Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Stalin: difamação e verdade

Atualizado: Fev 19


C. Allen


Traduzido por Klaus Scarmeloto do Inglês

Fonte: https://www.revolutionarydemocracy.org


  • Recentemente, a imprensa da universidade de Oxford publicou uma biografia volumosa de Stalin por um conhecido jornalista político da Economist. Deutscher, o autor, se preocupa com política e, portanto, chamou seu livro de "uma biografia política". É importante ver qual é o objetivo político na mira deste volume volumoso.

  • Na atual situação internacional, na luta entre a União Soviética e as Novas Democracias, por um lado, e a América, a Grã-Bretanha e o resto do mundo capitalista, por outro, tudo o que é escrito politicamente é para o imperialismo e contra a União Soviética, ou vice-versa. A Biografia de Stalin de Deutscher, tem apenas um objetivo: atacar a União Soviética, o Partido Comunista e difamar seu líder - Joseph Stalin.

  • Do seu ódio à União Soviética segue o livro: Os russos podem "corretamente ser chamados de nação de selvagens". Durante a guerra contra os fascistas "a Rússia estava repleta de elementos de fraqueza". Na época do cerco a Moscou, Deutscher afirma, sem o menor indício de evidência, que "membros do Partido destruíram seus cartões de sócio e crachás ... sintomas de anarquia apareceram em muitos lugares em toda a área entre as frentes e o Volga ". Essas declarações caluniosas são citadas para mostrar a visão de Deutscher sobre o povo soviético e a União Soviética.

  • Do começo ao fim, ele trabalha duro para menosprezar Stalin, suas realizações e seus pontos de vista. Ele raramente se incomoda em resumir as visões de Stalin, mas as descarta como "incoerentes", "cruas", "contraditórias". Esses epítetos ocorrem como um refrão monótono no livro. No entanto, Deutscher nunca prova suas acusações de contradições nos escritos e discursos de Stalin. Stalin, sendo o "descendente de servos", não pode afirmar ser um teórico, Deutscher está tentando sugerir. Pois "teoria" pertence a "intelectuais" e nenhuma pessoa ou trabalhador autodidata pode afirmar que conhece "teoria"

  • Quando o autor lida, por exemplo, com o famoso ensaio de Stalin sobre o marxismo e a questão nacional, seria de esperar dele um resumo desse artigo, mas o leitor recebe apenas uma dose de ficção. Segundo Deutscher, "Lenin provavelmente sugeriu a ele a sinopse do ensaio, seu principal argumento e conclusões... Bukharin pode ter ajudado a procurar os livros e citações de que precisava... Quase certamente o 'velho' (Lenin, CA) podou o ensaio das incongruências estilísticas e lógicas com as quais o original deve ter se irritado "(pp. 16-16). O leitor curioso pode perguntar: De onde o Sr. Deutscher conseguiu extrair esses “fatos” só seus para realizar essa afirmação fantástica? Deutscher é muito tímido para citar a fonte em uma nota de rodapé. Não é difícil, no entanto, encontrar sua "autoridade": Trotsky. O leitor deve ter em mente que em 1912, quando Stalin estava envolvido em escrever o marxismo e a questão nacional, Trotsky era o inimigo mais amargo de Lenin e dos bolcheviques.

  • Foi nesse ensaio de Stalin que Lenin, que ficou tão impressionado com ele, escreveu a Gorky: "Temos entre nós um georgiano maravilhoso que estabeleceu e escreveu para Prosvezhchenia um longo artigo no qual ele reuniu todo o material austríaco" (Lenin , Col. Works, Russian Edition, Vol. XVI, p. 328). Escrevendo dez meses depois, Lenin se referiu novamente ao artigo de Stalin e novamente o elogiou extensivamente. Em seu artigo sobre o Programa Nacional do Partido dos Trabalhadores Social-Democratas da Rússia, ele diz: "Na literatura teórica marxista, essa posição e os fundamentos dos programas nacionais dos social-democratas têm sido iluminados recentemente (em primeiro lugar, o artigo de Stalin vem à mente) "(Vol. XVII, p. 116).

