Buscar
  • Klaus Scarmeloto

Sobre as relações entre Lênin e Stálin




Por Maria Ulyanova Traduzido do Inglês por Klaus Scarmeloto

Original disponível em: <https://www.revolutionarydemocracy.org/rdv8n1/lenstal.htm?fbclid=IwAR0k8_-7j1twDxjLW8Ejg2WeOCJhQIF54jNJtCZs5ieDh_Czz5XFzWcHtZM>


Nesta edição, publicamos o terceiro da série de materiais relacionados ao "Testamento de Lênin" e as relações entre Lênin e Stalin. As duas declarações de Maria Ulyanova, a irmã de Lênin, dadas abaixo, foram publicadas pela primeira vez na URSS em 1989 durante o período de 'perestroika'. Yu Murin e V. Stepanov que prepararam estes e outros documentos relacionados para publicação na revista soviética "Izvestia TsK KPSS" observaram que o pano de fundo para a redação destas duas declarações foi a plenária conjunta do Comitê Central e da Comissão Central de Controle da A-UCP(b) realizada em 1926:

A oposição (L.D. Trotsky, G.E. Zinoviev, L.B. Kamenev e outros) em sua luta contra I.V. Stalin e a maioria no CC utilizou as últimas cartas escritas por V.I. Lênin, nas quais ele havia apresentado suas opiniões de eminentes líderes partidários, e acusou o CC de esconder esses documentos do partido. G.E. Zinoviev, em seu discurso no plenário, falou sobre o conteúdo da carta de V.I. Lênin a I.V. Stalin, datada de 5 de março de 1923. Consequentemente, os seguintes documentos foram lidos no plenário: A carta de V.I. Lênin ao Congresso datada de 25 de dezembro de 1922, a carta de acompanhamento datada de 25 de dezembro de 1922 ao Congresso - "Sobre a questão das nacionalidades ou "autonomização" e a carta "Ao partido dos bolcheviques" datada de 18 (31) de outubro de 1917 sobre a atitude de L.B. Kamenev e G.E. Zinoviev em relação à questão da rebelião armada.
Após a discussão no plenário e tendo levado em consideração a leitura das cartas de V.I. Lênin, G.E. Zinoviev, L.D. Trotsky, N.I. Bukharin e I.V. Stalin, M.I. Ulyanova emitiu declarações que foram anexadas ao relatório estenográfico do plenário".
("Izvestia TsK KPSS", No. 12, 1989, abaixo da p. 200, traduzido do russo por Tahir Asghar).

Da segunda declaração feita por Maria Ulyanova, fica claro que a primeira tinha sido motivada pelo pedido de Bukharin e Stalin de proteger um pouco o último do ataque da oposição. O envolvimento de Nikolai Bukharin na preparação da declaração de Maria Ulyanova datada de 26 de julho é evidente pela seguinte nota em sua caligrafia em papel timbrado do CC do RCP(b) que é preservada nos arquivos anteriores do CPSU(b) :

Tendo em vista a calúnia sistemática sobre o camarada Stalin pela minoria da oposição no CC e as afirmações intermináveis a respeito de um encerramento virtual de todas as relações entre V.I. Lênin e I.V. Stalin, sinto-me obrigado a dizer algumas palavras sobre as relações entre Lênin e Stalin, pois estive presente ao lado de Lênin durante todo o período no final da vida de V.I.
Vlad. Ilyich Lênin valorizava muito Stálin, tanto que no momento do primeiro golpe e também durante o segundo golpe V.I. confiou a Stálin as tarefas mais íntimas, enfatizando ao mesmo tempo que é somente a Stálin que ele está pedindo.
Em geral, durante todo o período de sua doença, V.I. não pediu nenhum dos membros do CC e não quis se encontrar com nenhum deles e pediu apenas a vinda de Stalin. Assim, todas as especulações de que as relações da V.I. com Stalin não eram tão boas quanto com os outros são totalmente contrárias à verdade".
(Loc. cit., traduzido do russo por Tahir Asghar).

