Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Tributo a Stalin


Por William Gallacher

Traduzido do inglês por Klaus Scarmeloto

Fonte:https://www.marxists.org/archive/gallacher/1953/04/stalin.htm


Homenagem a Stalin

  • O povo da União Soviética, as forças progressistas e o Movimento pela Paz em todo o mundo sofreram uma perda irreparável com a morte de nosso grande e amado camarada Joseph Stalin.

  • Na primeira década deste século, lemos frequentemente nas colunas da Justiça e em nossas revistas mensais das atividades dos social-democratas russos, particularmente durante a revolução de 1905 e o Congresso de Londres em 1907. Mas, embora esses interesses tenham despertado um interesse considerável eventos e pela intensa participação dos representantes russos em congressos internacionais, deve-se admitir que os nomes dos líderes dos revolucionários russos não estavam registrados em nossas mentes, nem nos meus, de qualquer forma. Não foi até 1917 que o nome de Lenin brilhou como uma estrela vermelha brilhante no firmamento da classe trabalhadora. O grande gênio da estratégia marxista havia então moldado a poderosa arma da classe trabalhadora, um partido de um novo tipo, que estava a coloca a burguesia para baixo.

  • Em 1920 estive em Moscovo a participar no Segundo Congresso da Internacional Comunista. Lá formei uma amizade calorosa com o camarada Sergieff Artyom, um líder dos mineiros que tinha estado no estrangeiro e que falava bem inglês. Ele era membro do Bureau Político do Partido Bolchevique e deste camarada ouvi pela primeira vez o nome de Stalin. Ele nunca se cansava de falar deste grande camarada. Sempre me disse que, quando tinham algum problema grave, "todos os olhos se voltaram para o camarada Estaline". Estaline, disse ele, era o homem além de todos os outros de quem Lenine e o Bureau Político dependiam. Eu não vi Stalin durante aquela visita. Ele estava na frente com o Exército Vermelho. No Tsaritsin, com o camarada Voroshilov, ele elaborou a estratégia que destruiu para sempre as esperanças dos contrarrevolucionários e dos seus apoiantes imperialistas. Ao fazê-lo, teve que descartar o plano preparado por Trotsky e pelos velhos generais, que teria levado os soldados vermelhos a um pântano de kulakismo, a uma armadilha. Trotsky foi bruscamente afastado, os velhos generais foram substituídos por camaradas mais jovens e totalmente confiáveis. A partir daí começou a lenda de que ele era 'rude' e 'impiedoso'. Um juiz dos homens e das situações, seu grande conhecimento do marxismo-leninismo e sua compreensão da luta de classes lhe permitiu tomar o rumo que salvou a revolução e roteou seus inimigos. Se ele tivesse sido um 'intelectual' pequeno-burguês, teria perdido a revolução e ganho o elogio dos inimigos dos trabalhadores. Mas para salvar a revolução — isso foi "rude", "impiedoso".

  • Em 1923, eu o conheci pela primeira vez. A doença de Lenin havia proporcionado aos inimigos do partido a oportunidade de afastar o partido do caminho do leninismo — ou assim eles pensavam. Mas eles enfrentaram a força de pedra do maior discípulo de Lenin, Joseph Stalin. Deixe quem se importa ler a história desse período. As fulminações selvagens dos destruidores no partido e na imprensa; as respostas calmas e esmagadoras de Stalin que conquistaram para ele cada vez mais a admiração e o amor do partido e do povo da União Soviética. "Vamos construir o socialismo na Rússia", disse Lênin. "Isso não pode ser feito", disseram os mencheviques, "você deve esperar até que os capitalistas desenvolvam a indústria pesada". "Isso não pode ser feito", disseram os vacilantes, "você deve esperar até que os trabalhadores dos países capitalistas avançados tomem o poder". "Isso pode e será feito", disse Stalin.