  • É de grande interesse observar que, na época, Lenine estava travando uma luta amarga contra o liquidacionismo no Partido Social-Democrata, e particularmente contra Trotsky ─ um dos principais propagandistas dos liquidacionistas. Em um de seus artigos, Lenin chamou a atenção para outro dos artigos de Stalin, expondo os liquidatários. Ele escreve:

  • "A correspondência do camarada K. (Stalin, CA) merece a profunda atenção de todos que valorizam nosso partido. Uma melhor exposição da política de Golos (e da diplomacia de Golos), uma melhor refutação das opiniões e esperanças de nossos conciliadores e comprometedores é difícil de imaginar ". (Lenin, Rússia. Col. Works, Terceira edição, Vol. XV, p. 217, escrita em setembro de 1911.) Está longe de ser acidental que o mesmo artigo de Lenin contenha um brilhante ataque contra Trotsky e seu papel como liquidatário entre os mencheviques.

  • Na Revolução de 1905, de acordo com Deutscher, Trotsky foi o único "líder". "No 'ensaio geral', os principais atores, além de Trotsky ... falharam durante os atos mais importantes" (pp. 75-76).

  • Enquanto Trotsky fazia discursos teatrais em Petersburgo, os bolcheviques organizaram o levante em Moscou e no Cáucaso, os dois eventos revolucionários mais importantes da Revolução de 1905. Os mencheviques, incluindo Trotsky, condenaram o levante de Moscou e atacaram amargamente os bolcheviques na época. Deutscher escreve:

  • "O soviético (o soviético de São Petersburgo liderado pelo menchevique Trotsky, CA) pediu ao país que deixasse de pagar impostos ao czar". A isso ele chama o grande "heroísmo revolucionário" de Trotsky. Pode surpreender o Sr. Deutscher que mesmo os cadetes em seu manifesto de Viborg pediram ao povo que não pagasse impostos ao czar. Mas os verdadeiros revolucionários foram os bolcheviques que organizaram o levante militar em Moscou. Eles foram atacados por todos os lados, e não menos importante por Trotsky. Lenin chamou Trotsky de "vaidoso e vazio" (Lenin, Col. Works, Vol. VII, p. 194).

  • Agora, voltemos ao período da Revolução de Outubro, à guerra civil e ao desenvolvimento da União Soviética.

  • Deutscher brinca muito com o "erro" de Stalin no início de março de 1917 em apoiar o soviete menchevique. Ele nunca menciona o fato de que, primeiro, Stalin o admitiu e o corrigiu, e segundo, que sete anos depois, em 1924, Stalin novamente disse claramente que cometeu um erro em março de 1917, e que "o renunciou completamente, e em em meados de abril, depois de assinar a tese de Lenin "(Stalin, Col. Works, Vol. VI, p. 333).

  • O tempo todo Deutscher tenta menosprezar o papel de Stalin na Revolução de Outubro: "Nos dias da revolta, Stalin não estava entre seus principais atores" (p. 166).

  • Segundo Deutscher, Stalin não apenas não foi proeminente no levante de outubro, mas também difamava todo o Partido: "Esse foi o resultado da ineficácia do Comitê Central" (p. 167).

  • Se o Comitê Central dos Bolcheviques mostrou tal "ineficácia", quem liderou a insurreição? Deutscher conhece apenas uma pessoa: Trotsky. "Trotsky, que como presidente dos soviéticos, dominava toda a sua atividade... Trotsky - todos os fios da insurreição estavam agora em suas mãos" (p. 161). Até o papel de Lenin é ridicularizado. "À luz da verdadeira ascensão, seu primeiro esboço (de Lenin, CA) parece um ensaio um tanto ingênuo em aventuras" (p. 158).

  • Agora vamos ver alguns fatos. O próprio Trotsky ingressou nos bolcheviques em julho de 1917. O que aconteceu com o Partido até aquela data, com o Partido que liderou com sucesso a Revolução de Outubro? Durante a primeira guerra imperialista, entre julho de 1915 e dezembro de 1916, o Partido organizou 480 greves apenas em Petrogrado, com 500.000 participantes. Em 14 de fevereiro de 1917, os bolcheviques organizaram a greve de permanência na fábrica de Putilov, com 30.000 participantes. Durante janeiro e fevereiro de 1917, os bolcheviques lideraram 575.000 grevistas. Em Petrogrado, no início de 1917, havia pelo menos quinze comitês subdistritais do Partido.

  • Quem liderou todo esse trabalho e construiu os comitês e células? Pessoas como Stalin, Sverdlov, Kalinin, Molotov e outros, enquanto Trotsky era um visitante regular dos cafés de Nova York e colaborador constante dos jornais mencheviques.