Na primeira declaração, Maria Ulyanova rejeitou as acusações feitas pela oposição de que havia uma ruptura entre Lênin e Stalin nos últimos meses da vida de Lênin e também afirmou a proximidade das relações políticas e pessoais entre os dois líderes bolcheviques. Zinoviev, em seu discurso de 21 de julho de 1926 no plenário conjunto do Comitê Central e da Comissão Central de Controle da A-UCP(b), referiu-se às avaliações feitas por Lênin de Stalin na segunda parte de sua "Carta ao Congresso" (24 de dezembro de 1922), à continuação da carta (4 de janeiro de 1923) e ao artigo "Sobre a questão das nacionalidades ou "Autonomização". Sobre a questão da "rudeza" de Stalin, Maria Ulyanova afirmou sua opinião de que o incidente entre Stalin e Nadezhda Krupskaya foi "completamente pessoal e não teve nada a ver com política". Tinha surgido como por decisão do Comitê Central Stalin foi encarregado de assegurar que nenhuma notícia política chegasse a Lênin durante o período de sua grave doença, de acordo com as instruções dos médicos. Nadezhda Krupskaya havia violado esta decisão que levou Stálin a criticá-la e, por sua vez, foi martelada por Lênin. Maria Ulyanova considerou que "se Lênin não estivesse tão gravemente doente, ele teria reagido ao incidente de maneira diferente".


A segunda declaração, sem data, de Maria Ulyanova é mais um reflexo dos acontecimentos dos últimos meses da vida de Lênin. Ulyanova procurou aprofundar a conexão entre a última carta de Lênin que exige um pedido de desculpas de Stalin por seu comportamento com Nadezhda Krupskaya com os últimos escritos de Lênin e a linha política de Stalin no período após a morte de Lênin. Maria Ulyanova lança uma nova luz sobre a intimidade pessoal e política entre Lênin e Stálin. Soubemos que Stálin foi um visitante mais freqüente de Lênin no período de sua doença em comparação com os outros líderes partidários. Lênin recorreu a Stalin para obter ajuda quando chegou à decisão de que, caso ficasse paralisado, desejava terminar sua vida consumindo cianeto de potássio. O relato de Maria Ulyanova sobre este assunto é de grande valor, pois responde à acusação escandalosa lançada por Trotsky de que Stálin havia providenciado a administração de veneno a Lênin. (L. Trotsky, 'Stalin', Vol. 2, Londres, 1969, p. 199). A narração é de maior valor para combater a noção assiduamente fomentada no ocidente de que Trotsky estava de alguma forma mais próximo de Lênin e, de fato, o 'herdeiro' de Lênin e do Lêninismo. A partir de seu conhecimento direto das discussões de Lênin e Stalin sobre o tema de Trotsky, Maria Ulyanova é capaz de evitar que Lênin estivesse em estreita proximidade política com Stalin, apesar da diferença entre os dois sobre a questão caucasiana. (Sobre isso, ver a nota "Bolchevismo e a Questão Nacional", "Democracia Revolucionária", Vol. 1, No. 2, setembro de 1995, pp. 66-69). O relato de Ulyanova sobre a insatisfação de Lênin com Stálin em relação ao envio de assistência monetária ao emigrante Menshevik Martov pode não convencer muitos dos políticos corretos de Lênin sobre a questão, mas sim a simpatia política pode ir para Stálin que exclamou a Lênin que ele deveria encontrar outro secretário do partido se ele desejasse enviar dinheiro a este inimigo dos trabalhadores.


As diferenças entre Lênin e Stalin manifestaram-se na última carta de Lênin a Stalin onde ele exigiu um pedido de desculpas de Stalin originou-se, como Maria Ulyanova assinalou, de uma situação em que Stalin foi obrigado pelo politbureau do partido a assegurar o cumprimento das instruções dos médicos de que Lênin não deveria ser informado dos desenvolvimentos políticos. Ulyanova indica que o "medo máximo" era de Nadezhda Krupskaya que estava acostumada a realizar discussões sobre assuntos políticos com Lênin. A tentativa de Stalin de manter as instruções médicas precipitou a disputa com Krupskaya, na qual ele ameaçou levá-la perante a Comissão Central de Controle do partido. Isto, por sua vez, provocou as contendas entre Lênin e Stalin. A carta de Lênin a Stalin, de 5 de março de 1923, não mencionava o fato de Nadezhda Krupskaya estar contornando as instruções médicas e que Stalin havia sido acusado pelo Politbureau para garantir seu cumprimento. Lênin exigiu que Stalin retirasse suas palavras a Nadezhda Krupskaya, pedisse desculpas ou enfrentasse um rompimento em suas relações.


