bipartidários" continha uma tentativa de base teórica para uma política de terror de massa sob o pretexto de que, já que estamos caminhando para o socialismo, a luta de classes deveria ser exacerbada. Khrushchev disse que esta tese não foi apresentada por Stalin em 1937, mas em 1928. Além disso, ele distorceu o significado e o conteúdo dos discursos de Stalin no plenário.

  • Iniciando seu relatório neste plenário em 3 de março de 1937 com a condenação do "descuido político", Stalin parecia apoiar o humor predominante entre os membros do Comitê Central. Ele citou fatos históricos sobre espionagem e atividades subversivas durante as Guerras Napoleônicas, que eram desconhecidos por muitos membros do partido. O Secretário Geral também denunciou os membros do partido por sua má compreensão da evolução do trotskismo nos "últimos 7-8 anos", ressaltando que o trotskismo moderno "não é um movimento político da classe trabalhadora, mas um bando inescrupuloso e ocioso de pestes, sabotadores, espiões e assassinos, um bando de inimigos jurados da classe trabalhadora, agindo por encomenda das agências de inteligência de países estrangeiros.

  • No entanto, em seu discurso de encerramento, em 5 de março, Stalin pediu contenção no uso do rótulo "Trotskista" na luta ideológica e política. Ele chamou a atenção para a necessidade de levar em conta as mudanças nas opiniões destes ou daqueles antigos trotskistas. Stalin disse: "Nos discursos de alguns camaradas, o pensamento ... vamos agora bater à direita e à esquerda de qualquer um que já andou pela mesma rua com um Trotskysta, ou em uma sala de jantar pública em algum lugar perto do jantar de um Trotskysta ... Não vai funcionar. Entre os antigos trotskistas temos pessoas maravilhosas, você sabe que, bons trabalhadores, que acidentalmente vieram aos trotskistas, depois terminaram suas relações com eles e trabalham, hoje, como verdadeiros bolcheviques e invejáveis. Um deles era o camarada Dzerzhinsky. (Alguém perguntou: "Quem?") Camarada Dzerzhinsky, você o conhecia. Então, trovejando ninhos de Trotskystas, você deveria olhar ao redor, ver ao redor, caros camaradas, e bater com parse, não implicar com pessoas, não implicar com camaradas individuais, que uma vez, repito, acidentalmente, andaram na mesma rua com trotskistas".

  • Stalin também lembrou que a discussão de 1927 mostrou a fraqueza numérica dos Trotskystas. Stalin sugeriu que então "cerca de 12 mil membros do partido" de uma forma ou de outra apoiaram o trotskismo. "Aqui está toda a força dos Trotskystas". Acrescente a isso o fato de que muitas dessas pessoas ficaram desapontadas com o trotskismo e se afastaram dele, e você terá uma ideia sobre a nulidade do trotskismo.

  • Além disso, Stalin acusou os líderes do partido que não foram nomeados por ele pelo fato de os trotskistas ainda terem reservas no partido. Recordando a expulsão do partido realizada em 1935-1936, ele disse: “O fato de que durante esse período excluímos dezenas, centenas de milhares de pessoas, que mostramos muita desumanidade e falta de coração em relação ao destino de membros individuais do partido, Nos últimos dois anos, houve uma limpeza e, em seguida, a troca de cartões de festa - 300 mil foram expulsos. Então, desde 1922, tivemos um milhão e meio de expulsos. O fato de em algumas fábricas, por exemplo, a fábrica de Kolomna ... Quantos milhares de trabalhadores existem? (Após a pergunta a Voz do plenário responde: “Trinta mil.”) Atualmente, existem 1.400 membros do partido e 2.000 ex-membros e aqueles que deixaram a fábrica e foram expulsos. Como você pode ver, esse equilíbrio de forças: 1.400 membros do partido - e 2.000 ex-membros da fábrica. Todas essas ofensas que você permitiu - tudo isso é água para o moinho de nossos inimigos ... Tudo isso cria um ambiente para os inimigos - para a Direita, para os trotskistas, para os zinovievitas e para qualquer outro grupo pernicioso. Esta política sem alma, camaradas, deve ser eliminada." (Note-se que a organização partidária da fábrica de Kolomna estava sob a liderança do MK VKP (b), liderado por NS Khrushchev, e essa "política sem alma" foi realizada com o conhecimento do futuro lutador contra o "culto à personalidade" e as repressões dos anos 30), camaradas, devemos acabar com isso”.

  • Em seus discursos no plenário, Stalin morou nos "lados sombrios do sucesso econômico", apontando "o clima de descuido e complacência ... a atmosfera de celebrações cerimoniais e saudações mútuas, matando o senso de proporção e o instinto político entorpecedor". Stalin chamou a atenção para o fato de que "sucessos" não deveriam se tornar motivo de complacência. Ele observou: “Está provado que todos os nossos planos econômicos são subestimados, porque eles não levam em conta as enormes reservas e oportunidades escondidas nas profundezas da nossa economia nacional ... planos para alguns setores muito importantes da economia nacional ”.