  • Em 1927, no décimo aniversário da Revolução, fiz um breve discurso ao Exército Vermelho na Praça Vermelha. Havia rumores de uma gangue de traidores usando a ocasião para interromper a manifestação e começar a brigar nas ruas. Meu discurso foi dedicado à unidade contra o inimigo externo e interno. 'Esses agentes do inimigo capitalista que buscam perturbar nossas forças, tiram-nas do seu meio', exclamei. Quando meu discurso foi traduzido, o camarada Stalin alcançou os outros e me apertou calorosamente pela mão. Pouco tempo depois, fui convidado a ir até o Mochovaya para falar contra uma das gangues que aparecera na janela de um hotel e estava gritando com a manifestação. Mas quando cheguei ao Mochovaya, não havia necessidade dos meus serviços. Os trabalhadores haviam lidado de maneira muito eficaz com a situação. Um grupo deles entrou correndo no hotel e, se não houvesse vários homens do Exército Vermelho, teria ficado mal com o egomaníaco que tentou atrapalhar a manifestação do aniversário. Quando voltei para a Praça Vermelha e relatei o que havia acontecido, vi as rugas ao redor dos olhos de Stalin e o sorriso silencioso em seus lábios enquanto ele ouvia e assentia, agradecendo a tradução. Mas nunca vou esquecê-lo como o vi naquele dia. Ele sabia, como todos sabíamos, que os inimigos do partido, os inimigos da Revolução, fariam uma tentativa desesperada de acabar com a manifestação do 10º aniversário, mas ele permaneceu ali calmo e firme, com uma fé permanente no trabalho de classe, uma fé justificada na época, como era tantas vezes depois nos anos que se seguiram. Sereno e firme sim, lá no mausoléu de Lenin em 1927, e lá novamente, no dia muito mais exigente, 14 anos depois, com as hordas nazistas martelando os portões de Moscou. Veja-o ali, forte e resoluto, destemido, inspirando seu povo a nova coragem e novo grande esforço.

  • "Vamos expulsar o inimigo de nossas terras soviéticas e de todos os países ocupados da Europa". Para os observadores externos era impossível. Mas este nosso camarada, com seu conhecimento e fé no povo, poderia enfrentar e realizar o impossível. Terminada a Grande Guerra Patriótica, a reconstrução socialista foi tomada. Que incrível progresso foi feito, que grandes empreendimentos foram realizados. Em nenhum país capitalista o mesmo jamais foi visto. Mas então o caminho que eles percorrem é o caminho de Lenin que leva à vida nova e feliz que somente o comunismo pode dar.

  • Ao longo desse caminho, eles foram confrontados com muitos problemas. A transformação da economia camponesa, de longa data, em agricultura coletiva. Impossível! Isso não pode ser feito. Mas foi feito. Depois, o Primeiro Plano Quinquenal, concebido para criar uma indústria pesada e tornar a União Soviética independente dos países imperialistas. Como a burguesia e a imprensa burguesa desdenharam esta concepção majestosa. "O esquema mais louco que já foi promulgado". "Vai-se desmoronar antes de ser iniciado". Mas não se avariou. Em quatro anos o grande Plano de Cinco Anos foi concluído e a União Soviética estava no caminho certo para se tornar o maior país industrial do mundo. De uma economia arruinada em um país camponês atrasado, eles fizeram essa incrível jornada em poucos anos, enquanto aqui na Grã-Bretanha com estadistas como Baldwin, MacDonald, Attlee e Churchill viajamos na direção oposta. De ser o país mais rico do mundo, estamos constantemente à deriva para a ruína. Um segundo Plano Quinquenal e depois um terceiro, e se não fosse a guerra e seu temível preço na vida e a terrível devastação, a nova sociedade já teria quase se completado.

  • Os problemas finais foram discutidos e, sob a orientação de Stalin, as respostas foram encontradas. Lamentamos a sua morte, mas ao mesmo tempo temos orgulho em saber que três meses antes da sua morte ele publicou The Economic Problems of Socialism in the U.S.S.R. Aqui, como qualquer pessoa pode ler, está o guia para o último estágio no caminho para a sociedade comunista completa, onde, como foi o sonho dos pioneiros: "Cada um dará conforme sua capacidade e cada um receberá conforme sua necessidade". Assim, sua vida terminou com o trabalho concluído, pois o Partido e o povo soviético ainda sob sua sábia orientação seguirão adiante, resolutos como ele estava resoluto - para a nova sociedade verdadeiramente livre de Marx e Engels, de Lenin e de Stalin.



70 visualizações

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com