Esta carta é conhecida por ter sido circulada no XX Congresso do CPSU por Khrushchev em 1956 e posteriormente reimpressa em todo o mundo pela imprensa revisionista soviética. Sabe-se agora que Khrushchev tinha sido membro da oposição trotskista no início dos anos 1920, de modo que, como Kaganovich assinalou em suas memórias, o "discurso secreto" representou um exemplo de reincidência política. A carta de Lênin para Stalin foi retida a pedido de Nadezhda Krupskaya e acabou sendo entregue pessoalmente por M.A. Volodcheva a Stalin em 7 de março de 1923. Stalin respondeu imediatamente à carta de Lênin, mas ela não foi lida pelo destinatário pretendido, pois a saúde de Lênin piorou. A refutação de Stalin é auto-explicativa. Ela é publicada como um apêndice das duas declarações de Maria Ulyanova pela primeira vez no idioma inglês.

Vijay Singh

No. 1

M.I. Ulyanova à presidência da

plenária conjunta do cc e do CCC do RCP(b).

26 de julho de 1926

Para o Plenário Conjunto do CC e CCC

  • A minoria oposicionista do CC no período recente realizou um ataque sistemático ao camarada Stalin sem parar, nem mesmo por um instante, de afirmar como se tivesse existido uma ruptura entre Lênin e Stalin nos últimos meses da vida da V.I. Com o objetivo de restabelecer a verdade, considero minha obrigação informar brevemente os camaradas sobre as relações de Lênin com Stalin no período da doença de V.I. Lênin (obs.: não estou aqui preocupada com o período anterior à doença de V.I. sobre o qual tenho amplas evidências das relações mais comoventes entre V.I. Lênin e Stalin das quais os membros do CC sabem menos que eu) quando eu estava continuamente presente com ele e cumpri uma série de acusações.

  • Vladimir Ilyich realmente apreciou Stalin. Por exemplo, na primavera de 1922, quando V. Ilyich teve seu primeiro ataque, e também na época de seu segundo ataque em dezembro de 1922, ele convidou Stalin e dirigiu-se a ele com as tarefas mais íntimas. O tipo de tarefas com as quais se pode dirigir a uma pessoa em quem se tem fé total, que se conhece como revolucionário dedicado, e como camarada íntimo. Além disso, Ilyich insistiu, que ele queria falar apenas com Stalin e com mais ninguém. Em geral, em todo o período de sua doença, até ter a oportunidade de se associar com seus companheiros, ele convidou o camarada Stalin para estar com ele sempre que possível. E durante o período mais grave da doença, ele não convidou nenhum membro do politbureau, exceto Stalin.

  • Houve um incidente entre Lênin e Stalin que o camarada Zinoviev menciona em seu discurso e que ocorreu não muito antes de Ilyich perder seu poder de expressão (março de 1923), mas foi completamente pessoal e não teve nada a ver com política. O camarada Zinoviev sabia muito bem disso e, para citá-lo, era absolutamente desnecessário. Este incidente ocorreu porque, a pedido dos médicos, o Comitê Central deu a Stalin a incumbência de manter uma vigilância para que nenhuma notícia política chegasse a Lênin durante este período de doença grave. Isto foi feito para não o perturbar e para que sua condição não se deteriorasse, ele (Stalin) até repreendeu sua família por transmitir este tipo de informação. Ilyich, que acidentalmente veio a saber disto e que também estava sempre preocupado com um regime de proteção tão forte, por sua vez, repreendeu Stalin. Stalin pediu desculpas e, com isso, o incidente foi resolvido. O que há para dizer — durante este período, como eu havia indicado, se Lênin não tivesse estado tão gravemente doente, então ele teria reagido ao incidente de maneira diferente. Existem documentos a respeito deste incidente e, mediante a primeira solicitação do Comitê Central, posso apresentá-los.