  • Além disso, Stalin acusou os líderes do partido não nomeados por ele do fato de que os trotskistas ainda têm reservas no partido. Recordando as purgas do partido realizadas em 1935-1936, ele disse: "O fato de termos encontrado dezenas, centenas de milhares de pessoas durante este tempo, de termos mostrado muita desumanidade, insensibilidade burocrática em relação aos destinos dos membros individuais do partido, que nos últimos dois anos, as purgas foram e depois a troca de ingressos do partido - 300 mil excluídos. Assim, desde 1922, tivemos 1,5 milhões de expulsos. O fato de que em algumas fábricas, por exemplo, se tomarmos a fábrica de Kolomna... Quantos milhares de trabalhadores existem? (Voz do lugar: "Mil e trinta".) Há 1400 membros do partido agora, e os antigos membros e aqueles que deixaram esta fábrica e foram expulsos - 2 mil em uma fábrica. Como você pode ver, esta é a proporção de forças: 1.400 membros do partido - e 2 mil ex-membros na fábrica. Estes são todos os ultrajes que você permitiu - toda a água para o moinho de nossos inimigos... Tudo isso cria um ambiente para os inimigos - e para o direito, e para os trotskitas, e para os zinovievitas, e para qualquer um. Esta política insensível, camaradas, deve ser posta um fim a". (Deve-se notar que a organização partidária da fábrica de Kolomna estava sob a liderança do MC VKP(b), liderado por N.S. Khrushchev, e esta "política sem alma" foi realizada com o conhecimento do futuro combatente contra o "culto da personalidade" e a repressão dos anos 30).

  • Em seus discursos no plenário Stalin abordou possíveis "lados sombrios do sucesso econômico", apontando para o "clima de descuido e complacência ... a atmosfera das celebrações dos desfiles e saudações mútuas, matando o senso de proporção e entorpecendo o senso político". Stalin chamou a atenção para o fato de que "sucesso" não deve se tornar um pretexto para complacência. Ele observou: "Está provado que todos os nossos planos econômicos estão subestimados, porque não levam em conta as enormes reservas e oportunidades que espreitam nas profundezas de nossa economia ... Os fatos dizem que uma série de viciados em drogas, que cumpriram e até excederam os planos econômicos anuais, sistematicamente não cumprem os planos para alguns setores muito importantes da economia".

  • Em suas considerações finais, Stalin expandiu a lista de vícios dos "camaradas do partido" aos quais destacou, além da presunção, cegueira política, descuido e complacência. Ele afirmou que os princípios de lealdade à parte e a adequação de uma pessoa ao desempenho do trabalho são frequentemente ignorados na seleção de pessoal. Em vez disso, disse Stalin, "às vezes as pessoas são selecionadas não de acordo com princípios políticos e comerciais, mas do ponto de vista de conhecimento pessoal, devoção pessoal, relações amistosas, em geral de acordo com as características de um caráter filistino, de acordo com características que não têm lugar em nossa prática".

  • Stalin exigiu: “É necessário restaurar os ativos e não-partidários sob os comissariados do povo, nas empresas — o que anteriormente era chamado de conferência de produção ... E outro meio é a restauração do centralismo democrático em nossa vida interna. Este também é um teste, camaradas. Restaurar a eleição dos órgãos partidários com base na Carta Magna. Eleições secretas, o direito de rejeitar candidatos sem exceção e o direito de criticar. Aqui está o segundo verificador da parte inferior. “Stalin enfatizou que o estabelecimento de eleições secretas no partido está no espírito da nova Constituição da URSS. Ele disse: "As eleições para os órgãos supremos de poder que estamos organizando serão um grande teste para muitos de nossos trabalhadores".

  • Stalin enfatizou: “Lenin nos ensinou não apenas a ensinar às massas, mas também a aprender com as massas. Ele pediu "ouvir com sensibilidade a voz das massas, a voz dos membros comuns do partido, a voz das chamadas pequenas pessoas, a voz das pessoas".

  • Stalin alertou: "Assim que os bolcheviques se afastarem das massas e perderem o contato com elas, eles devem se cobrir de ferrugem burocrática para perder toda a força e se tornar uma concha vazia". O fato de os "camaradas do partido" não ouvirem a "voz das massas" levou Stalin a pensamentos preocupantes. Isso foi evidenciado por seu apelo ao mito grego antigo de Anteu. Stalin lembrou que esse herói "ainda tinha seu ponto fraco — o perigo de ser arrancado do chão de qualquer maneira". Como no mito das façanhas de Hércules, este derrotou Anteu, a comparação de Stalin soou como uma profecia sinistra. Stalin terminou sua recontagem do mito da seguinte forma: “Penso que os bolcheviques nos lembram o herói da mitologia grega, Anteu. Eles, assim como Anteu, são fortes porque mantêm contato com sua mãe, com as massas que lhe deram à luz, cuidou e os criou. E, enquanto mantiverem contato com a mãe, terão todas as chances de permanecer invencíveis. Essa é a chave da invencibilidade da liderança bolchevique ".