  • É importante notar que Lênin tinha o seguinte a dizer sobre Trotsky em fevereiro de 1917: "Trotsky chegou, e esse canalha chegou a um entendimento com a direita de Novy Mir contra os zimmerwaldianos de esquerda! como Trotsky! Ele é sempre igual a si mesmo - reviravoltas, trapaças, se apresenta como uma esquerda, ajuda a direita, desde que seja possível. " (Lenin a Inessa Armand, Labor Monthly, setembro de 1949. My italics, CA).

  • Trotsky, que se juntou aos bolcheviques em julho de 1917, hesitou muito antes de fazê-lo. Somente após as provocações de Lenin em julho daquele ano a ele e seus colegas é que Trotsky se juntou aos bolcheviques.

  • A imagem de Deutscher de que Trotsky liderou unicamente a insurreição pode agora ser considerada ridícula. Num partido altamente organizado e centralizado como os bolcheviques, Trotsky, o que ele fez durante outubro, só pôde realizar os desejos e as ordens do Comitê Central do Partido.

  • Uma das grandes armas na organização da insurreição foi o Pravda, liderado e editado por Stalin. O jornal deu a mensagem do Partido a centenas de milhares de trabalhadores e liderou as massas. No início de 1917, havia 23.600 membros no Partido. Em agosto de 1917, havia 200.000. O Comitê Central e o Pravda desempenharam o papel principal na mobilização de trabalhadores e soldados militantes para o Partido Bolchevique. Trotsky não tinha nada a ver com isso.

  • Na véspera da insurreição, o CC dos bolcheviques elegeu o primeiro departamento político a liderar a Revolução composta por Lenin, Stalin, Zinoviev, Kamenev, Trotsky, Sokolnikov e Bubnov. Um Comitê Militar Revolucionário foi eleito em 29 de outubro para dirigir a insurreição, composto por Stalin, Sverdlov, Bubnov, Dzherzhinsky e Uritsky. Trotsky como presidente do Soviete de Petrogrado fez e falou o que o Comitê Militar Revolucionário e o Bureau Político decidiram.

  • Lembre-se de que, quando o primeiro governo soviético foi formado, Trotsky foi designado para o Comissariado das Relações Exteriores e não para nenhum dos Comissariados da Defesa. Por outro lado, encontramos Stalin, ao lado de Lenin, dirigindo as ordens ao general Dukhonin, o chefe de gabinete de Kerensky, e ordenando a demissão do general. Stalin é o único comissário da época, que além de ser comissário de um departamento especial (nacionalidades) recebeu muitos cargos responsáveis, seja na frente, na organização de um congresso do partido ou na solução de problemas na Ucrânia ou na Geórgia. A partir dessas tarefas, Lenin aprendeu com a prática mais habilidades militares.

  • Esta é a razão do excelente papel prestado por Stalin durante a Guerra Civil. Deutscher, como sempre, distorce completamente seu papel e atribui vitórias de Stalin a Trotsky. Assim, a famosa vitória de Tsaritsyn é atribuída a Trotsky! Stalin, embora não comissário de guerra, recebeu Lenin e o plenário do governo soviético para tomar decisões sem consultar Trotsky, o então comissário de guerra.

  • Quando o Comissário da Inspeção dos Trabalhadores foi formado pela primeira vez em 1919, Stalin foi nomeado seu primeiro Comissário. No décimo primeiro congresso do PCUS (B), em abril de 1922, Preobrazhensky, que mais tarde se tornou um dos principais trotskistas, criticou Lenin por nomear Stalin para vários comissariados. Lenin respondeu:

  • "Preobrazhensky queixou-se frivolamente de que Stalin está encarregado de dois comissariados..., mas o que podemos fazer para manter existente no Comissariado do Povo os Assuntos das Nacionalidades e para chegar ao fundo de todas essas questões turquestanas, caucasianas e outras controvérsias mais? Afinal, são problemas políticos! E são problemas que precisam ser solucionados: no qual ocupam e ocuparam Estados europeus há centenas de anos e que foram resolvidos nas repúblicas democráticas em menor grau. Estamos resolvendo esses problemas, e devemos ter um homem que represente as nacionalidades eleito por elas o qual possa vir e discutir assuntos detalhadamente, onde podemos encontrar um homem assim? Acho que nem Preobrazhensky poderia nomear mais ninguém além do camarada Stalin.