  • Desta forma, afirmo que toda a conversa da oposição sobre a relação de Lênin com Stalin não corresponde à realidade. Estas relações foram muito íntimas e amigáveis e assim permaneceram.

26 de julho de 1926. M. Ulyanova.

(Ts PA IML, F. 17, Op. 2, D. 246, Vyp. IV; Tipografskii tekst).

Cortesia: 'Izvestia Ts.K. KPSS', 1989, No. 12, p. 196.


No. 2.

M.I. Ulyanova Sobre a relação de Vladimir Ilyich Lênin com J. Stalin:

  • Em meu requerimento ao plenário do Comitê Central escrevi que V. Ilyich apreciava Stalin. Isto, é claro, está certo. Stalin é um grande trabalhador e um bom organizador. Mas é evidente, também, sem dúvida, que neste pedido, eu não disse toda a verdade sobre a atitude de Lênin em relação a Stalin. O objetivo do pedido, que foi escrito por Bukharin e Stalin, era referir-se à relação de Ilyich com ele. Isto o teria protegido um pouco do ataque da oposição. Esta especulação foi baseada na última carta de V. Ilyich a Stalin onde a questão de romper esta relação foi colocada. A razão imediata para isto foi pessoal — o ultraje de V. Ilyich por Stalin se permitir ser rude com Nadezhda Konstantinovna. Naquela época, pareceu-me que este assunto muito pessoal foi usado por Zinoviev, Kamenev e outros para objetivos políticos e para o propósito do facciosismo. Pesando ainda mais este fato com outras declarações de V. Ilyich, seu testamento político e também o comportamento de Stalin após a morte de Lênin, sua linha "política", comecei a explicar para mim mesmo a verdadeira relação que Lênin tinha com Stalin no final de sua vida. Mesmo que brevemente eu pense que é meu dever falar sobre isso.

  • V. Ilyich tinha muito controle. Ele era muito bom em disfarçar emoções quando preciso. Por qualquer razão, sempre que achasse necessário, ele não revelaria suas relações a outras pessoas. Lembro como ele se escondeu em seu quarto e fechou a porta quando um trabalhador do Comitê Executivo Central da Rússia, que ele não podia tolerar, veio ao nosso apartamento. Ele estava definitivamente com medo de encontrar esse homem, temendo que ele não seria capaz de se controlar e que sua atitude real se tornaria rudemente aparente, o que ele não se dava ao luxo de ser.

  • Ele se controlava ainda mais em suas relações com os camaradas com os quais ele trabalhava. Para ele, o trabalho era a primeira prioridade. Ele subjugou o pessoal no interesse do trabalho. Nunca o pessoal se projetou ou prevaleceu.

  • Um exemplo distinto deste tipo de relação foi o incidente com Trotsky. Em uma reunião de Politbureau, Trotsky chamou Ilyich de "um hooligan". V. Ilyich ficou tão pálido quanto giz, mas ele se controlava. “Parece que algumas pessoas estão perdendo seus nervos". Ele disse algo como isto em resposta à rudeza de Trotsky. Foi o que os camaradas me disseram enquanto recontavam o incidente. Ele nunca teve qualquer simpatia por Trotsky. Esta pessoa tinha tantas características que tornava extremamente difícil trabalhar com ele de uma forma coletiva. Mas ele era um grande trabalhador e uma pessoa talentosa e, eu repito, para V. Ilyich o trabalho era a primeira prioridade e é, por isso, que ele tentou retê-lo, para o trabalho, e tentou trabalhar com ele em conjunto no futuro. O que isto lhe custou — é uma questão diferente. Foi extremamente difícil manter um equilíbrio entre Trotsky e os outros membros do politbureau, especialmente entre Trotsky e Stalin. Ambos eram pessoas extremamente ambiciosas e intolerantes. Para eles, os aspectos pessoais preponderavam sobre os interesses do trabalho. A partir dos telegramas de Trotsky e Stalin enviados a Lênin pela frente, torna-se claro qual era o tipo de relação que eles tinham nos primeiros anos do domínio soviético.