  • Em seu relatório de 3 de março, Stalin apresentou um programa de reciclagem política geral em muitos meses de cursos para todos os líderes partidários de cima para baixo - de secretários de organizações primárias a membros do Politburo e secretários do Comitê Central.

  • Explicando "como treinar e treinar nossos quadros no espírito do leninismo", Stalin declarou que "antes de tudo, camaradas, devemos ser capazes de nos esforçar e preparar dois deputados para cada um de nós". Esses deputados tiveram que passar na aprovação das autoridades superiores. Supunha-se que a nomeação de suplentes era necessária para que eles cumprissem os deveres dos líderes atuais durante seus estudos e, então, eles também deveriam ser enviados para os mesmos cursos de treinamento. Stalin não escondeu o fato de ter visto nessas mudanças uma possível mudança nos líderes atuais. Ele declarou a necessidade de inserir nos quadros de comando “novas forças aguardando sua promoção e, assim, expandir a composição dos quadros principais ... Temos dezenas de milhares de pessoas capazes, pessoas talentosas. Você só precisa conhecê-los e apresentá-los a tempo, para que eles não fiquem no lugar antigo e não apodreçam.

  • Declarando a possibilidade de promover novas pessoas para cargos gerenciais, opondo a sabedoria das "pequenas pessoas" aos chefes arrogantes, Stalin deixou claro sobre sua extrema insatisfação com a equipe em todos os níveis de administração. De fato, Stalin declarou todas as posições de liderança no partido vago e anunciou uma ampla competição por essas posições, nomeando até três candidatos para pelo menos cada vaga. Todos os participantes dessa competição tiveram que passar por um extenso programa de estudos políticos, e os vencedores da competição tiveram que atender aos requisitos que seriam apresentados a eles pelas lideranças e pelas massas do partido.

  • Pode-se supor que os chefes de departamentos, policiais e econômicos em diferentes níveis tiveram que suportar uma concorrência semelhante. Stalin lembrou que a verificação dos líderes pelas massas estava no espírito da Constituição recém-adotada e afirmou que "o povo está checando os líderes do país durante as eleições para os órgãos de poder da União Soviética por votação universal, igual, direta e secreta".

  • É óbvio que, apesar do desejo de vários líderes partidários de desencadear repressões para interromper a realização de eleições de acordo com a nova ordem e manter seus altos cargos, Stalin apresentou um programa de ampla democratização dentro do partido, no espírito da recém-adotada Constituição, que refletia o aprofundamento da revolução socialista no país.

  • Ao mesmo tempo, Stalin acreditava que a substituição mecânica de alguns líderes por outros, ainda mais instruídos, era insuficiente. Stalin enfatizou a importância primordial do treinamento ideológico e teórico dos líderes do partido. Reconhecendo a dificuldade de assimilar os ensinamentos marxistas-leninistas, Stalin disse: "Você não pode exigir de todos os membros do partido que ele assimilou o marxismo". No entanto, ele observou ainda: "Não sei quantos membros do Comitê Central adotaram o marxismo. Quantos secretários de comitês regionais e regionais adotaram o marxismo? " (Essas palavras permaneceram apenas na versão literal não corrigida do discurso final de Stalin, mas foram excluídas do texto publicado no Pravda.) Certamente, como antes, ele estava extremamente preocupado com o conhecimento superficial dos líderes partidários do marxismo.

  • Stalin esperava que uma reciclagem geral dos quadros do partido ajudasse a equipá-los ideológica e teoricamente. Ele enfatizou: “Se pudéssemos preparar ideologicamente nossos quadros partidários de cima para baixo, temperá-los politicamente de tal maneira que pudessem se orientar livremente na situação doméstica e internacional, se pudéssemos torná-los leninistas, marxistas bastante maduros, capazes de resolver problemas sem erros sérios liderança do país, teríamos resolvido esses nove décimos de todas as nossas tarefas ".

  • Esse programa de reciclagem geral dos quadros dirigentes do país não tinha precedentes na história mundial. O programa mostrou que uma sociedade socialista poderia se desenvolver com sucesso apenas com base na melhoria contínua. Uma das manifestações disso foi o aumento constante no nível educacional de todo o povo soviético, especialmente os líderes do partido. Este programa correspondia aos princípios do ensino marxista-leninista sobre o desenvolvimento dialético e a organização científica da sociedade socialista.

340 visualizações

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com