Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Stalingrado a Cidade do Aço


João Claudio Platenik Pitillo

Doutorando em História Social – UNIRIO

Pesquisador NUCLEAS – UERJ

Especialista em Segunda Guerra Mundial

  • Stalingrado, uma cidade de cerca de 600.000 habitantes as margens do rio Volga[1] que em 1942 era símbolo da industrialização soviética e dos planos quinquenais. Tornou-se para os nazistas a porta de entrada do Cáucaso, região rica em gás, minério e petróleo, materiais essências para a máquina de guerra nazista. O domínio do Cáucaso também permitiria aos nazistas cercarem Moscou e ligarem-se à Turquia, intimando a mesma à se juntar as tropas do Eixo na luta contra a URSS.

  • A Batalha de Stalingrado desenrolou-se de 17 de julho de 1942 a 2 de fevereiro de 1943, mobilizou mais de 2.000.000 de homens e fazia parte da “Operação Azul”, nome dado pelo Comando nazista às operações na região. A referida Batalha teve início na Curva do Don[2] em direção à Stalingrado, a ponta de lança do ataque nazista era o Grupo de Exércitos Sul (que se desdobrou em Grupo de Exércitos A e B), que vinham de uma campanha vitoriosa na Ucrânia. Eles reunião os Exércitos 6o e 17o e o 1o e 4o Panzer.

  • Os soviéticos combateram as tropas fascistas em um primeiro momento na cidade de Ordjonikidz[3], barrando a sua tentativa de avançar mais à leste, com isso o comando nazista deslocou o que tinha de melhor de seus Exércitos para a cidade de Stalingrado, onde as defesas soviéticas eram insipientes. O Exército Vermelho não possuía aviões suficientes e na região de Stalingrado o domínio dos céus era dos nazistas.

  • Na primeira quinzena de agosto, o 6o Exército nazista forçou a passagem em direção ao sul de Stalingrado, sendo apoiado pelo Exército Panzer do general Hoth. Por volta de 14 de agosto, quase todo o miolo da Curva do Don estava nas mãos dos fascistas, restavam poucas cabeças de pontes soviéticas resistindo.

  • Na segunda quinzena, os combates chegaram ao clímax na região divisória entre os rios Don e Volga Os nazistas conseguiram atravessar o Volga mais ao norte formando um saliente de cerca de 8 quilômetros, com o apoio de 600 aviões. Sem pânico, os soviéticos recuaram para evitar o cerco e estabilizaram a Frente ao norte, depois de 40.000 mortes civis. [4]

  • Em setembro a situação piorou drasticamente, com o isolamento do 62o Exército Soviético[5], que recebeu um novo comandante, o coronel Vasili I. Tchuikov[6]. O mesmo encontrou as defesas soviéticas em colapso, já com os combates penetrando o perímetro urbano e com as tropas fascistas controlando todos os acessos à cidade. Dessa maneira os fascistas passaram a controlar 90% da cidade no início de novembro de 1943.

  • No dia 19 de novembro a URSS desencadeou a “Operação Urano”, que visava retomar a cidade de Stalingrado e cercar as forças fascistas pelo sul e norte a partir das estepes, para isso contava com um contingente que foi formado e transportado para Frente de batalha sem que os invasores percebessem, no mais absoluto sigilo.

  • No dia 24 as forças soviéticas que avançavam pelo norte e sul formaram uma pinça e logo envolveram as tropas nazistas. O bolsão foi formado na cidade de Kalach a 50 km de Stalingrado, mais de 300.000 fascistas foram cercados. Todo o 6o Exército Alemão[7], o maior do mundo até aquele momento e em sua companhia o também poderoso 4o Exército Panzer foram imobilizados. Os soviéticos ainda estabeleceram outras faixas de tropas para evitar que alguém fugisse do cerco ou que alguma força pudesse romper o mesmo.

  • A tentativa de romper o cerco soviético foi tentada algumas vezes, com tudo, não se mostrou eficiente, as forças soviéticas eram mais vigorosas e possuíam melhores equipamentos contra o frio. No dia 16 de dezembro de 1942 os soviéticos desencadearam a “Operação Saturno”, que visava dividir e esmagar o 6o Exército alemão que estava imóvel dentro do bolsão, com êxito os soviéticos empurraram as forças nazistas em direção ao rio Don, onde perderam a mobilidade. Com a retomada dos céus sobre Stalingrado, a Força Aérea Vermelha e a artilharia do Exército Vermelho neutralizaram boa parte do material rodante dos alemães que já estavam ficando sem combustível, impedindo assim fugas e contra-ataques.

  • A resistência nazista durou pouco, em 2 de fevereiro de 1943 o 6o Exército rendeu-se com seus 22 generais e quase 100.000 homens restantes, que estavam famintos, doentes e desolados. A empáfia nazista no Cáucaso chegou ao fim com a icônica imagem do marechal-de-campo Von Paulus humilhado diante dos soviéticos. A Batalha de Stalingrado foi uma demonstração ao mundo de que a guerra estava mudando de condutor.

  • Nos 200 dias de batalha em Stalingrado a resistência soviética correu o mundo, a referida cidade ficou conhecida mundialmente como o ponto inicial da vitória soviética, motivou outros povos e serviu de exemplo para a luta contra o fascismo. Ao total o Eixo teve cerca de 850.000 baixas e os soviéticos 1.130.000, mais a população de Stalingrado com cerca 750.000 baixas entre seus habitantes. Como na Batalha de Moscou em 1941, os grandes trunfos soviéticos foram os T-34 e as tropas asiáticas, sendo elas empregas de forma rápida e silenciosa.

  • As Operações Urano e Saturno dizimaram 5 Exércitos alemães, além de 32 divisões e 3 brigadas, derrotou tropas italianas, romenas, espanholas, húngaras e várias outras nacionalidades que ocupadas pelos nazistas, cederam contingentes contra à URSS. A Batalha de Stalingrado foi um marco para a história no que tange a resistência do povo soviético e a habilidade de seus defensores.

[1] Tem 3688 km de extensão, nasce no planalto de Valdai e deságua no Mar Cáspio.

[2] Rio que nasce perto da cidade de Tula e deságua no Mar de Azov, tem 1950 km.

[3] Situada na base das cordilheiras do Cáucaso.

[4] WERTH, Alexander. A Rússia na Guerra, volumes 1, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1966. P. 480.

[5] Depois de reforçado, foi elevado a categoria de 8o Exército de Guardas.

[6] Marechal da URSS duas vezes condecorado como herói.

[7] Ele era o dobro dos demais Exércitos alemães.

158 visualizações

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com