  • A autoridade de Vladimir Ilyich os controlava. As coisas não atingiam aquele nível de desagradabilidade que alcançariam após a morte de V. Ilyich. Penso que por uma série de razões a atitude de V. Ilyich em relação a Zinoviev não foi boa. Mas aqui ele também se controlava pelo interesse da obra.

  • No verão de 1922, durante a primeira doença de V. Ilyich, quando eu estava constantemente com ele quase sem ausências, pude observar de perto sua relação com os camaradas com os quais ele trabalhava de perto e com os membros do politbureau.

  • Nesta época, ouvi algo sobre a insatisfação de V. Ilyich com Stalin. Me disseram que quando V. Ilyich soube da doença de Martov, ele pediu a Stalin que lhe enviasse algum dinheiro. Em resposta, Stalin lhe disse: "Eu deveria gastar dinheiro com o inimigo dos trabalhadores! Encontre outra secretária para isso". V. Ilyich ficou muito desapontado e zangado com Stalin.

  • Haviam outras razões também para V. Ilyich estar insatisfeito. Parece que havia. Shkolovski narra sobre uma carta de V. Ilyich para ele, em Berlim, quando ele estava lá. A partir disto, fica claro que alguém estava minando V. Ilyich. Quem e como — permaneceu um segredo.

  • No inverno de 20-21, 21-22 V. Ilyich estava se sentindo doente. Ele tinha dores de cabeça e era incapaz de trabalhar - Lênin estava profundamente perturbado. Não sei exatamente quando, mas de alguma forma durante este período V. Ilyich disse a Stalin que provavelmente ele seria atingido pela paralisia e fez Stalin prometer que neste caso ele ajudaria V. Ilyich a obter cianeto de potássio. Stalin prometeu. Por que ele apelou para Stalin com este pedido? Porque ele o conhecia como um homem extremamente forte, desprovido de qualquer sentimentalismo. V. Ilyich não tinha mais ninguém além de Stalin para se aproximar com este tipo de pedido.

  • Em maio de 1922, após seu primeiro ataque, ele apelou para Stalin com o mesmo pedido. V. Ilyich tinha então decidido que tudo estava terminado para ele e exigiu que Stálin fosse levado até ele imediatamente. Este pedido era tão insistente que ninguém o podia contradizer. Stalin estava com V. Ilyich dentro de 5 minutos e não mais. Quando Stalin saiu, ele disse a Bukharin e a mim que V. Ilyich havia pedido a ele para obter veneno. Tinha chegado a hora de cumprir sua promessa anterior. Stálin prometeu. V. Ilyich e Stalin se beijaram e Stalin deixou a sala.

  • Mas mais tarde, depois de discutirmos o assunto juntos, decidimos que os espíritos de V. Ilyich deveriam ser levantados. Stalin voltou a Lênin e lhe disse que depois de conversar com os médicos ele estava convencido de que tudo ainda não estava perdido e, portanto, o tempo para cumprir sua promessa não havia chegado. V. Ilyich se animou visivelmente e concordou. Ele disse a Stalin, "você está sendo astuto? Em resposta, Stalin disse: "Quando você soube que eu estava sendo astuto?” Eles se separaram e não se viram até que a condição de V. Ilyich melhorou. Não lhe foi permitido encontrar seus camaradas.

  • Durante este período Stalin foi um visitante mais frequente em comparação com outros. Ele foi o primeiro a vir a V. Ilyich. Ilyich o encontrou amigavelmente, brincou, riu e exigiu que eu tratasse Stalin com vinho e assim por diante. Nesta, e em outras reuniões, eles discutiram Trotsky e de sua conversa na minha frente ficou claro que aqui Ilyich estava com Stalin contra Trotsky. Uma vez que a questão de convidar Trotsky para Ilyich foi discutida. Isto tinha um caráter diplomático. A oferta a Trotsky de se tornar deputado de Ilyich em Sovnarkom (Conselho dos Comissários do Povo - ed. R.D.) foi feita com o mesmo motivo. Neste período Kamenev e Bukharin vieram ao encontro de V. Ilyich, mas Zinoviev não veio nem mesmo uma vez. E até onde eu sabia, V. Ilyich nunca expressou qualquer vontade de encontra-lo.