  • "O mesmo se aplica à Inspetoria dos Trabalhadores e Camponeses. O trabalho é tremendo. Mas, para lidar adequadamente com o trabalho de investigação propriamente, deveremos ter alguém de autoridade encarregado da tarefa; caso contrário, surgiremos nas intrigas" (Lenin, Col. Works, Vol. XXVII, pp. 263-4).

  • Além de tudo isso, Stalin participou da direção do trabalho do bureau político (Lenin, XXVII, pp. 298 e 379).

  • Deutscher faz muita brincadeira com o famoso artigo de Lenin "melhor qualidade do que quantidade"[1], escrito em fevereiro de 1923, criticando o trabalho da Inspetoria. Segundo Deutscher, o artigo "foi um ataque devastador a Stalin como o Comissário da Inspeção" (p. 251). Stalin deixou de ser Comissário da Inspeção em maio de 1922, quando foi nomeado Secretário Geral do Partido. No momento em que Lenin escreveu este artigo, Avanesov estava encarregado da Inspeção.

  • Deutscher, contando com Trotsky, dedica muito espaço ao chamado Testamento de Lenin. Ele escreve que "nunca foi publicado na Rússia". Stalin, em seu artigo "A oposição trotskista antes e agora", publicado no Pravda em 2 de novembro de 1927 e reimpresso em suas obras escolhidas, vol. X, pp. 175-177, cita todos os extratos sobre ele e Trotsky. Stalin salienta que Lenin observou "o não bolchevismo de Trotsky" e não chamou a atenção para nenhum erro político de Stalin, mas para a "grosseria" de Stalin. Stalin escreve que se orgulha de ser "rude" com todos que tentam quebrar o Partido.

  • Stalin se orgulha dos inimigos do Partido direcionem sua ira contra ele:

  • "Além disso, eu considero isto uma importante questão de honra que a oposição direcione todo o seu ódio contra mim. 'Isso tem que ser assim. Acho que seria estranho e ofensivo se a oposição, que está tentando arruinar o Partido, elogiaram quem defende os fundamentos do Partido Leninista '' (p. 173).

  • Toda a luta do Partido contra o trotskismo é distorcida. O pouco apoio que Trotsky teve entre os membros e entre os trabalhadores é ignorado. A política de Trotsky, que atraiu muitos dos elementos desclassificados da União Soviética, não é mencionada.

  • O plano quinquenal e a coletivização estão distorcidos e irreconhecíveis. O movimento dos Stakhanovitas não é mencionado, e assim por diante. Mas, em vez disso, o livro está cheio de fofocas dos corredores diplomáticos e material de livros mentirosos e espúrios.

  • Deutscher se supera quando chega às famosas provações dos espiões e destruidores trotskistas nos anos trinta e poucos. Todos os ensaios "foram, obviamente, invenções sem vergonha" (p. 377). Será de grande interesse citar a opinião do Sr. Churchill. Em suas memórias, Churchill registra uma conversa com o Presidente Benes, que é de grande importância histórica e merece ser proferida na íntegra. Ele escreve:

  • "Quando o presidente Benes me visitou em Marrakesh, em janeiro de 1944, ele me contou essa história. Em 1935, ele recebeu uma oferta de Hitler de respeitar em todas as circunstâncias a integridade da Tchecoslováquia em troca de uma garantia de que ela permaneceria neutra no caso de uma guerra franco-alemã.… No outono de 1936, uma mensagem de uma alta fonte militar na Alemanha foi transmitida ao presidente Benes, com o objetivo de que, se ele quisesse aproveitar a oferta do Führer, seria melhor que ele fosse rápido, porque logo os eventos ocorreriam na Rússia, tornando insignificante qualquer ajuda que ele pudesse dar à Alemanha.

  • [1] Nota da tradução esse texto de Lênin no inglês tem o seguinte título: Better Fewer, But Better, adaptei para melhor qualidade do que quantidade devido ao teor do texto em si, embora ao pé da letra significa “melhor menos, mas melhor”. Melhor aqui está no sentido de “superior”. Na nossa cultura melhor qualidade do que quantidade é um vocábulo muito comum e facilita o entendimento da ideia central de Lenin que era discutir a eficiência do aparelho estatal.






0 visualização

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com