  • Depois de voltar ao trabalho, no outono de 1922, V. Ilyich encontrou freqüentemente Kamenev, Zinoviev e Stalin à noite em seu escritório particular. De vez em quando, tentei separá-los, lembrando-lhes que os médicos o haviam proibido de sentar-se por muito tempo no trabalho. Eles brincaram e explicaram que suas reuniões eram simples discussões e não conversa oficial.

  • V. Ilyich ficou muito aborrecido com Stalin em relação à questão nacional, do Cáucaso. Isto é conhecido por sua correspondência com Trotsky a respeito deste assunto. É claro que V. Ilyich ficou completamente indignado com Stalin, Ordjonikidze e Dzerzhinsky. Durante o período de sua nova doença, esta pergunta o torturaria fortemente.

  • A isto também foi acrescentado o outro conflito, que foi provocado pela carta de V. Ilyich a Stalin em 5.3.23 e que vou citar abaixo. Foi assim. Os médicos insistiram que V. Ilyich não deveria ser informado de nada sobre o trabalho. O medo máximo era de Nadezhda Konstantinovna discutindo qualquer questão política com V. Ilyich. Ela estava tão acostumada a discutir tudo com ele que, às vezes, de forma completamente involuntária e sem querer, ela poderia desabafar. O politbureau deu a Stalin o encargo de manter a vigilância para que as instruções dos médicos fossem mantidas. Parece que, um dia, ao tomar conhecimento de certas conversas entre N.K. e V.I., Stalin a chamou ao telefone e falou com ela bastante afiado pensando que isto não chegaria a V. Ilyich. Ele a advertiu que ela não deveria discutir o trabalho com o V.I. ou isto poderia arrastá-la até a Comissão Central de Controle do partido. Esta discussão perturbou profundamente N.K. ela perdeu completamente o controle de si mesma - ela soluçou e rolou no chão. Após alguns dias, ela contou ao V.I. sobre este incidente e acrescentou que eles já haviam se reconciliado. Antes disso, parece que Stalin a havia chamado para suavizar a reação negativa que a ameaça e o aviso dele haviam criado sobre ela. Ela disse a Kamenev e Zinoviev que Stalin tinha gritado com ela ao telefone e parece que ela mencionou o assunto do Cáucaso.

  • Na manhã seguinte, Stalin me convidou para ir ao escritório de V. Ilyich. Ele parecia chateado e ofendido. Ele me disse: "Eu não dormi a noite toda". Quem Ilyich pensa que eu sou, como ele me considera, como um traidor, eu o amo com todo o meu coração. Por favor, de alguma forma, diga-lhe isto". Senti pena de Stalin. Parecia-me que ele estava sinceramente angustiado. Ilyich me chamou por algo e, no meio, eu lhe disse que os camaradas o estavam enviando com respeito a 'Ah' - objetou V.I. 'E Stalin me pediu que lhe dissesse, que ele o ama'. Ilyich franziu o sobrolho e ficou calado. Então o quê' - perguntei 'devo transmitir-lhe suas saudações?' 'Transmita-lhes' respondeu Ilyich com bastante frieza. Mas eu continuei 'Volodia, ele ainda é o inteligente Stalin'. Ele não é absolutamente inteligente' - respondeu Ilyich com firmeza.

  • Eu não continuei a discussão e depois de alguns dias. V.I. veio a saber que Stalin tinha sido rude com N.K. e Kamenev e Zinoviev sabiam disso. Pela manhã, Lênin, muito aflito, pediu que o estenógrafo fosse enviado a ele. Antes disso, ele perguntou se N.K. já havia partido para Narkompros (People's Commissariat of Enlightenment - ed. R.D.), ao qual ele recebeu uma resposta positiva. Quando Volodicheva veio V.I. ditou a seguinte carta a Stalin:

  • "Absolutamente secreto. Pessoal. Respeitado camarada Stalin! Você foi rude o suficiente para chamar minha esposa ao telefone e insultá-la. Embora ela tenha expressado a você sua disposição de esquecer o incidente, mas mesmo assim este fato veio a ser conhecido através dela por Zinoviev e Kamenev. Não estou pronto para esquecer tão facilmente o que foi feito contra mim e o que foi feito contra minha esposa que considero como tendo sido feito contra mim. Portanto, peço-lhe que me informe se você está pronto para retirar o que disse e pedir desculpas ou se prefere romper nosso relacionamento. Com todo respeito, Lênin. Escrito por M.V. 5/III-23".

  • V.I. pediu a Volodicheva que a enviasse para Stalin sem dizer a N.K. e que colocasse uma cópia da carta em um envelope selado e a entregasse para mim.

  • Depois de voltar para casa e ver V.I. angustiado N.K. entendeu que algo tinha acontecido. Ela solicitou a Volidicheva que não enviasse a carta. Ela falava pessoalmente com Stalin e pedia-lhe que pedisse desculpas. É isso que N.K. está dizendo agora, mas sinto que ela não viu esta carta e a enviou a Stalin como V.I. queria. A resposta de Stalin não foi entregue imediatamente e então foi decidido provavelmente pelos médicos e N.K. não dá-la ao V.I., pois sua condição havia piorado. E assim V.I. não veio a saber da resposta de Stalin na qual ele pediu desculpas.

  • Mas seja qual for a irritação de Lênin com Stalin, há uma coisa que posso dizer com total convicção: suas palavras acima de que Stalin "não era absolutamente inteligente" foram ditas sem qualquer irritação. Esta era sua opinião sobre ele — decidida e complexa e que ele me disse. Esta opinião não refutou o fato de que V.I. valorizava Stalin como um trabalhador. Ele considerava absolutamente essencial que houvesse algum controle sobre seus caminhos e peculiaridades, sobre a força da qual V.I. considerava que Stalin deveria ser afastado do cargo de secretário geral. Ele falou disso de forma muito decisiva em sua vontade política, em sua descrição de um grupo de camaradas que ele deu antes de sua morte. Mas estes documentos nunca chegaram ao partido. Mas sobre isso abordaremos em outro momento.

(Ts PA IML, F. 14, Op. 1, D. 398, l. 1-8; avtograf).

Cortesia: 'Izvestia Ts.K. KPSS', 1989, No. 12, pp. 196-199.

Comentários

Em 18 de dezembro de 1922 - duas reuniões do Comitê Central do R.C.P. (b) aconteceram e que Lênin não pôde comparecer por motivo de doença.



Anexo

Carta de Joseph Stalin a Vladimir Ilyich Lênin

7 de março de 1923.

Para Com. Lênin de Stalin

Pessoal

  • Camarada Lênin!

  • Há cinco semanas tive uma discussão com Nadezhda Konstantinovna, que considero não apenas sua esposa, mas também minha camarada sênior do partido. Eu lhe disse ao telefone algo muito próximo do seguinte:

  • "Os médicos proibiram qualquer informação política a ser dada a Ilyich. Eles consideram esta rotina o método mais eficaz para curá-lo, enquanto que você Nadezhda Konstantinovna está violando esta rotina". Não é permitido brincar com a vida de Ilyich".

  • Não creio que estas palavras possam ser vistas como algo rude ou inadmissível dirigido 'contra' você, nem eu procedi de qualquer outro propósito que não fosse sua rápida recuperação. Além disso, acho que é meu dever ver que esta rotina seja mantida. Minha explicação a Nadezhda Konstantinovna confirma que não houve nada, exceto um simples mal-entendido.

  • Se você acha que para manter o "relacionamento" eu devo "retirar" as palavras acima mencionadas, então eu posso retirá-las, mas não entendo onde está minha "culpa" e o que exatamente se quer de mim.

I. Stalin.

(Ts P A IML, F. 2, Op. 1, D. 26004, l. 3; avtograf.)

Cortesia: 'Izvestia TsK KPSS', 1989, No. 12, p. 193.


[A carta de Lênin e a resposta de Stalin foram guardadas em um envelope oficial no departamento de assuntos administrativos de Sovnarkom no qual foi escrita - 'Carta de Lênin datada de 5/III-23 (2 cópias) e resposta de Stalin - não lida por Lênin. Cópia única". A resposta de Stalin foi escrita em 7 de março imediatamente após receber a carta de Lênin de M.A. Volodicheva - editor].

38 visualizações

119-4175-0366 ou

cienciasrevolucionárias@gmail.com